11 de Março de 2016
por esmael
22 Comentários

Defesa pede proteção para delator de propina ao tucano Beto Richa

por Fábio Silveira, do blog Baixo Clero, de Londrina

O auditor fiscal Luiz Antônio de Souza, principal delator na Operação Publicano, pediu medidas especiais para garantir a segurança dele, em decorrência da abertura de investigações contra o governador Beto Richa (PSDB), autorizada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

No pedido, alegando “razões de extrema cautela” e justificando temer “pela integridade física” de Souza, o advogado Eduardo Duarte Ferreira, que defende o delator, pediu que o juiz da 3ª Vara Criminal de Londrina, Juliano Nanuncio, determine “isolamento absoluto, monitoramento diuturno por câmeras de segurança, da movimentação de pessoas que cercam o cubículo que mantém a restrição de liberdade [de Souza]” e pede ainda que ele só faça as refeições com alimentos fornecidos pela sua família.

Ferreira lembra no requerimento que em interrogatório realizado na segunda-feira (7), Souza reafirmou a denúncia de que dinheiro de propina obtido por auditores fiscais em troca de facilitar a sonegação, teria alimentado a campanha de Beto Richa à reeleição. A afirmação tinha sido feita nos depoimentos ao Gaeco – e por isso subiu até a Procuradoria Geral da República, que pediu a abertura das investigações – e foi reafirmada em juízo, durante o interrogatório.Segundo o delator, foram R$ 4,4 milhões para a campanha do tucano.

Nesse mesmo interrogatório, Souza relatou ameaças à sua integridade física, feitas dentro da PEL 1, onde ele está preso. “Os fatos articulados pelo Requerente [Souza], por si só, demonstram a necessidade de medidas excepcionais visando a proteção de sua vida”, escreveu o advogado. Ele argumentou que a autorização do STJ para que Beto Richa seja investigado com base nas declarações feitas pelo delator – que deverá ser chamado novamente a depor – justificam as medidas de segurança.

“Tais questões afloram sentimentos de absoluto cuidado com a integridade física do Requerente, já, outrora, ameaçada por interesses muito menores. Logicamente que aqui não se imputa ao senhor Governador de Estado qualquer ação imprópria, porém, a cautela d

8 de julho de 2015
por esmael
14 Comentários

Professores planejam “festa” de 50 anos para Richa no dia 29 de julho

richa_festa_profsO governador Beto Richa (PSDB) completará no próximo dia 29 de julho 50 anos de idade. A data também é simbólica para educadores paranaenses, pois nesse dia serão lembrados os três meses do massacre ocorrido em 29 de abril no Centro Cívico. Leia mais

8 de julho de 2015
por esmael
28 Comentários

Mais um parente do governador tucano Beto Richa é preso no Paraná

khalil_abi_richaMais um parente distante do governador Beto Richa (PSDB) foi preso nesta terça-feira (7) no Paraná. Segundo sites de notícia da região Norte, o empresário Khalil Albert Abi Antoun, de 48 anos, recebeu voz de prisão por crimes de receptação cometidos em maio de 2011.

De acordo com o portal Bonde, Antoun foi condenado, em primeira instância, por ocultar, em um galpão de sua propriedade, 7,7 mil peças de roupas avaliadas em aproximadamente R$ 220 mil. A mercadoria havia sido roubada de duas empresas de confecção, de Alvorada do Sul e Londrina, entre os dias 14 e 18 de maio de 2011.

A defesa do empresário entrou com um recurso contra a condenação no Tribunal de Justiça do Paraná, mas a apelação foi negada pelos desembargadores da 5ª turma no final de outubro de 2014.

28 de Maio de 2015
por esmael
10 Comentários

Sobe a arrecadação do governo Richa, mas dinheiro “some” do caixa

receita_calote_richa“Há algo de podre no reino da Dinamarca”, constava William Shakespeare na tragédia Hamlet.

Qualquer semelhança da sentença acima com o Paraná governado pelo tucano Beto Richa seria mera coincidência? Vamos ver abaixo.

De acordo com o Sistema Integrado de Acompanhamento Financeiro (Siaf), consultado pelo Blog do Esmael, entre janeiro e abril de 2015, houve aumento de 9,59% na receita arrecadada pelo governo do estado em comparação ao mesmo período de 2014.

Em números absolutos, entre janeiro de abril deste ano o tesouro estadual arrecadou R$ 12,345 bilhões ante os R$ 11,265 bilhões do ano passado. Portanto, houve acréscimo no caixa de R$ 1,080 bilhão nesse espaço de tempo.

O aumento da arrecadação tem a ver com os tarifaços de 40% no IPVA e de 50% no ICMS, como já era previsto.

O diabo é que esse dinheiro sumiu.

23 de Março de 2015
por esmael
22 Comentários

Discussão sobre corrupção no governo Richa gera quiproquó na Assembleia Legislativa do Paraná; assista

Não é a primeira vez que o deputado Hussein Bakri se dá mal ao cutucar Requião Filho; peemedebista sugeriu que o ex-prefeito de União da Vitória, condenado por fraude em licitação, deveria está na cadeia não na Assembleia; em fevereiro, o parlamentar do PSC chegou a perguntar em plenário “quem era Requião para falar em educação”; resposta vem a galope pelo filho do ex-governador: “Se o senhor não sabe quem é Roberto Requião, vou lhe dizer. O Requião andou sem segurança no meio dos servidores no dia da votação da comissão geral, quando o senhor estava dentro do camburão”, disse à época o deputado do PMDB; assista ao vídeo com o novo quiproquó.

Não é a primeira vez que o deputado Hussein Bakri se dá mal ao cutucar Requião Filho; peemedebista sugeriu que o ex-prefeito de União da Vitória, condenado por fraude em licitação, deveria está na cadeia não na Assembleia; em fevereiro, o parlamentar do PSC chegou a perguntar em plenário “quem era Requião para falar em educação”; resposta vem a galope pelo filho do ex-governador: “Se o senhor não sabe quem é Roberto Requião, vou lhe dizer. O Requião andou sem segurança no meio dos servidores no dia da votação da comissão geral, quando o senhor estava dentro do camburão”, disse à época o deputado do PMDB; assista ao vídeo com o novo quiproquó.

O k-suco ferveu nesta tarde na Assembleia Legislativa do Paraná. O deputado estadual Requião Filho (PMDB) usou o horário reservado à liderança do PMDB para responder ataques do colega de parlamento Hussein Bakri (PSC). Leia mais