Blog do Esmael

A política como ela é em tempo real.

8 de abril de 2018
por Eugênio Aragão
Comentários desativados em Há 3 anos, servidores gritavam “bando de ladrão, vai sair de camburão” na ALEP

Há 3 anos, servidores gritavam “bando de ladrão, vai sair de camburão” na ALEP

Em 08 de abril de 2015, a temperatura voltava a subir no enfrentamento entre os servidores estaduais e os deputados da “bancada do camburão” na Assembleia Legislativa do Paraná. Os servidores ocuparam as galerias da ALEP para a audiência pública que discutiu o confisco da previdência pelo então governador Beto Richa (PSDB). Leia mais

7 de abril de 2018
por Eugênio Aragão
Comentários desativados em Há 3 anos, confisco da previdência dos servidores começava a tramitar na ALEP

Há 3 anos, confisco da previdência dos servidores começava a tramitar na ALEP

No dia sete de abril de 2015, uma terça-feira, o novo projeto de Beto Richa (PSDB) para confiscar o fundo de previdência dos servidores começava a tramitar na Assembléia Legislativa do Paraná. Seria a mais dura disputa do governo e a mais forte resistência dos servidores. Uma guerra que só foi vencida pelo tucano com o uso da força policial, resultando no massacre de 29 de abril de 2015. Leia mais

5 de abril de 2018
por Eugênio Aragão
Comentários desativados em Há 3 anos, Beto Richa preparava o ‘pacotaço’ de maldades chamado de ajuste fiscal

Há 3 anos, Beto Richa preparava o ‘pacotaço’ de maldades chamado de ajuste fiscal

O dia 05 de abril de 2015 foi um domingo de Páscoa. O governador Beto Richa (PSDB) e seu secretário da Fazenda Mauro Ricardo davam os ajustes finais no “pacotaço” de maldades contra os paranaenses. O conjunto de medidas de arrocho nas contas seria apresentado em mensagem para tramitação na Assembleia Legislativa na terça-feira seguinte. Leia mais

2 de abril de 2018
por Eugênio Aragão
Comentários desativados em UEPG debate desmonte das Universidades Estaduais por Beto Richa

UEPG debate desmonte das Universidades Estaduais por Beto Richa

Nesta terça-feira (03), às 19h no Auditório da Universidade Estadual de Ponta Grossa (Campus Central) será realizado um debate com o tema “Desmonte das Universidades Públicas do Paraná: retrato dos últimos 7 anos e 93 dias”. A atividade faz parte da agenda dos sindicatos de servidores das instituições estaduais de ensino. Leia mais

20 de março de 2018
por Eugênio Aragão
Comentários desativados em Mais um golpe na educação: Temer quer até 40% do ensino médio à distância

Mais um golpe na educação: Temer quer até 40% do ensino médio à distância


O ilegítimo governo Michel Temer prepara mais um duro golpe na educação e na qualidade do ensino de todo o país. A intenção agora é liberar para que quase a metade (40%) do ensino médio regular seja feita à distância. Na educação de jovens e adultos a proposta é ainda pior. Nesse caso, todo o conteúdo poderá ser ministrado pela internet, sem a presença dos estudantes. A intenção é clara, desobrigar a União e os Estados dos investimentos na educação pública, reduzir o número de professores e fechar escolas. Leia mais

18 de março de 2018
por Eugênio Aragão
Comentários desativados em Beto Richa fecha universidades públicas do Paraná: UEL e Unicentro suspendem calendário

Beto Richa fecha universidades públicas do Paraná: UEL e Unicentro suspendem calendário


O governador do Paraná inimigo da Educação, Beto Richa (PSDB), continua o desmonte das universidades públicas estaduais. Nesta semana a Unicentro e a UEL anunciaram a suspensão dos seus calendários de aulas. Richa não autorizou a contratação dos docentes necessários para o funcionamento dos cursos. Leia mais

13 de março de 2018
por Eugênio Aragão
Comentários desativados em Educadores denunciam Beto Richa pelo caos nas escolas estaduais

Educadores denunciam Beto Richa pelo caos nas escolas estaduais


Chegam à redação do Blog do Esmael relatos assustadores da situação das escolas públicas estaduais. O governador Beto Richa (PSDB) vai aprofundando o desmonte da educação. Diminuiu o número de funcionários das escolas estrangulando o trabalho de administração, dificultando a preparação de merenda e a limpeza dos prédios. Na prática, o tucano inviabiliza qualquer possibilidade de um ensino de qualidade. Leia mais

29 de abril de 2016
por admin
17 Comentários

30 mil marcham contra Beto Richa

30mil

A marcha da memória do massacre de 29 de abril reuniu mais de 30 mil pessoas nesta sexta-feira (29) em Curitiba. Eram professores, estudantes, servidores estaduais e trabalhadores das mais diversas categorias unidos contra o governador Beto Richa (PSDB) que massacrou os educadores e quebrou o estado do Paraná.

29 de abril de 2016
por admin
Comentários desativados em Charge do dia: Um ano do massacre

Charge do dia: Um ano do massacre

Charge de Marcelo Galvan Leite.

Charge de Marcelo Galvan Leite.

28 de abril de 2016
por admin
13 Comentários

Veja como será a marcha que já faz tremer o Palácio Iguaçu

marcha16

Nesta sexta-feira em que o massacre de 29 de abril completará um ano, uma grande marcha liderada pelos educadores da rede pública estadual vai sacudir Curitiba. As perspectivas de tamanho, força e repercussão desta mobilização já estão fazendo tremer o governador Beto Richa (PSDB) e sua equipe; a julgar pelos ataques desferidos pela internet e com uma carta falsa distribuída nas escolas. 

18 de abril de 2016
por admin
7 Comentários

Richa deve R$ 173 mi aos educadores

caloteSegundo a APP-Sindicato, o governo do estado deve mais de R$ 173 mi aos professores e servidores das escolas públicas do Paraná. São atrasos nos pagamentos de promoções e progressões previstas em lei que se arrastam por mais de um ano e prejudicam as carreiras e a organização pedagógica.

3 de março de 2016
por admin
9 Comentários

O drama do fechamento de turmas e escolas pelo governador Beto Richa

Uma postagem no Facebook conseguiu sintetizar e mostrar de maneira simples o estrago causado pelo fechamento de turmas nas escolas públicas estaduais.

Com o título “Cadê o 6° ano? Beto Richa mandou fechar”, de autoria do professor Piva Luiz Romeiro, o texto fala de uma escola em Almirante Tamandaré, Região Metropolitana de Curitiba.

A Escola Jardim Apucarana fica no bairro com o mesmo nome, onde, segundo professor Piva, vivem cerca de 6 mil pessoas. “Gente humilde e trabalhadora, que tem orgulho do seu único equipamento público, a escola, que hoje corre o risco de ser fechada”, comenta.

A escola funciona em um prédio do município e divide as instalações com outra municipal de educação infantil. A construção de uma escola estadual é uma reivindicação antiga da comunidade, um sonho. A prefeitura já separou até um terreno, mas, ao invés de construir, o governador Beto Richa (PSDB) quer é fechar a escola.

Neste ano foi fechada uma turma de 6° ano. O motivo do fechamento é que só houve 18 alunos matriculados, e pelos critérios do governo esse número é muito baixo.

Qualquer educador há de concordar que este é um bom número de estudantes para uma turma. Mas esses 18 alunos terão que procurar escolas em outros bairros, longe de casa. Provavelmente estudarão em turmas superlotadas. Muitos devem simplesmente desistir.

Além disso, se não há turma de 6° ano em 2016, ano que vem não haverá 7° ano, no outro acaba o 8° e a escola estará condenada a morrer em 2019.

O professor Piva conclui sua postagem perguntando se é justo que os 18 estudantes matriculados sejam impedidos de estudar? E faz um apelo: “Por favor, não entre para a história como o sujeito que fechou escola, repense, autorize a abertura do 6º ano”.

Mas parece que Beto Richa não est

24 de fevereiro de 2016
por admin
11 Comentários

Professores protestam e vaiam Beto Richa no início do ano letivo; assista

O Blog do Esmael já havia registrado ontem (23) que os professores ficaram revoltados com alguns temas da Semana Pedagógica do Paraná. A Secretaria da Educação (Seed) optou por temas espinhosos para o governo como os direitos humanos, o combate a corrupção e a democracia. Um verdadeiro deboche, portanto. (Abaixo, assista ao vídeo).

Eles também se revoltaram com a desorganização e a baixa qualidade dos materiais da tal Semana Pedagógica. Os mediadores dos temas foram escolhidos em cima da hora e não receberam nenhum preparo para desenvolver as atividades. Resumindo, as atividades que deveriam preparar os professores só serviram para causar revolta.

O resultado é que os professores não aguentaram e simplesmente vaiaram as apresentações e os vídeos. Professores de várias escolas chegaram a escrever e assinar cartas de repúdio ao governador e à Seed.

No Colégio Estadual Angelo Gusso, os educadores chegaram e improvisar uma faixa e gravaram um vídeo de protesto contra Beto Richa. O grito foi: “Governador, preste atenção: mais respeito com a nossa formação!”

Confira a seguir: 

A pergunta que circula nas redes sociais sobre a desastrada Semana Pedagógica que começou na segunda (22) e terminou hoje (24) é: “Foi incompetência ou provocação?”

15 de fevereiro de 2016
por admin
12 Comentários

Falta de merenda e obras suspensas vão tumultuar início do ano letivo de 2016, denuncia APP-Sindicato

O ano letivo de rede pública estadual de ensino do ano 2016 terá início dentro de duas semanas, no próximo dia 29 de fevereiro. Nos dias 22, 23 e 24 haverá a semana pedagógica, e os dias 25 e 26 estão reservados para planejamento escolar. Também no próximo dia 22, tomam posse os diretores e diretoras eleitos no ano passado.

Mas as escolas estão em pleno funcionamento desde o começo de fevereiro, por conta da reposição das aulas das duas greves dos professores e servidores ocorridas no ano passado.

O Blog do Esmael conversou com a professora Walkíria Olegário Mazeto, Secretária Educacional da APP-Sindicato, para saber como está a situação das mais de duas mil escolas estaduais para esse recomeço.

Sobre a distribuição das aulas, Walkíria afirmou que persiste o problema do fechamento de turmas por parte do governo, grande parte em escolas do campo e de formação profissional. O fechamento de turmas ocorre em cascata, sempre reduzindo o número de turmas iniciais. A secretária informou que o número de turmas fechadas é menor que nos anos anteriores, e que a APP vem recorrendo à SEED para a manutenção das turmas.

Sobre a merenda, o governo do estado publicou o edital para compra dos alimentos para 2016 somente no final da semana passada. Este atraso deverá causar falta de comida nas escolas nos primeiros meses.

Além disso, o estado reduziu ao mínimo da lei a aquisição de produtos da agricultura familiar dando preferência a compra dos grandes produtores. Essa opção, apesar de econômica, causa forte impacto nos pequenos municípios, além de prejudicar a qualidade da merenda.

Sobre a situação física das escolas a realidade é bastante preocupante. Devido aos desvios de recursos para construção e reformas de escolas estaduais, investigados pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), na operação Quadro Negro, todas as reformas e construções de escolas estaduais foram suspensas e passam por auditoria.

O resultado é dramático, pois os recursos são federais e o dinheiro têm prazo para ser utilizado. Caso contrário o dinheiro tem que ser devolvido. As obras demoram mais de um ano para serem aprovadas, pois os processos tramitam em diversos órgão federais. Ou seja, a corrupção no governo Beto Richa (PSDB) está causando um prejuízo que vai muito além do dinheiro desviado.

Professora Walkíria citou o caso de uma escola em Ponta Grossa na qual as aulas são ministradas numa quadra esportiva e as turmas são divididas por tapumes. “Qual é a qualidade de ensino que pode se esperar dessa situação?”, questiona.

Sobre as mobilizações dos professores, no dia 17 de março haverá

23 de dezembro de 2015
por admin
Comentários desativados em Governador Beto Richa termina 2015 com protestos pelo #ForaBetoRicha

Governador Beto Richa termina 2015 com protestos pelo #ForaBetoRicha

O governador Beto Richa (PSDB) foi alvo de intensos protestos de professores e servidores estaduais, nesta terça-feira (22), no município Ponta Grossa, região dos Campos Gerais, nas vésperas do Natal e no apagar das luzes de 2015.

Richa esteve na cidade para assinar a liberação de verbas para o Lago de Olarias e para participar da entrega de 1.127 casas populares.

Vale lembrar que as residências inauguradas pelo governador são do programa Minha Casa Minha Vida, do governo federal. Ou seja, além de tudo, Beto Richa ainda faz cortesia com o chapéu de Dilma Rousseff — que ele e seu partido estão tentando derrubar.

Professores rede pública estadual de ensino, da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e do Movimento Popular Fora Beto Richa realizaram protestos nas duas solenidades. Ou seja, o governo do PSDB iniciou como terminou este ano: sob intensos protestos.

Aliás, os protestos contra o governador vindos da educação pública estadual, básica e superior, são cada vez mais frequentes. O tucano escolheu os educadores como ‘inimigos número 1’, por isso aplicou contra eles uma série de maldades durante o ano de 2015.

Tivemos o confisco da previdência dos servidores, o massacre de 29 de abril e a sonegação da data-base. Mais recentemente, as universidades estaduais começaram a fechar as portas por falta de recursos, isso sem falar na demissão de cerca de 30 mil professores PSS.

Os professores da UEPG representados pelo Sinduepg levaram faixas com a seguinte frase “Docentes na luta contra o confisco da poupança previdenciária”.

Para a presidente do Núcleo regional da APP-Sindicato, Vera Rosi, os educadores jamais vão esquecer os atos de Richa contra a educação, especialmente o dia 29 de abril, quando professores foram massacrados pela Polícia Militar, no Centro Cívico de Curitiba.

“Ric

18 de dezembro de 2015
por admin
29 Comentários

2015, o ano que teima não terminar para os educadores do Paraná

O ano de 2015 é aquele que os trabalhadores na educação do Paraná estão torcendo para que termine logo, mas ele teima em não chegar ao fim. O objetivo dos profissionais do magistério é carregado da simplicidade de apenas virar a página para seguir em frente, após aquela “zerada” necessária que somente umas boas férias proporcionariam.

Proporcionariam, pois, infelizmente, não vai ser assim para a maioria dos educadores do estado. Para eles, 2015 ainda vai render muita dor de cabeça. O ano não quer terminar para os educadores paranaenses.

A intransigência do governador Beto Richa (PSDB), como todos nós sabemos, levou os professores e servidores da educação a realizaram duas greves no primeiro semestre de 2015. Por causa da malvadeza do tucano e desorganização da Secretaria de Estado da Educação (SEED), o ano letivo está atrasado e haverá aulas nas escolas estaduais até o dia 19 de fevereiro de 2016.

Em função disso, o mandato dos atuais diretores também vai terminar no dia 19 de fevereiro de 2016. Os novos diretores, eleitos há duas semanas, só assumem no dia 21/02 do ano vindouro.

Mas a escolha e distribuição de aulas para 2016 ainda será feita pelos atuais diretores, o que tem grande potencial para causar confusão. Nas escolas onde houve disputa, o processo pode gerar retaliações e favorecimentos; mais ou menos como uma moeda de troca pelos apoios ou votos.

Além disso, a pressão para o fechamento de turmas é forte. Muitas escolas estão recebendo dos Núcleos Regionais de Educação autorização para abrir somente um terço das turmas iniciais de ensino fundamental ou médio em relação às deste ano. Por exemplo, se uma escola tem “três” sextos anos, a orientação é que só abra “um” no ano que vem. Os alunos restantes que procurem outra escola.

Desta maneira, Beto Richa quer tocar em frente seu plano momentaneamente frustrado de fechar turmas e escolas. Menos turmas representam menos professores, menos pedagogos, menos funcionários e menos recursos para a educação.

Toda essa pressão sobre os educadores vem “coroar” a ano em que eles sofreram calotes em progressões, atraso no pagamento dos terços de férias, tentativa de retirada dos quinquênios, confisco do fundo de aposentadoria e tiveram sonegado o direito à data-base.

Isso tudo sem falar no massacre de 29 de abril, na rede de intrigas e mentiras montada pelo governador Beto Richa para denegrir a imagem dos professores, na mudança das regras para a eleição dos diretores de escola, só para citar os ataques mais sofridos.

A resistência dos professores conseguiu manter a categoria de cabeça erguida, mas, literalmente, a custa de sofrimento e sangue dos servidores. Muitos, inclusive, adoeceram nos últimos meses devido à jornada excessiva.

Os educadores, estudantes e comunidades escolares só querem paz para toca

11 de dezembro de 2015
por admin
5 Comentários

Beto Richa dá calote e empreiteira não libera escola pronta para uso

rondonParece notícia repetida essa coisa de “calote” do governador Beto Richa (PSDB), ou mesmo pleonasmo, mas não é. O rei das pedaladas, além de fechar escolas antigas, não abre novas às criancinhas. Veja abaixo o que aconteceu no município de Marechal Cândido Rondon, o extremo Oeste do Paraná.

2 de dezembro de 2015
por admin
20 Comentários

Eleição para diretores de escolas testa “democracia” de Beto Richa

Professores, funcionários, pais e alunos escolhem nesta quinta-feira (3) novo diretor de 2,1 mil escolas da rede pública do Paraná. O processo eleitoral envolve, direta e indiretamente, cerca de seis milhões de paranaenses. O mandato do gestor eleito será de quatro anos.

Portanto, amanhã será mais um capítulo de uma conturbada novela que vem desde o adiamento nas eleições que seriam no ano passado, até a proposição de novas regras pelo governador Beto Richa (PSDB), e a aprovação da nova lei pela Assembleia Legislativa.

Todo esse processo vem sendo marcado por um lado pela tentativa de Beto Richa em emplacar seus aliados no chão da escola; e por outro pela resistência de professores, estudantes e comunidades escolares para garantir o mínimo de democracia e autonomia de pensamento das instituições de ensino.

Nas eleições desta quinta-feira não será diferente. Em muitas escolas vão estar na disputa dois projetos distintos. Um mais democrático, de valorização da educação pública, de valorização dos servidores. Outro partidário do governador, representando o massacre de 29 de abril e a escola que não pensa.

Parece uma disputa simples, menor. Mas ela poderá fazer toda a diferença para planos de Beto Richa. Basta lembrar que foi a mobilização das comunidades escolares, a partir das escolas, que reverteu momentaneamente a intenção do governo de fechar cerca de 150 escolas por todo o estado.

Com diretores favoráveis e obedientes às ordens do governo, a resistência fica mais difícil.

Várias lideranças políticas estão se engajando nessa batalha. O senador Roberto Requião (PMDB), pede através de um vídeo que as comunidades não votem em diretor que apoiou o massacre dos professores no último dia 29 de abril.

Com o voto universal, aumenta o peso do voto dos estudantes e pais e diminui a importância do voto dos professores e funcionários. Assim, fica mais fácil usar estruturas políticas locais, de aliados do governador, para mobilizar e fazer campanha.

Por isso, mais do que nunca é importante a presença e o diálogo dos professores e servidores com as comunidades.

O que está em jogo é o futuro das escolas públicas do Paraná.