Meirelles anuncia calote nas emendas parlamentares

Temer põe focinheira nos ministros

ministros_focinheiraO governo golpista de Michel Temer resolveu colocar focinheira nos ministros interinos para que eles não falem “bobagens”. Os primeiros a utilizar o acessório, no Palácio do Planalto, foram Ricardo Barros (Saúde), Mendonça Filho (Educação), Alexandre Moraes (Justiça) e Henrique Meirelles (Fazenda).

O objetivo é evitar declarações “supersinceras” sobre suas pastas, isto é, proibi-los de falar o que pretendem fazer de verdade em suas respectivas pastas. A ideia é não deixá-los revelar as maldades em curso.

Acabou o suspense: Nelson Barbosa é o novo ministro da Fazenda

do Brasil 247

Indicação foi definida na tarde desta sexta-feira 18 pela presidente Dilma Rousseff; atual ministro do Planejamento, Nelson Barbosa vai substituir Joaquim Levy no Ministério da Fazenda; Barbosa e Levy divergiram em vários momentos ao longo de 2015; menos "fiscalista" do que Levy, Barbosa defendeu metas de superávit fiscal mais brandas.
Indicação foi definida na tarde desta sexta-feira 18 pela presidente Dilma Rousseff; atual ministro do Planejamento, Nelson Barbosa vai substituir Joaquim Levy no Ministério da Fazenda; Barbosa e Levy divergiram em vários momentos ao longo de 2015; menos “fiscalista” do que Levy, Barbosa defendeu metas de superávit fiscal mais brandas.

Dilma dividida entre Ciro e Requião para o Ministério da Fazenda

Nos bastidores da política, fala-se que Ciro tem certa vantagem competitiva em relação aos demais nomes. O ex-ministro é pré-candidato à Presidência da República pelo PDT e, se arrumar a economia, tornar-se-ia o ungido de Dilma.
Nos bastidores da política, fala-se que Ciro tem certa vantagem competitiva em relação aos demais nomes. O ex-ministro é pré-candidato à Presidência da República pelo PDT e, se arrumar a economia, tornar-se-ia o ungido de Dilma.
A presidente Dilma Rousseff (PT) analisa dois possíveis nomes para substituir o ministro Joaquim Levy, que deixará em breve a Fazenda. Um deles é o do ex-governador e ex-ministro Ciro Gomes (PDT-CE). Outro, também ex-governador, é o senador Roberto Requião (PMDB-PR).

Outros nomes ligados aos “desenvolvimentistas” são cogitados para o cargo, como os economistas Luciano Coutinho, presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e Luiz Gonzaga Beluzzo.

Requião se encaixa no grupo dos desenvolvimentistas e é um dos mais ácidos críticos da política econômica de Levy que, segundo ele, “arrocha os salários para beneficiar o capital vadio”.

Garganta Profunda de Londrina: “Richa sonha indicar substituto de Levy”

Garganta Profunda de Londrina arremata: “Sorte do Brasil que foi apenas um sonho de Beto Richa. Azar dos Paraná que foi apenas um sonho de Beto Richa”, nos alivia Garganta Profunda de Londrina; Na vida real, a expectativa é que a presidente Dilma Rousseff (PT) dê um “cavalo de pau” na economia, mudando-a substancialmente indicando um nome para a Fazenda ligado ao desenvolvimentismo – em contraposição ao modelo atual que beneficia o capital especulativo.
Garganta Profunda de Londrina arremata: “Sorte do Brasil que foi apenas um sonho de Beto Richa. Azar dos Paraná que foi apenas um sonho de Beto Richa”, nos alivia Garganta Profunda de Londrina; Na vida real, a expectativa é que a presidente Dilma Rousseff (PT) dê um “cavalo de pau” na economia, mudando-a substancialmente indicando um nome para a Fazenda ligado ao desenvolvimentismo – em contraposição ao modelo atual que beneficia o capital especulativo.
“O governador Beto Richa (PSDB) tem um sonho, que é se livrar do secretário de Estado da Fazenda, Mauro Ricardo Costa, importado de São Paulo, mandando-o para ocupar o lugar de Levy, de saída do Ministério da Fazenda”. A informação é de Garganta Profunda de Londrina, principal informante do Blog do Esmael dentro do Palácio Iguaçu.

O nosso Julian Assange das Araucárias captou na antessala de Richa, onde tem acesso fácil e diário, que “se Mauro Ricardo resolveu as finanças do Paraná, por que não estaria preparado para resolver a crise econômica que assola o país?”.

Na verdade, Mauro Ricardo Costa é um alienígena que não tem compromisso algum com o Paraná. Trata-se de um forasteiro indicado para o cargo pelo primo do governador, o lobista Luiz Abi Antoun, que esteve preso sob a acusação de chefiar uma quadrilha no governo do estado.

Enfim, PT adere à tese de Requião: ‘Fora Levy’; Dilma grita “Fica Levy’

Grupo suprapartidário de senadores, deputados e economistas, tais como Márcio Pochmann e Luiz Gonzaga Belluzzo, lançarão em Brasília um Plano de Desenvolvimento da Nação; evento ocorrerá às 15 horas no gabinete do senador Roberto Requião (PMDB-PR); Blog do Esmael, em parceria com a TV 15, vai transmitir ao vivo a divulgação do ato político para o Brasil e o mundo.
Grupo suprapartidário de senadores, deputados e economistas, tais como Márcio Pochmann e Luiz Gonzaga Belluzzo, lançarão nesta terça-feira (20), em Brasília, um Plano de Desenvolvimento da Nação; evento ocorrerá às 15 horas no gabinete do senador Roberto Requião (PMDB-PR); Blog do Esmael, em parceria com a TV 15, vai transmitir ao vivo a divulgação do ato político para o Brasil e o mundo.

Como se fosse um “corpo estranho”, que não estivesse no cargo pela sua escolha, o PT pede que o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, “mude” ou “caia fora” do governo Dilma Rousseff.

No Congresso Nacional, a especulação é de que o ministro não resiste esta semana.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em reunião com a bancada petista, em Brasília, na última sexta, também teria sugerido a demissão de Levy.

Na prática, o PT se rende à tese do senador Roberto Requião (PMDB-PR) que anteviu o aprofundamento da crise econômico em virtude do arrocho imposto pelo ministro da Fazenda. Para ele, Levy é o representante dos banqueiros contra a produção e o consumo.

Deu chabu na audiência pública sobre finanças do governo Beto Richa; secretário da Fazenda fala às moscas

Sobra de R$ 1,4 bilhão no caixa de Beto Richa (PSDB), nos últimos 8 meses, foi fruto do sangue derramando no massacre de 29 de abril, no Centro Cívico, quando 213 ficaram feridos defendendo R$ 8 bilhões da previdência; tucano já sacou R$ 2 bilhões desse dinheiro; resumo da ópera: couro dos paranaenses está pagando o arrocho fiscal do “Carniceiro do Centro Cívico”.
Sobra de R$ 1,4 bilhão no caixa de Beto Richa (PSDB), nos últimos 8 meses, foi fruto do sangue derramando no massacre de 29 de abril, no Centro Cívico, quando 213 ficaram feridos defendendo R$ 8 bilhões da previdência; tucano já sacou R$ 2 bilhões desse dinheiro; resumo da ópera: couro dos paranaenses está pagando o arrocho fiscal do “Carniceiro do Centro Cívico”.
As bancadas de oposição e independente abandonaram o plenário da Assembleia Legislativa, esta tarde, durante audiência pública, em protesto contra o atraso no envio da apresentação da prestação de contas pela Secretaria da Fazenda.

“Os atrasos têm a intenção de inviabilizar análises aprofundadas e impedir o debate sobre a fragilizada situação financeira e fiscal do Paraná”, anunciou o deputado Nereu Moura, líder do PMDB.

O titular da pasta importado de São Paulo pelo PSDB, Mauro Ricardo Costa, tentou disfarçar dizendo que transferiu o título de eleitor para o Paraná, mas ele acabou falando às moscas.

Além da retirada organizada de deputados oposicionistas e independentes, uma penca de governistas não compareceu à enfadonha exposição.

O Blog do Esmael antecipou na manhã de hoje o balanço que o secretário importado repete a poucos parlamentares governistas, ou seja, ele prega para convertidos na Assembleia.

‘Pacotes de maldades’ de Richa custaram R$ 18 para cada paranaense; governo economizou apenas R$ 1

Superávit de R$ 1,4 bilhão foi conseguido pelo governo Richa após covarde massacre e dois 'pacotes de maldades', que confiscou dinheiro da aposentadoria e aumentou ICMS e IPVA; vem aí o terceiro pacotaço, aprovado ontem pela Assembleia, o quarto...
Superávit de R$ 1,4 bilhão foi conseguido pelo governo Richa após covarde massacre e dois ‘pacotes de maldades’, que confiscou dinheiro da aposentadoria e aumentou ICMS e IPVA; vem aí o terceiro pacotaço, aprovado ontem pela Assembleia, o quarto…
O secretário da Fazenda importado, Mauro Ricardo Costa, participará de uma audiência pública nesta quarta-feira (30), às 14h30, na Assembleia Legislativa do Paraná.

O interventor do PSDB nacional nas finanças do estado terá a oportunidade de explicar aos deputados, caso queiram perguntar, por que o governo Richa só economizou um R$ 1 e os paranaenses estão pagando R$ 18 pelo ‘pacote de maldades’. Essa conta foi realizada pelo repórter Euclides Lucas Garcia, do jornal Gazeta do Povo.

Segundo dados da Fazenda, a receita total do governo nos 8 primeiros meses foi de R$ 25,3 bilhões e o tesouro tem um superávit de R$ 1,4 bilhão.

Esse dinheiro em caixa é fruto do massacre dos professores no último dia 29 de abril, durante a votação do confisco da poupança previdenciária. O governo Beto Richa (PSDB) já surrupiou R$ 2 bilhões das aposentadorias dos servidores públicas. Ou seja, a grana que sobra está suja com o sangue derramado no Centro Cívico e com o suor dos trabalhadores que pagam a conta do aumento dos tributos.

Requião realiza comício neste sábado pela demissão de Levy e contra a corrupção no governo Richa

Mais ricos podem ser taxados em até 35% no Imposto de Renda

do Bloomberg, via Brasil 247

Levy_IRO governo da presidente Dilma Rousseff está estudando um aumento de imposto sobre os detentores dos maiores salários do Brasil entre as diversas opções para elevar as receitas e reduzir o déficit cada vez maior do orçamento, segundo um funcionário de sua equipe econômica que participa das discussões.

Segundo a proposta, o governo criaria uma nova alíquota fiscal com uma taxa de 32 a 35 por cento para aqueles que possuem os salários mais elevados, disse o funcionário, que pediu anonimato porque as discussões não são públicas. A taxa tributária do salário mais elevado é, atualmente, de 27,5 por cento para aqueles que recebem mais de R$ 4.665 (US$ 1.222) por mês.

Lula e Requião podem ser novidades na reforma do ministério de Dilma

Para “limpar a barra”, Assembleia deverá aprovar hoje reajuste de 8,17% aos servidores do judiciário

Governo tem caixa para pagar 8,17% de reajuste, mas Richa diz “NÃO” a professores e servidores

Sobe a arrecadação do governo Richa, mas dinheiro “some” do caixa

receita_calote_richa“Há algo de podre no reino da Dinamarca”, constava William Shakespeare na tragédia Hamlet.

Qualquer semelhança da sentença acima com o Paraná governado pelo tucano Beto Richa seria mera coincidência? Vamos ver abaixo.

De acordo com o Sistema Integrado de Acompanhamento Financeiro (Siaf), consultado pelo Blog do Esmael, entre janeiro e abril de 2015, houve aumento de 9,59% na receita arrecadada pelo governo do estado em comparação ao mesmo período de 2014.

Em números absolutos, entre janeiro de abril deste ano o tesouro estadual arrecadou R$ 12,345 bilhões ante os R$ 11,265 bilhões do ano passado. Portanto, houve acréscimo no caixa de R$ 1,080 bilhão nesse espaço de tempo.

O aumento da arrecadação tem a ver com os tarifaços de 40% no IPVA e de 50% no ICMS, como já era previsto.

O diabo é que esse dinheiro sumiu.

“Conspiração” contra Richa teria causado a demissão da vice-governadora Cida Borghetti

[vc_row][vc_column][vc_column_text]richa_barros

Fontes do Blog do Esmael no Palácio Iguaçu afirmam que a exoneração da vice-governadora, Cida Borghetti (PROS), na noite de sexta-feira (22), teria a ver com conspiração liderada pelo marido dela, o deputado federal Ricardo Barros (PP), contra o governador Beto Richa (PSDB). Portanto, o desligamento da vice da função de Representante do Paraná em Brasília, com status de secretária, não foi nada tranquilo como querem fazer crer por aí.

Quanto chegou no Distrito Federal, Cida fez a maior festa. Reuniu-se com a bancada paranaense, agendou reuniões com ministros, enfim, fez o fervo. Não parecia que iria durar tão pouco tempo.

“A vice agora passou a ser chamada, em Brasília, de ‘Cida, a Breve’“, ironizou um parlamentar o fato dela ter permanecido menos de um mês no cargo.

Não é segredo para ninguém que há uma guerra intestina entre os palacianos para comandar o barco que está à deriva desde o início dos escândalos de corrupção e pedofilia — agravados pelo massacre de professores e servidores públicos no dia 29 de abril.

“Os Barros conspiram contra o governo de Beto Richa (PSDB). Eles são de extrema-direita. São os que mais atrapalham o acordo com os grevistas, pois estão aflitos, viram a chance de tomar o Palácio Iguaçu, e por isso querem radicalizar propondo o confronto, reajuste zero e cacete. Fizeram até conta da data-base parcelada em quatro anos”, revela um assessor do governador tucano.

Depois da PRprevidência, Beto Richa planeja privatizar Sanepar e Copel para cobrir rombo no caixa

Trabalhadores da Sanepar realizaram protesto, na manhã desta quinta (21),  contra o secretário da Fazenda e presidente do conselho de administração da empresa; "interventor" do PSDB nacional, importado da Bahia, hoje, é quem realmente manda no Paraná, em declaração à imprensa avisou que "fatias" da Copel e da estatal de água serão privatizadas; no último dia 29 de abril, o governo Beto Richa confiscou a poupança previdenciária dos servidores para cobrir rombo no caixa.
Trabalhadores da Sanepar realizaram protesto, na manhã desta quinta (21), contra o secretário da Fazenda e presidente do conselho de administração da empresa; “interventor” do PSDB nacional, importado da Bahia, hoje, é quem realmente manda no Paraná, em declaração à imprensa avisou que “fatias” da Copel e da estatal de água serão privatizadas; no último dia 29 de abril, o governo Beto Richa confiscou a poupança previdenciária dos servidores para cobrir rombo no caixa.

O governo de Beto Richa (PSDB) parece ser um buraco sem fundo. Não há dinheiro que chegue para cobrir o rombo no caixa. Nem mesmo os tarifaços no IPVA, água, luz, ICMS, etc., e o saque de R$ 500 milhões da poupança previdenciária dos servidores públicos foram suficientes para estancar a sangria provocada pelo “choque de gestão” do tucano.

Na fatídica tarde de 29 de abril, enquanto o Palácio Iguaçu autorizava o massacre de professores e servidores, a Assembleia aprovava o confisco mensal de R$ 150 milhões da ParanáPrevidência – ou R$ 2 bilhões ao ano em valores corrigidos.

Pois bem. Depois de amealhar a poupança dos funcionários públicos, agora o governador do PSDB mira agora nos ativos da Sanepar e da Copel. São duas empresas consideradas as “joias da coroa” e outrora orgulho dos 11 milhões de paranaenses.

Na manhã desta quinta-feira (21), dezenas de saneparianos protestaram em frente ao prédio da Sanepar cujo presidente do Conselho de Administração, Mauro Ricardo Costa, dublê de secretário da Fazenda, antecipou que o governo do Paraná pretende vender fatias das empresas e água e esgoto (Sanepar) e de energia e comunicações (Copel).

Beto Richa bem que tentou desmentir o secretário, mas o projeto privatista está no DNA dos tucanos. Portanto, prevalece a posição de Costa porque este parece ser mais forte que o próprio governador. O titular da Fazenda fora importado da Bahia como uma espécie de “interventor” do PSDB nacional nas finanças do Paraná.

Piora crise política no PR: Detran entra em greve; 4 universidades podem ser fechadas pelo governo Richa

Para atravessar o Rubicão!, Beto Richa precisará demitir os secretários alienígenas! da Fazenda e Educação

Secretário da Educação de Richa foi braço direito de “collorido” e ideólogo da privatização das teles

Dilma anuncia Joaquim Levy na Fazenda e Nelson Barbosa no Planejamento

da Agência Brasil

dilma_ministros.jpgA presidenta Dilma Rousseff anunciou hoje (27) três nomes para a equipe econômica de seu governo. O ex-secretário do Tesouro Nacional Joaquim Levy será o novo ministro da Fazenda. Ex-secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa vai assumir o Ministério do Planejamento. Alexandre Tombini, atual presidente do Banco Central, permanece no cargo. Ainda não há data para a posse dos ministros.

Intelectuais assinam manifesto contra Joaquim Levy e Kátia Abreu no segundo mandato de Dilma

do Viomundo

katia_levy.jpgA campanha presidencial confrontou dois projetos para o país no segundo turno. à€ direita, alinhou-se o conjunto de forças favorável à  inserção subordinada do país na rede global das grandes corporações, à  expansão dos latifúndios sobre a pequena propriedade, florestas e áreas indígenas e à  resolução de nosso problema fiscal não com crescimento econômico e impostos sobre os ricos, mas com o mergulho na recessão para facilitar o corte de salários, gastos sociais e direitos adquiridos.

A proposta vitoriosa unificou partidos e movimentos sociais favoráveis à  participação popular nas decisões políticas, à  soberania nacional e ao desenvolvimento econômico com redistribuição de renda e inclusão social.

A presidenta Dilma Rousseff ganhou mais uma chance nas urnas não porque cortejou as forças do rentismo e do atraso e sim porque movimentos sociais, sindicatos e milhares de militantes voluntários foram capazes de mostrar, corretamente, a ameaça de regressão com a vitória da oposição de direita.

Ministro da Fazenda rebate Marta: “Não faltou dinheiro”

do Brasil 247
guido_martaO governo Dilma Rousseff foi surpreendido ontem com o tom da carta de demissão da então ministra da Cultura, Marta Suplicy. Na ausência da presidente, que viaja rumo ao G20, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, rebateu as críticas de Marta.

Ela questionou a política econômica e fez torcida para que um novo nome à  frente do Ministério da Fazenda possa “resgatar” a credibilidade do governo junto ao mercado.

Segundo a colunista Vera Magalhães, em conversa com auxiliares, o ministro, cuja saída do cargo também é iminente, disse: “Das duas, uma: ou ela se rendeu ao discurso do mercado financeiro ou quer desviar atenção de sua gestão na Cultura”. E prosseguiu: “E não faltou dinheiro no ministério dela. O que faltou? Talento?”.