PIB da China cresce 8,1% em 2021, o mais rápido em quase uma década

PIB da China cresce 8,1% em 2021, o mais rápido em quase uma década

Google News

O PIB da China cresceu 8,1% em 2021, crescendo mais rápido em quase uma década e ficando bem acima da meta anual do governo de atingir uma taxa de crescimento acima de 6%.

A expansão robusta, que supera a expectativa do mercado e eclipsa a maioria das outras grandes economias em termos de dois anos, indica um caminho de recuperação econômica estável – com base na estratégia epidêmica de tolerância zero do país – que Pequim vem encenando inabalavelmente, apesar das calúnias ocidentais e ventos contrários ao longo do ano, que variaram de surtos esporádicos de coronavírus, problemas no setor imobiliário, aumentos de preços de commodities a granel a uma crise de energia.

O PIB total do país em 2021 atingiu 114,37 trilhões de yuans (US$ 18 trilhões), segundo dados divulgados pelo National Bureau of Statistics (NBS) nesta segunda-feira (17/01).

Liu Xuezhi, especialista sênior em macroeconomia do Banco de Comunicações, disse ao Global Times que a economia da China em 2021 continuou uma “recuperação leve” na era pós-COVID, com os principais índices econômicos operando em um nível relativamente estável.

Em 2021, o PIB per capita da China era de cerca de US$ 12.551, de acordo com o NBS, próximo ao de um “país de alta renda”, conforme definido pelo Banco Mundial, e superando a média global do PIB per capita.

O volume econômico em 2021 representou um aumento de US$ 2 trilhões em comparação com 2020, ou aproximadamente o equivalente ao PIB da 8ª maior economia do mundo da Itália em 2020, com base no cálculo do Global Times.

“A escala da produção econômica incremental em 2021 também atingiu um novo recorde”, disse Tian Yun, ex-vice-diretor da Associação de Operações Econômicas de Pequim, ao Global Times. Ele estimou que, de 2020 a 2021, o incremento econômico da China contribuiu com impressionantes 50% para o do mundo, destacando o papel da China como âncora e estabilizador da economia global.

Veja também  Câmara vai ao STF contra a Lava Jato

Em 2020, a China foi a única grande economia do mundo a conseguir uma expansão, com uma taxa de crescimento do PIB de 2,3%. Tirando o efeito base e traduzindo em termos de dois anos para uma avaliação objetiva, o crescimento médio do PIB da China foi de 5,1% de 2020 a 2021, também liderando a maioria das economias do mundo, disseram analistas.

De acordo com um relatório do Banco Mundial, o PIB dos EUA deve crescer 5,6% em 2021, e isso se traduz em uma taxa média de crescimento estimada de 1,05% no período 2020-2021.

No quarto trimestre de 2021, o PIB da China cresceu 4,0%. O crescimento econômico no primeiro, segundo e terceiro trimestres foi de 18,3%, 7,9% e 4,9%, respectivamente.

“A expansão trimestral do PIB da China diminuiu gradualmente ao longo do ano. A pressão descendente culminou em um pico no terceiro trimestre, mas a maioria foi eliminada no quarto trimestre, o que significa que a economia atingiu o fundo do poço e pode iniciar um avanço este ano”, disse Tian, ​​também observando uma base maior no segundo semestre de 2020.

Enquanto a mídia ocidental tem exaltado como a estratégia dinâmica de tolerância zero COVID da China infligiu enormes danos à segunda maior economia do mundo, os analistas desmascaram essas alegações apontando que é a estratégia que custa menos para garantir que a maior fábrica do mundo se recupere mais rapidamente, continuando rugindo e fornecendo para o mundo.

A produção industrial da China – impulsionada pela forte demanda no exterior e uma cadeia de suprimentos resiliente em casa – continuou sua trajetória vibrante em 2021, enquanto o investimento em manufatura e imóveis foi moderado e o ressurgimento do coronavírus pesou sobre o consumo.

Veja também  Artistas fazem performance contra a atuação de Jair Bolsonaro no combate à pandemia

De acordo com a NBS, as vendas no varejo, reflexo do consumo nacional, subiram 12,5% ano a ano, para 44,08 trilhões de yuans no ano passado. O valor agregado industrial expandiu 9,6% e o investimento em ativos fixos aumentou 4,9%, atingindo 54,45 trilhões de yuans.

Em 2021, o volume de comércio exterior da China atingiu US$ 6,05 trilhões em 2021, ultrapassando o marco de US$ 6 trilhões pela primeira vez, segundo dados alfandegários divulgados na sexta-feira.

Analistas disseram que, no curto prazo, a disseminação da variante Omicron altamente transmissível em Pequim, Zhuhai na província de Guangdong, no sul da China, e no município de Tianjin, no norte da China, bem como o ressurgimento da variante Delta em várias cidades, lançou uma sombra sobre os gastos durante os feriados do Festival da Primavera e as perspectivas econômicas para o primeiro trimestre de 2022, embora esse impacto provavelmente desapareça no segundo trimestre.

De acordo com um relatório divulgado pela Academia Chinesa de Ciências, o crescimento do PIB da China deverá moderar em torno de 5,5% em 2022.

“Este ano, as autoridades devem ajustar uma política fiscal mais proativa para sustentar a economia, mas não será como um estímulo ‘semelhante a uma inundação'”, disse Tian.

Do Global Times

Pibinho de Bolsonaro decepciona até Michelle Bolsonaro; PIB de Bolsonaro recuou 0,1% no 3º trimestre