Fruet pede censura à pesquisa Ibope/Globo

fruet_ibope_grecaO prefeito de Curitiba Gustavo Fruet (PDT), candidato à reeleição, decidiu brigar com as pesquisas. Nesta sexta (16), o candidato anunciou que pediu a impugnação de sondagem do Ibope, contratado pela RPCTV (Globo), emissora que foi aliada do pedetista nesses últimos 4 anos.

Fruet dá goleada na Justiça, mas tem zaga defeituosa

luiz_fernando_2016O atacante Luiz Fernando Pereira — advogado do prefeito Gustavo Fruet (PDT) — segue goleando os adversários nesta eleição. A última vítima foi Ney Leprevost (PSD), que terá de retirar posts patrocinados no Facebook por determinação judicial.

Guerra jurídica: Em nota, advogado de Greca contesta placar de advogado de Fruet

luiz_Walber_GrecaO advogado Walber Agra, representante de Rafael Greca (PMN), contestou no front jurídico os números do escritório do advogado Luiz Fernando Pereira, representante do prefeito Gustavo Fruet (PDT), que divulgou o placar de 4 a zero em favor do pedetista nos tribunais. Segundo Agra, há um empate no TRE. Abaixo, leia a nota do PMN:

Rafael Greca lidera pesquisa Ibope, mas leva goleada na frente jurídica em Curitiba

greca_tre_luiz_fernandoRafael Greca (PMN) bem que poderia adotar como lema um velho adágio popular: “Sorte no amor, azar no jogo”.

Em Curitiba, Fruet consegue na Justiça tirar do ar página de Greca no Facebook

greca_fruet_lfpA movimentação jurídica do prefeito Gustavo Fruet (PDT) fez mais um estrago nesta quarta (13) na candidatura de Rafael Greca (PMN). O jurista Luiz Fernando Pereira conseguiu tirar do ar a página do ex-prefeito no Facebook por campanha antecipada, conforme despacho abaixo do PDT:

Fruet abre guerra jurídica contra Greca, que leva a 1ª multa das eleições de 2016

rafael_grecaRafael Greca (PMN) foi o primeiro pré-candidato à Prefeitura de Curitiba a levar multa nestas eleições de 2016. O ex-prefeito foi penalizado em R$ 10 mil pelo TRE, numa reclamação do PDT do prefeito Gustavo Fruet, que vai à reeleição em outubro.

Juristas se reúnem nesta terça-feira para lançamento de livro em Curitiba

VGPOs advogados Fernando Vernalha Guimarães e Luiz Fernando Pereira lideram nesta terça-feira, 8, às 19 horas, o lançamento do livro Direito Corporativo: Atualidades e Tendências.

O comício deverá reunir a ‘nata’ de juristas curitibanos, bem como os mundos político e empresarial do Paraná.

Trata-se de uma coletânea de 27 advogados do escritório Vernalha Guimarães & Pereira”, o VGP, com um apanhado de temas que vêm sendo enfrentados e analisados criticamente ao longo dos últimos 15 anos pela banca.

Gleisi Hoffmann: ‘Não há irregularidades nas minhas contas’

gleisi_pt_moroA senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), em nota de esclarecimento, negou nesta terça-feira (25) relações com supostas irregularidades atribuídas ao advogado Guilherme Gonçalves e ao suposto “Fundo Consist”.

O juiz Sérgio Moro, da Lava Jato, encaminhou hoje pela manhã despacho ao ministro Teori Zavascki, do Superior Tribunal Federal (STF), com suspeitas de lançamentos contábeis do escritório de Gonçalves em favor da parlamentar.

“Conheço Guilherme Gonçalves há muito tempo, desde estudante quando militava no Partido dos Trabalhadores. Depois, atendeu a vários mandatários e ao PT como advogado. Todo trabalho consta na prestação de contas aprovada na Justiça Eleitoral”, disse.

Gleisi também esclareceu que a campanha de 2014, ao governo do Paraná, foi atendida pelo advogado Luiz Fernando Pereira.

O Blog do Esmael soube no início desta tarde que Guilherme Gonçalves, com serenidade, afirmou a petistas que provará sua inocência no decorrer do processo.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Câmara discute reforma política; Jurista Luiz Fernando Pereira é o único paranaense no debate

pereirab

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) discute nesta terça-feira (18) com representantes de movimentos sociais, advogados e cientistas políticos duas propostas que alteram regras para reeleição, criação de partidos, coligações eleitorais, distribuição de recursos do fundo partidário e de tempo de TV (PECs 325/13 e 344/13).

O debate foi proposto no fim do ano passado pelo deputado licenciado Ricardo Berzoini (PT-SP).! Com as recentes denúncias da operação Lava Jato, em que empreiteiras teriam pago propina para partidos e parlamentares em troca de favores na Petrobras, o debate da reforma política e do financiamento público de campanha voltou à  tona, como uma forma de combater a corrupção eleitoral e poder econômico na escolha dos governantes.

O advogado Luiz Fernando Pereira é o único paranaense convidado para o debate. Pereira é graduado pela PUCPR e Doutor e Mestre em Direito Processual Civil pela UFPR. à‰ professor de Direito da Pós-Graduação do Instituto Romeu Bacellar e da Escola da Magistratura do Paraná e autor de livros e de inúmeros artigos, cursos e palestras na área do Direito Processual Civil e do Direito Empresarial.

Decisão inédita: Justiça dá 48 horas para Richa prestar contas; e agora?

Governador Beto Richa, que fez caminhada na manhã de hoje em Maringá, foi informado pela sua coordenação jurídica de que tem até à s 19 horas de amanhã para prestar contas dos gastos; se descumprir a sentença o tucano poderá ter a candidatura indeferida pela Justiça; decisão é da juíza Renata Estorilho Baganha e atende representação da coligação Paraná Olhando pra Frente, que tem Gleisi Hoffmann (PT) como candidata ao Palácio Iguaçu; PSDB havia informado que nada arrecadou e nada gastou na campanha, embora tenha inaugurado comitês, confeccionado materiais, contratado profissionais, realizado viagens, etc.; e agora?
Governador Beto Richa, que fez caminhada na manhã de hoje em Maringá, foi informado pela sua coordenação jurídica de que tem até à s 19 horas de amanhã para prestar contas dos gastos; se descumprir a sentença o tucano poderá ter a candidatura indeferida pela Justiça; decisão é da juíza Renata Estorilho Baganha e atende representação da coligação Paraná Olhando pra Frente, que tem Gleisi Hoffmann (PT) como candidata ao Palácio Iguaçu; PSDB havia informado que nada arrecadou e nada gastou na campanha, embora tenha inaugurado comitês, confeccionado materiais, contratado profissionais, realizado viagens, etc.; e agora?
Em decisão inédita no país, a Justiça Eleitoral determinou que, no prazo máximo de 48 horas, o candidato à  reeleição, governador Beto Richa (PSDB), apresente os valores arrecadados e gastos por sua campanha no primeiro mês.

Contrariando a legislação eleitoral, Richa entregou zerada a primeira prestação de contas, alegando que não arrecadou e nem gastou nada nos primeiros 30 dias de campanha.

Esta é a primeira vez que a Justiça Eleitoral brasileira entra em ação para obrigar um candidato a apresentar seus gastos parciais de campanha.

A decisão da juíza Renata Estorilho Baganha atende a representação da coligação Paraná Olhando pra Frente, que tem Gleisi Hoffmann (PT) como candidata à  governadora.

Gleisi vai à  Justiça para que Richa seja obrigado a exibir gastos de campanha

Impossível dizer que o candidato à  reeleição não teve gastos neste primeiro mês. Notícias de jornais e do próprio site de campanha mostram o candidato inaugurando comitês. Nas ruas, carros circulam com adesivos do candidato. Além disso, ele já lançou o site e um espaço chamado de Tenda Digital!, que oferecia internet gratuita para visitantes. E os fotógrafos, cinegrafistas e jornalistas que o acompanham nas agendas? Não recebem salários?!, questiona o coordenador jurídico da coligação Paraná Olhando pra Frente, Luiz Fernando Pereira.
Impossível dizer que o candidato à  reeleição não teve gastos neste primeiro mês. Notícias de jornais e do próprio site de campanha mostram o candidato inaugurando comitês. Nas ruas, carros circulam com adesivos do candidato. Além disso, ele já lançou o site e um espaço chamado de Tenda Digital!, que oferecia internet gratuita para visitantes. E os fotógrafos, cinegrafistas e jornalistas que o acompanham nas agendas? Não recebem salários?!, questiona o coordenador jurídico da coligação Paraná Olhando pra Frente, Luiz Fernando Pereira.
A candidata à  governadora, Gleisi Hoffmann (PT), entra na tarde desta quinta-feira (7) no Tribunal Regional Eleitoral (TRE/PR) com uma ação para que o candidato à  reeleição, governador Beto Richa (PSDB), seja obrigado a apresentar imediatamente seus gastos de campanha até o momento.

Contrariando a legislação eleitoral, Richa entregou zerada a primeira prestação de contas, alegando que não arrecadou e nem gastou nada em um mês de campanha.

As regras de contabilidade de campanha – estabelecidas pela resolução 23.406 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) !“ deixam claro que os gastos eleitorais efetivam-se na data da sua contratação, independentemente da realização do seu pagamento!.

Impossível dizer que o candidato à  reeleição não teve gastos neste primeiro mês. Notícias de jornais e do próprio site de campanha mostram o candidato inaugurando comitês. Nas ruas, carros circulam com adesivos do candidato. Além disso, ele já lançou o site e um espaço chamado de Tenda Digital!, que oferecia internet gratuita para visitantes. E os fotógrafos, cinegrafistas e jornalistas que o acompanham nas agendas? Não recebem salários?!, questiona o coordenador jurídico da coligação Paraná Olhando pra Frente, Luiz Fernando Pereira.

Richa desrespeita decisão judicial ao manter placas, acusa Gleisi

Juiz Leonardo Castanho Mendes determinou nesta segunda (4) que Beto Richa, candidato à  reeleição, retire todas as placas do governo indicando obras no Paraná; decisão do magistrado atendeu ao pedido de Gleisi; Informamos a Justiça Eleitoral que placas com o slogan
Juiz Leonardo Castanho Mendes determinou nesta segunda (4) que Beto Richa, candidato à  reeleição, retire todas as placas do governo indicando obras no Paraná; decisão do magistrado atendeu ao pedido de Gleisi; Informamos a Justiça Eleitoral que placas com o slogan “Mais uma obra” não haviam sido retiradas. A partir dessa constatação, o juiz achou por bem determinar a retirada de todas as placas de obras!, explica o coordenador jurídico da coligação Paraná Olhando pra Frente, Luiz Fernando Pereira.
A senadora Gleisi Hoffmann (PT), candidata ao Palácio Iguaçu pela coligação Paraná Olhando pra Frente, nesta segunda-feira (4), comemorou decisão da Justiça Eleitoral que obrigou o governador Beto Richa (PSDB), candidato à  reeleição, a retirar em 72 horas todas as placas de obras com publicidade institucional, espalhadas pelo estado, sob pena de pagamento de multa de R$ 20 mil por descumprimento.

A petista acusa o adversário tucano de torcer no nariz para a Justiça Eleitoral que considera ilegal este tipo de publicidade institucional em período de campanha.

O juiz Leonardo Castanho Mendes tomou a decisão a partir de informação da coligação Paraná Olhando pra Frente de que o candidato à  reeleição, Beto Richa, estava desrespeitando a decisão da última quinta-feira (31), que determina a retirada em 24 horas de cinco placas da campanha publicitária Mais uma obra!.

Informamos a Justiça Eleitoral que placas com o slogan “Mais uma obra” não haviam sido retiradas. A partir dessa constatação, o juiz achou por bem determinar a retirada de todas as placas de obras!, explica o coordenador jurídico da coligação Paraná Olhando pra Frente, Luiz Fernando Pereira.

Feitiço contra feiticeiro: Justiça abre processo criminal contra Ogier Buchi

A equipe jurídica coordenada pelo advogado Luiz Fernando Pereira assegurou a candidatura de Gleisi Hoffmann ao governo do Paraná; nesta quinta (31), o TRE rejeitou, por unanimidade, pedido de impugnação formulado pelo candidato Ogier Buchi; Ministério Público Eleitoral (MPE) abriu processo criminal contra o candidato do PRP por "má fé"; (...) chama a atenção o eminente cunho político que a presente impugnação aparenta ter, seja pela grande repercussão da impugnação na imprensa, seja pelos fraquíssimos argumentos para seu ajuizamento!, espinafrou o parecer do MPE; será que o feitiço virou contra o feiticeiro?
A equipe jurídica coordenada pelo advogado Luiz Fernando Pereira assegurou a candidatura de Gleisi Hoffmann ao governo do Paraná; nesta quinta (31), o TRE rejeitou, por unanimidade, pedido de impugnação formulado pelo candidato Ogier Buchi; Ministério Público Eleitoral (MPE) abriu processo criminal contra o candidato do PRP por “má fé”; (…) chama a atenção o eminente cunho político que a presente impugnação aparenta ter, seja pela grande repercussão da impugnação na imprensa, seja pelos fraquíssimos argumentos para seu ajuizamento!, espinafrou o parecer do MPE; será que o feitiço virou contra o feiticeiro?
A Corte do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) rejeitou, por unanimidade, na tarde desta quinta-feira (31), o pedido de impugnação da candidatura de Gleisi Hoffmann (PT) ao governo do Paraná.

Gleisi Hoffmann é a primeira candidata ao governo do Paraná a ter aprovado o registro de candidatura.

O pedido de impugnação foi feito pelo candidato Ogier Buchi (PRP), que alegava que a indicação do vice de Gleisi, Haroldo Ferreira (PDT), ocorreu fora do prazo estabelecido pela legislação eleitoral.

Além de rejeitar o pedido de impugnação, o Ministério Público Eleitoral (MPE) determinou ainda a abertura de processo criminal contra Ogier Buchi por má fé.

Antepenúltima: Richa sofre mais uma condenação na Justiça

Uma verdadeira goleada é o que está sofrendo a assessoria jurídica do governador-candidato. Desta vez é o Governo que tem 24 horas para retirar todas as placas de obras espalhadas pelo Estado, que integram a propaganda institucional do governo do Paraná.  Nos últimos 15 dias, Beto Richa foi enquadrado outras cinco vezes por uso da máquina pública em benefício pessoal.
Uma verdadeira goleada é o que está sofrendo a assessoria jurídica do governador-candidato. Desta vez é o Governo que tem 24 horas para retirar todas as placas de obras espalhadas pelo Estado, que integram a propaganda institucional do governo do Paraná. Nos últimos 15 dias, Beto Richa (PSDB) foi enquadrado outras cinco vezes por uso da máquina pública em benefício pessoal.

A Justiça Eleitoral determinou a retirada, no prazo máximo de 24 horas, de todas as placas de obras espalhadas pelo estado, que integram a propaganda institucional do governo do Paraná. O Juiz Auxiliar Leonardo Castanho Mendes fixou multa de R$ 10 mil por placa em caso de desrespeito.

Na decisão, o magistrado chama a atenção para o fato de a propaganda não expressar conteúdo informativo ou educativo!, que não apresenta nenhuma relevância à  população! e que “evidentemente, referida propaganda irregular afeta a igualdade de oportunidades entre candidatos no pleito eleitoral!. A decisão da Justiça responde à  ação impetrada pela coligação Paraná Olhando Pra Frente! (PT-PDT-PCdoB-PRB-PTN), que tem Gleisi Hoffmann como candidata ao governo do estado.

Este é mais um episódio do uso da máquina pública em favor da campanha à  reeleição de Beto Richa!, destaca o coordenador jurídico da coligação Paraná Olhando Pra Frente, Luiz Fernando Pereira.