Globo diz que Arthur Lira comanda “mensalão” de R$ 11 bilhões na Câmara, que segura o impeachment de Bolsonaro

Delubio Soares candidato pelo PT

O ex-tesoureiro do PT, Delubio Soares, disse que vai disputar um cargo eletivo assim que recuperar seus direitos políticos. O petista foi entrevistado neste domingo (6) pela TV Esmael.

Após revisar seus processos no Mensalão e na Lava Jato, Delubio afirmou que sonha concorrer a um cargo ao parlamento. No entanto, o ex-tesoureiro colocou-se à disposição do PT para projetos mais ousados.

O ex-presidente Lula é a figura mais popular entre os petistas, mas, depois dele, Delubio Soares é tido como o mais emblemático dos militantes.

Em mais de 15 anos de perseguição política e de tortura psicológica, Delubio foi compelido pela velha mídia, CPIs e parte do judiciário a delatar contra o PT e Lula. Não titubeou. Por isso é querido pela base e respeitado pela cúpula partidária.

Na entrevista exclusiva ao Blog do Esmael, Delubio Soares ressalvou que é mais crível disputar as eleições em 2030, em virtude de processos e da lei da ficha limpa, porém, condicionou a antecipação de desse desejo eleitoral a anulações de condenações.

Uma das possibilidades seria o ex-tesoureiro do PT apoiar-se na tese do advogado Luiz Fernando Pereira, do Paraná, segundo qual a inelegibilidade só se aplica após o trânsito em julgado da ação penal.

Com a confirmação da constitucionalidade do art. 283 do CPP, no julgamento das ADCs 43, 44 e 54, pelo STF, as esperanças de Delubio Soares e do ex-presidente Lula podem ser antecipadas já para 2022.

LEIA TAMBÉM

Requião anuncia luto oficial no feriado de 7 de Setembro

O ex-senador Roberto Requião (MDB-PR), de preto, anunciou neste domingo (6) que entrou em luto oficial durante o feriadão da Independência.

Requião disse que neste 7 de Setembro baixará a bandeira a meio mastro em luto pela falência da soberania nacional.

“Dia 7 de setembro estarei de luto pela falência da soberania do nosso Brasil”, anunciou solenemente o emedebista.

Porém, Requião disse que na terça-feira (8) voltará à ativa contra os neoliberais e entreguistas.

“Dia oito, reinicio a luta e a resistência, pela retomada da soberania e dos direitos dos trabalhadores”, prometeu.

Eleições 2020 em Curitiba

Reflexivo sobre as eleições 2020, Roberto Requião aproveitou para falar sobre a disputa pela Prefeitura de Curitiba.

“Como todos sabiam ou previam, o companheiro [Ney] Leprevost foi readquirido pelo rato [governador Ratinho Junior]”, escreveu o ex-senador.

“Como se fará agora a aquisição do Francisquini: compra, doação, adesão simples,ou composta? Opinem! Quero saber!”, provocou Requião, referindo-se ao deputado Fernando Francischini (PSC), pré-candidato à Prefeitura de Curitiba.

A debandada de pré-candidatos de oposição na capital paranaense tem a ver com o bom desempenho o prefeito Rafael Greca (DEM) nas sondagens eleitorais. Segundo a Paraná Pesquisas, o Greca seria reeleito já no primeiro turno se a eleição fosse hoje.

O ex-senador Roberto Requião jurou que não será candidato à Prefeitura de Curitiba. Portanto, sem adversário, o atual prefeito já encomendou o terno para a posse de reeleição, no dia 1º de janeiro de 2021.

Vídeo: entrevista com Delúbio Soares, ex-tesoureiro do PT, herói da base petista

O professor de matemática Delúbio Soares entende de números e por isso foi tesoureiro do PT. Ele esteve no centro de duas ações penais que marcaram o populismo penal no País: Mensalão e Lava Jato.

A princípio, os dois tribunais de exceção –Mensalão e Lava Jato– agiram contra a lei e violou a Constituição Federal.

De acordo com o art. 5º inciso XXXVII da Constituição Federal de 1988, não haverá juízo ou tribunal de exceção.

Como disse na última quinta-feira (3) o criminalista Kakay, aqui no Blog do Esmael, defender hoje a Constituição é um ato revolucionário.

Pois bem, em mais de 15 anos de perseguição política e de tortura psicológica, Delúbio foi compelido pela velha mídia, por CPIs e parte do judiciário a delatar contra o PT e Lula. Ele aguentou firme. Agiu diferente do ex-ministro Antonio Palocci, por exemplo, por isso é considerado um herói pela base petista e querido pela direção do partido.

Genoino e Delúbio são inocentados pela Justiça no caso “mensalão” após 15 anos

O que muda com Carmén Lúcia na presidência do STF? Absolutamente nada

globo_stfO Supremo Tribunal Federal continuará golpista com a ministra Carmén Lúcia. Portanto, nada mudará.

Mensalão tucano rende 20 anos de prisão a Eduardo Azeredo

da Agência Brasil

Charge de Aroeira.
Charge de Aroeira.

A Justiça condenou o ex-senador Eduardo Azeredo (PSDB) a 20 anos e 10 meses de prisão pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro. A sentença foi dada em primeira instância, hoje (16), pela juíza da 9ª Vara Criminal de Belo Horizonte, Melissa Pinheiro Costa Lage.

Azeredo foi condenado por crimes cometidos durante a campanha eleitoral pela sua reeleição ao governo de Minas Gerais, em 1998. Eduardo Azeredo foi condenado por sete crimes de peculato, ou seja, desvio de bens praticados contra a administração pública por servidor público, e seis crimes de lavagem de dinheiro. Foi também foi condenado ao pagamento de 1.904 dias-multa, cujo valor foi fixado em um salário mínimo vigente em 1998.

Corrupção na Copel pagou mensalão de R$ 20 milhões para deputados no Paraná, diz doleiro do PSDB

alep_youssefMais de 20 deputados estaduais receberam R$ 20 milhões em mensalão pagos com dinheiro desviado do caso Copel/Olvepar, no final de 2002, no apagar das luzes do governo Jaime Lerner. A Assembleia Legislativa do Paraná tem 54 cadeiras.

A denúncia acima é do doleiro do PSDB, Alberto Youssef, delator na investigação do escândalo envolvendo o governo do Paraná. Ele prestou depoimento ontem ao Ministério Público Federal (MPF).

Segundo o relato do doleiro tucano, o dinheiro era repassado ao então deputado Durval Amaral, atual conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), que fazia o repasse do mensalão à bancada governista.

Sob protestos, Beto Richa institui “dízimo” para funcionários comissionados no Paraná

Coluna do Jorge Bernardi: “Ligações perigosas” – Governo Aécio, construtoras da Lava Jato e o Paraná

aecio
Em sua coluna semanal, Jorge Bernardi (PDT) aponta as possíveis ligações entre esquemas de corrupção que teriam sido criados em Minas Gerais pelo PSDB de Aécio Neves com os desvios desbaratados pela operação Lava Jato e com as suspeitas de corrupção no governo do Paraná investigadas pelo Gaeco. Leia, ouça, comente e compartilhe.

Jorge Bernardi*

Download

Tudo começou em Minas e é para Minas que tudo vai voltar. Foi assim com o mensalão, inventado pelo governador tucano Eduardo Azeredo (PSDB), operado pelo publicitário Marco Valério. O “Mensalão Mineiro” ainda não deu em nada. Os acusados estão livres, leves e soltos. Já pelo Mensalão do PT, Valério cumpre 37 anos, 5 meses e 6 dias de prisão.

Em 2007, segundo governo de Aécio Neves (PSDB), teve início a construção Centro Administrativo de Minas, projeto de Oscar Niemayer. A época, Aécio andava próximo de Lula e chegou a ser acusado de ter feito corpo mole na campanha presidencial de Geraldo Alckmin (PSDB) de 2006.

O empreendimento foi apontado pelo governador tucano como “a maior obra de engenharia civil em execução na América Latina”. O custo previsto de R$ 900 milhões de reais no final dobrou chegando a R$ 1,7 bilhão (R$ 2,4 bilhões atualizados em 2015 pelo IGP-M).

Denominado de “Cidade Administrativa de Minas”, a obra foi dividida em três lotes, e executada por três consórcios.

LOTE 1 (Consórcio)

LOTE 2 (Consórcio)

LOTE 3 (Consórcio)

Camargo Correa

Odebrecht

Andrade Gutierrez

Santa Barbara

OAS

Via Engenharia

Mendes Júnior

Queiroz Galvão

Barbosa Mello

Das nove empreiteiras que compunham os consórcios seis (em negrito) estão sendo processadas no Lava Jato. O Ministério Público de Minas chegou a investigar a formação de cartel e fraude a licitação, sem resultado algum.

Coluna do Jorge Bernardi: Governo Richa é exemplo da corrupção tucana

Jorge Bernardi, em sua coluna deste sábado, faz um paralelo histórico dos escândalos e malfeitos nos governos petistas e tucanos e chega à seguinte conclusão: “PT e PSDB são a cara e a cora da corrupção brasileira”; colunista afirma ainda que a gestão de Beto Richa, no Paraná, é exemplo de corrupção tucana no país; Bernardi ainda recorda dos mensalões operados pelo publicitário Marcos Valério, que beneficiaram os dois partidos, e recorda que a corrupção “correu solta” nas privatizações da era Fernando Henrique Cardoso; leia e compartilhe.
Jorge Bernardi, em sua coluna deste sábado, faz um paralelo histórico dos escândalos e malfeitos nos governos petistas e tucanos e chega à seguinte conclusão: “PT e PSDB são a cara e a cora da corrupção brasileira”; colunista afirma ainda que a gestão de Beto Richa, no Paraná, é exemplo de corrupção tucana no país; Bernardi ainda recorda dos mensalões operados pelo publicitário Marcos Valério, que beneficiaram os dois partidos, e recorda que a corrupção “correu solta” nas privatizações da era Fernando Henrique Cardoso; leia e compartilhe.
Jorge Bernardi*

“Ou restaure-se a moralidade, ou nos locupletemos todos”. A frase Stanislaw Ponte Preta, pseudônimo do jornalista e humorista Sérgio Porto, nunca refletiu tanto a realidade brasileira como nos dias atuais. A corrupção é a mãe de todos os males da nação, vai da administração pública ao futebol. Só nos primeiros cinco meses deste ano cerca de 250 mil trabalhadores perderam seus empregos.

A corrupção não é privilégio dos governos do PT, mas de vários partidos. Ela comeu solta no governo de FHC (leia o Príncipe da Privataria, de Palmério Doria). Mas nos governos do PT, pela primeira vez, empresários e políticos foram e estão na cadeia. Em termos de corrupção, os governos do PT e do PSDB são as duas faces da mesma moeda: a cara e a coroa.

O mensalão foi uma invenção tucana em Minas Gerais, aperfeiçoado pelo PT de José Dirceu. Marcos Valério, operador dos dois mensalões, foi condenado a 37 anos de prisão pelo mensalão petista. No mensalão do PSDB mineiro, ainda não foi julgado. O processo tramita há mais de 10 anos sem previsão de julgamento.

Declaração de Gilmar Mendes sobre “corte bolivariana” no STF abre nova crise com o PT

gilmar_pt.jpgO líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), exige que o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), se retrate da declaração ao jornal Folha de S. Paulo, edição desta segunda-feira (3), na qual afirma que o colegiado pode ser convertido em uma “corte bolivariana” diante da possibilidade de governos petistas nomearem até 10 dos 11 membros a partir de 2016.

“Não tenho bola de cristal, é importante que [o STF] não se converta numa corte bolivariana. Isto tem de ser avisado e denunciado”, Mendes, que por óbvio defende a “PEC da Bengala” que adia de 70 para 75 anos a aposentadoria dos ministros (clique aqui).

“Com todo respeito ao ministro, considero essa declaração profundamente infeliz, porque coloca os próprios magistrados na condição de serem correias de transmissão do governo. A verdade é que o STF tem se colocado de forma independente em várias situações, inclusive em questões relativas ao próprio PT”, afirmou o parlamentar, em entrevista ao portal Brasil 247, parceiro do Blog do Esmael.

A PEC da Bengala, defendida pela velha mídia como panacéia contra o PT, é apenas mais um capítulo da politização exacerbada do STF inciada com o julgamento da AP 470 (mensalão).

Itália nega extradição a Pizzolato, que será solto nas próximas horas

do Brasil 247

Deputada ítalo-brasileira Renata Bueno, filha do líder do PPS Rubens Bueno, em novembro de 2013, chegou a anunciar uma caçada! na Itália ao ex-diretor de marketing do Banco do Brasil, Henrique Pizzolato, então incluído na lista de fugitivos da Interpol. Ele está preso no País da Bota desde fevereiro deste ano. O petista deverá ser solto nas próximas horas, pois pesou a seu favor as condições degradantes das prisões em solo verde-amarelo.
Deputada ítalo-brasileira Renata Bueno, filha do líder do PPS Rubens Bueno, em novembro de 2013, chegou a anunciar uma caçada! na Itália ao ex-diretor de marketing do Banco do Brasil, Henrique Pizzolato, então incluído na lista de fugitivos da Interpol. Ele está preso no País da Bota desde fevereiro deste ano. O petista deverá ser solto nas próximas horas, pois pesou a seu favor as condições degradantes das prisões em solo verde-amarelo.
O ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, condenado na Ação Penal 470, o ‘mensalão’, participou nesta terça-feira 28 de julgamento em que a Justiça italiana negou o pedido do governo brasileiro para que ele seja extraditado e cumpra sua pena de 12 anos e 7 meses no Brasil. Cabe recurso da decisão.

Capa da Veja é a “bala de prata” das eleições de 2014?

via Brasil 247

Reportagem deste fim de semana sobre a delação premiada de Paulo Roberto Costa repete a estética já usada com Marcos Valério; objetivo é fazer com que o escândalo atual tenha, no imaginário nacional, o mesmo peso do chamado mensalão e mude o rumo das eleições; embora tenham sido citados nomes de deputados, senadores, governadores de estado, como Sergio Cabral, Roseana Sarney e o falecido Eduardo Campos, além do ministro Edison Lobão, não são apontadas provas de que os políticos mencionados receberam propinas; próximos dias serão decisivos.
Reportagem deste fim de semana sobre a delação premiada de Paulo Roberto Costa repete a estética já usada com Marcos Valério; objetivo é fazer com que o escândalo atual tenha, no imaginário nacional, o mesmo peso do chamado mensalão e mude o rumo das eleições; embora tenham sido citados nomes de deputados, senadores, governadores de estado, como Sergio Cabral, Roseana Sarney e o falecido Eduardo Campos, além do ministro Edison Lobão, não são apontadas provas de que os políticos mencionados receberam propinas; próximos dias serão decisivos.

A capa da revista Veja deste fim de semana, que traz a delação premiada do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, tem a mesma estratégia !“ e até a estética, com fundo vermelho !“ já usada com Marcos Valério, em setembro de 2012. O objetivo da “edição memorável”, como chama a própria publicação em carta ao leitor, é fazer com que o escândalo atual tenha, no imaginário nacional, o mesmo peso do chamado mensalão e mude o rumo das eleições de 2014.

Costa, que foi preso duas vezes durante investigação da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, começou a falar na sexta-feira 29, depois de um acordo de delação premiada com a Justiça para diminuir sua pena. Os depoimentos têm sido longos, os primeiros de cerca de quatro horas, relatou ontem o serviço Broadcast da Agência Estado. De um homem eficiente a todos na diretoria de Abastecimento e refino da petroleira entre 2004 e 2012, Costa contou temer, quando soube que a delação estava sendo noticiada na imprensa, ser uma espécie de ‘arquivo vivo’.

Ministro do STF autoriza Genoino a cumprir pena em regime aberto

via Agência Brasil

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso autorizou nesta quinta-feira (7) o ex-deputado federal José Genoino, ex-presidente do Partido dos Trabalhadores a mudar do regime semiaberto para o aberto e cumprir o restante da pena de quatro anos e oito meses de privação de liberdade em prisão domiciliar.
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso autorizou nesta quinta-feira (7) o ex-deputado federal José Genoino, ex-presidente do Partido dos Trabalhadores a mudar do regime semiaberto para o aberto e cumprir o restante da pena de quatro anos e oito meses de privação de liberdade em prisão domiciliar.

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou hoje (7) o ex-deputado federal José Genoino, condenado na Ação Penal 470, o processo do mensalão, a progredir para o regime aberto. Com a decisão, Genoino cumprirá o restante de sua pena em casa, onde terá que seguir regras estabelecidas pela Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, que vai efetivar a decisão.

Segundo Barroso, Genoino cumpriu um sexto da pena de quatro anos e oito meses de prisão no regime semiaberto, requisito para a passagem ao aberto. Tendo em vista a documentação que instrui o pedido, considero atendido o requisito objetivo para a progressão de regime na data de 21 de julho de 2014. Da mesma forma, tenho por satisfeito o requisito subjetivo exigido pelo Artigo 112 da Lei de Execuções Penais, na medida em que, conforme já referido, há nos autos o atestado de bom comportamento carcerário e inexistem anotações de prática de infrações disciplinares pelo condenado!, decidiu o ministro.

Fim da era Joaquim Barbosa no STF: não há mal que dure para sempre

do Brasil 247

Agora é oficial: a aposentadoria de Joaquim Barbosa do Supremo Tribunal Federal está publicada no Diário Oficial da União, no decreto assinado pela presidente Dilma Rousseff e pelo ministro José Eduardo Cardozo; sua gestão foi marcada por abusos, agressões a colegas, jornalistas, advogados, entidades da magistratura e, sobretudo, a direitos de defesa assegurados pela Constituição Federal; depois de cumprir um papel lamentável à  frente da suprema corte, ele poderá desfrutar a aposentadoria em Miami, num imóvel registrado em nome de uma offshore; nesta sexta-feira, Ricardo Lewandowski será eleito presidente do STF, que poderá, enfim, restaurar a sua dignidade.
Agora é oficial: a aposentadoria de Joaquim Barbosa do Supremo Tribunal Federal está publicada no Diário Oficial da União, no decreto assinado pela presidente Dilma Rousseff e pelo ministro José Eduardo Cardozo; sua gestão foi marcada por abusos, agressões a colegas, jornalistas, advogados, entidades da magistratura e, sobretudo, a direitos de defesa assegurados pela Constituição Federal; depois de cumprir um papel lamentável à  frente da suprema corte, ele poderá desfrutar a aposentadoria em Miami, num imóvel registrado em nome de uma offshore; nesta sexta-feira, Ricardo Lewandowski será eleito presidente do STF, que poderá, enfim, restaurar a sua dignidade.
Acabou. Joaquim Barbosa não é mais presidente do Supremo Tribunal Federal. Sua aposentadoria precoce foi publicada nesta quinta-feira, 31 de julho de 2014, no Diário Oficial da União.

à‰ uma data histórica porque chega ao fim dos períodos mais vergonhosos da história do Poder Judiciário no Brasil. à€ frente do STF, Barbosa agrediu colegas, jornalistas, entidades de magistrados, expulsou um advogado do plenário com a ajuda de seguranças e violentou, sobretudo, direitos e garantias individuais assegurados pela Constituição Federal.

Como relator da Ação Penal 470, transformou-se em figura midiática, “o menino pobre que mudou o Brasil” (em Veja), ou o “brasileiro que faz diferença” (no Globo), para cumprir o papel que a ele foi designado, alinhado com a agenda política dos meios de comunicação que garantiram seu breve estrelato.

Justiça “afrouxa o sutiã” e liberta réus do mensalão para trabalhar fora

Agência Brasil

Ao autorizar Delúbio Soares trabalhar fora da prisão, juíza cumpre determinação do Supremo Tribunal Federal que, na semana passada, autorizou o benefício para os condenados em regime semiaberto; ex-deputados Valdemar Costa Neto e Bispo Rodrigues e o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu também foram transferidos para o Centro de Progressão Penitenciária (CPP).
Ao autorizar Delúbio Soares trabalhar fora da prisão, juíza cumpre determinação do Supremo Tribunal Federal que, na semana passada, autorizou o benefício para os condenados em regime semiaberto; ex-deputados Valdemar Costa Neto e Bispo Rodrigues e o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu também foram transferidos para o Centro de Progressão Penitenciária (CPP).
A juíza Leila Cury, da Vara de Execuções do Distrito Federal, liberou hoje (2) o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares para voltar a trabalhar durante o dia na sede da Central Única dos Trabalhadores (CUT), em Brasília.

Com a decisão, Delúbio também será transferido do Presídio da Papuda, no Distrito Federal, para o Centro de Progressão Penitenciária (CPP), local destinado a presos que têm autorização para trabalhar fora.