20 de junho de 2018
por Redacao
Comente agora

Copel aplica tarifaço de 15,99% na conta de luz; medida entra em vigor no domingo (24)

O governo tucano-pepista reajustou em 15,99% a tarifa de energia elétrica. Desta vez, a Copel pediu e conseguiu uma correção média de 15,99% da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). O aumento vigora a partir do próximo domingo (24). Um tarifaço que vai onerar mais a vida da população paranaense. Leia mais

14 de junho de 2018
por esmael
Comente agora

‘Privatização da Eletrobras trará tarifaço de R$ 400 bilhões’, denuncia Gleisi

A senadora Gleisi Hoffmann, presidenta nacional do PT, denunciou hoje (14) que a doação da Eletrobras representará dupla oneração ao consumidor. Segundo ela, Michel Temer vai abrir mão do controle da empresa para arrecadar cerca de R$12 bilhões à União, no entanto, a oneração para o consumidor, em 30 anos, seria de quase R$400 bilhões. Isso porque, haveria uma mudança de regime, ou seja, do regime de cotas para o regime de produtor independente de energia. Leia mais

24 de fevereiro de 2018
por esmael
Comentários desativados em Para Osmar Dias, tucano Beto Richa “debocha” e expõe amizade com pedageiras; ouça o áudio

Para Osmar Dias, tucano Beto Richa “debocha” e expõe amizade com pedageiras; ouça o áudio

O ex-senador Osmar Dias (PDT) afirmou em entrevista à rádio Graúna, de Cornélio Procópio, na quarta (21), que o governador Beto Richa (PSDB) “debocha” ao lançar uma “pedra fundamental” para duplicar parte da BR-369. Segundo o pedetista, a obra é responsabilidade contratual da concessionária, não do governo ou do usuário da rodovia. Leia mais

12 de setembro de 2016
por esmael
6 Comentários

Blog do Esmael transmite AO VIVO sessão da Alep para vender Copel e Sanepar; acompanhe

O Blog do Esmael, em parceria com a TV 15, a partir das 14h30, transmite ao vivo para o Brasil e o mundo a sessão da Assembleia Legislativa do Paraná que discute a venda das estatais Copel (energia) e Sanepar (água e esgoto).

29 de agosto de 2016
por esmael
24 Comentários

‘Os tolos da internet não leram e não gostaram da proposta de Richa’

romanelli_copel_sanepar_richaO deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), líder do governo na Assembleia, em sua coluna desta segunda (29), nega que a intenção de Beto Richa (PSDB) seja privatizar estatais e novo trafiço. O colunista disseca seis mensagens do tucano. “Os que dizem o contrário é porque não leram e não gostaram. Ou vão na onda dos tolos da aldeia”, resume Romanelli. Abaixo, leia, ouça, comente e compartilhe a íntegra do texto.

23 de junho de 2016
por esmael
14 Comentários

Oposição diz que Richa é intransigente, autoritário e sem compromisso com a transparência na gestão pública

Nereu_Moura_AlepO plenário da Assembleia Legislativa do Paraná rejeitou nesta semana um requerimento de pedido de informações do deputado Nereu Moura (PMDB) que cobrava explicações sobre a farra da Sanepar com propaganda.

26 de maio de 2016
por esmael
22 Comentários

A farra de Beto Richa na Argentina

richa_mendoza

Garganta Profunda de Londrina, principal informante do Blog do Esmael no Palácio Iguaçu, revela-nos nesta quinta (26) que o governador Beto Richa (PSDB) promove uma verdadeira farra neste feriadão doutro lado da fronteira, em Mendoza, na Argentina, longe de fantasmas e do tarifaço do vinho que ele mesmo criou. “Mendoza é uma espécie de Disneylândia dos apaixonados pela alta gastronomia, compras e boa vida!”, relata o nosso Julian Assange das Araucárias. O X-9 mais famoso das Américas, com acesso mais frouxo à antessala do tucano que dona Fernanda Richa, a primeira-dama, puxa pela memória: “Na ultima viagem com os amigos, no maior navio do mundo da Royal Caribbean, Beto e o engenheiro Mauricio Fanini se divertiram na piscina de ondas flowrider….”, Leia, comente e compartilhe a íntegra do relatório de Garganta Profunda de Londrina:

1 de março de 2016
por esmael
28 Comentários

Governador Beto Richa autoriza novo tarifaço de 10,48% na Sanepar

O governador Beto Richa (PSDB) autorizou novo aumento de 10,48% na conta de água e esgoto dos paranaenses.

O reajuste na tarifa da Sanepar (Companhia de Saneamento do Paraná) tem validade a partir desta terça-feira, dia 1º de março.

O tarifaço na água e no esgoto mais que dobrou no governo tucano.

O aumento da Sanepar se soma ao reajuste do ICMS, aumento do IPVA, bem como ao tarifaço de 29% na energia da Copel para os produtores rurais.

A seguir, leia a íntegra do comunicado da Sanepar:

http://site.sanepar.com.br/sites/site.sanepar.com.br/files/investidoresarquivos/fato-relevante-reajuste-dos-valores-das-tarifas-de-saneamento-basico_2016-02-29.pdf

23 de fevereiro de 2016
por esmael
18 Comentários

Beto Richa aplica tarifaço de 29% na conta de luz dos produtores rurais

O governador Beto Richa (PSDB) acabou com diferimento na tarifa da energia elétrica para os agricultores paranaenses. Com isso, a produção agropecuária teve aumento de 29% na conta deste mês de fevereiro. Uma pancada.

O governador tucano alterou o regulamento da cobrança do ICMS da energia para o produtor rural por meio do decreto 1600/2015, de junho do ano passado. (Note o caro leitor que não foi Dilma ou Gleisi que fizeram mais essa maldade).

Richa limitou o desconto de 29% do ICMS à faixa de consumo de mil quilowatts/horas, equivalente ao de uma casa de tamanho médio. Ou seja, na prática, o tucano revogou a isenção do imposto que era concedida desde o governo de Roberto Requião (PMDB).

O fim do desconto foi adiado de junho de 2015 para este mês de fevereiro de 2016 em virtude de pressões políticas, mas, ao final, o secretário da Fazenda, Mauro Ricardo Costa, venceu a queda de braço.

A medida do governo do estado pode inaugurar uma era de quebradeiras no campo, como pequenas granjas e empreendimentos agropecuários, a exemplo do que já ocorre no comércio urbano com o aumento do ICMS e a substituição tributária.

Diversos prefeitos do interior paranaense avaliam que o novo tarifaço inviabiliza a permanência do homem no campo, levando muitas famílias a abandonar a vida em chácaras no entorno dos municípios.

O dinheiro do novo tarifaço da Copel vai direto para o Caixa Único (CU) do governo Beto Richa, que é um buraco sem fim.

O agronegócio entrou na linha de tiro do tucanato em virtude de o setor responder pela geração de riquezas (35% do PIB) e ajudar elevar o Paraná à condição de quarta economia do país. Além disso, a agroindústria ou agropecuária respondem por 15% dos empregos formais no estado.

Mas a pergunta que não quer calar é: cadê Ágide Meneguette, o presidente da Federação da Agricultura do Paraná (FAEP)? Onde está o presidente da Ocepar, João Paulo Koslovski?

Enquanto isso, no Palácio Iguaçu, Richa e Mauro Ricardo são vistos com frequência cantarolando: “♪♪  O melhor está por vir ♫♫”.

26 de dezembro de 2015
por admin
11 Comentários

Coluna do Jorge Bernardi: “Ano da cabra”, violência e corrupção no governo Richa

Download áudio

Jorge Bernardi*

Pelo horóscopo chinês, o ano de 2015, deveria ser um período tranquilo já que é o “Ano da Cabra”. A cabra está associada a paz, aos relacionamentos afetivos, a harmonia, estética, beleza e as artes plásticas. Pelo calendário lunar chinês, este ano começou em 19 de fevereiro de 2015 e vai até 7 de fevereiro de 2016, quando inicia o “Ano do Macaco”.

Mas não foi um ano fácil para a humanidade. No panorama internacional, o Estado Islâmico disseminou o terrorismo na Europa e no mundo com atentados na França, como o massacre no jornal Charlie Hebdo, e da sexta-feira, 13 de novembro, com 130 mortos, além dos atos terroristas no oriente médio, na África, e derrubada do avião russo no Egito.

Nada tranquilo foi para o Brasil. O agravamento das investigações do Lava Jato, com prisões de empresários e políticos, a ascensão e o caos gerado pelo deputado Eduardo Cunha, e seus asseclas, na Câmara Federal. Uma crise sem precedentes assola a economia brasileira, pedido de impeachment da presidenta Dilma e a crise política que parece não ter fim.

Em Mariana, MG, ocorreu um dos mais graves desastres ambientais, com dezenas de vítimas, ao romper barragens de rejeitos de mineração da empresa Samarco. A consequência desta tragédia vai durar décadas, tudo indica por negligência da mineradora e de suas controladoras, a  e a BHP.

No Paraná, o que se viu foi a falência do governo que implantou a maior derrama de impostos de todos os tempos, com aumento de ICMS em 95 mil produtos, incluindo energia, cesta básica, além de 40 % do IPVA, elevando a inflação acima da média nacional. Professores e funcionários públicos, foram massacrados em 29 de abril, no Centro Cívico, e ainda tiveram o seu fundo de aposentadoria confiscado pelo governo do estado.

Foi também revelado o maior escândalo de corrupção da história paranaenses, envolvendo fiscais da receita estadual, empresários, e o primo do governador Luiz Abi, com prejuízo de mais de R$ 850 milhões de reais ao erário. E, segundo delatores, parte dos recursos desviados, serviram para abastecer a campanha de reeleição do governador Beto Richa.

Só em Curitiba realizaram-se as previsões do “Ano da Cabra”. Apesar das finanças municipais estarem na UTI, o prefeito fez apenas uma obra: a Via Calma, no centro da cidade, veículos a 40 km por hora ou multa. Nada mais.

*Jorge

23 de dezembro de 2015
por esmael
13 Comentários

Olha o presente de Natal de Fruet: 17,5% de aumento no IPTU de Curitiba

O prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), é da mesma escola do governador Beto Richa (PSDB). Só pode.

Enquanto o tucano deu como presente de Natal 30 mil demissões de professores, o pedetista vai conceder aumento de 17,5% no IPTU — o imposto de imóveis.

Por conta desse aumentão no IPTU, o ex-prefeito Rafael Greca (PMN) apelidou o prefeito de “Fruetaxa”.

O diabo é que os preços dos imóveis caíram na capital paranaense, bem como o nível de emprego e renda dos trabalhadores.

Fruet não para por aí, assim também não Richa.

O prefeito de Curitiba planeja reajustar a tarifa de ônibus durante o início de 2016, entre janeiro e fevereiro, quando boa parte das vivas almas ainda estará em férias.

O governador do Paraná começará o ano guerreando novamente com educadores e alunos, pois almeja fechar escolas no ano letivo vindouro.

8 de dezembro de 2015
por esmael
6 Comentários

“Custo Beto Richa” derruba produção industrial do Paraná em 5,7%

A produção industrial do Paraná despencou 5,7% no mês de outubro, diz pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O custo Beto Richa (PSDB) tem contribuído para a desaceleração da economia. Quando a comparação compreende outubro de 2014 e outubro de 2015, a queda na produção industrial no estado foi de 14,3%.

O setor da metalurgia apresentou a maior taxa de retração, 62,33%, seguido de materiais eletrônicos e de comunicações (24,55%) e veículos automotores (18,36%).

A única atividade que teve crescimento nesse período foi a da industrial do papel e celulose (7,6%).

O desemprego neste ano, de janeiro a outubro, ficou em 4,99% “com viés de alta”.

Antes que o tucano venha falar que “a culpa é da Dilma”, no mês passado ele bateu no peito para reivindicar a ascensão do Paraná à posição de quarta maior economia do Brasil (clique aqui).

Para a Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), o estado do Paraná respondeu por 6,3% de todas as riquezas produzidas no país em 2013, superando o resultado do Rio Grande do Sul, com 6,2%, “apesar de Beto Richa”.

Agora, a queda do PIB, é atribuída à desastrosa política fiscal do governador do PSDB.

De acordo com a Fiep, o recuo da atividade industrial paranaense tem a ver com o reajuste pedágio mais caro do mundo, fechamento de escolas, aumento de tarifas e tributos, dentre outras maldades do governo do estado.

24 de setembro de 2015
por admin
6 Comentários

João Arruda: Respeitem o Campagnolo!

João Arruda*

O exercício da democracia pressupõe o respeito ao contraditório, ou seja: todo cidadão tem o direito de dizer quando não concorda com alguma coisa. É dessa forma que eu analiso o discurso do presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Edson Campagnolo, ao tomar posse para um novo mandato à frente da entidade.

Entre outras observações, Campagnolo criticou o pacotaço do governo Beto Richa (PSDB) e os salários dos deputados estaduais. Como já fez, anteriormente, ao condenar as altas tarifas do pedágio. O empresário recebe, agora, ataques duros dos aliados do governador, talvez porque os áulicos do Palácio Iguaçu não estejam afeitos ao contraditório nem a entidades livres, desvinculadas da máquina do estado.

O governo Beto Richa parece se ressentir disso, da independência de algumas lideranças do setor produtivo, uma vez que já perdeu completamente o apoio dos trabalhadores, especialmente depois da repressão aos professores no fatídico 29 de abril, um episódio que entrou para a história da infâmia do Paraná.

No fim de seu discurso, o presidente da Fiep sugeriu o impeachment da presidente Dilma Roussef. Discordo dele, até porque não há base legal para o afastamento da presidente. Aliás, não defendo nem o impeachment do atual governador, sobre o qual recaem suspeitas de um esquema de caixa 2 via Receita Estadual. O ponto é: Campagnolo tem direito de dizer o que pensa.

Discordar pontualmente do empresário não significa que eu vá cercear seu direito de se expressar, o que a forte reação palaciana tenta fazer. Uma discussão de alto nível não precisa ser tão agressiva assim. No debate sobre a elevação do teto do Simples, por exemplo, tivemos divergências, mas o empresário jamais me impediu de emitir o meu juízo de valor a seus colegas de Fiep. É disso que se trata: democracia.

Podemos discutir se o tom do presidente da Fiep foi adequado. Verdade. Da mesma forma, também é possível chamar de indelicado quem mente sobre a situação financeira do estado, quem tira dinheiro de prefeituras em plena crise econômica, quem ousa propor a venda da Copel e da Sanepar para cobrir rombo nas contas públicas.

O fato é que Campagnolo foi corajoso. Poderia ter contemporizado para agradar a todos. Preferiu a sinceridade. E ela, como sabemos, dói.

*João Arruda é deputado federal pelo PMDB e coordena a bancada federal do Paraná. 

19 de setembro de 2015
por esmael
15 Comentários

PIB do Paraná vaia governo Beto Richa na posse da Fiep; empresários aplaudem de pé Alvaro Dias

campagnolo_fiep_richaO governador Beto Richa (PSDB), por meio de seu preposto Eduardo Sciarra (PSD), chefe da Casa Civil, recebeu ontem (18) à noite, na posse da diretoria da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), uma ensurdecedora e consistente vaia.

Nunca antes em 70 anos de história da entidade houve vaia para um governador do estado. Tampouco houve desprezo coletivo de tantos engravatados ao mesmo tempo.

“Foi muito demorada, foi uma eternidade para quem estava no palco”, relatou ao Blog do Esmael um dos convidados à mesa de abertura. “Acho que nem a vaia no Atletiba deste domingo será maior”, ironizou.

O PIB paranaense apupou Richa por causa do “pacote de maldades 3”, que tramita na Assembleia Legislativa do Paraná. Sciarra tentou defender o governador afirmando que é preciso equilibrar receita e despesa, mas, não teve jeito, pois, os “coxinhas” não perdoaram o tucano.

18 de setembro de 2015
por esmael
6 Comentários

Deputado do DEM dá ultimato a Richa: “Xô com os impostos abusivos”

O primeiro-secretário da Assembleia Legislativa do Paraná, deputado Plauto Miró Guimarães Filho (DEM), continua cerrando fileira com a oposição contra o “pacote de maldades 3” do governador Beto Richa (PSDB).

Nos próximos dias, os parlamentares serão colocados novamente dentro de um camburão para votar mais aumentos de impostos e projetos que atacam a democracia e o conceito de escola pública, por exemplo.

Plauto sublevou-se porque, segundo ele, a sociedade não aguenta mais estes aumentos [de impostos] propostos pelos governos federal e estadual. Especificamente, ele ergueu a voz na Assembleia contra as maldades de Richa (clique aqui).

Ao bradar contra os aumentos dos impostos, Plauto Miró também se levanta contra uma rasteira que estaria sendo urdida nos corredores do Palácio Iguaçu. De acordo com uma fonte na Assembleia, o chefe de gabinete do governador, Deonilson Roldo, articula para ser o próximo conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE). O parlamentar acredita que a vez na fila é dele, por isso a revolta “contra os impostos”.

O deputado do DEM não aborda essas questões de bastidores, mas, convenhamos, para quem votou cegamente todos os pacotes de maldades anteriores, sem nenhum remorso e não disse um “a” em solidariedade aos professores massacrados no Centro Cívico, Plauto ficou muito “valente” de uma hora para outra. Não é verdade?

A seguir, leia a íntegra do artigo “Chega de impostos abusivos!” do deputado Plauto Miró Guimarães:

Chega de impostos abusivos!

Plauto Miró Guimarães*

Estou deputado na Assembleia do Paraná há sete mandatos. Sempre recebendo a confiança dos paranaenses, especialmente de Ponta Grossa e dos Campos Gerais.

Nunca mudei de região e me mantenho firme aos meus princípios e ideais.

Já fui eleito para ser situação e oposição. Busco a todo o tempo entender o recado dos eleitores e me esforço para cumprir a missão que tenho recebido. Jamais mudei de partido ou de lado porque acredito porque sei quem represento.

Justamente por isso consegui, até com certa facilidade, exercitar o diálogo constante. Na oposição ou na situação jamais fui radical. Tenho a obrigação de votar com minha consciência, dentro daquilo que considero certo e verdadeiro.

Tem sido assim ao longo dos anos.

Agora vivemos uma crise sem proporções. Crise de responsabilidade do governo federal, que gasta mais do que recebe. Que armou um estado inchado, pesado e ineficiente que está perdido em relação à gestão do país e não mais responde aos anseios da sociedade.

Quando a crise bateu em nossas portas fizeram de conta que não era conosco. Foi um tal de declarar que era uma “marolinha”. Tiveram até a pachorra, e os jornais registraram, de dar cátedra a governantes de outros países que diziam que o Brasil era maior que a própria crise. Porém, eles fizeram a lição de casa, cortaram na carne e saíram da turbulência, encorpados e mais fortes do que entraram. Já por aqui, a pequena onda era só uma blague ou um blefe. Nada fizeram e a marola virou tsunami.

A crise então se apresentou forte, afetando ricos e pobres, de todas as regiões do Brasil.

Diante do caos, os governos estaduais precisaram fazer reformas tributárias, e aqui falo especificament