Covid-19: fortunas de bilionários aumentaram mais durante a crise do que na última década, segundo Oxfam

Covid-19: fortunas de bilionários aumentaram mais durante a crise do que na última década, segundo Oxfam

Google News

Segundo a ONG britânica, a fortuna acumulada dos bilionários aumentou em 5.000 bilhões de dólares, atingindo seu nível mais alto até hoje, 13.800 bilhões. Desde o início da pandemia, 160 milhões de pessoas caíram na pobreza.

Os ricos estão ainda mais ricos dois anos após o início da pandemia de Covid-19. Segundo a ONG Oxfam, a riqueza dos dez homens mais ricos do mundo dobrou desde o início de 2020. “O aumento das desigualdades econômicas, de gênero e raciais e as desigualdades entre os países estão destruindo nosso mundo”, denuncia a ONG que luta contra a pobreza, em um relatório intitulado “As desigualdades matam”, publicado segunda-feira, 17 de janeiro, poucos dias antes da abertura do Fórum Econômico Mundial em Davos.

A riqueza acumulada de todos os bilionários experimentou “seu maior aumento já registrado” desde o início da pandemia de Covid-19, em 5 trilhões de dólares, para atingir seu nível mais alto até o momento, 13.800, bilhões. O mundo agora tem um novo bilionário a cada vinte e seis horas, enquanto 160 milhões de pessoas caíram na pobreza no mesmo período, calcula a ONG.

As dez pessoas mais ricas do mundo incluem, segundo a revista Forbes, o empresário americano Elon Musk, o chefe da fabricante de carros elétricos Tesla; Jeff Bezos, o fundador do site de comércio eletrônico Amazon; o francês Bernard Arnault, dono do grupo de luxo LVMH; Bill Gates, o fundador da Microsoft; Mark Zuckerberg, o criador da rede social Facebook; o empresário americano Warren Buffett; Larry Ellison, o fundador do número um mundial em gestão de bancos de dados, Oracle.

Um imposto de 99% sobre a renda dos ricos

A ONG acrescenta que “podemos superar a pobreza extrema através da tributação progressiva” e de sistemas públicos de saúde gratuitos para todos. “Um imposto inesperado de 99% sobre a renda pandêmica dos dez homens mais ricos produziria vacinas suficientes para o mundo, forneceria proteção social e médica universal, financiaria a adaptação climática e reduziria a violência relacionada ao clima. gênero em oitenta países”, dá o exemplo da ONG. Ela especifica que isso ainda deixaria “8 bilhões a mais do que antes da pandemia para esses homens”.

Veja também  Bolsonaro já procura um nome para a Saúde no lugar de Pazuello

A desigualdade contribui para a morte de ‘pelo menos 21.000 pessoas por dia’, diz a Oxfam, com base em mortes por falta de acesso à saúde, fome e crise climática. “Os bilionários tiveram uma tremenda pandemia. Os bancos centrais injetaram trilhões de dólares nos mercados financeiros para salvar a economia, muitos dos quais acabaram nos bolsos de bilionários. »

O Fórum Econômico Mundial alertou, por sua vez, que as grandes desigualdades no acesso a vacinas contra a Covid-19 podem enfraquecer a luta por grandes causas internacionais, como as mudanças climáticas. Adiado para o verão de 2022 por causa da variante Omicron, este encontro entre líderes empresariais e líderes políticos de todo o mundo foi substituído por uma edição online que abre na segunda-feira e continuará até 21 de janeiro.

Do Le Monde, com AFP

Os ricos ficaram mais ricos durante a pandemia de coronavírus, diz Oxfam

Oxfam alerta que pandemia pode levar 500 milhões para pobreza