16 de outubro de 2015
por Esmael Morais
43 Comentários

Corrupção na Copel pagou mensalão de R$ 20 milhões para deputados no Paraná, diz doleiro do PSDB

alep_youssefMais de 20 deputados estaduais receberam R$ 20 milhões em mensalão pagos com dinheiro desviado do caso Copel/Olvepar, no final de 2002, no apagar das luzes do governo Jaime Lerner. A Assembleia Legislativa do Paraná tem 54 cadeiras.

A denúncia acima é do doleiro do PSDB, Alberto Youssef, delator na investigação do escândalo envolvendo o governo do Paraná. Ele prestou depoimento ontem ao Ministério Público Federal (MPF).

Segundo o relato do doleiro tucano, o dinheiro era repassado ao então deputado Durval Amaral, atual conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), que fazia o repasse do mensalão à bancada governista. Leia mais

26 de março de 2015
por Esmael Morais
5 Comentários

Câmara elege Clóvis Costa novo ouvidor do município de Curitiba

Com o perfil "independente", o advogado Clóvis Costa deverá atuar como xerife da transparência e eficiência na Prefeitura de Curitiba.

Com o perfil “independente”, o advogado Clóvis Costa deverá atuar como xerife da transparência e eficiência na Prefeitura de Curitiba.

O advogado Clóvis Costa foi eleito há pouco pela Câmara Municipal o novo ouvidor de Curitiba. Ele obteve 20 votos entre os vereadores, ante 3 da jornalista Diocsianne Moura e 2 dados ao também advogado Maurício Arruda. ... 

Leia mais

3 de outubro de 2014
por Esmael Morais
5 Comentários

Opinião: A verdade sobre os concursos públicos para a educação no Paraná

Concursos para profissionais da Educação

Ricardo Fernandes Bezerra*

Um dos pontos mais importantes de uma carreira pública é o ingresso se dar por meio de concurso. Tão importante que o concurso público esta consagrado na Constituição Federal e na Constituição do Estado do Paraná. Ele evita apadrinhamentos e privilégios, consagrando a igualdade de oportunidade a todos que almejam nela ingressar. Na área da educação é um dos fatores que tem grande influência na qualidade do ensino, o que justifica uma reflexão sobre a situação dos concursos para professores e agentes educacionais(1) da educação básica da rede de ensino pública do Paraná.

Na gestão Lerner houve um desmedido esforço para impor à  educação do Paraná um intenso processo de terceirização. Foi criada em 1997 o Serviço Social Autônomo ParanáEducação para administrar os recursos humanos! da educação, que chegou a ter um quadro de profissionais da educação maior do que o quadro do próprio estado. Esta agência se somou, apenas na área da educação, a Agência Paranaense para o Desenvolvimento do Ensino Técnico do Estado do Paraná !“ Paranatec, a Fundação Parque da Ciência e a Universidade do Professor.

Para os profissionais da educação isto representou uma autentica tragédia: professores e agentes educacionais da educação básica precariamente contratados pelo ParanáEducação e pela Paranatec, sem plano de carreira(2). Ao assumir o governo em 2003, Requião acabou com esse desrespeito aos profissionais da educação e voltou, de imediato, a contratar os professores na carreira docente pelo governo do estado. Voltou a prática dos concursos públicos para professores e agentes educacionais. Com os educadores valorizados, em cargos efetivos pertencentes a uma carreira que privilegia a formação continuada, a qualidade de ensino da rede pública paranaense avançou.

Já no primeiro ano de governo !“ 2003, Requião fez um concurso para professor das diversas disciplinas da educação básica; fez um novo concurso em 2004(3) e mais um concurso para professor em 2007 (ver quadro de vagas abaixo). Em 2005 fez um concurso para agente educacional II e em 2006 um concurso para agente educacional I. Requião nomeou 47.526 professores em sua gestão, mais 16.005 agentes educacionais, totalizando 63.531 nomeações de profissionais da educação. Com dados concretos, podemos afirmar, foi a maior contratação por concurso público para cargos efetivos para atender a educação pública do Paraná. Certamente esta decisão contribuiu de forma determinante para a melhoria da qualidade do ensino público paranaense.

Dois anos depois do inicio do governo Beto Richa, em fevereiro de 2013, foi publicado um edital para concurso de professores que até setembro Leia mais

3 de junho de 2014
por Esmael Morais
11 Comentários

CPI do Pedágio afrouxou o sutiã para as concessionárias de rodovias

Filho político do ex-governador Jaime Lerner, pai do pedágio, o tucano Beto Richa até pode acatar sugestão dos deputados para reduzir em 25% a tarifa, mas CPI do Pedágio não prevê punição à s concessionárias de rodovias privatizadas no Paraná; expediente de fingir punição! foi utilizado por Lerner em 1998, quando na reeleição reduziu em 50% o preço que logo depois das eleições foi reajustado novamente; segundo relatório do Crea, empresas roubam os usuários paranaenses há 15 anos com a anuência do poder público; por que os deputados da CPI não sugerem a reestatização das estradas, se as pedageiras não cumprem os contratos e cometem conhecidas ilegalidades?

Filho político do ex-governador Jaime Lerner, pai do pedágio, o tucano Beto Richa até pode acatar sugestão dos deputados para reduzir em 25% a tarifa, mas CPI do Pedágio não prevê punição à s concessionárias de rodovias privatizadas no Paraná; expediente de fingir punição! foi utilizado por Lerner em 1998, quando na reeleição reduziu em 50% o preço que logo depois das eleições foi reajustado novamente; segundo relatório do Crea, empresas roubam os usuários paranaenses há 15 anos com a anuência do poder público; por que os deputados da CPI não sugerem a reestatização das estradas, se as pedageiras não cumprem os contratos e cometem conhecidas ilegalidades?

Terminou em pizza a CPI do Pedágio na Assembleia Legislativa do Paraná. Bem comportado, o colegiado levou quase um ano para chegar à  conclusão de que as tarifas podem baixar até 25%. Se for esperto, o governador Beto Richa (PSDB) acata o relatório dos deputados, que atuaram como se fossem assessores de luxo do Palácio Iguaçu. Depois as concessionárias retomam os preços via Justiça. ... 

Leia mais

27 de março de 2014
por Esmael Morais
53 Comentários

Coluna do Requião Filho: “Richa destrói microempresas, mas na propaganda vende Paraná como “Ilha da Fantasia””

Requião Filho, em sua coluna desta quinta, compara o governo Beto Richa com a série de tevê "Ilha da Fantasia", que fez sucesso até metade dos anos 80, onde a propaganda esconde a realidade; segundo o colunista, enquanto o tucano se bronzeia e joga vôlei na piscina, na Ilha da Fantasia, aumenta os impostos de micro e pequenas empresas, no mundo real; "Na época do Requião, o governo trocava impostos pela geração de empregos", recorda o advogado especialista em políticas públicas; "Beto Richa continua com maestria o que o lernismo começou: aniquilar o Paraná, a sua infraestrutura, as suas escolas, a sua memória técnica nas empresas e serviços públicos, enfim, destruir a economia do estado", diz Requião Filho; leia a íntegra do texto.

Requião Filho, em sua coluna desta quinta, compara o governo Beto Richa com a série de tevê “Ilha da Fantasia”, que fez sucesso até metade dos anos 80, onde a propaganda esconde a realidade; segundo o colunista, enquanto o tucano se bronzeia e joga vôlei na piscina, na Ilha da Fantasia, aumenta os impostos de micro e pequenas empresas, no mundo real; “Na época do Requião, o governo trocava impostos pela geração de empregos”, recorda o advogado especialista em políticas públicas; “Beto Richa continua com maestria o que o lernismo começou: aniquilar o Paraná, a sua infraestrutura, as suas escolas, a sua memória técnica nas empresas e serviços públicos, enfim, destruir a economia do estado”, diz Requião Filho; leia a íntegra do texto.

Requião Filho* ... 

Leia mais