13 de abril de 2018
por Eugênio Aragão
1 Comentário

Relembre: Universidades param contra o confisco da previdência

Há 3 anos, os professores de cinco Universidades Estaduais do Paraná decidiram fazer um dia de paralisação. Os docentes da UEL, UEPG, UNICENTRO, UNESPAR e UENP pararam em protesto contra a nova tentativa do então governador Beto Richa (PSDB) de confiscar a previdência dos servidores estaduais. Relembre. ... 

Leia mais

8 de abril de 2018
por Eugênio Aragão
Comentários desativados em Há 3 anos, servidores gritavam “bando de ladrão, vai sair de camburão” na ALEP

Há 3 anos, servidores gritavam “bando de ladrão, vai sair de camburão” na ALEP

Em 08 de abril de 2015, a temperatura voltava a subir no enfrentamento entre os servidores estaduais e os deputados da “bancada do camburão” na Assembleia Legislativa do Paraná. Os servidores ocuparam as galerias da ALEP para a audiência pública que discutiu o confisco da previdência pelo então governador Beto Richa (PSDB). ... 

Leia mais

7 de abril de 2018
por Eugênio Aragão
Comentários desativados em Há 3 anos, confisco da previdência dos servidores começava a tramitar na ALEP

Há 3 anos, confisco da previdência dos servidores começava a tramitar na ALEP

No dia sete de abril de 2015, uma terça-feira, o novo projeto de Beto Richa (PSDB) para confiscar o fundo de previdência dos servidores começava a tramitar na Assembléia Legislativa do Paraná. Seria a mais dura disputa do governo e a mais forte resistência dos servidores. Uma guerra que só foi vencida pelo tucano com o uso da força policial, resultando no massacre de 29 de abril de 2015. ... 

Leia mais

21 de março de 2018
por Eugênio Aragão
Comentários desativados em Assembleia aprova urgência em nova gratificação para juízes do Paraná

Assembleia aprova urgência em nova gratificação para juízes do Paraná


A mesma Assembleia Legislativa (Alep) que vem negando há anos os reajustes dos salários dos professores e servidores estaduais aprovou ontem (20) o regime de urgência para votar mais uma(!) gratificação para juízes e desembargadores do Paraná. A justificativa do líder do governo, deputado Romanelli (PSB), foi que a matéria “é de interesse público e incide em repercussão para a coletividade”. ... 

Leia mais

29 de abril de 2016
por admin
Comentários desativados em Charge do dia: Um ano do massacre

Charge do dia: Um ano do massacre

Charge de Marcelo Galvan Leite.

Charge de Marcelo Galvan Leite.

Leia mais

23 de novembro de 2015
por admin
27 Comentários

Coluna do Luiz Cláudio Romanelli: O receituário do Paraná

Download

“Somos o que fazemos, mas somos, principalmente,
o que fazemos para mudar o que somos”

Eduardo Galeano

Luiz Cláudio Romanelli*

Havia mais de uma década que esperávamos pela notícia: Paraná quarto PIB nacional, a sexta renda per capita brasileira e a avaliação de 64 indicadores, da infraestrutura ao capital humano, lhe garante o status do segundo Estado mais competitivo do país.

Estatísticas e números, em ambientes técnicos, parecem frios, comuns, não empolgam, e se misturam a dura realidade em que o país atravessa: desaceleração da atividade econômica, inflação alta, consumo baixo, eliminação de postos de trabalho e a redução de investimento público e privado.

É um quadro recessivo e exatamente por essas condições que o caso do Paraná merece uma atenção mais destacada em relação à economia de outros estados e sobre quais ambientes que o conjunto das forças produtivas criou para construir essa referência que comumente a imprensa aponta como “na contramão da crise”.

De antemão, é sempre bom que se repita: o Paraná não é uma ilha que está passando ao largo da crise. O estado está enfrentando seus percalços e deve tomar as medidas necessárias, neste atual momento, para proteger a sua economia e o emprego do paranaense. Esse é um ponto muito importante que vai nortear a minha atuação parlamentar nos próximos meses.

Agora, antes de detalhar percentuais de PIB, escalas de renda per capita brasileira e até as avaliações do The Economist que apontam o bom momento da vida do paranaense, trago outro bom exemplo: o Governo do Estado vai pagar R$ 3,9 bilhões nos próximos 30 dias de três folhas de pagamento (novembro, 13º e dezembro) dos servidores estaduais.

Aos salários somam-se já os 3,45%, pagos em outubro, de reajuste acordado com os servidores. Nos salários de janeiro serão mais 10% de aumento – ou valor integral do IPCA. Isso contando já o pagamento de progressões, promoções e outros reajustes acordados com categorias diversas do funcionalismo estadual, como a do ensino superior, da educação básica  e da saúde.

Há vários estados – do mesmo ou menor porte que o Paraná (caso do Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Bahia, Rio de Janeiro, Sergipe, entre outros) que atrasam, parcelam e escalonam os salários dos servidores e que ainda procuram soluções para o pagamento do 13º. O próprio governo federal decidiu adiar para agosto de 2016, o pagamento do reajuste dos servidores federais previsto para janeiro próximo. A justificativa é que a situação econômica do país piorou e não há dinheiro suficiente no orçamento de 2016 para cumprir com os reajustes dos servidores e convocar os aprovados em concurso.

Diga-se: o Pa Leia mais

8 de maio de 2015
por Esmael Morais
13 Comentários

Professor Lemos: “Queda de Francischini não basta. É preciso reverter o confisco da previdência”

lemosO deputado estadual Professor Lemos (PT) está em Brasília desde quarta-feira (6) trabalhando para reverter o confisco da previdência dos servidores, aprovado pela Assembleia Legislativa do Paraná no dia 29 de abril, enquanto a Polícia Militar jogava bombas e atirava com balas de borracha nos professores e servidores no chamado “Massacre do Centro Cívico”.

Lemos comentou a demissão de Fernando Francischini da Secretaria de Segurança Pública, afirmando que não basta ele sair do governo, como já saíram o ex-secretário de educação Fernando Xavier e o ex-comandante geral da Polícia Militar César Vinícius Kogut; “É preciso que os responsáveis paguem pelos crimes cometidos no massacre”. Leia mais

13 de abril de 2015
por Esmael Morais
2 Comentários

Contra confisco da Previdência, 4 universidades estaduais paralisam atividades nesta terça-feira

universidadesOs professores das Universidades Estaduais de Londrina (UEL), do Norte do Paraná (UENP), do Paraná (UNESPAR) e do Oeste do Paraná (UNIOESTE) vão fazer um dia de paralisação nesta terça-feira (14) em protesto contra a nova tentativa do governador Beto Richa (PSDB) de confiscar a Previdência dos servidores estaduais.

Nesta segunda-feira (13), o líder do governo tucano na Assembleia Legislativa, deputado Luiz Cláudio Romanelli (PMDB), sinalizou que colocará em votação requerimento para “regime de urgência” para o projeto de modifica a Previdência.

O clima segue muito tenso no Centro Cívico, em Curitiba, pois até ocorreu um quiproquó na Assembleia nesta tarde que resultou na prisão da professora Lélia Fernanda França Rech. Ela protestava contra os deputados, que estão com os nervos à flor da pele.

A bronca dos professores universitários tem a ver com a proposta de o governador Beto Richa sacar R$ 140 milhões mensais do fundo previdenciário. Em tempos de Luiz Abi solto, eles temem “tudo” e desconfiam de “todos” no governo.

A paralisação de amanhã foi decidida pelos professores após amplo debate sobre o novo projeto de mudanças no regime de previdência dos servidores que tramita na Assembleia Legislativa desde a semana passada.

Os professores também protestam contra os repasses cada vez mais reduzidos dos recursos de custeio das universidades estaduais, que estão vivendo em situação de precariedade. Leia mais

6 de fevereiro de 2015
por Esmael Morais
7 Comentários

Servidores da Universidade Estadual de Londrina decidem por greve a partir de terça-feira

via O Diário

uel.jpgOs servidores técnico-administrativo da Universidade Estadual de Londrina (UEL) definiram em assembleia, realizada na manhã desta sexta-feira (6), por iniciar uma greve geral por tempo indeterminado a partir da próxima terça-feira (10). à€ tarde a Assuel Sindicato realiza uma nova assembleia, desta vez com os servidores do Hospital Universitário (HU), para definir pelos rumos da paralisação.

O presidente da Assuel Sindicato, Marcelo Seabra, disse que o encaminhamento pela greve foi tomada por unanimidade pelos servidores diante dos cortes anunciados recentemente pelo governador Beto Richa (PSDB), que vão afetar diretamente o funcionalismo público estadual.

“Vamos unificar com outras universidades e outras categorias, iniciando uma greve geral em todo o Paraná”, afirmou à  reportagem de odiario.com.

Antes de iniciar a greve por tempo indeterminado, os servidores realizarão um protesto a partir das 8h desta segunda-feira (9) no campus universitário, indo em seguida para o Hospital Universitário.

Seabra disse que o funcionalismo estadual está preocupado com o que considera “calote” por parte do governo do Estado no pagamento do terço de férias, que está atrasado, além do pacote anunciado por Richa, prevendo cortes nas gratificações de servidores e mudanças na previdência estadual. Leia mais

5 de fevereiro de 2015
por Esmael Morais
32 Comentários

Presidente da APP-Sindicato defende greve geral dos servidores para barrar o desmonte do Estado

Greve Geral! Barrar o desmonte da Escola Pública no Paraná

Professor Hermes Silva Leão*

Só a mobilização imediata com uma GREVE GERAL por tempo indeterminado poderá barrar a sanha destrutiva do governo Beto Richa(PSDB) sobre a educação do Paraná! Ele foi eleito Governador, não Imperador!

Os(as) Trabalhadores(as) em Educação Pública do Paraná, através da APP-Sindicato, vem há décadas lutando intensamente pela ampliação de seus direitos, por melhores condições de trabalho e consequentemente por uma escola pública de mais qualidade. Juntamente com colegas educadores(as) de todo o Brasil reunidos na CNTE !“ Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, travamos uma luta por um sistema público de educação e por valorização dos profissionais da Educação que remonta aos tempos do Brasil imperial.

Assim pensando, lutando e resistindo, avançamos coletivamente nos últimos anos em conquistas importantíssimas como: Planos de carreira de Professores(as) e Funcionários(as), equiparação salarial do magistério !“ não faz tempo os professores recebiam salários muito mais baixos que os demais servidores aos quais também é exigido nível superior para ingresso no mundo do trabalho público paranaense !“ 1/3 de hora atividade para professores(as) !“ tempo destinado ao trabalho docente fora da sala de aula – eleição para diretores(as) de escolas, além de manter uma luta permanente pelos direitos de uma aposentadoria digna depois de uma vida laboral dedicada aos fazeres do ensino-aprendizagem das gerações.

A reeleição em primeiro turno do governador do estado promoveu uma verdadeira guinada no comportamento de um político que afirmou com todas as letras que não mediria esforços para a valorização da escola pública e de seus Educadores. Em debate com os demais candidatos na APP-Sindicato no dia 19 de agosto, durante a campanha eleitoral, assumiu compromissos com uma pauta extensa que estava até agora em processos de debates, em grupos de trabalho, construção esta que vai por terra com as ultimas medidas adotadas.

Foram inúmero ataques até agora:

– Cancelamento do processo de eleição dos diretores e diretoras das escolas !“ o governador juntamente com um grupo de deputados estadual, desfez a própria resolução que havia desencadeado todo o processo. As escolas já tinham realizado assembleias, eleito comissões eleitorais e chapas já haviam se inscrito para o pleito marcado para o final de novembro/2014.

– Tarifaço final de ano !“ Além de penalizar toda a população paranaense com aumentos do IPVA, e a tarifa de ICMS de mais de 95 mil produtos, atacou a previdência pública, taxando em 11% o salário dos aposentados do estado bem como criou o fundo complementar para os futuros servidores públicos, estes fundos tem sido criticados mundialmente especialmente pela insegurança que geram quanto ao futuro pois quebra princípios caros na cultura previdenciária brasileira como o da solidariedade entre ativos e inativos.

– Impedimento de matrículas para 6!º anos do Ensino Fundamental e 1!º ano do Ensino Médio em muitas escolas de pequeno porte, especialmente as escolas do campo, em curto período em escolas estarão fechadas para sempre, novamente sem ouvir a comunidade escolar nem os diretores.

– Decretos da posse !“ Não bastasse os mais de 20 projetos de lei do pacotaço, em plena data da posse o governador anuncia um conjunto de decretos que promovem uma não assumida reforma de estado.

Outras dívidas com a Educação:

– 29 mil professore Leia mais

5 de fevereiro de 2015
por Esmael Morais
12 Comentários

Calote do governo Beto Richa também atinge a saúde pública

susA marca do segundo governo de Beto Richa (PSDB) parece mesmo ser o calote. A prática que já era comum no primeiro mandato do tucano está se generalizando e o estado tende a parar de vez. São servidores, fornecedores e parceiros que sofrem com a falta de pagamento dos salários, contas e repasses por serviços prestados. ... 

Leia mais