8 de Fevereiro de 2018
por esmael
Comentários desativados em TIM quer comprar as estatais Copel e Cemig nas áreas de telecomunicações

TIM quer comprar as estatais Copel e Cemig nas áreas de telecomunicações

A Telecom Itália, controladora da TIM no Brasil, quer comprar as divisões de telecomunicações das estatais de energia Cemig e Copel. A empresa de telefonia quer ampliar a presença no mercado brasileiro de banda larga. Leia mais

5 de julho de 2016
por esmael
6 Comentários

Marcelo Araújo: A propaganda enganosa de Gustavo Fruet

marcelo_colunaO advogado Marcelo Araújo, especialista em trânsito e multa, em sua coluna desta terça (5), diz que a propaganda “enganosa” da gestão Gustavo Fruet (PDT), na Prefeitura de Curitiba, é caso de PROCON. Abaixo, leia, ouça, comente e compartilhe a íntegra do texto:

13 de agosto de 2015
por esmael
52 Comentários

Coluna do Requião Filho: Nota Fiscal Paranaense, a grande mentira!

notafRequião Filho*

Download

O programa Nota Fiscal Paranaense, na forma divulgada, se caracteriza como verdadeira propaganda enganosa. Explico: a devolução de impostos ao consumidor, pregada pelo Governo, será mínima. Está se criando uma falsa expectativa no povo paranaense!

Depois de sobretaxar mais de 90 mil produtos que antes eram isentos, o governo lança mão de um artifício do qual é useiro e vezeiro, a mentira. Gasta o dinheiro que tira da educação em uma campanha prometendo mundos de crédito ao cidadão.

A propaganda do referido programa esqueceu de mencionar que quase a totalidade dos produtos consumidos no dia a dia não gerarão qualquer retorno e que não basta pedir crédito tem que fazer o cadastro para poder se creditar.

O próprio site oficial do Estado está na contramão da propaganda do programa, vez que traz informações que demonstram que grande parte das Notas Fiscais não gerará o retorno esperado.

O Governador Beto Richa (PSDB) e seu Secretário da Fazenda, Mauro Ricardo Costa, apostam suas fichas na memória curta do povo e na suposta falta de conhecimento de matemática básica, talvez por estarem costumados a menosprezar a educação no Estado. Eles acreditem que o povo não sabe fazer conta

Vamos aos números, Richa tributou produtos em 18% que antes eram totalmente isentos

4 de dezembro de 2014
por esmael
27 Comentários

Coluna do Requião Filho: Estelionato eleitoral de Richa é caso de PROCON

richa_procon_requiao.jpgRequião Filho*

A realidade tem uma mania irritante de sempre vir à  tona. Mentiras, já diz o dito popular tem perna curta. Durante o ano eleitoral o investimento em publicidade do governo do estado do Paraná foi massivo. Os acordos com jornalões e jornalecos ocultavam a verdadeira situação do estado. Acabaram as eleições e a oposição falhou, falhamos, em expor a realidade. A mentira e a propaganda abafaram a verdade… mas a verdade sempre vem à  tona.

O boneco do ventríloquo é agora governador por mais 4 anos. E as notícias que temos no Estado indicam que cabe uma reclamação ao PROCON por propaganda enganosa, ou uma queixa na delegacia por estelionato eleitoral.

Veja o que diz uma dessas matérias do famoso folhetim gazeta do Povo:

Publicamente, desde que se lançou à  reeleição, Richa tem afirmado que “O MELHOR ESTà POR VIR” no segundo mandato. Em sabatina à  Gazeta do Povo antes do 1.!º turno, por exemplo, afirmou: “ACHO QUE AS COISAS ESTàƒO DE CERTA FORMA INDO BEM. AGORA COM A CASA EM ORDEM E A MàQUINA AZEITADA, VAMOS AVANà‡AR MAIS”. Segundo aliados próximos, porém, a realidade é completamente diferente. Alguns chegam a classificar a situação financeira do estado como “desesperadora”.!

Mentiu o candidato? Nada sabia? Eu acho que o titereiro deste teatro não contou para ele a real situação, e ele nunca se preocupou em perguntar. Como bom ventríloquo, os marqueteiros fizeram o povo acreditar que o boneco falava e sabia do que estava falando. Mas…

Voltando a citar o nosso folhetim predileto, somos informados que o líder do governo da Assembleia, deputado Ademar Traiano (PSDB), afirmou que as medidas são impopulares, porém necessárias para colocar em ordem as contas do estado.

A realidade chegou e, para cobrir os rombos e conseguir pagar a folha começou o desespero. Veio um pacote de maldades ou, como eu prefiro chamar, um raspa tacho.

O governo aprovou uma emenda no orçamento que permite que ele utilize livremente 15% de sua receita sem consultar o Legislativo. Assim, puxa o cobertor sobre a cabeça para descobrir os pés e nesse passo irá sempre deixando algo descoberto.

24 de agosto de 2014
por esmael
44 Comentários

Requião promete ir ao PROCON contra “propaganda enganosa” de Richa

Requião promete duas ações de campanha que podem agitar a semana política no Paraná; ele afirma que vai ao PROCON contra "propaganda enganosa" do governador Beto Richa no horário eleitoral e adianta que levará ao debate na Band TV, na quinta (28), um "detector de mentiras" importado da Finlândia que apitará toda vez que o tucano mentir nas respostas durante o confronto televisivo.

Requião promete duas ações de campanha que podem agitar a semana política no Paraná; ele afirma que vai ao PROCON contra “propaganda enganosa” do governador Beto Richa no horário eleitoral e adianta que levará ao debate na Band TV, na quinta (28), um “detector de mentiras” importado da Finlândia que apitará toda vez que o tucano mentir nas respostas durante o confronto televisivo.

Devido à  dificuldade de a Justiça Eleitoral inibir a propaganda enganosa no horário político partidário no rádio e na televisão, o senador Roberto Requião (PMDB) quer enquadrar o governador Beto Richa (PSDB), que tenta a reeleição, no código de proteção ao consumidor por “mentir” aos eleitores paranaenses. Leia mais

1 de Maio de 2014
por esmael
38 Comentários

Coluna do Requião Filho: Beto Richa, prazo de vencimento 31/12/2014

Requião Filho*

No mundo varejista quando um produto encalha nas prateleiras, ou está perto de sua data de vencimento, a ordem é colocar em promoção. Um produto que não sai das prateleiras ou não agradou o público desde o início ou teve uma boa aceitação e logo depois caiu em desgraça, ou seja, não foi aprovado. Para qualquer marca é ruim ter um produto encalhado, desvaloriza a marca, é uma contrapropaganda.

Teve um produto aqui no Paraná que pelo jeito empacou nas prateleiras, e, tem sua data de validade bem perto do vencimento. Ele foi muito caro, demandou muita pesquisa de mercado e inúmeras alterações até se chegar a algo de sabor palatável ao grande público. Mudaram tanto este produto que se fosse um sorvete teria de ser o famoso tutti-frutti, que não passa de uma mistura dos restos de xarope da fabrica. Este, sem identidade definida, teve uma campanha de marketing brutal e foi maciçamente empurrado por atores pagos! dizendo que era ótimo!

O produto que vendeu bem no começo não teve uma vida feliz. Na sequência, o atendimento ao consumidor foi reprovado por tratar mal a população e a propaganda se mostrou enganosa. Ele simplesmente não cumpriu o que prometeu. Não existiu a possibilidade de devolvê-lo. Quem comprou se viu obrigado a aguentar seus resultados pífios por 4 anos.

Pior: quem não comprou foi obrigado a ver os resultados desastrosos que este produto gerou.

Dizia que seria mais econômico, não foi. Dizia que seria mais eficaz, não foi. Dizia agir mais rápido, não agiu. Mostrou-se fruto de um marketing que, na prática, quebrou assim que abriu a caixa. Não digo que, conforme conhecido jargão popular, foi feito na China!. Dizem as más línguas que foi feito aqui no Paraná mesmo.

O produto de qualidade duvidosa e grande campanha publicitária tem seu prazo de validade vencendo no dia 31 de dezembro de 2014.

Como todo bom varejista o povo que criou o produto agora o oferece com promoção. A propaganda promete que quem compra-lo poderá ganhar um DAS de brinde, ou ter alguma divida quitada. Existe até promoção especial para um público VIP: quem comprar concorre por sorteio à  vice-governadoria do Estado. Um seleto grupo que o adquiriu está concorrendo à  campanha com tudo pago para cargos no legislativo.

O problema é que fora este grupo agraciado com a esperança de ganhar algum prêmio, setores inteiros de consumidores rejeitam o produto e fazem campanha na net para que seja descontinuada sua produção. Entre os insatisfeitos estão professores, militares, médicos, e funcionários públicos em geral.

No desespero, contrataram pessoas para serem promotores do produto, prometeram pagar com um cheque pré-datado, vale-obras e vale-convênios. Mas como a credibilidade e o crédito da marca que vende este produto encalhado estão ruins, a campanha é um desastre.

à‰ minha gente, parece que este produto vai ficar na prateleira até vencer e apodrecer….

*Requião Filho é advogado, especialista em políticas públicas, escreve à s quintas no Blog do Esmael.