10 de outubro de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Prisão de tucano no 2º turno é muito preocupante

Prisão de tucano no 2º turno é muito preocupante

As pirotécnicas prisões de agentes públicos — eleitos ou não — durante o processo eleitoral deveriam ser proibidas quando não em flagrante delito. ... 

Leia mais

12 de março de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Alvaro Dias foi vítima de “armação política” do PSDB, dizem correligionários do presidenciável

Alvaro Dias foi vítima de “armação política” do PSDB, dizem correligionários do presidenciável

A “reportagem” da Veja no último final de semana acusando o senador Alvaro Dias (Podemos) de ter recebido R$ 5 milhões de propina foi “armação política” do PSDB, informou ao Blog do Esmael um correligionário do presidenciável paranaense.  ... 

Leia mais

10 de agosto de 2017
por Esmael Morais
11 Comentários

Deputado se assusta com desenvoltura de governador tucano pedindo propinas; assista

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) se assustou com a incrível desenvoltura do governador tucano Marconi Perillo, de Goiás, pedindo propinas. Abaixo, assista ao vídeo: Leia mais

27 de julho de 2015
por Esmael Morais
37 Comentários

PSDB vai para a TV convocar o golpe contra Dilma

via Brasil 247.

O senador e presidente nacional do PSDB, Aécio Neves (MG), disse nesta segunda-feira que “na próxima semana, o PSDB começa a veicular inserções de 30 segundos convocando ‘os indignados’ com a crise a participar da manifestação nacional marcada pelos movimentos de rua, para o dia 16 de agosto”. O ato organizado por movimentos golpistas pedirá o impeachment da presidente Dilma Rousseff nas ruas, como já fez em outras ocasiões. Aécio, que chegou a ser chamado de traidor por esses ativistas nas outras manifestações, em que não esteve presente, desta vez entrou de cabeça na causa.

O tucano também malhou a iniciativa da presidente Dilma Rousseff de querer realizar uma reunião com os governadores para propor um pacto da governabilidade e discutir o projeto de reforma do ICMS. Para o tucano, se Dilma não conseguir levar o seu mandato até o fim, a culpa é dela própria, e não da oposição. Segundo Aécio, a ideia é uma tentativa de “dividir a crise” e constranger os governadores ao obrigá-los a participar do encontro, previsto para a próxima quinta-feira em Brasília.

“O constrangimento chega ao inimaginável de ameaças veladas e de trazer a Brasília os governadores para dar apoio a presidente Dilma para tirar uma fotografia e simular apoio por uma coisa com a qual não tem nada a ver. Essa reunião é uma busca de socorro de alguém que quer que lhe joguem uma boia salva-vidas. O que a presidente tem é de fazer um mea-culpa para ver se recupera um pouco da credibilidade que ainda lhe resta”, disparou.

O parlamentar negou que o PSDB esteja dividido em relação às ações a serem tomadas para tentar tirar a presidente do poder, como o impeachment, a cassação do diploma da chapa de Dilma e do vice, Michel Temer (PMDB), ou ainda deixá-la completar o mandato até o fim, em 2018, discurso disseminado por tucanos mais moderados, como os governadores Geraldo Alckmin (São Paulo), Marconi Perillo (Goiás) e Simão Jatene (Pará).

Segundo Aécio, no entanto, o que se fala hoje nos botecos e nas esquinas é apenas um assunto: não se sabe se Dilma ficará no cargo até o fim deste ano. Sobre o projeto de assumir a presidência, assegurou que “se um dia tiver a oportunidade de ser presidente da República, será unicamente pelo caminho do voto, não por outra saída qualquer”.

O presidente do PSDB também criticou a suposta tentativa do governo e do PT, por meio do ex-presidente Lula, segundo noticiou a Folha, de se aproximar da oposição, e disseminou o discurso feito pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso no fim de semana. “Fernando Henrique deu o tom certo: quem pariu Mateus que o embale. Não nos culpem. A instabilidade que atravessam é obra desse governo. Isso não é mais um governo. É um arremedo de governo e o desfecho da presidente Dilma é responsabilidade exclusiva dela, não das oposições”, afirmou. Ele também descartou qualquer possibilidade de diálogo: “Não se conversa com quem não se confia. E nós não confiamos no PT”.

“O que vai acontecer depende mais do governo e do PT do que dos partidos de oposição. O que queremos é que as instituições funcionem e façam o seu trabalho. Eu digo uma coisa: se um dia eu tiver a oportunidade de ser presidente da República, será unicamente pelo caminho do voto, não por outra saída qualquer. Mesmo porque ninguém conseguirá enfrentar a profunda crise que atravessamos, se não for legitimado pelo voto. Para nós o calendário de 2018 sempre foi o mais adequado, mas a presidente Dilma só agrava a situação a cada dia, o que deixa a incerteza de cumprir seu mandato até o final”, afirmou.

Leia mais