28 de junho de 2018
por esmael
Comentários desativados em Após deixar prisão, José Dirceu lança livro em homenagem a Lula

Após deixar prisão, José Dirceu lança livro em homenagem a Lula

Um dia após deixar a prisão, o ex-ministro José Dirceu publicou um vídeo sobre o lançamento de um livro com suas memórias. Ele dedica a obra ao ex-presidente Lula, que é mantido preso político há 83 dias na carceragem da Polícia Federal de Curitiba. ... 

Leia mais

11 de junho de 2018
por esmael
Comentários desativados em Sérgio Moro sofre “nocaute” de biógrafo de Lula; assista ao vídeo

Sérgio Moro sofre “nocaute” de biógrafo de Lula; assista ao vídeo

O jornalista e escritor Fernando Morais, biógrafo de Lula, levou à “nocaute” o juiz Sérgio Moro nesta segunda-feira (11) durante audiência em que testemunhou no caso do sítio de Atibaia (SP). O bate-boca entre o amigo do ex-presidente e o magistrado viralizou nas redes sociais. Assista ao vídeo. ... 

Leia mais

11 de junho de 2018
por esmael
Comentários desativados em Juiz Sérgio Moro e jornalista Fernando Morais batem boca na audiência da lava jato

Juiz Sérgio Moro e jornalista Fernando Morais batem boca na audiência da lava jato

O k-suco ferveu na manhã desta segunda-feira (11), em audiência da lava jato, quando o jornalista e escritor Fernando Morais e o juiz Sérgio Moro bateram boca. ... 

Leia mais

20 de abril de 2016
por esmael
9 Comentários

Quem é, de onde veio Michel Temer?

temerEm junho de 2010, a repórter Consuelo Dieguez traçou um perfil completo de Michel Temer para a revista Piauí sob o título “Quem é, de onde veio e o que quer o chefe do maior partido brasileiro e candidato a vice-presidente de Dilma Rousseff”. Ela revela que nem Lula nem Dilma queriam o peemedebista na chapa de 2010. “Consideram-no ardiloso e voraz em demasia quando reivindica posições para o partido, e uma nulidade em termos eleitorais”, anotou a jornalista. Vale a pena a leitura abaixo. Leia mais

30 de outubro de 2013
por esmael
2 Comentários

Mal biografado, Zé Dirceu se diz contra a censura

do Brasil 247 Pela primeira vez, o ex-ministro José Dirceu falou sobre o livro “Dirceu”, escrito pelo jornalista Otávio Cabral, editor de Veja. Segundo ele, trata-se uma obra repleta “erros”, “impropriedades” e “inverdades”. Ou seja, uma obra de ficção, apresentada como biogafia não autorizada.

No entanto, apesar das supostas falhas do livro, Dirceu se coloca contra a restrição, defendida por alguns artistas, a biografias não autorizadas. “Em nenhum momento cogitei proibir sua publicação porque acredito e aposto na liberdade de expressão em regime democrático”, diz ele.

O que não significa que Dirceu se coloque contra o debate relacionado ao tema privacidade versus liberdade de expressão. Segundo ele, há uma intolerância dos meios de comunicação, que se mostram refratários a qualquer tipo de regulação.

Leia abaixo seu artigo publicado na Folha:

Entre tapas e beijos

A crítica feroz ao Procure Saber se traduz, na prática, como o medo atávico de nossa mídia a qualquer proposta que signifique regulação

Fiquei estarrecido –e sei que não deveria– com a agressividade da resposta de grande parte da mídia e mesmo de alguns biógrafos à s propostas apresentadas por artistas do Procure Saber no debate sobre as biografias sem autorização.

Embora me espante com o ataque, sou contra a bandeira levantada pelo grupo porque acredito que o direito à  liberdade de expressão e o veto a qualquer forma de censura de natureza política, ideológica ou artística, como diz claramente o artigo 220 da Constituição, é um bem maior que se sobrepõe à  interpretação de proteção à  privacidade do cidadão comum estabelecida pela reforma do Código Civil, em 2001.

Sabemos que artistas e políticos, ao assumirem tais papeis de destaque em sociedades democráticas, abdicam de seu direito à  privacidade absoluta.

A crítica à  causa do Procure Saber deve, portanto, ficar restrita à  saudável esfera do debate das ideias. O que se viu nos últimos dias foi uma reação de intolerância e, como se dizia antigamente, de muita patrulha ideológica, na imprensa e nas redes sociais.

Exemplo maior é a reportagem de capa da revista “Veja” sobre o tema na semana passada.

Fui vítima –isso mesmo, vítima– de uma das piores biografias recentemente publicadas. Mas nada me anima a ser favorável à  atual proibição inscrita no nosso Código Civil que exige autorização do retratado e da família.

A “biografia” escrita sobre mim é um bom exemplo para o debate em questão. Não foi autorizada, porém o mais grave não é o fato de ter sido produzida Leia mais