23 de novembro de 2015
por admin
2 Comentários

Coluna da Gleisi Hoffmann: Eleições, alianças e o PT

Download

Gleisi Hoffmann*

Tem sido lugar comum criticar o PT, e até odiá-lo neste momento. Recaem sobre o partido todas as mazelas da política brasileira. Seus filiados e dirigentes são taxados de corruptos e incompetentes. Parece que, para melhorar o Brasil, o PT tem de ser dizimado, destruído.

É fato que como organização humana o PT falhou e cometeu muitos erros, mas só quem desconhece a história, ou quer esquecê-la, coloca em sua conta a falência da política.

Maria Rita Loureiro, socióloga e professora da área de Administração Pública e Governo da FGV/SP, fez um belo artigo para a revista Carta Maior, falando da deslegitimação recorrente de governos populares na história brasileira.

Com essa campanha sistemática contra o PT, no entender de Maria Rita, “procura-se destruir o único partido político de base popular que assumiu o poder nesse país e que ousou realizar, ainda que de forma muito tímida, políticas de redução de suas seculares desigualdades sociais”.

Quais foram os governos, ao longo de nossa história, que garantiram poder de compra e aumento real do salário mínimo?! Que fizeram políticas para combater a pobreza estrutural do país, possibilitando a primeira geração sem fome no Brasil?! Que apresentaram um programa de habitação popular beneficiando milhões de famílias?! Que construíram tantas universidades públicas, escolas técnicas e creches?! Que fizeram programas de acesso ao ensino superior para os mais pobres?! Que criaram farmácias populares e distribuíram remédios gratuitamente?! Que viabilizaram milhares de médicos para atender a população pobre do Brasil?! Que aumentaram e baratearam o crédito e o acesso aos bens?!  Poderíamos citar tantas outras melhorias. E, com certeza, apesar dos erros e desvios, não é o que patrocinou a maior corrupção de nossa história.

Agora, aproximam-se as eleições municipais e muitos analistas de momento determinam que o PT está morto. No Congresso Nacional da Juventude do PT, o presidente Lula afirmou: “dizem que o PT acabou. Vamos fazer uma pequena surpresa pra eles!”.

Lula tem razão! O PT pode estar fraco eleitoralmente neste momento, mas não se acaba com o maior partido de esquerda da América Latina dessa forma. Faremos alianças nessas eleições, mas também disputaremos com candidaturas próprias, para defender nosso legado e nossa versão dos acontecimentos.

Na capital do Paraná é possível ter candidatura própria. O partido vai decidir consultando a militância em um encontro municipal, como sempre faz. Isso não quer dizer que abandonamos o prefeito Gustavo Fruet, a quem ajudamos a eleger e cujo governo temos apoiado.

Mas não posso deixar de registrar que o prefeito e seu partido, o PDT, não demonstraram, até este momento, vontade política de permanecer em aliança. Nenhuma conversa, nenhuma proposição. Respeitamos essa postura, mas não podemos esperar até o último momento para decidir nossa caminhada. Primeiro porque estaríamos deixando de participar ativamente do processo político; segundo, que desrespeitaríamos ao

18 de agosto de 2015
por esmael
15 Comentários

Blog do Esmael transmite ao vivo na quinta-feira manifestação pró-Dilma

Os movimentos sociais do Paraná e do Brasil estarão nas ruas nesta quinta-feira (20) na luta por direitos, liberdade e democracia, contra o golpismo tucano. O ato em Curitiba será na Praça Santos Andrade com a concentração marcada para 11 horas. Diversas cidades do interior estado realizarão manifestações semelhantes.

O Blog do Esmael transmitirá ao vivo a mobilização na capital paranaense em parceria com a TV 15.

As manifestações pró-Dilma Rousseff serão comentadas pelos senadores Gleisi Hoffmann (PT) e Roberto Requião (PMDB), que intervirão de Brasília, assim como o deputado federal Fernando Francischini (SD).

Nos estúdios da TV 15, em Curitiba, com mediação do repórter César Setti, estarão Murilo Hidalgo, presidente da Paraná Pesquisas; deputado Requião Filho (PMDB); Ricardo Mac Donald, secretário Municipal de Governo de Curitiba; e este editor.

No último domingo (16), o Blog do Esmael e a TV 15 transmitiram ao vivo para o Brasil e o mundo os protestos organizados pelo PSDB contra Dilma e o PT.

Participam da mobilização de quinta entidades como a União Nacional dos Estudantes (UNE), as centrais sindicais (CUT, CTB, Intersindical), a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES), Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), União Brasileira de Mulheres (UBM), União Paranaense dos Estudantes (UPE), União Paranaense dos Estudantes Secundaristas (UPES), entre outras.

As manifestações de quinta-feira serão em defesa da Petrobras, da democracia, contra a terceirização e o ajuste fiscal que tiram direitos dos trabalhadores, em defesa dos empregos do bancários do HSBC, pela saída de Eduardo Cunha (PMDB) da presidência da Câmara dos Deputados e contra a onda conservadora que se instalou no país recentemente.

Uma reforma política efetiva também está na pauta dos movimentos sociais. O fim do financiamento empresarial de campanhas, um dos principais pontos defendidos pelos trabalhadores, é visto como um caminho que poderá encaminhar a resolução de diversos problemas.

Serviço: Ato por Direitos, Liberdade e Democracia
Local: Praça Santos Andrade, Centro. Curitiba -PR
Data: Quinta-feira, 20 de agosto
Horário: 11h

Com informações da CUT-PR.

17 de agosto de 2015
por esmael
13 Comentários

Coluna da Gleisi Hoffmann: “Andar de cima” tem de dar contribuição ao ajuste

Gleisi Hoffmann*

Download

Apesar dos nossos avanços sociais nos últimos anos, que não são poucos, o Brasil ainda é um dos países que apresenta a maior diferença de renda entre os mais ricos e os mais pobres. Uma das causas principais desse resultado é a baixa tributação da parte mais rica da população, que vive da renda do capital (juros, lucros, dividendos) e não da renda do trabalho. Esta é mais tributada no nosso país.

Essa situação nada tem a ver com questões meramente econômicas, mas sim com decisões políticas tomadas ao longo da nossa história. Como diz Thomas Piketti em seu Capital no século XXI “A história das desigualdades é moldada pela forma como os atores políticos, sociais e econômicos, enxergam o que é justo e o que não é… Ou seja, ela é fruto da combinação de forças de todos os atores envolvidos”.

Temos a chance, agora, de começar a mudar essa situação. Nessa semana discutiremos, no Congresso, a Medida Provisória que aumenta o imposto sobre o lucro dos bancos. Enviada pela presidenta Dilma, a MP propõe aumentar a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido dos bancos de 15% para 20%. Faz parte do pacote de ajuste fiscal, e visa buscar a contribuição do “andar de cima” para enfrentarmos a crise.

Como relatora da Medida, apresentei duas grandes mudanças ao texto. Passo a CSLL dos bancos para 23%, baixando para 17% para as cooperativas de crédito, e proponho a redução gradual, para o fim em três anos, do chamado Juros sobre Capital Próprio, uma espécie de benefício tributário para reduzir o Imposto de Renda das grandes empresas no Brasil. Uma jabuticaba tributária que só existe aqui.

Os bancos tiveram, no primeiro trimestre deste ano, lucros elevados, apesar das dificuldades econômicas por que passa o país. Obviamente que a absurda taxa de juros básica de 14,25% contribuiu para isso. Nada mais justo que com esta lucratividade deem uma contribuição maior para a sociedade brasileira.

A alíquota de 23% trará uma arrecadação crescente nos próximos anos, projetada para R$ 6 bilhões/ano em 2017. Se compararmos ao lucro dos bancos no último  trimestre deste ano ainda é uma contribuição bastante modesta: o Bradesco obteve seu maior lucro trimestral na história, anunciando ter registrado lucro líquido contábil de R$ 4,473 bilhões. No caso do Itaú-Unibanco, o banco registrou lucro líquido de R$ 5,984. Nos três meses anteriores, o lucro havia sido de R$ 5,73 bilhões. O Banco do Brasil teve lucro de R$ 7,4 bilhões. Já Caixa e Santander lucraram menos, porém, ainda assim, resultados expressivos de R$ 1,5 bilhão e R$ 1,6 bilhão.

Já o Juro sobre Capital Próprio abre mão de uma arrecadação de cerca de R$ 4 a 5 bilhões/ano. Funciona assim: o acionista, ou dono da empresa que recolhe Imposto de Renda pelo lucro real, recebe juros do governo quando aplica seu capital na própria empresa. É isso ai. Essa taxa é limitada a TJLP (taxa de juros de longo prazo).
Ele multiplica seu capital líquido pela TJLP e

11 de agosto de 2015
por esmael
1 Comentário

Requião: ‘Agenda Brasil’ de Renan é obra de Joaquim Levy

dilma_renan_requiaoO senador Roberto Requião (PMDB-PR) contestou a versão de que a ‘Agenda Brasil’ apresentada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), como sendo da bancada do partido e do Congresso Nacional. Segundo o parlamentar paranaense, o programa proposto pelo correligionário, na verdade, seria obra do ministro da Fazenda Joaquim Levy. Leia mais

6 de Abril de 2015
por esmael
8 Comentários

Gleisi pede a Cunha que vote projeto de Requião que reduz impostos

richa_gleisi_cunhaA senadora Gleisi Hoffmann (PT) acabou de sair de uma audiência com o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Ela foi pedir pela aprovação do projeto do colega paranaense Roberto Requião (PMDB), que reduz impostos das pequenas e microempresas. Leia mais

11 de setembro de 2014
por esmael
12 Comentários

Brasil cria 101,4 mil novos empregos em agosto. Que crise?

do Brasil 247
O Brasil criou em agosto 101.425 vagas formais de emprego, anunciou o Ministério do Trabalho e Emprego na tarde desta quinta-feira 11. De janeiro a agosto, o número de empregos formais foi de 751,5 mil.

O destaque ficou para o setor de serviços, que criou 71,3 mil postos de trabalho no período. O setor de comércio, responsável por 40,6 mil empregos com carteira assinada no mês, ficou em segundo lugar.

Os dados fazem parte do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregado) e foram divulgados na tarde desta quinta-feira 11 pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

Em julho, haviam sido criados 11.796 postos com carteira assinada, sem ajustes. O resultado de agosto é 21,5% inferior ao do mesmo período do ano passado, quando o país criou 127,6 mil postos de trabalho.

Emprego é uma das principais armas da campanha da presidente Dilma, que vem alertando sobre o risco de redução na criação de vagas com a proposta de autonomia do Banco Central.

25 de junho de 2014
por esmael
2 Comentários

Geração de empregos no governo Dilma supera 5 mi de postos, diz Caged

do Brasil 247 O destaque para a geração de empregos formais no mês de maio, segundo dados do Cadastro-Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta terça-feira 24, foi para a maior baixa para o período em 22 anos. Com os números, no entanto, chega-se à  seguinte soma: durante o governo da presidente Dilma Rousseff, a geração de empregos formais no País superou a marca de 5 milhões, um crescimento de 11,47% na criação de postos de trabalho entre 2011 e 2014. O número significa ainda que foram criados, por mês, uma média de 123.237 vagas com carteira assinada. Como destacou o ministro do Trabalho, Manoel Dias, o Brasil mantém uma trajetória positiva, “mesmo com a falta de empregos no mundo”.

Veja abaixo dados publicados pelo Blog do Planalto após a divulgação dos números de maio do Caged:

O Cadastro-Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que mede geração de postos de trabalho com carteira assinada no País, registrou criação de 58.836 vagas em maio, valor que representa crescimento 0,14% em relação ao estoque do mês anterior. O número é o saldo entre 1,849 milhão de admissões e 1,790 milhão de desligamentos em maio.

Com o resultado de maio, a geração de empregos formais no governo Dilma Rousseff superou a marca de 5 milhões. “No período de janeiro de 2011 a maio de 2014, ocorreu um crescimento de 11,47% na geração de postos formais de trabalho alcançando 5.052.710 empregos criados, uma média mensal de geração de 123.237 postos de trabalho com carteira assinada”, informou o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

O Caged revela também que no acumulado do ano (janeiro a maio) houve expansão de 1,34% no nível de emprego, equivalente ao acréscimo de 543.231 postos de trabalho. Se considerados os últimos 12 meses, o aumento foi de 867.423 postos de trabalho, correspondendo à  elevação de 2,15%. Com relação a maio do ano passado, no entanto, saldo de maio significa queda de 18,3%.

Trajetória positiva no cenário mundial

Os dados foram apresentados pelo ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias, que destacou a média de empregos gerados mensalmente no Brasil.

“Nós atingimos cinco milhões de empregos no atual governo e vamos continuar gerando novos postos de trabalho. Mantivemos uma ótima média mensal de 123 mil empregos. Mesmo com a falta de empregos no mundo, o Brasil continua sua trajetória positiva de geração de postos de trabalho”, ressaltou.

A geração de 5.052.710 no período de 2011 a 2014 demonstrado pelo Caged foi resultado originado da expansão generalizada dos vários setores de atividades econômicas, com destaque para os setores de Serviços (+2.554.078 postos), seguido do Comércio (+1.140.983 postos), da Construção Civil (+580.023 postos) e da

24 de junho de 2014
por esmael
37 Comentários

Coluna do Enio Verri: A verdade vai vencer a mentira e a desinformação

Enio Verri, em sua coluna desta terça, afirma que as candidaturas de Dilma e Gleisi sintetiza os avanços dos governos do PT na última década;  "Levou 42 milhões de pessoas para a classe média", destaca o colunista que ainda aborda a descoberta do pré-sal, da chegada dos médicos ao interior do país e o drible dos petistas na crise financeira mundial; "Enquanto no resto do mundo, desde 2012, a crise devorou 60 milhões de empregos, o Brasil criou 11 milhões de postos de trabalho com carteira assinada. Pela primeira vez na nossa história, o trabalhador não pagou o preço da crise", capitaliza o parlamentar do PT; leia o texto e compartilhe.

Enio Verri, em sua coluna desta terça, afirma que as candidaturas de Dilma e Gleisi sintetiza os avanços dos governos do PT na última década; “Levou 42 milhões de pessoas para a classe média”, destaca o colunista que ainda aborda a descoberta do pré-sal, da chegada dos médicos ao interior do país e o drible dos petistas na crise financeira mundial; “Enquanto no resto do mundo, desde 2012, a crise devorou 60 milhões de empregos, o Brasil criou 11 milhões de postos de trabalho com carteira assinada. Pela primeira vez na nossa história, o trabalhador não pagou o preço da crise”, capitaliza o parlamentar do PT; leia o texto e compartilhe.

Enio Verri*

O PT oficializou a candidatura da presidenta Dilma Rousseff à  reeleição na última sexta-feira, 20, na Convenção Nacional, em Brasília. Também foram confirmadas as candidaturas aos governos estaduais, entre elas a da senadora Gleisi Hoffmann no Paraná. Leia mais

24 de Maio de 2014
por esmael
19 Comentários

Coluna do Ricardo Gomyde: A Copa já é sucesso dentro e fora de campo

Ricardo Gomyde, o "Senhor Copa", em sua coluna deste sábado, afirma que o campeonato mundial já é sucesso dentro e fora do campo; ele diz que a Seleção Brasileira, comandada pela dupla Felipão-Parreiras, começará em menos de 20 dias a caminhar pela trilha do hexa; o Brasil ficará com todas as melhorias urbanas realizadas para o maior evento esportivo do mundo e, tomara, com a taça de campeão mundial!; diz o colunista, que é assessor do Ministério do Esporte e um dos organizados da Copa no Brasil; Gomyde também contabiliza o retorno em investimentos que o campeonato da Fifa proporcionou ao país e a geração de empregos para a economia brasileira; leia o texto e compartilhe.

Ricardo Gomyde, o “Senhor Copa”, em sua coluna deste sábado, afirma que o campeonato mundial já é sucesso dentro e fora do campo; ele diz que a Seleção Brasileira, comandada pela dupla Felipão-Parreiras, começará em menos de 20 dias a caminhar pela trilha do hexa; o Brasil ficará com todas as melhorias urbanas realizadas para o maior evento esportivo do mundo e, tomara, com a taça de campeão mundial!; diz o colunista, que é assessor do Ministério do Esporte e um dos organizados da Copa no Brasil; Gomyde também contabiliza o retorno em investimentos que o campeonato da Fifa proporcionou ao país e a geração de empregos para a economia brasileira; leia o texto e compartilhe.

Ricardo Gomyde*

Mais um passo foi dado nos ajustes finais da preparação do país para a Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014. Equipes do Ministério do Esporte, da FIFA e do Comitê Organizador Local (COL) fizeram nesta semana a última vistoria em Curitiba, incluindo um tour pelo estadio. As palavras positivas do secretário-geral da FIFA, Jerómê Valcke, após a visita, foram ao encontro da posição do Ministério do Esporte e da certeza de que os brasileiros tinham: a Copa do Mundo será um tremendo sucesso, dentro de fora de campo. Leia mais

2 de novembro de 2013
por esmael
37 Comentários

Coluna do Ricardo Gomyde: “Copa do Mundo vai gerar 3,6 milhões de empregos e movimentar R$ 189 bilhões”

Ricardo Gomyde, em sua coluna inaugural, garante que Arena da Baixada será inaugurada em dezembro; diretor de Futebol do Ministério do Esporte e da Comissão Organizadora da Copa, ele afirma que competição vai gerar 3,6 milhões de empregos e movimentar R$ 189 bilhões até 2019; segundo o colunista, Fifa disponibilizará, gratuitamente, 50 mil ingressos para a população indígena e a beneficiários do Programa Bolsa Família; Os jogos passarão, mas as melhorias de infraestrutura e mobilidade urbana ficarão!, crava Gomyde; leia o texto.

Ricardo Gomyde, em sua coluna inaugural, garante que Arena da Baixada será inaugurada em dezembro; diretor de Futebol do Ministério do Esporte e da Comissão Organizadora da Copa, ele afirma que competição vai gerar 3,6 milhões de empregos e movimentar R$ 189 bilhões até 2019; segundo o colunista, Fifa disponibilizará, gratuitamente, 50 mil ingressos para a população indígena e a beneficiários do Programa Bolsa Família; Os jogos passarão, mas as melhorias de infraestrutura e mobilidade urbana ficarão!, crava Gomyde; leia o texto.

por Ricardo Gomyde*

O estado do Paraná, indiscutivelmente uma das principais forças do futebol brasileiro, segue se preparando para ser também uma das principais sedes da Copa do Mundo da Fifa de 2014. E pela segunda vez! Só para relembrarmos, na Copa de 50, o Durival de Britto (Vila Capanema), foi palco de dois jogos: Espanha 3 x 1 Estados Unidos e Suécia 2 x 2 Paraguai. Leia mais

19 de setembro de 2013
por esmael
29 Comentários

Líder de Richa denuncia: “Dilma vai dar calote no FGTS”

por Ademar Traiano*

O PT sempre me surpreende. E suas surpresas são sempre negativas. Fico estarrecido com mais uma manobra do governo federal petista para meter a mão no dinheiro do trabalhador. à‰ uma artimanha engendrada logo pelo PT, que tem trabalhador até no nome do partido.

Para cobrir rombos provocados por perdas de arrecadação, por desonerações irresponsáveis, gastos excessivos e mal direcionados, a presidente Dilma Rousseff está se apropriando de recursos da multa extra de 10% do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) sobre demissões sem justa causa.

Essa multa foi criada em 2001 para cobrir perdas na arrecadação do FGTS provocadas por expurgos produzidos pelos planos econômicos de combate a inflação nas décadas de 80 e 90.

Diferenças pelas quais a União havia sido condenada na Justiça. O dinheiro arrecadado tinha destino certo: repor perdas do FGTS e tinha prazo para acabar. O fim da multa viria quando as diferenças provocadas pelos planos econômicos fossem quitadas.

Pois o governo do PT vai eternizar essa multa e, pior, está desviando esses recursos e metendo o dinheiro do trabalhador no bolso. Para tentar justificar esse confisco do dinheiro alheio o governo Dilma alega que o dinheiro iria para programas sociais, em especial o Minha Casa Minha Vida, um programa que, não por acaso, tem alto apelo eleitoral.

Mas mesmo essa alegação questionável (o governo não pode decidir sobre o destino de um dinheiro que não é seu), é mentirosa. A multa, em lugar de engordar um pouco o magro FGTS dos trabalhadores demitidos está sendo usada, na verdade, para tapar furos de caixa do governo que nada tem a ver com programas sociais. Para o trabalhador fica a expectativa de receber, um dia, quem sabe, esse dinheiro.

O governo Dilma está se tornando uma ameaça para o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, um recurso que deveria ajudar o trabalhador que se aposenta e que já é por si, uma das piores aplicações financeiras do planeta. Seu rendimento normal nunca ganha da inflação. Pois essa situação, que já era ruim, ficou pior. Com o governo Dilma, até mesmo a solvência do FGTS está ameaçada.

A multa de 10% sobre o FGTS foi derrubada pelo Congresso. Dilma vetou e jogou muito pesado para evitar que esse veto fosse derrubado. A presidente quer continuar metendo a mão no bolso do trabalhador. Além das pressões sobre o Congresso para manter uma prática indesejável, ilícita e perigosa, é preciso considerar outros os efeitos perversos dessa situação.

A multa dos 10% sobre o FGTS sequer beneficia o trabalhador, já que é desviada