19 de julho de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Josué Alencar na vice de Alckmin, segundo os jornalões

Josué Alencar na vice de Alckmin, segundo os jornalões

O empresário Josué Alencar (PR), presidente da indústria têxtil Coteminas, será o vice na chapa do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB). A informação é dos jornalões que torcem pela candidatura tucana. ... 

Leia mais

3 de março de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Facebook voltará a exibir ‘fake news’ dos jornalões brasileiros

Facebook voltará a exibir ‘fake news’ dos jornalões brasileiros

O gigante Facebook não suportou a pressão das corporações midiáticas de todo o mundo e, após experimento de alguns meses, recuou da censura aos conteúdos jornalísticos ditos “profissionais”. O aplicativo de Mark Zuckerberg, portanto, voltará a exibir as ‘fake news’ (notícias falsas) de jornalões brasileiros. ... 

Leia mais

3 de março de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Facebook voltará a exibir ‘fake news’ dos jornalões brasileiros

Facebook voltará a exibir ‘fake news’ dos jornalões brasileiros

O gigante Facebook não suportou a pressão das corporações midiáticas de todo o mundo e, após experimento de alguns meses, recuou da censura aos conteúdos jornalísticos ditos “profissionais”. O aplicativo de Mark Zuckerberg, portanto, voltará a exibir as ‘fake news’ (notícias falsas) de jornalões brasileiros. ... 

Leia mais

10 de fevereiro de 2018
por Esmael Morais
1 Comentário

‘Não é o Facebook que está morrendo, é a Folha de S. Paulo que está moribunda’

Charge de Goran Divac premiada no 40º Salão Internacional de Humor (Foto: Reprodução)

O leitor Daniel Pinto contesta post deste site sobre “A morte do Facebook“, publicado nesta sexta (9). “Quem realmente está morrendo são aqueles que sempre procuraram manipular a população em determinada direção e esse é o verdadeiro Fake News e é isto que está com os dias contados”, afirma o comentarista, referindo-se à Folha de S. Paulo e outros jornalões da velha mídia. ... 

Leia mais

7 de fevereiro de 2018
por Esmael Morais
1 Comentário

TRF4 consagrou a ‘fofoca’ no caso tríplex

A falta de provas na condenação do ex-presidente Lula no caso do tríplex do Guarujá (SP) consagrou a ‘fofoca’ no direito penal brasileiro ou, para quem preferir, a fake news (notícia falsa). ... 

Leia mais

6 de fevereiro de 2018
por Esmael Morais
11 Comentários

O privilégio do auxílio-moradia é verdadeiro, mas o debate é falso

Concedi entrevista na manhã desta terça-feira (6) para Wellington Calasans e Romulus Maya, do programa Duplo Expresso, n’O Cafezinho. A eles, que estão baseados na Suécia e na Suíça, respectivamente, eu disse que o privilégio do auxílio-moradia é verdadeiro, mas o debate é fake (falso) porque se trata de chantagem da velha mídia para mostrar ao judiciário que manda na relação. ... 

Leia mais

5 de fevereiro de 2018
por Esmael Morais
19 Comentários

O poder do Judiciário e os dias piores que virão

O ex-ministro Roberto Amaral afirma que o judiciário concorre para o perigoso esvaziamento da democracia representativa e se transforma em instrumento de insegurança jurídica. ... 

Leia mais

12 de setembro de 2016
por Esmael Morais
6 Comentários

Blog do Esmael transmite AO VIVO sessão da Alep para vender Copel e Sanepar; acompanhe

O Blog do Esmael, em parceria com a TV 15, a partir das 14h30, transmite ao vivo para o Brasil e o mundo a sessão da Assembleia Legislativa do Paraná que discute a venda das estatais Copel (energia) e Sanepar (água e esgoto). Leia mais

6 de setembro de 2016
por Esmael Morais
18 Comentários

Atrasada, Gazeta do Povo vê “subversivos” nas manifestações pelas Diretas Já

gazeta_subersivos_temerO blog Gazeta do Povo é um atraso. Em editorial nesta terça (6), o ex-jornal acusa a “esquerda” de patrocinar quebra-quebra no movimento Fora Temer. Nada mais falso. Nada mais criminoso. Leia mais

19 de setembro de 2013
por Esmael Morais
10 Comentários

Veja por que a velha mídia se joga nas covas que ela própria cavou

do Brasil 247
Nos últimos meses, a golpes de centenas de artigos, milhares de notícias e milhões de palavras, um naipe completo de colunistas da mídia tradicional tratou de cavucar com pás, martelos e picaretas as sepulturas em que seriam jogados, nesta quarta-feira 18, os réus da Ação Penal 470.

Porém, com o voto histórico do decano Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, os articulistas da condenação anunciada descobriram que haviam aberto, na verdade, suas próprias covas rasas. Cobertos com togas, apesar da falta de especialização jurídica, ar professoral diante de quem não precisava de lições e a empáfia condizente com os arrogantes, a verdade é que esse pessoal se arrebentou. Eles morreram em credibilidade abatidos por seus próprios golpes.

Senão, vejamos:

Pode mesmo o acadêmico eleito com um livro só (compilação de artigos em O Globo) Merval Pereira dar aulas de Direito a um ministro do porte de Ricardo Lewandowski? Tem condições o blogueiro Reinaldo Azevedo, de Veja, ensinar letras jurídicas a uma referência como Teori Zavascki? Dá para instalar no mesmo patamar de conhecimento de matéria constitucional o galhofeiro Augusto Nunes com o magistrado Luís Roberto Barroso? A decana brasiliense Eliane Cantanhêde porta mesmo ensinamentos jurisdicionais que podem servir ao advogado tornado ministro Dias Toffoli? Acreditava mesmo a revista Veja que iria, com uma capa à  la Capone, levar o decano Celso de Mello a tisnar sua biografia de garantista?

E mais: adiantou de algo, nesta mesma quarta-feira 18, portais como o UOL (do grupo Folhas) e o G1 (das Organizações Globo dos três Marinho) esconderem de seus leitores a notícia da aprovação dos embargos quando já estava claro o voto do decano, além de custar a própria perda de crédito?

Mais que ingenuidade, tratou-se a operação conjunta da mídia tradicional, para a qual seus mais cintilantes quadros foram requisitados, de uma jogada com duplo sentido. Acreditando que todo o julgamento da AP 470 seria guiado pela estrela da política, os colunistas atuaram travestidos de juristas para criarem, entre os leitores, a fantasia de que possuíam argumentos técnicos ainda mais fortes que a ira sentida frente aos personagens no banco dos réus. Cobriram-se, sem cerimônia, com togas cintilantes, que ao final serviram apenas para obnubilar a visão do p Leia mais