Lula lidera até pesquisa encomendada por especuladores da XP/Itaú

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva continua imbatível até mesmo nas pesquisas dos especuladores. A XP Investimentos, braço do banco Itaú, divulgou neste sábado (7) que o petista lidera isolado a corrida presidencial com 28% das intenções de voto.

Como o setor financeiro já começa a sorrir para Jair Bolsonaro, o ex-capitão do Exército aparece em segundo lugar com 20%.

Gleisi aprova na CAE limite de 28% aos juros no cartão de crédito; hoje, taxa é de quase 500%

gleisi_juros_cartaoA senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), que preside a Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE), informa que o colegiado aprovou nesta terça (29) a redução do salário dos senadores; a limitação para juros do cartão de crédito e estipulou duplo mandato do Banco Central.

Bancários dão pontapé inicial na greve geral de todos os trabalhadores do Brasil

greve_geralOs bancários de bancos privados e públicos entraram em greve nesta terça-feira, 6 de setembro, em todo o Brasil. O movimento é o pontapé inicial para a grande greve geral unificada de todos os trabalhadores do país, representados por todas as centrais sindicais.

‘Globo golpista’ é alvo de fúria em megamanifestação no Paraná; assista

Um carro-link da RPCTV (Globo) e a sede do jornal Gazeta do Povo, em Curitiba, foram alvos da fúria de 12 mil manifestantes em Curitiba, na noite desta quinta (1º). Abaixo, veja o vídeo:

Deputado Aliel Machado, do PCdoB, caiu na #Rede de Sustentabilidade

aliel_redeO deputado federal Aliel Machado deixou neste sábado (26) o PCdoB pela Rede de Sustentabilidade, partido da Marina Silva, que se confirmou como única “janela” no troca-troca partidário para quem tem mandato e vai disputar as eleições de 2016.

O parlamentar pontagrossense informou alguns correligionários sobre a saída da legenda vermelha. Ele também confirmou esta noite ao Blog do Esmael sua ida para a Rede.

No início de agosto, o Blog do Esmael havia mostrado que o deputado planejava deixar o PCdoB pelo PDT, mas recuou porque o Congresso Nacional não aprovou a “janela da infidelidade” para quem disputará as eleições de 2016. Ele é candidato a prefeito do município de Ponta Grossa.

No Paraná, além de Aliel, quem poderá perder deputados estaduais é PV e PMDB. O verde Rasca Rodrigues e o peemedebista Luiz Claudio Romanelli, líder do governo Beto Richa, também flertam com a Rede.

“Joaquim Levy fracassou com o rebaixamento de nota do Brasil”, diz senador Lindbergh Farias

Bancos Itaú e Bradesco também têm notas rebaixadas pela Standard & Poor’s. Vai dar na Globo?

Dilma bate-boca com Marina: Não tenho banqueiro me sustentando!

do Brasil 247

Presidente Dilma Rousseff rebate declaração da candidata do PSB, Marina Silva, que disse hoje mais cedo que a petista criou a "bolsa banqueiro"; candidata à  reeleição lembrou à  adversária, que tem como coordenadora de seu programa de governo Neca Setubal, herdeira do banco Itaú, e já recebeu voto declarado do presidente da instituição, Roberto Setúbal: "Eu não tenho banqueiro me apoiando. Eu não tenho banqueiro, você entende, me sustentando", insistiu Dilma; ano passado, Neca doou R$ 1 milhão ao Instituto Marina Silva, que além dela só teve mais um doador; propaganda do PT na tevê pontua que candidata do PSB quer dar poder de presidente do Congresso aos banqueiros, com a proposta de autonomia do Banco Central; Dilma mostra reflexos apurados em momento decisivo da eleição; pesquisa MDA já registra empate técnico entre as duas adversárias em eventual 2!º turno.
Presidente Dilma Rousseff rebate declaração da candidata do PSB, Marina Silva, que disse hoje mais cedo que a petista criou a “bolsa banqueiro”; candidata à  reeleição lembrou à  adversária, que tem como coordenadora de seu programa de governo Neca Setubal, herdeira do banco Itaú, e já recebeu voto declarado do presidente da instituição, Roberto Setúbal: “Eu não tenho banqueiro me apoiando. Eu não tenho banqueiro, você entende, me sustentando”, insistiu Dilma; ano passado, Neca doou R$ 1 milhão ao Instituto Marina Silva, que além dela só teve mais um doador; propaganda do PT na tevê pontua que candidata do PSB quer dar poder de presidente do Congresso aos banqueiros, com a proposta de autonomia do Banco Central; Dilma mostra reflexos apurados em momento decisivo da eleição; pesquisa MDA já registra empate técnico entre as duas adversárias em eventual 2!º turno.
A proposta de independência do Banco Central da candidata Marina Silva (PSB) rendeu um bate-boca entre ela e a presidente Dilma Rousseff nesta terça-feira 9. Depois de um comercial da campanha do PT ter acusado Marina de dar aos banqueiros um poder de decisão de presidente e do Congresso, Marina rebateu dizendo que Dilma foi quem beneficiou os bancos em sua gestão, criando o “bolsa banqueiro”.

No final desta tarde, a candidata à  reeleição alfinetou a adversária, que tem como coordenadora de seu programa de governo Neca Setubal, herdeira do Itaú, e recentemente ganhou voto declarado do presidente da instituição financeira, Roberto Setubal. “Não adianta querer falar que eu fiz bolsa banqueiro. Eu não tenho banqueiro me apoiando. Eu não tenho banqueiro, você entende, me sustentando”, atacou Dilma Rousseff.

A petista voltou a criticar a proposta de independência do Banco Central de Marina. “O Banco Central, como qualquer outra instituição, não é eleito por tecnocrata nem por banqueiros”, mas por “quem tem voto direto. E o que o Congresso faz com o Banco Central? Chama e manda prestar contas”, disse.

Neca Setúbal, do Itaú, bancou 83% do Instituto de Marina Silva

do Brasil 247

Uma das principais herdeiras do banco Itaú, Maria Alice Setúbal, conhecida como Neca, doou, em 2013, R$ 1 milhão para o instituto sobre sustentabilidade criado pela ex-senadora Marina Silva; isso representa 83% dos custos da entidade; principal financiadora da candidata, a herdeira do banco fala em nome de Marina e coordena seu programa de governo; foi ela, por exemplo, quem anunciou a independência do Banco Central, uma bandeira defendida pela família Setúbal, e é também Neca quem tenta atrair nomes para a equipe econômica; Marina também recebeu R$ 1,6 milhão em palestras, mas se nega a revelar quem são os clientes; o Itaú, por sua vez, está em litígio com a União por ter sido multado em R$ 18,7 bilhões pela Receita Federal por sonegação de impostos.
Uma das principais herdeiras do banco Itaú, Maria Alice Setúbal, conhecida como Neca, doou, em 2013, R$ 1 milhão para o instituto sobre sustentabilidade criado pela ex-senadora Marina Silva; isso representa 83% dos custos da entidade; principal financiadora da candidata, a herdeira do banco fala em nome de Marina e coordena seu programa de governo; foi ela, por exemplo, quem anunciou a independência do Banco Central, uma bandeira defendida pela família Setúbal, e é também Neca quem tenta atrair nomes para a equipe econômica; Marina também recebeu R$ 1,6 milhão em palestras, mas se nega a revelar quem são os clientes; o Itaú, por sua vez, está em litígio com a União por ter sido multado em R$ 18,7 bilhões pela Receita Federal por sonegação de impostos.
Uma reportagem deste domingo da Folha de S. Paulo confirma o que já parecia evidente. à‰ Maria Alice Setúbal, a Neca, herdeira do banco Itaú, a principal financiadora da candidata do PSB à  presidência da República, Marina Silva.

De acordo com o texto de Aguirre Talento e Fernanda Odilla (leia aqui a íntegra), Neca doou R$ 1 milhão em 2013 para o instituto criado por Marina Silva para promover a sustentabilidade. Isso representa nada menos que 83% dos custos da entidade, o que significa que Marina é quase que integralmente bancada por Neca.

Marina seduz empresários e convoca ‘black blocs’ de volta à s ruas

com Brasil 247

Com apoio do Itaú, ela organizou um café da manhã com pesos pesados da economia: Roberto Setubal (Itaú), Candido Bracher (Itaú BBA), Fábio Ermirio de Moraes (Votorantim), Carlos Pires (Drogasil), Waldemar Verdi (Rodobens), Daniel Feffer (Suzano) e Rubens Ometto (Cosan); um dos presentes, Abilio Diniz, da BRF, teria até rompido com o governo Dilma; em paralelo, a nova aliada de Eduardo Campos no PSB prepara a organização de novos protestos para o ano que vem a fim de "recolocar as coisas em seu devido lugar"; será que Marina faz bem para a economia e ao país convocando os
Com apoio do Itaú, ela organizou um café da manhã com pesos pesados da economia: Roberto Setubal (Itaú), Candido Bracher (Itaú BBA), Fábio Ermirio de Moraes (Votorantim), Carlos Pires (Drogasil), Waldemar Verdi (Rodobens), Daniel Feffer (Suzano) e Rubens Ometto (Cosan); um dos presentes, Abilio Diniz, da BRF, teria até rompido com o governo Dilma; em paralelo, a nova aliada de Eduardo Campos no PSB prepara a organização de novos protestos para o ano que vem a fim de “recolocar as coisas em seu devido lugar”; será que Marina faz bem para a economia e ao país convocando os “black blocs” de volta à s ruas contra o PT?; Pedro Piccolo Contesini, membro da Comissão Executiva Nacional da Rede Sustentabilidade, partido que Marina tentava criar, foi um dos líderes dos atos de vandalismo que chocaram o país no dia 20 de junho, quando o Itamaraty foi depredado em Brasília; apenas coincidência entre discurso de Marina e prática da militância dos “black blocs”?
Provável candidata à  vice-presidência na chapa do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, a ex-senadora Marina Silva (PSB) tem reunido empresários a fim de articular uma dura crítica contra a gestão econômica da presidente Dilma Rousseff nas eleições de 2014. Influentes nomes já davam apoio à  ex-ministra de Lula durante o processo de criação de seu partido, a Rede Sustentabilidade, e agora acompanham Marina em seu novo projeto.

Nesta terça-feira, ela organizou um café da manhã, com o apoio do Itaú, reunindo um grupo de pesos pesados de diversos setores da economia: Roberto Setubal, do Itaú, Candido Bracher, do banco de atacado Itaú BBA, Abilio Diniz, presidente do conselho da BRF, Fábio Ermirio de Moraes, da Votorantim, Carlos Pires, presidente da rede de farmácias Drogasil, Waldemar Verdi, da Rodobens, Daniel Feffer, da Suzano, e Rubens Ometto, da Cosan.

Projeto de Marina, afinal, é político ou empresarial? Opine

do Brasil 247

Cada vez mais difícil distingà¼ir a diferença entre sonho presidencial da ex-ministra Marina Silva e os interesses de grandes grupos econômicos ligados a ela; Banco Itaú, da amiga, apoiadora e financiadora Neca Setubal muda nome de seus cartões de crédito para que passem a se chamar, exatamente, Rede, jogando o Card fora; ex-vice de Marina em 2010, Guilherme Leal alinha a sua Natura, maior fabricante nacional de cosméticos, na mesma toada: agora existe o Rede Natura a atar vendedoras de seus produtos; essa estratégia de vulgarização e associação do Rede a produtos e arranjos comerciais é mesmo boa para a política e os negócios? Ou finda por dar, como indica o grafismo do Rede (nesse caso, o cartão de crédito), um nó na cabeça do eleitor? Opine.
Cada vez mais difícil distingà¼ir a diferença entre sonho presidencial da ex-ministra Marina Silva e os interesses de grandes grupos econômicos ligados a ela; Banco Itaú, da amiga, apoiadora e financiadora Neca Setubal muda nome de seus cartões de crédito para que passem a se chamar, exatamente, Rede, jogando o Card fora; ex-vice de Marina em 2010, Guilherme Leal alinha a sua Natura, maior fabricante nacional de cosméticos, na mesma toada: agora existe o Rede Natura a atar vendedoras de seus produtos; essa estratégia de vulgarização e associação do Rede a produtos e arranjos comerciais é mesmo boa para a política e os negócios? Ou finda por dar, como indica o grafismo do Rede (nesse caso, o cartão de crédito), um nó na cabeça do eleitor? Opine.
Enredada entre dois grandes pesos pesados do capitalismo brasileiro, a presidenciável Marina Silva está permitindo, na prática, que a marca que ela criou e empolgou a sua militância se vulgarize.

Não se sabe, porém, até que ponto isso pode funcionar a favor dela !“ ou, ao contrário, acarretar um desgaste para a sua imagem pessoal e, também, para o partido que ela ainda quer criar.

Rede, neste momento, além de ser o nome da organização embrionária, também virou marca de cartão de crédito e de uma estratégia de vendas de cosméticos e produtos de higiene pessoal.

O Banco Itaú, do qual a amiga, apoiadora e financiadora de Marina, Neca Setúbal, é uma as principais herdeiras, mudou uma bandeira histórica dos cartões de crédito que administra para que passasse a ser, exatamente, tal qual a marca criada em torno da presidenciável. Os marqueteiros do Itaú jogaram fora o ‘Card’ e adotaram apenas o ‘Rede’ para, doravante, venderem seus cartões a mais e mais clientes.

A novidade foi anunciada em publicidades de páginas inteiras nos jornais de papel da mídia tradicional: Redecard agora é Rede.

E não é só. O que poderia, com boa vontade, ser chamado de coincidência singular, dobrou de tamanho.