Suicídio de professores cresceu 15 vezes em 5 anos no Paraná

Há 3 anos, Beto Richa preparava o ‘pacotaço’ de maldades chamado de ajuste fiscal

PowerPoint de Richa “quebra” a internet

APP-Sindicato denuncia golpe sujo de Beto Richa na internet

cyber

A APP-Sindicato, entidade que representa os professores e servidores da rede pública estadual de ensino, está denunciando uma tentativa de difamação espalhada na internet por grupos ligados ao governador Beto Richa (PSDB).

Segundo as mensagens falsas disseminadas pela página “Direita Curitiba”, braço da Tenda Digital, a manifestação dos professores no dia 29 de abril seria contra o Juiz Sérgio Moro e a Operação Lava jato; o que não é verdade. Como todos sabem, dia 29 será o aniversário do massacre promovido por Beto Richa contra milhares de professores e servidores estaduais.

Coluna do Enio Verri: Paraná é o tubo de ensaio das maldades de Beto Richa

ensaio
Em sua coluna semanal, o deputado federal Enio Verri (PT) mostra que o governador Beto Richa (PSDB) age como um cientista louco testando suas maldades contra o povo do Paraná. Dependendo da repercussão, eles se vê obrigado a recuar algumas vezes, mas quase sempre as maldades permanecem. Leia, comente e compartilhe.

Enio Verri*

Como em um tubo de ensaio o governador Beto Richa (PSDB) continua experimentando seus pacotes de maldades com o povo paranaense. Em uma brincadeira para lá de mau gosto, continua vendendo a imagem de um Estado próspero ao passo que anuncia tarifas absurdas e o fechamento de instituições públicas.

Sob os efeitos de milhões de reais gastos em publicidade – enquanto o Paraná convive com dificuldades financeiras que levaram ao anúncio de cortes de investimentos – o governador ultrapassa a má avaliação de seus companheiros Álvaro Dias e Jaime Lerner.

No mesmo caminho trilhado pelos dois ex-governadores, Richa não mede esforços para beneficiar aliados ao mesmo tempo em que penaliza a população e servidores públicos. Para os investidores, a abertura das estatais para o mercado financeiro. Para o funcionalismo, cavalaria e promessas não cumpridas.

O desrespeito é cada dia mais nítido. Sem pudor algum, o governador publicita suas maldades sem nenhuma preocupação com os impactos na vida dos paranaenses. E pior! Utiliza-se de jogo de cena, quando confrontado pela população, transferindo a responsabilidade a terceiros e encontrando formas alternativas para aprovar suas vontades.

Estudantes do CEP lançam curta-metragem inspirado no massacre de professores em 29 de abril

29cepUm grupo de estudantes do Curso Técnico de Áudio e Vídeo do Colégio Estadual do Paraná (CEP), de Curitiba, se inspirou no massacre 29 de abril para a criação de um filme de curta-metragem.

O curta “29: A verdade está lá fora” mostra o massacre de professores e servidores promovido pelo governo Beto Richa (PSDB) do ponto de vista de uma estudante. A obra explora a a realidade dramática com elementos de suspense e ficção científica.

A exibição de lançamento será nesta sexta-feira (25), às 19 horas, na Cinemateca de Curitiba (Rua Carlos Cavalcanti, 1174).

Veja a seguir o teaser do Curta:

Coluna do Requião Filho: “Beto Richa mancha a história do Paraná”

requiaofRequião Filho*

Depois do fim das sucessivas greves e da aprovação de apenas 3,45 % de reajuste da data-base dos servidores, Beto Richa falou para os seus chegados mais próximos que o melhor está por vir. Ele realmente acredita que os últimos meses deste ano serão esquecidos. Doce ilusão!

O governo já está marcado por um pacote de maldades, pela tentativa de supressão de direitos, por escândalos de corrupção e o inesquecível massacre dos professores em praça pública, que mancham a história do Paraná.

Além disso, o arrocho fiscal, as viaturas sem gasolina, escolas sem manutenção, estradas destruídas, a falta total de controle do Estado, este sim é o legado que o Beto está deixando.

São diversos escândalos de corrupção envolvendo o governo. Um delator que a cada semana traz à luz mais conexões e maior envolvimento de secretários e de pessoas próximas ao governador no escândalo da Receita Estadual. Corrupção de escalas nunca antes vistas no nosso Estado. E ainda há corrupção e escândalos na Fundepar e no IAP. Cada enxadada uma minhoca ou nova denúncia.

Professores católicos apelam ao Arcebispo de Curitiba contra o tucano Beto Richa

domjose

Um grupo formado por professores, servidores estaduais e estudantes, diante da intransigência do governador Beto Richa (PSDB), resolveu apelar para a intervenção Divina. Eles foram ao Arcebispo de Curitiba, Dom José Antônio Peruzzo, com o objetivo de retomar o diálogo com o tucano e superar o impasse da greve do funcionalismo estadual.

Eles redigiram uma carta que foi entregue a Dom José Antônio Peruzzo no último domingo, dia 31 de maio, durante a Solenidade da Santíssima Trindade celebrada pela igreja.

No documento, os 180 signatários se dizem católicos e agradecem a manifestação do Arcebispo que condenou o massacre dos professores e servidores ocorrido no dia 29 de abril. Eles pedem que a autoridade religiosa volta a se manifestar pedindo que o governador retome o diálogo com os grevistas.

Na carta, eles se dizem querem “apenas que se cumpra a lei que equipara nossos rendimentos aos da inflação nacional.” E completam se colocando “como ovelhas atacadas pelos lobos, recorremos ao nosso arcebispo, nosso pastor, e imagem terrena do Supremo Pastor.”

Nesta terça-feira (3), véspera de Corpus Christi, depois de bancar o durão, o governador do PSDB “afrouxou a tanga” ao encaminhar nova proposta aos grevistas. Entretanto, segundo alguns educadores ouvidos pelo Blog do Esmael, parece que a sugestão do tucano é para não resolver a greve. “É ruim demais”, diz um dos grevistas.

A APP-Sindicato informa que a categoria vai avaliar a proposta em assembleia geral de avaliação na próxima terça-feira, dia 9, em Curitiba.

Leia a seguir a íntegra da carta enviada a Dom José Antônio Peruzzo: 

Semana começa com mais adesões à greve geral contra Beto Richa

balancoOs professores e servidores da rede pública de ensino e das universidades estaduais estão entrando na quinta semana de greve, enquanto outras categorias do funcionalismo público estadual vão aderindo ao movimento que já é uma greve geral dos servidores do Estado.

A bandeira que unifica as categorias é a reposição da data-base de 8,17%, mas cada categoria tem pautas próprias. A expectativa é que o governador Beto Richa (PSDB) encaminhe uma mensagem para a Assembleia Legislativa hoje ou amanhã.

Com o apoio da bancada do PSC ao reajuste pleiteado pelos servidores, a margem de negociação do governo deve se limitar a tentar aprovar o parcelamento do índice. Porém, a notícia de que o Tribunal de Justiça (TJ) vai conceder reajuste de 8,17% a todo os servidores concursados, comissionados e aposentados do Judiciário Estadual, retroativos a 1º de maio de 2015, deve acirrar os ânimos e fortalecer a mobilização dos grevistas.

Professores evangélicos prometem neste sábado “Marchar Com Jesus”, mas contra Beto Richa

marchajesusA já tradicional ‘Marcha para Jesus’, evento que reúne centenas de milhares de pessoas todos os anos em Curitiba, deve extrapolar os limites da religião neste sábado (16). É o que promete um grupo de ‘professores evangélicos’ organizado no Facebook.

O grupo conclama a “todos os corajosamente éticos dispostos a fazer um ato de Fé” a participarem da distribuição de “panfletos com pedidos de oração pelos educadores e divulgação dos nomes dos deputados e secretários evangélicos contrários à educação pública do Paraná”.

A organização garante que o ato não é um questionamento à Marcha para Jesus, mas uma ação para expor o “Massacre da Alep”, e como se comportaram os deputados “ditos” evangélicos.

O protesto deve atingir em cheio o ex-secretário de Segurança Pública, Fernando Francischini (SSD); o secretário de Desenvolvimento Urbano, Ratinho Jr. (PSC), além dos deputados estaduais Cantora Mara Lima (PSDB), Artagão Jr. (PMDB), Felipe Francischini (SSD) e Missionário Ricardo Arruda (PSC) que se declaram evangélicos e se elegem com votos dessas comunidades, mas votaram pelo confisco da previdência dos servidores.

O protesto visa questionar entre os fiéis o “voto de cajado” e o “clientelismo religioso” uma vez que a postura do governador Beto Richa e seus aliados no governo e na Assembleia Legislativa vem prejudicando muito os servidores públicos e a educação do Paraná.

Veja o panfleto que vai ser distribuído no sábado: 

Após 2 semanas de massacre a professores, Anistia Internacional e sociedade civil exigem punição a Richa

richa_massacreContinuam surgindo manifestações de repúdio contra o massacre dos professores e servidores do Estado protagonizado pelo governador Beto Richa (PSDB) no último dia 29 de abril. A reprovação à violência não arrefece e há, inclusive, movimentos na Assembleia Legislativa pela constituição de um fórum contra a corrupção — origem de todo o imbróglio na gestão tucana.

As câmaras de vereadores de Cascavel e Marechal Cândido Rondon, no Oeste, publicaram cartas de repúdio ao massacre a exemplo de diversos municípios já noticiados pelo Blog do Esmael. Segundo o documento emitido pelos vereadores cascavelenses, “o dia 29 de abril ficou marcado como uma data que manchou de forma deplorável a história de nosso Estado. O governo ultrapassou todos os limites da civilidade, da moralidade e da humanidade.”

Os professores da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), em greve, também aprovaram moção de repúdio contra o governador Beto Richa e estenderam seu protesto ao presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ademar Traiano (PSDB); ao secretário de Ciência Tecnologia e Ensino Superior, João Carlos Gomes; e ao ex-secretário de Segurança Pública, Fernando Francischini (SSD).

A Anistia Internacional, entidade de defesa dos direitos humanos com sede em Londres, emitiu uma Ação Urgente endereçada ao governador do Paraná Beto Richa e ao ex-Secretário de Segurança do Paraná Fernando Francischini. A entidade já havia se manifestado no último dia 30 criticando a ação policial, caracterizando-a como “um atentado à liberdade de expressão”. Deste então o episódio vem ganhando repercussão global e a organização agora mobiliza-se para garantir o direito dos paranaenses a manifestações pacíficas.

Agentes penitenciários denunciam “2º massacre” do governo Beto Richa

agentesOs agentes penitenciários que participaram das manifestações contra o confisco da previdência dos servidores por parte do governador Beto Richa (PSDB), em particular do massacre do dia 29 de abril, começaram a ser perseguidos pelo Departamento Penitenciário do Paraná (Depen), órgão da Secretaria de Segurança Pública do Estado.

Ou seja, não bastou o ataque covarde autorizado pelo governdor tucano em que mais de 200 servidores ficaram feridos. Richa agora quer enfraquecer sua representatividade intimidando-os, para que não possam se mobilizar contra novas injustiças por parte do governo.

Em um dos casos denunciados ao Sindicato dos Agentes Penitenciários do Paraná (Sindarspen), um trabalhador que integrava a Divisão de Operações de Segurança, foi retirado do grupo de ações táticas e colocado à disposição do Depen, depois que seu chefe imediato viu sua foto durante a manifestação.

Juristas dão ‘sinal verde’ para o impeachment de Beto Richa

impedimentoO julgamento simulado do governador Beto Richa (PSDB) e o ex-secretário de Segurança Pública, Fernando Francischini (SDD), realizado na última sexta-feira (8) na Reitoria da UFPR, repercutiu nacionalmente e serviu para abrir caminho a um provável processo de impeachment do tucano pelo massacre dos professores e servidores no Centro Cívico, em Curitiba, no último dia 29 de abril.

O evento realizado pela Faculdade de Direito e do Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Paraná (UFPR) lotou o teatro da reitoria e foi transmitido ao vivo pelo Blog do Esmael, entre outros canais, a partir de imagens geradas pela TV UFPR.

Um dos pontos altos do evento foi a fala do professor Celso Antonio Bandeira de Mello (jurista, PUC-SP), na qual foi defendida a tese da responsabilidade direta do governador Beto Richa pelos eventos, que estaria portanto passível de sofrer o processo de impeachment por crime de responsabilidade pelo massacre dos servidores.

Em sua fala, Bandeira de Mello, também falou de um possível processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff (PT), que, segundo ele, não se justifica. “A presidente sofreu diversas manifestações, mão não mandou polícia alguma bater nos manifestantes, muito pelo contrário”. (Abaixo, assista ao vídeo).

Com 90% de adesão, APP-Sindicato diz que fim da greve depende do governo Beto Richa

appsA greve dos professores e servidores da rede estadual de ensino entra na terceira semana sem previsão de término e sem assembleia agendada para deliberar sobre o retorno às aulas. Apesar da preocupação da iminente inviabilização do ano letivo, a APP-Sindicato diz que “a bola” está com o governo do estado que deve apresentar uma proposta para a data-base dos servidores que é em maio.

O Blog do Esmael ouviu o secretário de Comunicação da APP-Sindicato, professor Luiz Fernando Rodrigues. Ele afirmou que a disposição dos professores de prosseguirem com a mobilização continua forte, e que a adesão permanece em cerca de 90% da categoria. “A grande maioria das escolas está fechada e os professores mobilizados”, afirmou.

“Júri simulado” do massacre dos professores em 29 de abril

Deputado Romanelli, líder de Richa, cogita sair do PMDB antes de ser expulso por Requião

limpinhoO novo partido que deve resultar fusão do PSB com os “limpinhos” do PPS poderá abrigar os deputados que forem defenestrados de suas legendas por se alinharem ao governador Beto Richa (PSDB) e terem votado a favor do confisco da previdência dos servidores.

Conforme o Blog do Esmael noticiou, a executiva do PMDB já determinou que seus filiados entreguem os cargos no governo estadual e o PDT ensaia o expurgo dos seus deputados que votaram com o governador no episódio do massacre dos servidores no último dia 29 de abril.

Pois bem, o presidente do PSB do Paraná, Severino Araújo, já fez uma visita ao deputado Luiz Claudio Romanelli (PMDB) na manhã desta quinta (7). O assunto foi justamente a criação do novo partido, uma possível tábua de salvação para o líder do governo na Assembleia que está na marca do pênalti no “MDB velho de guerra”.

O novo partido seria uma janela a mais, prevista na lei, para as puladas de cerca de parlamentares sem que eles percam os mandatos eletivos.

Além de Romanelli, o ex-governador Orlando Pessuti possui cargo no governo Richa, isso sem falar dos deputados Alexandre Curi, Artagão Jr. e Jonas Guimarães do PMDB; mais André Bueno e Fernando Scanavaca, do PDT, que votaram todos a favor do confisco previdenciário e na prática integram a base aliada de Beto Richa, contrariando a orientação dos seus respectivos partidos.

Mais moções de repúdio contra Richa, Francischini e deputados governistas

repudioContinuam a surgir moções de repúdio contra o governador Beto Richa (PSDB), seu quase ex-secretário de Segurança Pública, Fernando Francischini (SSD), e até contra os deputados governistas, protestando contra o massacre dos servidores em 29 de abril e contra o confisco da previdência dos servidores.

E as manifestações estão vindo até de lugares improváveis, como o município de Farol, próximo a Campo Mourão, que tem uma prefeita aliada do governador, Ângela Kraus (PTdoB). Pois bem, a moção foi apresentada pelo líder do governo na Câmara Municipal e aprovada por unanimidade.

Outro local inusitado foi a cidade catarinense de Brusque. Lá, a Câmara Municipal aprovou por unanimidade uma moção de repúdio ao governador Beto Richa, ao até então secretário de Educação Fernando Xavier Ferreira, ao secretário de Segurança Pública Fernando Francischini e ao até então comandante da PMPR, coronel PM César Kogut.

Os vereadores de Prudentópolis também aprovaram o envio de ofício ao governador Beto Richa (PSDB), em repúdio ao massacre dos professores e servidores.

Após repercussão negativa, Assembleia cancela título de “Governador dos Trabalhadores” a Beto Richa

premio_richaO presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, Ademar Traiano (PSDB), cancelou “por motivo de força maior” a sessão solene que aconteceria hoje (7), às 18h30, em que o governador Beto Richa (PSDB) seria agraciado com o título de “Governador dos Trabalhadores”.

A informação do cancelamento é do presidente da Fotrapar (Fundação Força Trabalhista do Paraná), Walter Cezar, que encabeçava o evento a mando do secretário de Estado da Saúde, Michelle Caputo. O criador do troféu em comemoração ao Dia Internacional do Trabalho é funcionário em cargo comissionado no governo do estado.

A premiação que seria concedida a Beto Richa, uma semana após o massacre de professores, no Centro Cívico, causou revolta entre os paranaenses.

O Blog do Esmael apurou que o governador tucano “determinou” à Assembleia que cancelasse o evento de entrega do título. A tarefa de desarticular o evento coube ao chefe da Casa Civil, Eduardo Sciarra (PSD), que deu um “esporro” no secretário da Saúde.

Segundo Sciarra, não haveria momento mais inoportuno para a premiação para Beto Richa em um momento que os professores estão acampados em frente à Assembleia. Ou seja, para uma nova ocupação seria só atravessar a Praça 29 de Abril (antiga Nossa Senhora de Salete).

Leia a íntegra do comunicado do presidente da Fotrapar, Walter Cezar, que circula no restrito grupo Whatsapp “Amigos do Beto Richa”:

UFPR promove “julgamento” de Richa, Francischini e demais responsáveis pelo “Massacre dos Professores”

julgamA Faculdade de Direito e o Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Paraná (UFPR) promovem nesta sexta-feira (8), às 18h30, no Teatro da Reitoria da UFPR, o julgamento do governador Beto Richa (PSDB), do secretário de Segurança Pública, Fernando Francischini (SSD), e dos demais envolvidos no “Massacre dos Professores” ocorrido no dia 29 de abril, no Centro Cívico de Curitiba.

O evento visa suscitar o debate acadêmico no meio jurídico e nos movimentos sociais sobre a utilização da força policial pelo governo do Estado que resultou em mais de duzentos feridos, a grande maioria professores.

O julgamento terá uma fase em que os fatos serão relatados por atores diretos dos eventos e também pelo Estado, que será notificado para tal; uma fase em que um colegiado de julgadores fará considerações, em vista dos fatos relatados; e uma fase de decisão, tomada pelo colegiado de julgadores, com a leitura de um documento com eventuais encaminhamentos.

1 semana após massacre, Assembleia condecora Richa com título de “governador dos trabalhadores”

soleneOs professores e servidores estaduais estudam tomar o plenário da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) nesta quinta-feira, dia 7 de maio. É que a Alep realizará, a partir das 18h30, uma sessão solene em comemoração ao Dia Internacional do Trabalhador (!) convocada pelos deputados Ademar Traiano (PSDB) e Marcio Nunes (PSC).

Durante a sessão, a Fundação Força Trabalhista do Paraná (Fotropar), uma entidade ligada ao secretário da Saúde, Michele Caputo, irá promover o “Dia do Sindicalista” com homenagens aos dirigentes sindicais alinhados aos tucanos.

No convite figura o slogan mais que inoportuno: “Beto Richa: O governador dos trabalhadores!”, e é assinado pelo presidente da Fotropar, Walter Cézar, funcionário comissionado na Secretaria de Saúde.

Os manifestantes prometem vaiar cada homenageado, além dos que eles consideram “puxa-sacos” do governador tucano.

A queda: Beto Richa, de cidadão honorário a ‘persona non grata’ pelo interior do Paraná

personaA violência desmedida empregada pelo governador Beto Richa (PSDB) e pelo secretário de Segurança Pública, Fernando Francischini (SDD), contra os professores e servidores públicos do Paraná no chamado “Massacre do Centro Cívico”, ocorrido em 29 de abril, continua repercutindo mal, muito mal, comprometendo o futuro político do tucano e sua gangue.

Agora, a notícia é de que uma série de municípios devem revogar os títulos de cidadão honorário concedidos ao governador do PSDB. Esses títulos são honrarias comuns, quase protocolares, concedidas pelas câmaras municipais a personalidades de destaque. Conceder título de cidadão honorário a um governador é coisa banal, mas revogar a homenagem é raro; demonstra que a desmoralização do governante é muito forte.

Até o momento, vereadores de cidades como Londrina, Apucarana e Guarapuava apresentaram proposições para a retirada da honraria. Já em Foz do Iguaçu, Toledo, Guarapuava, Juranda e Rosário do Ivaí, Richa já foi “agraciado” com moções de repúdio das respectivas câmaras municipais.

Coluna do Reinaldo Almeida César: Após massacre de professores, secretário tem que deixar a Segurança Pública para preservar governo Richa

francischini_massacre_reinaldo

Reinaldo Almeida César*

Não adianta, podem falar o que quiser, não vai colar.

Pode o governo se contorcer, pedir ajuda ao Cirque du Soleil, fazer cambalhotas.

Foi MASSACRE. TRAGÉDIA. VERGONHA. Ponto final.

Vamos parar com esses eufemismos, que mais parecem achados em loja de 1,99.

Não teve nada de confronto, manipulação da oposição, black blocs, policiais parados salvando a própria vida, cumprimento de ordem judicial.

Chega até mesmo dessa conversa mole de “uso desproporcional da força”.

Isso é termo técnico, insípido. Agride ainda mais quem já apanhou. O que houve foi “uso descomunal da força”, isso sim.

Durante mais de duas horas, houve centenas de disparos com munição de borracha e visada à meia altura, emprego de Pitbulls, bombas explodindo por todo canto e lançadas a esmo nas mais variadas direções, jatos d’água, helicóptero com voo rasante e despejando artefatos, professores caídos no chão dominados, apanhando. Mais de 200 feridos, muitos gravemente. Dizem estar vazio o paiol da PM. Querem mais?

Só não foi ainda pior, porque Nossa Senhora de la Salette estendeu seu manto de proteção para que não houvesse vítimas fatais.

Agora, quem quiser comprar a versão oficial, dada pela SESP quase uma semana após os fatos, fique à vontade. Sempre haverá notas de 3 dólares circulando.

Prefiro ficar com as informações isentas dadas pela Defensoria Pública e pela OAB que foram taxativas em afirmar o que todo mundo já suspeitava: nenhum, absolutamente nenhum dos detidos no dia do massacre foi identificado como black bloc.

Desculpem-me a presunção, mas eu já tinha certeza disso. Vou explicar o porquê.

A atual gestão da SESP é altamente midiática, toda pimpona, beira o histrionismo.

Este formato marqueteiro da SESP já estava caindo pelas tabelas, beirando o ridículo, pelas indignas apresentações de presos e por entrevistas televisivas com arma na cintura.

Ora, tivessem os policiais botado a mão em black blocs, alguém duvida que eles seriam execrados no mesmo dia, mostrados acorrentados como bichos à opinião pública e usados como antídoto para a enxurrada de críticas que se avistava?

E alguém tem dúvidas sobre quem estaria na linha de frente apresentando os black blocs algemados para os refletores e câmeras de TV?

Coluna do Enio Verri: “Desgoverno rumo ao precipício”

enio_massacre

Enio Verri*

Centro Cívico, Curitiba, 29 de abril de 2015, embora se assemelhe a 01 de abril de 1964. Servidores públicos, em sua maioria professores, não pedem impeachment, intervenção militar constitucional, nem esbravejam que sonegação de imposto não é corrupção. Apenas, exigem respeito aos direitos conquistados.

Nada de selfies com policiais militares, apenas balas de borrachas, bombas de efeito moral e spray de pimenta, no melhor estilo de guerras hollywoodianas, a educadores e servidores armados com giz e conhecimento. Uma obra arquitetada pelo governador Beto Richa (PSDB) e pelo secretário de Segurança Pública, Fernando Francischini (SDD).

Com direito a helicópteros e atiradores de elite posicionados em lugares estratégicos, a violência e truculência do desgoverno do PSDB não é inédito e nem exclusividade do Paraná. Por onde passa, os tucanos, que nascem sob o dogma do bem estar social, deixam rastros de desrespeitos a professores e minorias.

A repetição do 30 de agosto de 1988, não apenas ensanguenta a história do Paraná, como também fere preceitos legais e constitucionais, exigindo punição administrativa e criminal. Alerta, ainda, para os perigos em que os paranaenses convivem.

Deputado Péricles: ‘Massacre dos professores foi planejado e o confisco da previdência desnecessário’

pericles

O deputado estadual Péricles de Melo (PT) assina artigo publicado na edição de ontem (3) do Jornal da Manhã, no município de Ponta Grossa, em que sustenta que o confisco do fundo de previdência dos servidores foi desnecessário, pois, de acordo com ele, as outras medidas do pacotaço do governador Beto Richa (PSDB) já seriam suficientes para equilibrar as contas do Estado.

Partindo desse princípio, de que o confisco não seria fundamental para a sobrevivência do governo, Péricles conclui que a violência empregada pelo secretário de Segurança Pública Fernando Francischini (SDD) foi proposital, “fruto de uma visão programada, de um estilo de governança que tragicamente tem apoio em determinadas parcelas da sociedade, ou seja, a truculência que dá voto e respaldo para esse modelo de fazer política.”

Segundo o artigo de Péricles, “o rombo nas contas públicas, causado pela total incompetência do governo Beto Richa, pode chegar a R$ 6 bilhões, segundo estimativas mais pessimistas, ou a R$ 3 bilhões, na melhor das hipóteses. Isso tudo, apesar do aumento constante de receita do Estado, bem acima da inflação dos últimos quatro anos. Tal distância entre os números se explica pela falta de transparência; as finanças do Estado são uma verdadeira caixa preta.”