11 de junho de 2018
por esmael
Comente agora

Pibinho de Temer encolherá ainda mais

Não é o frio que faz o pibinho de Michel Temer encolher ainda mais, mas o desastre da política econômica que ele e Henrique Meirelles adotaram desde que deram o golpe há dois anos. Leia mais

7 de junho de 2018
por esmael
Comente agora

Golpe gerou 19% de desemprego na construção

A situação de golpe — culminado com a derrubada de Dilma Rousseff — gerou 19% de desemprego só na indústria da construção. Segundo o IBGE, a crise econômica que atingiu o país nos últimos anos causou a perda de 432 mil empregos formais entre 2015 e 2016. No setor de infraestrutura o recuo foi de 15%. Leia mais

30 de maio de 2018
por esmael
Comente agora

O PIB de Temer não sobe mais…

Michel Temer, Henrique Meirelles, Pedro Parente, et caterva continuam fazendo muito mal ao Brasil. Além de serem responsáveis pela paralisação dos caminhoneiros, aumentando abusivamente os preços dos combustíveis, também são os culpados pelo pibinho de 0,4% no trimestre. Leia mais

21 de maio de 2018
por esmael
Comentários desativados em Requião Filho: Governo Richa só fez mal ao Paraná

Requião Filho: Governo Richa só fez mal ao Paraná

O deputado Requião Filho (MDB) fez um balanço comparativo das principais áreas nos governos Roberto Requião (2003-2010) e Beto Richa (2011-2018) e chegou à conclusão de que o tucano só fez mal ao Paraná. Leia mais

20 de maio de 2018
por esmael
Comentários desativados em O slogan de Temer é aquele sem a vírgula: O Brasil voltou 20 anos em 2!

O slogan de Temer é aquele sem a vírgula: O Brasil voltou 20 anos em 2!

Para o deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), sob Temer, o Brasil caminha para trás. “Ele promoveu o desmonte de programas sociais, aprovou o congelamento dos investimentos públicos por 20 anos, permitiu a aprovação do projeto do senador Jose Serra que abriu o pré-sal aos estrangeiros, fez uma reforma trabalhista que penaliza os trabalhadores”, escreve, para então perguntar: “Cadê os paneleiros?” Leia mais

15 de maio de 2018
por esmael
Comentários desativados em De volta à miséria

De volta à miséria

O deputado Enio Verri (PT-PR) denuncia o retorno à miséria na mesma semana em que Michel Temer anunciou que o Brasil voltou 20 anos em 2. Leia mais

8 de maio de 2018
por esmael
Comentários desativados em Somente as ruas param o mecanismo golpista

Somente as ruas param o mecanismo golpista

O deputado Enio Verri (PT-PR) descreve a tragédia do golpe na economia e, consequentemente, na qualidade de vida dos trabalhadores que perdem emprego. “Não há como reagir senão paralisando as ruas com a voz, as pernas, os ouvidos e o coração do preso político chamado Lula”, afirma ao dizer que o cenário é de “humilhação” e “derrota” no Brasil. Leia mais

19 de março de 2018
por Redacao
Comentários desativados em Recuo na prévia do PIB em janeiro indica continuidade da recessão

Recuo na prévia do PIB em janeiro indica continuidade da recessão

O governo golpista de Temer e Meirelles bem que tentou iludir o povo brasileiro com a cantilena de que a economia brasileira tinha superado a recessão e voltou a crescer. Mas como a mentira tem perna curta, a prévia do PIB de janeiro demonstrou que a economia brasileira começou o ano em contração. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) recuou 0,56% em janeiro ante dezembro de 2017, na série com ajuste sazonal, informou nesta segunda-feira (19), a instituição. Ou seja, continua a recessão, o desemprego e quebradeira dos negócios no país. Leia mais

1 de março de 2018
por esmael
Comentários desativados em Mídia quer convencer que ‘pibinho’ e desemprego são coisas boas para o brasileiro

Mídia quer convencer que ‘pibinho’ e desemprego são coisas boas para o brasileiro

É de dar enjoo as mentiras que a mídia chapa branca conta na tentativa de salvar o golpe e embriagar o mais desavisado de que Lula e o PT não são mais necessários. Os jornalões se esforçam para convencer que o ‘pibinho’ de 1% e o desemprego de Michel Temer são coisas boas para o brasileiro. Não é. Leia mais

1 de março de 2018
por esmael
Comentários desativados em Mídia quer convencer que ‘pibinho’ e desemprego são coisas boas para o brasileiro

Mídia quer convencer que ‘pibinho’ e desemprego são coisas boas para o brasileiro

É de dar enjoo as mentiras que a mídia chapa branca conta na tentativa de salvar o golpe e embriagar o mais desavisado de que Lula e o PT não são mais necessários. Os jornalões se esforçam para convencer que o ‘pibinho’ de 1% e o desemprego de Michel Temer são coisas boas para o brasileiro. Não é. Leia mais

3 de janeiro de 2018
por esmael
4 Comentários

Sob Michel Temer, Brasil segue rápido para igualar-se ao Congo, diz o FMI

O Brasil teve queda de 5% na renda per capita (por habitante) entre 2014 e 2017, com destaque acentuado para o ano de 2016, segundo o Fundo Monetário Internacional — o famigerado FMI. A variação foi de 9,1% até 2016. Já o ‘Pibinho’ de Michel Temer, com paridade do poder de compra (PPC), ainda de acordo com o FMI, despencou seis vezes em relação ao número de habitantes (per capita). Portanto, o golpe está levando a economia nacional, em ritmo acelerado, para se igualar a do Congo e outros países miseráveis do continente africano. Leia mais

20 de dezembro de 2016
por esmael
16 Comentários

RS x PR: Richa consegue ser pior avaliado que Sartori, segundo Paraná Pesquisas

O governador do Paraná Beto Richa (PSDB) conseguiu a proeza de terminar o ano de 2016 pior avaliado que seu colega Ivo Sartori (PMDB) do Rio Grande do Sul.

13 de abril de 2016
por admin
10 Comentários

Coluna do Alvaro Dias: A dívida pública e o BNDES na pauta do processo de impeachment

Download áudio

Alvaro Dias*

No debate de causas e consequências da crise político-econômica, entenderemos que há uma relação direta entre Operação Lava-Jato, corrupção no País, impeachment da Presidente da República e as mazelas que afligem o povo brasileiro.

A dívida pública do nosso País hoje passa de R$4 trilhões. Em 2015, gastamos R$962 bilhões no refinanciamento dessa dívida. Isso significa que aplicamos a metade do que arrecadamos no País. A Alemanha, por exemplo, consome menos da metade do que gastamos para a administração da dívida pública.

Até 2018, nossa dívida alcançara 85% do PIB. É uma tragédia com a qual o governo não se preocupa. E sem a administração da dívida, não encontraremos solução para tantos problemas que impedem o crescimento econômico do Brasil, como o caos na saúde, a inflação e o desemprego.

Um dos instrumentos do monumental endividamento do País se chama BNDES.O governo se utiliza do BNDES como artifício para tumultuar a administração pública com uma contabilidade anarquizada. O BNDES passou a ser, portanto, um instrumento de políticas desonestas adotadas pelo governo.

Isso é uma tragédia para o País! Não há ação mais desavergonhada na Administração Pública do que essa de fazer empréstimos secretos, bilionários, a países sem condições de retorno, a países dit

3 de março de 2016
por esmael
33 Comentários

Economia retraiu 3,8% em 2015 devido à crise gerada pela oposição tucana

do Brasil 247

A economia brasileira caiu 3,8% em 2015, ano que foi marcado pela crise política no País. Desde a eleição presidencial, da qual a presidente Dilma Rousseff saiu vitoriosa, o candidato derrotado Aécio Neves (PSDB-MG) protagonizou um movimento para tirar Dilma do poder e assumir a presidência, com a aliança do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que se tornará réu por corrupção e lavagem de dinheiro pela Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quinta-feira 3.

Num gesto de vingança, após parlamentares do PT votarem por sua cassação no Conselho de Ética, Cunha aceitou, na Câmara, o pedido de impeachment apresentado pela oposição. Parlamentares liderados por Aécio Neves também atrapalharam votações a fim de impedir que fossem aprovadas medidas do ajuste fiscal, essencial para a recuperação econômica do País. O gesto foi criticado até mesmo por caciques do PSDB, que viram no partido uma tentativa de fazer oposição a qualquer custo, sem pensar no País.

Mais informações na reportagem da Agência Brasil:

IBGE: PIB fecha 2015 com queda de 3,8%

Nielmar de Oliveira – O Produto Interno Bruto (PIB) – soma de todos os bens e serviços produzidos no país – teve queda de 3,8% em 2015, a maior desde o início da série histórica atual, iniciada em 1996, na série sem ajuste sazonal.

Os dados relativos ao fechamento da economia brasileira no ano passado foram divulgados hoje (3) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), juntamente com o resultado do PIB do 4º trimestre do ano passado, que fechou com redução de 1,4% na série com ajuste sazonal na comparação com o trimestre anterior. Em valores correntes, o PIB fechou o ano passado em R$ 5,904 trilhões.

A retração da economia em 2015 reflete retrações em praticamente todos os setores da economia, com destaque para Formação Bruta de Capital Fixo (investimento em bens de capital), com queda de 14,1%

Os dados divulgados hoje indicam também quedas significativas na Indústria (6,2% ) e nos serviços (2,7%). O único setor avaliado que registrou crescimento no período foi a agropecuária, com crescimento de 1,8%.

8 de fevereiro de 2016
por admin
10 Comentários

Coluna da Gleisi Hoffmann: As boas notícias do início de 2016

Download áudio

Gleisi Hoffmann*

O preço que pagamos pela energia vai reduzir! É isso mesmo, a partir de março teremos, em média, 3% a menos na conta da luz. Pode parecer pouco, mas a aposta de grande parte do mercado é de que iria subir!

A taxa de juros não subiu! É verdade que ainda está muito alta, mas a avaliação majoritária era de que aumentaria meio ponto percentual. Mesmo não tendo sido uma decisão unânime do Banco Central, o indicativo que temos é de que não subirá no futuro. Espera-se, sinceramente, que comece um processo de redução.

O governo anunciou R$ 85 bilhões em crédito, que vão ajudar a animar a economia. Esse é um dinheiro que já está no mercado, não causará mais inflação e o juro será menor mesmo sem subsídio. São os recursos das ditas pedaladas fiscais, que a presidenta devolveu aos bancos públicos de uma só vez. Com isso, terão mais crédito a agricultura, microempresas, pequenas e médias empresas exportadoras. E não venha o mercado afirmar que não há demanda por crédito. Os bancos privados deixam de emprestar e quando o fazem, é com juros estratosféricos.

O dólar está estabilizando na casa dos R$ 4,00. Isso melhora a competitividade brasileira e faz nossa balança comercial permanecer positiva. Exportamos mais do que importamos.

Nossas reservas internacionais continuam a ser a sexta maior do mundo. São U$ 370 bilhões que protegem o país da especulação. Isso é o diferencial que temos diante de outras crises já enfrentadas pelo Brasil.

Vamos controlar a inflação este ano. A maioria dos analistas avalia que ficaremos perto da meta superior, cerca de 7%, mesmo com a alta deste início de ano, ligada ao reajuste das tarifas de ônibus, mensalidades escolares e preço de alguns alimentos.

As medidas de ajuste foram tomadas em 2015. Houve economia de mais de R$ 100 bilhões no orçamento, despesas foram reduzidas sem afetar os programas sociais. Muitas medidas foram discutidas e aprovadas pelo Congresso, aumentando receita e diminuindo despesas. O novo ministro da Fazenda também informou que colocará em dia o pagamento aos fornecedores de serviços e produtos prestados em convênios com a União.

E uma noticia interessante publicada foi de que as companhias aéreas bateram o recorde de passageiros no final de 2015. Nunca haviam transportado tantas pessoas como nessa temporada.

Apesar disso, a análise majoritária do mercado é de que o Brasil está em recessão, por ter queda no PIB pelo terceiro ano consecutivo, podendo cair mais em 2016 do que o previsto. A queda do PIB vai acontecer, já estava precificado. A economia internacional também vai sofrer reveses, atingindo parceiros importantes do Brasil, como China e Estados Unidos.

O que não pode continuar acontecendo é a apologia ao pessimismo e a desconfiança. Muitas medidas e muitas coisas foram feitas. Temos de reagir enquanto país, enquanto Nação. Todos nós somos um pouco líderes nesse processo. Temos condição de enfrentar a situação, optando por ver o “copo mei

8 de dezembro de 2015
por esmael
6 Comentários

“Custo Beto Richa” derruba produção industrial do Paraná em 5,7%

A produção industrial do Paraná despencou 5,7% no mês de outubro, diz pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O custo Beto Richa (PSDB) tem contribuído para a desaceleração da economia. Quando a comparação compreende outubro de 2014 e outubro de 2015, a queda na produção industrial no estado foi de 14,3%.

O setor da metalurgia apresentou a maior taxa de retração, 62,33%, seguido de materiais eletrônicos e de comunicações (24,55%) e veículos automotores (18,36%).

A única atividade que teve crescimento nesse período foi a da industrial do papel e celulose (7,6%).

O desemprego neste ano, de janeiro a outubro, ficou em 4,99% “com viés de alta”.

Antes que o tucano venha falar que “a culpa é da Dilma”, no mês passado ele bateu no peito para reivindicar a ascensão do Paraná à posição de quarta maior economia do Brasil (clique aqui).

Para a Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), o estado do Paraná respondeu por 6,3% de todas as riquezas produzidas no país em 2013, superando o resultado do Rio Grande do Sul, com 6,2%, “apesar de Beto Richa”.

Agora, a queda do PIB, é atribuída à desastrosa política fiscal do governador do PSDB.

De acordo com a Fiep, o recuo da atividade industrial paranaense tem a ver com o reajuste pedágio mais caro do mundo, fechamento de escolas, aumento de tarifas e tributos, dentre outras maldades do governo do estado.

4 de dezembro de 2015
por admin
20 Comentários

Coluna do Marcelo Belinati: O Impeachment, Eduardo Cunha e o povo brasileiro

Download

Marcelo Belinati*

O processo de impeachment da presidente Dilma (PT) pode se tornar o capítulo derradeiro do roteiro de uma tragédia anunciada.

Situação questionando a legitimidade do presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB), oposição defendendo o processo, acusações e mais acusações de ambas as partes. E o povo brasileiro lamentavelmente no meio disso tudo.

E as pessoas? Como ficam?

São graves as consequências para os trabalhadores, aposentados, donas de casa, o pequeno e médio comerciante e industrial, o profissional liberal, enfim, para toda sociedade.

Tem gente perdendo o sono com medo de ficar desempregado….

Aí vem à mente a questão: quem nasceu primeiro, o ovo ou a galinha? A crise política ou a crise econômica? A meu ver pouco importa, sabemos que elas se entrelaçam como se fossem elos de uma só corrente. No entanto, sofrendo as consequências disso tudo está o povo brasileiro com seus anseios, suas necessidades, sonhos e esperança.

Indicadores econômicos contaminados, como há décadas não se via, e uma sucessão interminável de escândalos de corrupção formam um cenário devastador que rapidamente está dilapidando não só patrimônio político construído pelo Partido dos Trabalhadores nos últimos 13 anos no exercício do poder como, sobretudo, as conquistas sociais das últimas duas décadas que são inegáveis.

O episódio recente do Mensalão, que culminou com a condenação e a consequente prisão de boa parte da cúpula do partido, não só foi ignorado, como repetido em escala maior como tem demonstrado a Operação Lava Jato.

Juros altos, volta da inflação, disparada do dólar, demissões em massa, aumento da carga tributária, deficit orçamentário, corte de investimentos na educação, na saúde

31 de agosto de 2015
por esmael
3 Comentários

Valor do salário mínimo será R$ 865 em 2016; é mole ou quer mais?

da Agência Senado

salario_orcamento2016Salário mínimo de R$ 865,50, crescimento econômico perto do zero e déficit orçamentário de R$ 30 bilhões. Esses são alguns dos principais destaques do projeto do Orçamento de 2016, entregue pelos ministros do Planejamento, Nelson Barbosa, e da Fazenda, Joaquim Levy, ao presidente do Senado, Renan Calheiros, na tarde desta segunda-feira (31) — último dia do prazo para envio do Orçamento da União ao Congresso.

O documento apresenta as expectativas de arrecadação e a fixação de quanto o governo vai gastar em cada área. Previsões sobre o produto interno bruto (PIB) e inflação também constam do texto. Na visão de Renan, o orçamento deficitário revela uma mudança de atitude do governo, que elaborou um orçamento “verdadeiro” e “realista”. Renan pediu entendimento em torno de uma agenda suprapartidária, que preserve o interesse nacional, para enfrentar a situação fiscal do país.