22 de dezembro de 2014
por Esmael Morais
20 Comentários

Secretário da Educação de Richa foi braço direito de “collorido” e ideólogo da privatização das teles

xavier_motta_martinez_collor.jpgFuncionários e comunidade escolar foram surpreendidos na última sexta-feira (19) com a escolha do engenheiro Fernando Xavier Ferreira para a Secretaria de Estado da Educação do Paraná (SEED). O novo titular da pasta não tem equipe nem experiência com o setor, embora participe do Conselho de Administração do grupo de educação privada Positivo. ... 

Leia mais

24 de novembro de 2014
por Esmael Morais
38 Comentários

Professor Paixão: “Nós precisamos reinstalar a greve no Paraná”; assista

paixao_greve.jpgOs educadores paranaenses voltarão à s ruas nesta quarta-feira, dia 26, contra o governador Beto Richa (PSDB). ... 

Leia mais

19 de setembro de 2014
por Esmael Morais
53 Comentários

Deu xabu na eleição da APP-Sindicato. “Nós vencemos”, diz Paixão

Professor Paixão vai à  Justiça pedir nulidade da eleição ocorrida no dia 10 de setembro na APP-Sindicato. "Temos sérias suspeitas de que as urnas eletrônicas estavam 'batizadas' e que houve uma desorganização planejada para impedir a votação de milhares de educadores", declarou o presidente da Chapa 2. Segundo ele, a turma do cafezinho temendo ações judiciais correu nesta sexta-feira (19) para proclamar o resultado oficial na APP -- coisa que não tinha feito até hoje -- e organiza à s pressas uma posse clandestina da nova diretoria!.

Professor Paixão vai à  Justiça pedir nulidade da eleição ocorrida no dia 10 de setembro na APP-Sindicato. “Temos sérias suspeitas de que as urnas eletrônicas estavam ‘batizadas’ e que houve uma desorganização planejada para impedir a votação de milhares de educadores”, declarou o presidente da Chapa 2. Segundo ele, a turma do cafezinho temendo ações judiciais correu nesta sexta-feira (19) para proclamar o resultado oficial na APP — coisa que não tinha feito até hoje — e organiza à s pressas uma posse clandestina da nova diretoria!.

A eleição da APP-Sindicato pode parar na Justiça. Professor Paixão, representante da Chapa 2, suspeita de fraude nas urnas eletrônicas utilizadas em 10 de setembro na disputa pela direção da maior entidade sindical do Paraná. ... 

Leia mais

10 de setembro de 2014
por Esmael Morais
13 Comentários

Hoje tem eleição da APP-Sindicato; chegou ao fim a politica do cafezinho?

Maior sindicato do Paraná escolhe nova direção nesta quarta (10); APP representa mais de 100 mil trabalhadores da educação, cerca de 70 mil estão aptos a votar; situação na entidade é defendida por Hermes Leão, da Chapa 1, e a oposição é representada pelas chapas 2 e 3; Professor Paixão, em artigo especial no Blog do Esmael, jurou que se eleito, no primeiro dia, revoga a política do cafezinho! em vigor na entidade durante o governo Richa; Marcia Farherr, também de oposição, afirma que o tucano é uma fraude!; será que chegou ao fim a política do cafezinho! que vigorou nos últimos anos no sindicato?

Maior sindicato do Paraná escolhe nova direção nesta quarta (10); APP representa mais de 100 mil trabalhadores da educação, cerca de 70 mil estão aptos a votar; situação na entidade é defendida por Hermes Leão, da Chapa 1, e a oposição é representada pelas chapas 2 e 3; Professor Paixão, em artigo especial no Blog do Esmael, jurou que se eleito, no primeiro dia, revoga a política do cafezinho! em vigor na entidade durante o governo Richa; Marcia Farherr, também de oposição, afirma que o tucano é uma fraude!; será que chegou ao fim a política do cafezinho! que vigorou nos últimos anos no sindicato?

Nesta quarta-feira, dia 10, o maior sindicato do estado, a APP-Sindicato, que tem 100 mil trabalhadores na base, vai à s urnas para eleger a nova diretoria para o triênio 2015-2018. Cerca de 70 mil educadores associados estão aptos a votar. A expectativa é de que 35 mil compareçam à s urnas eletrônicas instaladas nas 2,1 mil escolas da rede pública do Paraná. ... 

Leia mais

4 de setembro de 2014
por Esmael Morais
23 Comentários

Dia 10 tem eleição na APP-Sindicato: E aí, vai mais um cafezinho?

Maior sindicato do Paraná escolhe nova direção na quarta (10); APP representa mais de 100 mil trabalhadores da educação, cerca de 70 mil estão aptos a votar; situação na entidade é defendida por Hermes Leão, da Chapa 1, e a oposição é representada pelas chapas 2 e 3; Professor Paixão, em artigo especial no Blog do Esmael, jurou que se eleito, no primeiro dia, revoga a política do cafezinho! em vigor na entidade durante o governo Richa;  Marcia Farherr, também de oposição, afirma que o tucano é uma fraude!; e aí, enquanto isso vai mais um cafezinho?

Maior sindicato do Paraná escolhe nova direção na quarta (10); APP representa mais de 100 mil trabalhadores da educação, cerca de 70 mil estão aptos a votar; situação na entidade é defendida por Hermes Leão, da Chapa 1, e a oposição é representada pelas chapas 2 e 3; Professor Paixão, em artigo especial no Blog do Esmael, jurou que se eleito, no primeiro dia, revoga a política do cafezinho! em vigor na entidade durante o governo Richa; Marcia Farherr, também de oposição, afirma que o tucano é uma fraude!; e aí, enquanto isso vai mais um cafezinho?

Na próxima quarta-feira, dia 10, o maior sindicato do estado, a APP-Sindicato, que tem 100 mil trabalhadores na base, vai à s urnas para eleger a nova diretoria para o triênio 2015-2018. Cerca de 70 mil educadores associados estão aptos a votar, mas a expectativa é de que 35 mil compareçam à s urnas eletrônicas instaladas nas 2,1 mil escolas da rede pública do Paraná. ... 

Leia mais

28 de agosto de 2014
por Esmael Morais
33 Comentários

Professor Paixão: Por que sou candidato a presidente da APP-Sindicato?

Luiz Carlos Paixão da Rocha*

Apesar de avanços pontuais nos últimos períodos, a educação vive um dos seus piores momentos. Por um lado, um crescente e assustador quadro de adoecimento de professores e funcionários nas escolas. Por outro, percebemos o crescente desistimulo dos nossos jovens a acessarem carreiras na educação, em virtude da falta de valorização da profissão.

Faculdades tradicionais de nosso estado já começam fechar cursos de licenciaturas em virtude da diminuição da procura dos estudantes que buscam o ensino superior. Além do mais, nossas escolas estão com dificuldade de contratação de funcionários PSS para os trabalhos de limpeza, pois o trabalho como diarista tem sido mais vantajoso. Contraditoriamente a este quadro, cada vez mais cresce o discurso em nossa sociedade da importância da educação. Todos acham que é importante e necessário investir mais na educação.

Porém, entre este discurso simpático e a realidade que vivemos nas escolas há uma distância muito grande. Reverter este quadro é uma tarefa das mais urgentes. E a nossa APP tem um papel fundamental nesta luta. Tem que unir toda a categoria; tem que conclamar a sociedade; tem que costurar uma aliança muito forte porque as medidas de atração dos melhores estudantes para a profissão passam pela necessária valorização do professor e do funcionário da escola.

E não será com reposição da inflação que vamos conquistar a tão sonhada valorização. Precisaremos de medidas profundas dos governos municipais, estaduais e federal. Algumas medidas são urgentíssimas, como por exemplo, a necessidade de alteração da Lei de Responsabilidade Fiscal que hoje é um entrave para a melhoria das condições de trabalho e de salário dos professores e funcionários de escolas.

Apesar de a educação ter recursos próprios, estes muitas vezes não podem ser aplicados em aumentos salariais em virtude da referida Lei. Se esta não for alterada, os novos recursos que virão em todo país com a aprovação do Plano Nacional da educação não se materializarão em melhorias salariais para os educadores. Assim, a tal propalada política do cafezinho (negociação constante com os governantes nos marcos existentes que não levam à s mudanças substantivas nas nossas condições de trabalho) precisa urgentemente ser superada.

Nossa chapa APP Independente, democrática e de luta propõe um salto de qualidade na organização sindical dos trabalhadores em educação do Paraná.

Precisamos de uma APP forte, democrática e com condições de estabelecer um diálogo mais efetivo com o conjunto da sociedade para diminuir a distância entre o discurso da importância da educação e a realidade que vivemos na escola e na política educacional de nosso estado e de nosso mais. Para tanto, precisamos um sindicato mais plural e independente de partidos e governos.

A independência que defendemos não é em relação a projetos de sociedade, mas sim a partidos e governos. Não temos nada contra a militância partidária. Muito pelo contrário. Achamos salutar que nossos dirigentes e integrantes da categoria tenham militância em partidos. Eu, aliás, já fui candidato e tenho filiação partidária.

Entendo a importância dos trabalhadores terem representação nos espaços legislativos e executivos. Porém, temos que diferenciar o que é organização partidária e o que é a organização da categoria. O sindicato é uma frente de trabalhadores e trabalhadoras organizados com o objetivo de construir relações de trabalho e sociais mais justas.

Este é um momento de ousadia. Nossa categoria não pode simplesmente ficar lutando para o cumprimento de Leis ou por reajustes pontuais. à‰ nossa profissão que está em perigo. A partir da categoria, a APP precisa discutir a reformulação do modelo de escola que temos, que é o mesmo há mais de 50 anos. Este modelo tem deixado o conhecimento em segundo plano.

Precisamos ousar na construção de um novo modelo escolar. Precisamos discutir com seriedade as rotinas escolares, a organização do calendário e da matriz curricular.

O sindicato não pode ficar alheio à  realidade do professor no chão da escola.

Nos países que hoje ostentam os melhores índices de qualidade da educação são visíveis as políticas sólidas de valorização dos trabalhadores em educação. Nestes, o discurso da importância da educação é materializado em políticas de reconhecimento social da importancia do trabalho dos professores e funcionários. Nós também precisamos trilhar este caminho.

Por tudo isto, para garantir de fato a valorização que nossa categoria merece, nós resolvemos, após uma série de debates em todo o estado, construir uma chapa para concorrer à  direção estadual da APP, e na maioria dos núcleos sindicais da entidade.

Nossa chapa é de renovação. Dos 17 integrantes, apenas três compõem a atual direção. Os outros 14 são lideranças representativas da luta pela educação pública em todo o estado do Par Leia mais

25 de agosto de 2014
por Esmael Morais
47 Comentários

Eleição na APP-Sindicato põe em xeque a política do cafezinho!

Cerca de 70 mil educadores estão aptos a votar no próximo dia 10 de setembro para escolher a nova direção da APP-Sindicato (Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Paraná), a maior entidade sindical do estado, que tem cerca de 100 mil trabalhadores na base. A expectativa é que ao menos 35 mil associados compareçam à s urnas eletrônicas que serão instaladas nas 2,1 mil escolas da rede pública.

Portanto, daqui a duas semanas professores, pedagogos, funcionários e aposentados das escolas vão dizer se querem interromper ou continuar a política do cafezinho! da atual gestão da APP, cujo grupo está no poder! há 21 anos. O mandato na entidade é de três anos.

Disputam a poderosa APP-Sindicato três chapas que são encabeçadas pelos seguintes professores: Hermes Silva Leão, da Chapa 1, ligado à  ex-presidente Marlei Fernandes, que concorre à  secretaria de Finanças e, concomitantemente, a uma vaga de deputada federal pelo PT; Professor Paixão, da Chapa 2, que se diz oposição à  atual direção; e professora Marcia Farherr, ligada ao PSTU, que lidera a Chapa 3.

Devido ao racha na CUT (Central Única dos Trabalhadores), que apresentou as chapas 1 e 2, a hegemonia da política do cafezinho! ficou em xeque. Professor Paixão se coloca como oposição, prometendo modernizar a gestão da APP, valorizar os aposentados e os professores PSS (não efetivo).

A política do cafezinho! ficou consagrada na atual gestão da APP-Sindicato, liderada pela Professora Marlei, que, em várias oportunidades, titubeou diante de sucessivos calotes do governo Beto Richa (PSDB) na categoria. Além disso, o fato de o gabinete do ex-secretário da Educação, vice-governador Flávio Arns (PSDB), ter sido palco de intermináveis reuniões regadas a bons cafezinhos, por mais de três anos, que se provaram improdutivas para o conjunto dos educadores paranaenses. Foi preciso uma greve para que houvesse alguns poucos avanços.

Por outro lado, a Chapa da Marlei!, como é conhecida a Chapa 1! entre os educadores, defende a permanência no comando da APP prometendo mais condições de trabalho e mais respeito aos trabalhadores da educação!.

Na próxima sexta-feira, dia 29, os educadores vão à s ruas para comemorar antecipadamente o 30 de Agosto!, que este ano cai no sábado. Mais do que dar uma sapecada! no senador àlvaro Dias (PSDB), que luta pela reeleição, as três chapas farão um teste de popularidade de seus líderes nas ruas de Curitiba. A marcha sairá da Praça Santos Andrade (UFPR), à s 9 horas, rumo ao Palácio Iguaçu.

Abaixo, veja quem é quem nas três chapas inscritas:

http://s3.amazonaws.com/static.esmaelmorais.com.br/wp-content/uploads/2014/08/20130122/chapas_app_sindicato.pdf

Leia mais

27 de abril de 2014
por Esmael Morais
44 Comentários

Governo Richa quer “política do cafezinho”. APP-Sindicato rejeita

O novo secretário de Estado da Educação, Paulo Schmidt, no portal da SEED, propõe que a APP-Sindicato e o governo Beto Richa (PSDB) perpetuem a “política do cafezinho”.

Em tom nostálgico, Schmidt diz que em três anos, Governo do Estado e Sindicato dos Professores fizeram cerca de 50 reuniões para construir uma agenda de avanços para a categoria e para a educação pública do Paraná.

O problema é que a APP-Sindicato, aparentemente, rejeita a “política do cafezinho”. Sabe que, no marco desse governo do PSDB ou se avança agora ou nunca. Pois, por força da legislação eleitoral, somente em maio é possível corrigir distorções salariais e reaver direitos sonegados aos educadores.

Amanhã, segunda-feira, dia 28 de abril, não haverá aulas nas 2,1 mil escolas da rede pública do estado. A APP-Sindicato espera adesão perto de 100% da categoria.

Na terça-feira, dia 29 de abril, em Curitiba, professores e funcionários das escolas realizarão uma marcha da Praça Santos Andrade até o Palácio Iguaçu, onde centenas de grevistas estão acampados há cinco dias.

Pela Fanpage do Blog do Esmael, no Facebook (clique aqui), o leitor poderá acompanhar online os detalhes do alvoroço paredista. Basta curtir e assinar o feed da página para receber as atualizações das notícias gratuitamente em seu navegador.

A categoria não gostou da proposta do governo Richa, que prevê pagamento em dinheiro para hora-atividade e parcelamento de outras reivindicações a “la Casas Bahia” — a perder de vista.

Veja as principais proposta do governo para encerrar a greve:

1) Hora-atividade – Pagamento em dinheiro da diferença de 0,67 de hora de trabalho a partir de agosto de 2014 e implementação na jornada no início do ano letivo de 2015.

2) Auxílio-transporte – Suspensão do corte imposto aos educadores em licença médica.

3) Pagamento das promoções e progressões para professores e funcionários !“ Parcelamento do pagamento em dez vezes, a partir da folha de maio.

4) Funcionários !“ Aumento do valor do auxílio-transporte dos funcionários do QFEB. Será acrescido de um valor, de aproximadamente R$ 88,00, para alcançar o valor do auxílio-transporte do um cargo de professor de 20 horas.

5) Funcionários !“ Encaminhamento, junto com a Lei da Data-base, da garantia de que nenhum(a) funcionário(a) público(a) tenha o salário-base inferior ao valor do Salário Mínimo Regional. Além disso, o governo assegurou o pagamento da data-base, em maio, em parcela única.

Os profissionais da educaç Leia mais

16 de abril de 2014
por Esmael Morais
51 Comentários

Em Curitiba, estudantes fazem protesto de apoio à  greve de professores

Entidades ligadas ao movimento estudantil realizaram na manhã desta hoje (16), em Curitiba, uma mobilização em apoio à  greve de educadores a partir da quarta-feira que vem, dia 23 de abril.

O grupo permaneceu por horas em frente ao Colégio Estadual do Paraná (CEP), o maior do estado, onde houve panfletagem para explicar à  população os motivos da greve.

Ainda nesta tarde, os manifestantes protocolam documento para o governador Beto Richa (PSDB) pedindo que cumpra os compromissos com os educadores. Dentre vários itens na pauta de reivindicação, o magistério paranaense exige o respeito à  Lei do Piso, que prevê 33% de hora-atividade, e o pagamento de R$ 100 milhões referente a progressões e avanços atrasados.

Do outro lado do balcão, o novo secretário de Estado da Educação, Paulo Schmidt, se esforça para arrastar a direção da APP-Sindicato à  continuidade da “política do cafezinho”, que os sindicalistas mantinham com o ex-secretário e vice-governador Flávio Arns (PSDB).

Leia mais

15 de abril de 2014
por Esmael Morais
16 Comentários

Nas vésperas da greve, novo secretário sugere volta da política do cafezinho! com a APP-Sindicato

Novo secretário sugere volta da política do cafezinho! com a APP-Sindicato
O repórter Jônatas Dias Lima, da Gazeta do Povo, nesta terça (15), conta que o novo secretário da Educação do Paraná, Paulo Schmidt, em um último esforço para evitar a greve de educadores, a partir do dia 23 de abril, vai chamar a diretoria da APP-Sindicato para mais um “cafezinho” — política que prevaleceu na gestão do ex-titular da pasta, vice-governador Flávio Arns (PSDB).

Os educadores paranaenses aprovaram greve por tempo indeterminado em assembleia realizada no dia 29 de março, em Curitiba.

Na entrevista, Schmidt jura que o governo Beto Richa já cumpre a hora-atividade nas escolas do Paraná. Os professores diz que o tucano desrespeita a Lei Nacional do Piso, que prevê 33% do tempo para o preparo das aulas.

O secretário afirma que o governo do estado já paga 40% de hora-atividade e que a atual gestão concedeu 50% de reajuste à  categoria. Entretanto, há controvérsias, pois o magistério paranaense entende que não se trata de aumento nos salários, mas sim reposições e direitos garantidos pela Lei.

Os mestres também contestam a contabilidade acerca da hora-atividade, cujo cálculo é feito pela educação se dá por hora-relógio!. A reivindicação nas escolas é pelo cálculo hora-aula! para se chegar aos 33%.

Nesta quarta (16), à s 11 horas, em frente ao Terminal do Cachoeira, no município de Almirante Tamandaré, na região metropolitana de Curitiba, educadores prometem fazer um protesto pela hora-atividade.

Paralelamente à  tentativa de retomar a “política do cafezinho” com a direção da APP-Sindicato, o governo Richa, desconfiado, tenta minar o movimento grevista. Na última sexta (11), em Cascavel, durante visita do tucano, funcionários comissionados do governo, que fingiam ser professores, seguravam faixas elogiando Richa. A farsa foi revelada nas redes sociais ( Leia mais

29 de março de 2014
por Esmael Morais
15 Comentários

Professores definem neste sábado início de greve no Paraná; acompanhe a assembleia ao vivo

Educadores decidem na manhã deste sábado (29), em Curitiba, data do início para a greve por tempo indeterminado nas 2,1 mil escolas paranaenses; movimento é contra calotes que governo Richa e Arns aplicou na categoria nos últimos 3 anos; paralisação de cem mil profissionais do magistério afetará as aulas de 2,3 milhões de alunos; assembleia de hoje poderá colocar fim à  "política do cafezinho" da APP-Sindicato; leitor deste blog soube da deflagração da greve em primeira mão; acompanhe online a transmissão da assembleia de professores e funcionários.

Educadores decidem na manhã deste sábado (29), em Curitiba, data do início para a greve por tempo indeterminado nas 2,1 mil escolas paranaenses; movimento é contra calotes que governo Richa e Arns aplicou na categoria nos últimos 3 anos; paralisação de cem mil profissionais do magistério afetará as aulas de 2,3 milhões de alunos; assembleia de hoje poderá colocar fim à  “política do cafezinho” da APP-Sindicato; leitor deste blog soube da deflagração da greve em primeira mão; acompanhe online a transmissão da assembleia de professores e funcionários.

A APP-Sindicato aprovou ontem (28), em seu Conselho Estadual, indicativo de greve dos professores e funcionários das 2,1 mil escolas da rede pública do Paraná. Neste sábado (29), a partir das 9 horas, na Sociedade Morgenau, em Curitiba, uma assembleia da categoria decide a data em que o movimento será deflagrado. Será o fim da “política do cafezinho” adotado há três anos pela entidade na relação com o governo de Beto Richa (PSDB) e o vice Flávio Arns (PSDB), que acumula a Secretaria de Estado da Educação (SEED).  ... 

Leia mais

28 de março de 2014
por Esmael Morais
22 Comentários

Vai ter greve de educadores? Professor Paixão “afrouxou o sutiã”

Este blogueiro conversou ontem pela manhã com o sindicalista Luiz Paixão, também conhecido como Professor Paixão, sobre a assembleia dos educadores que acontecerá amanhã (sábado, 29). O diretor de Comunicação da APP-Sindicato, categoricamente, afirmou que a deflagração da greve na categoria seria “inevitável” e que só havia dúvidas sobre a data para o início do movimento paredista que seriam dirimidas hoje em reunião do Conselho da APP (clique aqui para relembrar).

Pois bem, pelo Facebook, no começo da noite de ontem fui surpreendido com a marcha à  ré de Paixão. Ele voltou atrás. “Afrouxou o sutiã”, como se diz por aí.

“No entanto, em nenhum momento afirmei que a greve estaria decretada. Deixei muito evidente que a decisão, como sempre caberia a Assembleia Estadual”, anotou o diretor da APP-Sindicato, admitindo a conversa comigo, depois de cobrado internamente pelos colegas de entidade.

Professores e funcionários de escolas da rede pública do estado vão à  assembleia de amanhã, na Sociedade Morgenau, em Curitiba, sem saber ainda qual a proposta da APP-Sindicato: se continua com a “política do cafezinho” ou se propõe a greve como forma de luta pela educação.

No jogo da disputa pelo comando da APP-Sindicato, que vai à s urnas em setembro próximo, movimentam-se possíveis quatro chapas (clique aqui). Por isso são tensas as relações internas e externas dos diretores da entidade. Quem errar menos fica com o troféu, ou seja, assumirá a presidência do sindicato mais forte do Paraná do ponto de vista de mobilização e poder de fogo econômico.

A seguir, publico a íntegra da nota de esclarecimento de Professor Paixão:

Esclarecimentos sobre nota divulgada no blog do Esmael:

Greve dos professores e funcionários é inevitável!, confirma APP-Sindicato

Olá pessoal,

Hoje pela manhã atendi uma rápida ligação telefônica do blogueiro Esmael sobre a situação de fechamento de uma escola da Educação de Jovens e Adultos em Londrina. O blogueiro disse que tinha em mãos um Decreto do governo que determinava o fechamento da escola.

Indagou a mim se estava ocorrendo fechamentos de outras escolas de EJA pelo estado. Afirmei que iria confirmar a informação. Já no fim da conversa, o mesmo perguntou qual era a minha expectativa para a Assembleia da categoria que acontecerá neste sábado. Disse a ele que havia um grande descontentamento da categoria com o não atendimento do governo à  várias reivindicações importantes. E que este quadro, estava levando a categoria a discutir a definição de greve. Disse ainda que, na minha opinião, haveria um grande debate sobre o momento mais adequado para a deflagração da greve.

No entanto, em nenhum momento afirmei que a greve estaria decretada. Deixei muito evidente que a decisão, como sempre caberia a Assembleia Estadual.

Lamento, que alguns “desavisados de plantão” tentem associar ou levar esta reportagem para o campo das eleições da APP-Sindicato. Querem com isto trazer alguma vantagem para o Leia mais

24 de março de 2014
por Esmael Morais
34 Comentários

Professores do Paraná podem deflagrar greve por tempo indeterminado a partir deste sábado 29

Cerca de 100 mil educadores paranaenses poderão entrar em greve por tempo indeterminado a partir da semana que vem; antes, porém, segundo a APP-Sindicato, nesta semana, ainda haverá uma nova rodada com o governo Beto Richa; categoria realiza assembleia geral neste sábado, dia 29; tucanos Flávio Arns e Richa vêm enrolando a categoria há mais de três anos, no entanto, diretoria do sindicato tem privilegiado a política do cafezinho!; professores cobram 33% de hora-atividade, como prevê a Lei do Piso, e pagamento de R$ 100 milhões referentes a avanços e progressões atrasados; magistério também exige mudança no plano de carreira dos funcionários, reforma física nas escolas, discussão da grade curricular, respeito aos PSS, atendimento das demandas do CEBEJA e dos educandários, mudança no SAS (Sistema de Assistência à  Saúde).

Cerca de 100 mil educadores paranaenses poderão entrar em greve por tempo indeterminado a partir da semana que vem; antes, porém, segundo a APP-Sindicato, nesta semana, ainda haverá uma nova rodada com o governo Beto Richa; categoria realiza assembleia geral neste sábado, dia 29; tucanos Flávio Arns e Richa vêm enrolando a categoria há mais de três anos, no entanto, diretoria do sindicato tem privilegiado a política do cafezinho!; professores cobram 33% de hora-atividade, como prevê a Lei do Piso, e pagamento de R$ 100 milhões referentes a avanços e progressões atrasados; magistério também exige mudança no plano de carreira dos funcionários, reforma física nas escolas, discussão da grade curricular, respeito aos PSS, atendimento das demandas do CEBEJA e dos educandários, mudança no SAS (Sistema de Assistência à  Saúde).

A “política do cafezinho” adotada pela atual diretoria da APP-Sindicato (Sindicato dos Trabalhadores da Educação do Paraná) em relação ao governo de Beto Richa (PSDB) e seu vice, Flávio Arns (PSDB), secretário da Educação, depois de mais de três anos, parece que chegará ao fim neste sábado, dia 29 de março, quando a categoria realizará nova uma assembleia geral para decidir se deflagra ou não greve por tempo indeterminado nas 2,1 mil escolas da rede pública estadual.  ... 

Leia mais

19 de março de 2014
por Esmael Morais
38 Comentários

Fracassa “política do cafezinho”. APP-Sindicato agora cogita greve por tempo indeterminado, diz deputado

Deputado Professor Lemos, em discurso na Assembleia Legislativa, nesta quarta (19), anunciou o fim da "política do cafezinho" ao relatar fracasso nas negociações com o governo Richa; Marlei Fernandes, presidenta da APP-Sindicato, também hoje à  tarde, reconheceu que não houve avanço significativo em nenhuma pauta; educadores poderão entrar em greve por tempo indeterminado a partir da assembleia da categoria no próximo dia 29 de março;  ontem à  tarde, o blog mostrou com exclusividade que quatro chapas expõem divergências com a

Deputado Professor Lemos, em discurso na Assembleia Legislativa, nesta quarta (19), anunciou o fim da “política do cafezinho” ao relatar fracasso nas negociações com o governo Richa; Marlei Fernandes, presidenta da APP-Sindicato, também hoje à  tarde, reconheceu que não houve avanço significativo em nenhuma pauta; educadores poderão entrar em greve por tempo indeterminado a partir da assembleia da categoria no próximo dia 29 de março; ontem à  tarde, o blog mostrou com exclusividade que quatro chapas expõem divergências com a “política do cafezinho” da diretoria da APP-Sindicato!.

O deputado estadual Professor Lemos (PT), na Assembleia Legislativa do Paraná, fez hoje à  tarde um duro pronunciamento após a marcha dos professores até o Palácio Iguaçu. O parlamentar lamentou que as negociações com o governo Beto Richa (PSDB) não tenham avançado em nada.  ... 

Leia mais

19 de março de 2014
por Esmael Morais
67 Comentários

Paralisação de professores atinge 100% das escolas públicas do Paraná

Professores das 2,1 mil escolas da rede pública do Paraná vão à s ruas nesta quarta 19 para exigir que Richa e Arns cumpram a Lei Nacional do Piso, que prevê 33% de hora-atividade; questionamento da "política do cafezinho" enseja articulação de quatro chapas para disputar a diretoria da APP; magistério também reivindica melhoria na qualidade do atendimento da saúde e cobra R$ 100 milhões devidos pelo governo aos educadores; leitor pode acompanhar online toda a movimentação dos grevistas pela Fanpage deste blog no Facebook (link abaixo).

Professores das 2,1 mil escolas da rede pública do Paraná vão à s ruas nesta quarta 19 para exigir que Richa e Arns cumpram a Lei Nacional do Piso, que prevê 33% de hora-atividade; questionamento da “política do cafezinho” enseja articulação de quatro chapas para disputar a diretoria da APP; magistério também reivindica melhoria na qualidade do atendimento da saúde e cobra R$ 100 milhões devidos pelo governo aos educadores; leitor pode acompanhar online toda a movimentação dos grevistas pela Fanpage deste blog no Facebook (link abaixo).

O governador Beto Richa (PSDB) enfrenta nesta quarta 19 uma “paralisação” estadual de professores das escolas da rede pública que exigem o cumprimento da Lei Nacional do Piso, que prevê os 33% da hora-atividade. ... 

Leia mais

7 de fevereiro de 2014
por Esmael Morais
43 Comentários

Azedou o cafezinho: Educadores prometem “arrepiar” governo Richa

Professor Paixão, da APP-Sindicato, denuncia terrorismo e ilegalidade cometidos pelos tucanos Arns e Richa, que descumprem a Lei Nacional do Piso; entidade do magistério reclama implantação de 33% da hora-atividade e pagamento de R$ 100 milhões atrasados relativos a avanços e promoções da categoria; cansados de tanto calote do governo do PSDB, educadores afirmam que vão abandonar a política do cafezinho para implantar, na marra, a hora-atividade nos dias 11, 19, 27 de fevereiro e 07 de março; portanto, o ano letivo no Paraná começará em clima de guerra.

Professor Paixão, da APP-Sindicato, denuncia terrorismo e ilegalidade cometidos pelos tucanos Arns e Richa, que descumprem a Lei Nacional do Piso; entidade do magistério reclama implantação de 33% da hora-atividade e pagamento de R$ 100 milhões atrasados relativos a avanços e promoções da categoria; cansados de tanto calote do governo do PSDB, educadores afirmam que vão abandonar a política do cafezinho para implantar, na marra, a hora-atividade nos dias 11, 19, 27 de fevereiro e 07 de março; portanto, o ano letivo no Paraná começará em clima de guerra.

A APP-Sindicato (Sindicato dos Trabalhadores da Educação do Paraná), entidade que representa cerca de 100 mil professores e educadores de 2,1 mil escolas no estado, por meio de nota, em seu site, acusa o governo Beto Richa de promover terrorismo contra a categoria.  ... 

Leia mais

28 de novembro de 2013
por Esmael Morais
26 Comentários

Educadores experimentam “cafezinho” de Fruet e gostam; greve suspensa

Não é só a APP-Sindicato que gosta da “política do cafezinho” adotada pelos tucanos Beto Richa e Flávio Arns, dublê de vice e secretário de Estado da Educação do Paraná.

O Sismuc (Sindicato dos Servidores Municipais de Curitiba) provou — e gostou — do “cafezinho” do prefeito Gustavo Fruet (PDT). Prova disso é que a greve dos educadores foi suspensa na tarde de ontem (28).

Depois do saboroso cafezinho, a categoria afirmou que resolveu dar um voto de confiança ao prefeito Gustavo Fruet!.

Os entendimentos entre grevistas e prefeitura de Curitiba foram intermediados pela vice Mirian Gonçalves e pelo vereador Pedro Paulo, ambos do PT.

“Os sindicalistas já haviam sido recebidos pelo prefeito Gustavo Fruet. O diálogo transparente e responsável sempre foi a postura desta administração”, justificou Mirian, sobre a ausência de Fruet na mesa de negociação de ontem.

A estimulante bebida foi servida pela ex-superintendente da SEED, Meroujy Cavet, secretária Municipal de RH, parceira de longa data de Eleonora Fruet, irmã do atual prefeito e ex-secretária da Municipal da Educação na gestão do então prefeito Beto Richa (PSDB).

Veja os pontos acordados que suspenderam a greve:

– Redução da jornada: No dia 19 de dezembro o Sismuc poderá apresentar uma proposta para redução da jornada para 30 horas semanais em uma reunião já marcada com os gestores. Na reunião de hoje a Prefeitura disponibilizou dados para que o estudo seja realizado.

– Dias parados: Não haverá desconto dos dias parados, de acordo com compromisso da administração.

– Assédio moral: No dia 3 de dezembro uma reunião com representantes dos cmei”s no Sismuc verificará em quais locais de trabalho houve retaliação de diretores contra servidores que participaram da greve. O compromisso da gestão é abrir um processo administrativo contra aqueles que realizaram qualquer tipo de assédio.

– Eleição de diretores de cmei”s: comissão paritária formada por servidores e gestores (4 de cada) se reúne a partir de fevereiro para verificar a implementação das eleições diretas para diretor.

– Hora-atividade: a partir de abril, após a convocação de novos educadores concursados, a gestão se comprometeu a garantir os 33% de hora-atividade gradativamente para todos os educadores.

– Aposentad Leia mais