dezembro 10, 2013
por esmael
30 Comentários

Coluna do André Vargas: “Como Beto Richa conseguiu quebrar as finanças do Paraná”

André Vargas, em sua coluna desta terça, faz "necropsia" do governo Beto Richa; ao relatar motivos da quebradeira do Paraná, petista compara "desgoverno" tucano com a gestão de Requião, a quem elogia, e divide culpa do caos financeiro no estado com o senador àlvaro Dias, que teria indicado Luiz Carlos Hauly para a Secretaria da Fazenda (ele deixou o cargo recentemente); colunista questiona motivos de o tesouro estadual querer empréstimos sendo que arrecadará R$ 30 bilhões em 2014; vice-presidente da Câmara afirma que este governo não tem rumo, não tem identidade e nenhuma marca! e ao final crava uma pergunta: o que Beto Richa fez a não ser gastar mais recursos em consertos de veículos do que em manutenção de estradas e vias?!; leia o texto.

André Vargas, em sua coluna desta terça, faz “necropsia” do governo Beto Richa; ao relatar motivos da quebradeira do Paraná, petista compara “desgoverno” tucano com a gestão de Requião, a quem elogia, e divide culpa do caos financeiro no estado com o senador àlvaro Dias, que teria indicado Luiz Carlos Hauly para a Secretaria da Fazenda (ele deixou o cargo recentemente); colunista questiona motivos de o tesouro estadual querer empréstimos sendo que arrecadará R$ 30 bilhões em 2014; vice-presidente da Câmara afirma que este governo não tem rumo, não tem identidade e nenhuma marca! e ao final crava uma pergunta: o que Beto Richa fez a não ser gastar mais recursos em consertos de veículos do que em manutenção de estradas e vias?!; leia o texto.

por André Vargas*

Não é de hoje que o governo da presidente Dilma Rousseff, moldado pela gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que pautou sua administração na ação social, onde melhorou e retirou da miséria extrema perto de 40 milhões de brasileiros, marginalizados por governo anteriores, vem tentando retirar da letargia os conformados do governo Beto Richa, para quem nada significa esperança e ainda pregam o imobilismo. Passaram-se três anos e o Paraná continua sem identidade, mergulhado em profunda crise financeira e sem um norte para seguir.

Passamos os olhos no relatório fiscal da execução orçamentária do segundo quadrimestre de 2013 e o que vimos foi a mesma situação que nos foi apresentada em 2011, ou seja, completa irresponsabilidade fiscal.

Na avaliação do DIEESE paranaense, o Estado apresentou crescimento das receitas, inclusive acima da inflação, mas as contas despencaram e o Paraná passa por um dos piores momentos de sua situação fiscal e financeira, com ficha suja !“ inadimplência !“ junto ao Tesouro Nacional, onde não aplicou o percentual mínimo constitucional na área da saúde e aumentou para mais de 45% os gastos com pessoal, o que fere a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Agora o governador Beto Richa retira recursos de investimentos da Sanepar, da ordem de R$ 1 bilhão, para fazer caixa, visando o pagamento do décimo terceiro salário. Foi buscar empréstimos no governo federal, mas como não possui lastro junto ao Tesouro Nacional, encontra dificuldades para obter recursos e tentar salvar o barco, cujo principal comandante, o deputado federal pelo PSDB e então secretário de Finanças, Luiz Carlos Hauly, o abandonou em meio à  tormenta.

Será que o único membro do secretariado ligado ao senador àlvaro Dias não percebeu o caos há tempo? Já há membros próximos ao governador reconhecendo que a responsabilidade pelo caos e intransferível.

Richa não sabe qual rumo tomar. Ainda se alimenta por um discurso vazio, tentando vender ao povo paranaense, investimentos de R$ 25 bilhões do capital interno e externo, na grande maioria em função de inventivos federais. Para termos uma ideia do parafuso em que entrou esse governo, lembremo-nos da busca de recursos dos depósitos judiciais, numa moeda de troca, cujo tiro saiu pela culatra.

São os conformados, portanto, que fecharam os olhos para o futuro do nosso Estado, preferindo apenas o recebimento do salário no final do mês, sem qualquer preocupação com nossa gente. Este é o foco do Partido Social Democrata Brasileiro: falir o Estado e abandonar o povo.

Vamos lembrar ainda que o governador anunciou medidas de cortes de gastos, através de tal “Choque de Gestão” que poucos sabem definir, mas todos vão arcar com as trágicas consequências. Medidas, aliás, justas, porém, sem efeito, porque acabou aumentando em 25% os gastos de custeio em 2012 e no balanço de 2013 o aumento superou 40%, contabilizados até agosto.

Essa é a situação nua e crua do governo paranaense, cuja estratégia, tanto do seu ex-secretário de Finanças, Luiz Carlos Hauly, como do próprio governador, é transferir suas responsabilidades para o governo federal, acusando-o de boicotar empréstimos. Uma pergunta que vem à  tona. Um governo que arrecadará 30 bilhões ao ano depende tanto assim de empréstimos? Por quê?

Não seria justo, da minha parte, apenas criticar a atual gestão sem, contudo, dizer que Beto Richa contratou perto de três mil policiais para tentar colocar um basta na onda de criminalidade que assola Curitiba e região metropolitana. Mas a desorganização e a falta de autoridade jogam por terra estes esforços. Aliás, no momento em que eu redigia este artigo tomei conhecimento de que mais 34 pessoas foram assassinadas na capital e seu entorno durante o final de semana.

Volto a dizer: este governo não tem rumo, não tem identidade e nenhuma marca. Podem criticar o ex-governador Roberto Requião, por ter sido hostil ao capital, pelo seu estilo polêmico e por vezes truculento, mas ninguém lhe tira o mérito de investir em ações sociais, como o Leite das Crianças, o Luz Fraterna, sua benevolência para com o funcionalismo, em especial o Magistério, e sua intransigência em relação ao pedágio.

Ainda nas duas últimas décadas de governo, Jaime Lerner também teve sua marca, que foi a atração de novos investimentos no Paraná, um ciclo industrial que veio para ficar. Perguntamos: o que Beto Richa fez a não ser gastar mais recursos em consertos de veículos do que em manutenção de estradas e vias?

*André Vargas, deputado federal pelo PT do Paraná, vice-presidente da Câmara, é colunista do Blog do Esmael. Escreve sobre poder e socialismo nas terças-feiras.

dezembro 10, 2013
por esmael
Comente agora

O que diz a velha mídia nesta terça

metroJornais do Paraná

Gazeta do Povo: Procuradoria requer pena de 20 jogos sem torcida ao Atlético

Bem Paraná: Após caos em Joinville, Atlético pode perder 20 pontos, mas não pontos

Jornal Metro: Obras na RMC param por atraso em repasses

Jornal de Londrina: Auditoria coloca patrocínios da Sercomtel em xeque

Folha de Londrina: Corretora confirma esquema de propina na Codel

O Diário (Maringá): Polícia identifica quatro suspeitos de homicídios no Requião

Diário dos Campos: Orçamento da cidade para 2014 é de R$ 578 milhões

Jornal da Manhã: Câmara de Ponta Grossa aprova orçamento de R$ 580 milhões

Tribuna do Interior: Papai Noel chegará sem “brilho” em Campo Mourão

O Paraná: Unioeste tem mais de 100 servidores com salários que superam os R$ 10 mil

Jornal Hoje: Caso cassação: Embargos são analisados está tudo pronto para julgamento

Diário do Noroeste: Mais segurança nas ruas e passeios é o objetivo do Observatório do Trânsito

Tribuna de Cianorte: Comerciantes de Cianorte estão otimistas com vendas de Natal

Umuarama Ilustrado: Empresário e mototaxista são assassinados em Umuarama

Tribuna do Norte: MP vai acionar na Justiça autores de trotes ao Samu

Jornais de outros estados

Globo: Desatando o nó: Governo autoriza cinco novos portos privados no país

Folha: “Lista da propina” de fiscal cita construtoras e hospitais

Estadão: Lista de propina do ISS tem shopping e grandes empresas

Correio: Futebol brasileiro é refém de 30 torcidas

Valor: Piora o risco de crédito de empresas brasileiras

Estado de Minas: Cerco a moradores de rua

Zero Hora: Voto aberto é colocado à  prova no Congresso

dezembro 9, 2013
por esmael
38 Comentários

Richa estuda demitir ex-vereador Juliano Borghetti da EcoParaná, diz Palácio Iguaçu

Fontes no Palácio Iguaçu informam que o governador Beto Richa estuda, nas próximas 24 horas, se demite ou não o ex-vereador Juliano Borghetti, atual presidente da autarquia EcoParaná, entidade vinculada à  Secretaria de Turismo; em 2011, "por muito menos", segundo um palaciano, o tucano demitiu um ex-ator de filme pornô depois de uma tuitada de Requião; ao blog, Borghetti, que é cunhado do secretário Ricardo Barros e irmão da deputada Cida Borghetti, disse que não agrediu ninguém e também não foi agredido; leia nota de esclarecimento.

Fontes no Palácio Iguaçu informam que o governador Beto Richa estuda, nas próximas 24 horas, se demite ou não o ex-vereador Juliano Borghetti, atual presidente da autarquia EcoParaná, entidade vinculada à  Secretaria de Turismo; em 2011, “por muito menos”, segundo um palaciano, o tucano demitiu um ex-ator de filme pornô depois de uma tuitada de Requião; ao blog, Borghetti, que é cunhado do secretário Ricardo Barros e irmão da deputada Cida Borghetti, disse que não agrediu ninguém e também não foi agredido; leia nota de esclarecimento.

O governador Beto Richa (PSDB) deverá decidir nas próximas 24 horas se demite ou não o ex-vereador de Curitiba, Juliano Borghetti (PP), da autarquia EcoParaná, vinculada à  Secretaria de Estado do Turismo, depois de seu envolvimento em briga entre torcidas organizadas, neste domingo, do Atlético Paranaense e Vasco.

A demissão do ex-parlamentar não será tarefa fácil, pois o moço é irmão da deputada federal Cida Borghetti, presidenta do novo PROS, e cunhado do secretário de Estado da Indústria e Comércio, Ricardo Barros (PP). Ele também é ex-genro do deputado Rubens Bueno (PPS).

Um palaciano disse que “por muito menos”, em 2011, o governador demitiu o ex-ator de filme pornô Valter Pagliosa da chefia regional do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), em Cascavel, depois que o senador Roberto Requião (PMDB), pelo Twitter, teria participado de um filme pornográfico.

O blog entrou contato com o ex-vereador Juliano Borghetti. Ele negou que tenha agredido ou sido agredido na confusão de ontem. Leia a íntegra de sua nota de esclarecimento: Continue lendo →

dezembro 9, 2013
por esmael
156 Comentários

Requião faz apelo a Richa: Senta nesta cadeira, assume o comando e bota este estado a funcionar!; ouça o áudio

Senador Roberto Requião, como que tivesse passando um "pito" público, distribuiu áudio nesta segunda (9) com apelo ao governador tucano: Toma jeito Beto Richa. Vê se faz alguma coisa no tempo que lhe resta!; candidato ao governo pelo PMDB, Requião não tem poupado o governador do PSDB com quem iniciou intensa comparação na área da saúde; ouça o áudio.

Senador Roberto Requião, como que tivesse passando um “pito” público, distribuiu áudio nesta segunda (9) com apelo ao governador tucano: Toma jeito Beto Richa. Vê se faz alguma coisa no tempo que lhe resta!; candidato ao governo pelo PMDB, Requião não tem poupado o governador do PSDB com quem iniciou intensa comparação na área da saúde; ouça o áudio.

O senador Roberto Requião (PMDB), em seu pronunciamento à s rádios, nesta segunda (9), abriu fogo pesado contra o governador Beto Richa (PSDB) ao comparar sua gestão (2003-2010) com a do tucano.

A saúde não foi só uma preocupação. Foi objeto de muita ação administrativa, de muito investimento. Quarenta e quatro hospitais novos, como por exemplo, os hospitais de Ponta Grossa e de Telêmaco Borba!, lembrou.

Ao sair o governo em 2010, Requião afirmou que deixou as obras do hospital de Telêmaco Borba 95% concluídas e o concurso para contratação dos médicos já estava organizado. O hospital atenderia toda a região dos Campos Gerais pelo SUS. Mas, do jeito que ele deixou, continua. As obras foram abandonadas pela atual gestão.

Passei em Telêmaco Borba. O hospital está parado. Desde que saí do governo não colocaram um tijolo, uma pedra!, denunciou.

Beto Richa, comece a trabalhar!, apelou Requião. Quando me perguntam o que acho do eu governo, eu tenho me negado a responder. Eu só poderia achar alguma coisa se governo existisse. Como não existe governo não dá para fazer uma avaliação. Não é um ataque que estou fazendo. à‰ um apelo. Senta nesta cadeira, assume o comando e bota este Estado a funcionar!, disse Requião.

Me dói no coração o que foi feito com o meu projeto em parceria com a Dona Zilda Arns, que são as Clínicas de Saúde da Mulher e da Criança. Eram para tratar de mulheres e crianças. Acabar com a mortalidade materno e infantil. Virou tudo pronto-socorro misto com a possibilidade enorme de contaminação!, lembrou.

Beto, não é assim que se governa. Você está bagunçando tudo o que fizemos no Estado do Paraná. Toma jeito Beto Richa. Vê se faz alguma coisa no tempo que lhe resta!, finalizou.

Ouça o áudio com Requião:

dezembro 9, 2013
por esmael
13 Comentários

Prefeito de Ponta Grossa (PR) abre dissidência no PPS ao declarar apoio à  reeleição de Dilma Rousseff

Prefeito Marcelo Rangel e seu irmão, deputado Sandro Alex, abrem dissidência no PPS nacional ao anunciar apoio a Dilma; partido de Roberto Freire e Rubens Bueno, neste final de semana, decidiu pelo apoio a Eduardo Campos; município de Ponta Grossa é o quarto mais populoso do Paraná e é o oitavo mais rico do estado; irmãos limpinhos! já vinham costeando o alambrado da presidenta e da ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, há muito tempo; movimento de aproximação do prefeito ao governo federal coincide com a grave crise financeira do governo do Paraná, que nada tem a oferecer ao município dos Campos Gerais.

Prefeito Marcelo Rangel e seu irmão, deputado Sandro Alex, abrem dissidência no PPS nacional ao anunciar apoio a Dilma; partido de Roberto Freire e Rubens Bueno, neste final de semana, decidiu pelo apoio a Eduardo Campos; município de Ponta Grossa é o quarto mais populoso do Paraná e é o oitavo mais rico do estado; irmãos limpinhos! já vinham costeando o alambrado da presidenta e da ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, há muito tempo; movimento de aproximação do prefeito ao governo federal coincide com a grave crise financeira do governo do Paraná, que nada tem a oferecer ao município dos Campos Gerais.

Conta o Blog do Johnny, do Caderno Ponta Grossa, que o prefeito Marcelo Rangel, do PPS, torceu o nariz para a decisão do partido em congresso nacional realizado no final de semana. O “limpinho” dos Campos Gerais avisou que vai de Dilma em 2014, para o desgosto de Roberto Freire e Rubens Bueno.

Na prática, Rangel desprezou o “centralismo democrático” da dupla dirigente nacional ao dizer em um jornal local que poderá se alinhar à  petista inclusive eleitoralmente. O PPS definiu-se pelo governador pernambucano Eduardo Campos (PSB).

O município de Ponta Grossa fica a 100 km de Curitiba e tem população estimada de 340 mil habitantes. à‰ o quarto mais populoso do Paraná e é o oitavo mais rico do estado, segundo o IBGE (2010).

A seguir, leia o texto de Johnny Willian, parceiro deste blogueiro na região de Ponta Grossa: Continue lendo →

dezembro 9, 2013
por esmael
25 Comentários

Reviravolta no PMDB: richistas agora querem apoiar Gleisi Hoffmann

Há um ano, neste blog, o "profeta" Paulo Bernardo, ministro das Comunicações, previu que Richa estaria comprando terreno da Lua ao insistir no apoio do PMDB à  sua reeleição; dito e feito; Michel Temer vetou namoro do partido com o tucano e, numa política de redução de danos, bancada richista agora começou jurar que é Gleisi desde criancinha; petistas rejeitam fórmula que derrotou Osmar Dias em 2010; portanto, cada vez mais, crescem as chances da candidatura própria peemedebista com Requião.

Há um ano, neste blog, o “profeta” Paulo Bernardo, ministro das Comunicações, previu que Richa estaria comprando terreno da Lua ao insistir no apoio do PMDB à  sua reeleição; dito e feito; Michel Temer vetou namoro do partido com o tucano e, numa política de redução de danos, bancada richista agora começou jurar que é Gleisi desde criancinha; petistas rejeitam fórmula que derrotou Osmar Dias em 2010; portanto, cada vez mais, crescem as chances da candidatura própria peemedebista com Requião.

O núcleo da bancada estadual peemedebista mais “fiel” ao governador Beto Richa (PSDB), cujos deputados são conhecidos como richistas, embora cada vez mais escassos, agora querem levar o partido à  aliança com a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, candidata do PT ao governo do Paraná. O objetivo seria ‘reduzir danos’ ao tucano e fugir, como o diabo foge da cruz, da possibilidade de o senador Roberto Requião se viabilizar candidato ao Palácio Iguaçu.

A mudança no comportamento da bancada estadual peemedebista, da água para o vinho ainda não é pública, mas se deu porque o jantar na última quarta-feira (4), em Brasília, na casa do vice-presidente Michel Temer, foi indigesto para os richistas que esperavam sair do encontro com a promessa de que o resultado da convenção no estado fosse respeitado, independente do resultado. Não só não obtiveram essa garantia como tiveram de engolir que a primeira opção do PMDB é pela candidatura e a segunda coligação com o PT.

A terceira opção, defendida pelos richistas, por óbvio, seria juntar as escovas de dente com Richa. Não será possível. Temer não topou a “ménage à  trois” proposta pelos emissários do governador do PSDB. Seria como se o vice-presidente jogasse contra a própria meta, ou seja, contra o próprio gol, haja vista que ele disputará novamente ao lado da presidenta Dilma Rousseff. O PMDB pode oferecer palanque forte à  coligação nacional com uma candidatura própria, raciocina Temer.

Nessa guerra de inteligência, como eu disse no início deste texto, são menos deputados que pretendem permanecer na barca tucana. No jantar descrito acima, dez dos 13 deputados estaduais compareceram. Desses, cinco se disseram favoráveis à  candidatura própria e outros cinco a alianças com o PT e PSDB. A sondagem configurou um empate com viés para a candidatura própria.

A título de comparação, entre 2011 e primeiro semestre de 2013, apenas 1 deputado do PMDB, Anibeli Neto, o Anibelinho, se dizia contra o alinhamento a Richa. Há, portanto, avanço significativo do partido rumo à  candidatura própria, atendendo o apelo e a vontade da direção nacional.

A ‘redução de danos’ da qual falei antes tem a ver com coligação formal com Gleisi, mas, na prática, a bancada estadual do PMDB ficaria livre para namorar Richa. Seria a mesma fórmula utilizada na campanha de Osmar Dias (PDT) em 2010. Entretanto, os petistas rejeitam esse formato até porque já fizeram as contas e eles têm uma certeza na cabeça: sem a candidatura própria do PMDB, e de Requião, não haverá segundo turno no Paraná.

A presença de Requião nas eleições poderá deixar a disputa imprevisível e emocionante em 2014. Poder-se-á, inclusive, repetir o cenário de Curitiba, em 2012, quando o prefeito Luciano Ducci (PSB), com apoio de Richa, sequer conseguiu avançar para o segundo turno durante campanha pela reeleição.

Rumo da ópera: o “profeta” e ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, há um ano (clique aqui para relembrar), previu que Beto Richa estaria comprando terreno na Lula !“ no caso da tentativa de aliança com o PMDB. Bingo. Acertou em cheio. O bruxo Chik jeitoso que se cuide, pois pode perder a posição para o ministro.

dezembro 9, 2013
por esmael
17 Comentários

Veja essa: Taniguchi, secretário de Richa, leva calote de US$ 450 mil de empresários paraguaios

Cássio Taniguchi guru ideológico dos ex-governadores José Roberto Arruda (DF) e Jaime Lerner, agora "ilumina" a gestão neoliberal de Beto Richa; segundo jornal paraguaio Vanguardia!, secretário de Planejamento, que defende o calote em fornecedores e servidores públicos para resolver problemas de caixa do Paraná, teria levado um calote de US$ 450 mil de empresários paraguaios; de acordo com site Foz Notícias, Taniguchi aproveitou-se da fama de ex-prefeito de Curitiba e de urbanista para vender consultoria de Plano Diretor; fez, mas não recebeu; é o típico caso de feitiço virando contra o feiticeiro; moral da história: aqui se faz, aqui se paga.

Cássio Taniguchi guru ideológico dos ex-governadores José Roberto Arruda (DF) e Jaime Lerner, agora “ilumina” a gestão neoliberal de Beto Richa; segundo jornal paraguaio Vanguardia!, secretário de Planejamento, que defende o calote em fornecedores e servidores públicos para resolver problemas de caixa do Paraná, teria levado um calote de US$ 450 mil de empresários paraguaios; de acordo com site Foz Notícias, Taniguchi aproveitou-se da fama de ex-prefeito de Curitiba e de urbanista para vender consultoria de Plano Diretor; fez, mas não recebeu; é o típico caso de feitiço virando contra o feiticeiro; moral da história: aqui se faz, aqui se paga.

Parece piada pronta, mas não é. O secretário de Estado de Planejamento do Paraná, Cássio Taniguchi, braço direito do governador Beto Richa (PSDB), levou um calote de US$ 450 mil de empresários privados do Ciudad Del Este, no Paraguai.

Taniguchi é um dos principais ideólogos no governo tucano que defende o calote em fornecedores, paralisação de obras e descumprimento de acordos com os servidores públicos para resolver a crise financeira do estado.

à‰ o típico caso do feitiço se voltando contra o feiticeiro.

Segundo o site Foz Notícias, citando o diário paraguaio “Vanguardia” (clique aqui), Taniguchi teria usado sua fama de ex-prefeito de Curitiba e de urbanista para vender seu peixe aos paraguaios.

Coincidência ou não, os empresários paraguaios alegam a mesma coisa que o governo do Paraná alega quando dá calote na praça: “crise financeira”.

O site iguaçuense afirma que a Aliança Público-privado! contratou o secretário de Richa para fazer o Plano Diretor de Desenvolvimento de Ciudad Del Este, cidade paraguaia que faz fronteira com Foz do Iguaçu (PR). Detalhe: até agora nada pagou. Deu calote.

Moral da história: aqui se faz, aqui se paga.

Leia a matéria de Digão Monzon, site Foz Notícias:

Calote à  Paraguaia !“ Tanigushi espera pagamento de U$ 450 mil Continue lendo →

dezembro 9, 2013
por esmael
9 Comentários

Dilma comemora acordo na OMC com elogio a diplomata brasileiro; urubólogos sofrem derrota

do Brasil 247

"O acordo de Bali demonstra nosso acerto ao indicar o diplomata brasileiro Roberto Azevêdo para dirigir a OMC", escreveu a presidente no Twitter nesta manhã; Dilma Rousseff ressaltou, sobre o pacote para o comércio global acertado pelos ministros da organização na madrugada de sábado, os resultados "amplamente positivos para o Brasil"; e avaliou, ao contrário do que pensam os colunistas brasileiros e boa parte da mídia do País, que "a saída dos impasses globais estão em acordos multilaterais, onde todos têm voz"; quando Azevêdo se tornou diretor-geral da OMC, em setembro, a imprensa tradicional desqualificou o órgão; acordo histórico pode agora injetar US$ 1 trilhão na economia mundial; resumo da ópera: urubólogos que infestam a velha mídia sofreram uma dura derrota imposta pela diplomacia verde-amarela.

“O acordo de Bali demonstra nosso acerto ao indicar o diplomata brasileiro Roberto Azevêdo para dirigir a OMC”, escreveu a presidente no Twitter nesta manhã; Dilma Rousseff ressaltou, sobre o pacote para o comércio global acertado pelos ministros da organização na madrugada de sábado, os resultados “amplamente positivos para o Brasil”; e avaliou, ao contrário do que pensam os colunistas brasileiros e boa parte da mídia do País, que “a saída dos impasses globais estão em acordos multilaterais, onde todos têm voz”; quando Azevêdo se tornou diretor-geral da OMC, em setembro, a imprensa tradicional desqualificou o órgão; acordo histórico pode agora injetar US$ 1 trilhão na economia mundial; resumo da ópera: urubólogos que infestam a velha mídia sofreram uma dura derrota imposta pela diplomacia verde-amarela.

A presidente Dilma Rousseff celebrou nesta manhã o acordo firmado entre os ministros da Organização Mundial do Comércio (OMC) nas primeiras horas do sábado 7, durante conferência em Bali, na Indonésia, com elogios ao diretor-geral do órgão, o brasileiro Roberto Azevêdo. “O acordo de Bali demonstra nosso acerto ao indicar o diplomata brasileiro Roberto Azevêdo para dirigir a OMC”, escreveu a presidente em sua conta no Twitter.

A presidente ressaltou a importância dos resultados do acordo global, que chamou de “amplamente positivos para o Brasil”, por “facilitar o acesso de nossos produtos a mercados em todo o mundo, ao simplificar e desburocratizar procedimentos aduaneiros”. Segundo ela, a IX Conferência Ministerial da OMC “fortaleceu o sistema multilateral do comércio”. O acordo fechado em Bali é histórico e o primeiro do comércio global em 20 anos pelo órgão.

Ao contrário do que pensam colunistas da mídia tradicional do Brasil, a presidente é da opinião de que “as saídas dos impasses globais estão em acordos multilaterais, onde todos têm voz, e não na imposição dos mais fortes sobre os mais fracos”. Em sua coluna de sábado na Folha de S.Paulo, o sociólogo Demétrio Magnoli se precipitou ao prever que haveria um “desastre” em Bali e o “colapso da Rodada Doha”. Provavelmente poucas horas depois de a edição do jornal ter ido para a gráfica, no entanto, houve um consenso na conferência. Continue lendo →

dezembro 9, 2013
por esmael
27 Comentários

Secretário Cid Vasques continua na marca do pênalti; assista ao vídeo

Governador Beto Richa terá de arbitrar entre o fim do Gaeco e a continuidade do secretário Cid Vasques na Secretaria da Segurança, a mais problemática na gestão tucana; apego do titular da pasta chama a atenção, pois até a Federação Israelita (sic) foi convocada para defendê-lo; promotor Leonir Batisti deposita fé no Conselho Superior do Ministério Público, que se reúne amanhã, para salvar o grupo de combate à  corrupção no Paraná; assista ao vídeo.

Governador Beto Richa terá de arbitrar entre o fim do Gaeco e a continuidade do secretário Cid Vasques na Secretaria da Segurança, a mais problemática na gestão tucana; apego do titular da pasta chama a atenção, pois até a Federação Israelita (sic) foi convocada para defendê-lo; promotor Leonir Batisti deposita fé no Conselho Superior do Ministério Público, que se reúne amanhã, para salvar o grupo de combate à  corrupção no Paraná; assista ao vídeo.

O secretário da Segurança Pública, Cid Vasques, continua fazendo “hora extra” na pasta que mais vem causando desgastes à  imagem do governador Beto Richa (PSDB).

Chama a atenção o apego do secretário ao cargo. Vasques tem mobilizado até apoio da Federação Israelita (sic) para continuar na Segurança. Não se sabe, porém, qual a relação dos judeus com a segurança pública do estado.

O Ministério Público (MP) quer que o secretário Cid Vasques deixe o cargo e retorne à s suas funções no órgão do qual é promotor de Justiça. Amanhã o Conselho Superior órgão analisa pedido para que ele volte à  origem funcional.

Uma das broncas com Vasques — pelo menos a que vem a público — teria relação com o rodízio de policiais no Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), o braço policial do MP.

Segundo o promotor Leonir Batisti, coordenador do Gaeco no Paraná, em entrevista ao Bom Dia Paraná, da RPCTV, o grupo policial de combate à  corrupção poderá ser extinto pelo governo Beto Richa caso o secretário continue no cargo.

O impasse chegou à  seguinte situação: ou o Gaeco ou Vasques; não espaço para os dois.

Assista ao vídeo com reportagem do Bom Dia Paraná (RPCTV):

dezembro 9, 2013
por esmael
13 Comentários

Dilma sinaliza Mercadante para Casa Civil no lugar de Gleisi

do Brasil 247

Presidente deve escolher nomes de reforma ministerial já no dia de seu aniversário: 14 de dezembro; ela deu sinais de que o ministro da Educação pode mesmo ocupar a pasta de Gleisi Hoffmann, que sai para disputar o governo do Paraná; um dos motivos seria sua assiduidade à s sextas-feiras na capital; segundo colunista Mônica Bergamo, da Folha, ministros que são candidatos em seus estados estariam resistindo à  ideia de sair antes de abril porque não querem perder a vitrine do governo federal.

Presidente deve escolher nomes de reforma ministerial já no dia de seu aniversário: 14 de dezembro; ela deu sinais de que o ministro da Educação pode mesmo ocupar a pasta de Gleisi Hoffmann, que sai para disputar o governo do Paraná; um dos motivos seria sua assiduidade à s sextas-feiras na capital; segundo colunista Mônica Bergamo, da Folha, ministros que são candidatos em seus estados estariam resistindo à  ideia de sair antes de abril porque não querem perder a vitrine do governo federal.

Na próxima semana, a presidente Dilma Rousseff começará a desenhar a reforma ministerial, para liberar ministros que devem sair candidatos em 2014. Gleisi Hoffmann já confirmou interesse em disputar o governo do Paraná. Em seu lugar na Casa Civil, Dilma sinaliza preferência por Aloizio Mercadante, hoje na pasta da Educação, como aponta Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo.

A presidente já marcou data para se debruçar quase que exclusivamente sobre o tema: o próximo sábado, 14 de dezembro – dia de seu aniversário. Decisão deve ser anunciada em volta a Brasília, no dia 6 de janeiro.

Segundo colunista, a vontade de mudar todo o ministério de uma vez decorre de uma constatação: quase nenhum ministro candidato trabalha à s sextas-feiras, por exemplo. Todos viajam à s suas bases eleitorais.

dezembro 9, 2013
por esmael
12 Comentários

Coluna do Marcelo Araújo: “Só a ponte Matinhos-Guaratuba para resolver problemas no trânsito do Litoral”

Marcelo Araújo, especialista em trânsito, a pedido do blog, foi ao Litoral avaliar a situação do trânsito que dá acesso à s praias paranaenses; Só a ponte Matinhos-Guaratuba para resolver os problemas", opina o colunista, que também critica falta de conversa entre os governos municipal, estadual e federal para facilitar o fluxo na região; ele recomenda, por exemplo, substituir o semáforo em Garuva por uma rotatória -- solução semelhante que foi encontrada na chegada de Guaratuba com acesso para a Barra do Saí; leia o texto.

Marcelo Araújo, especialista em trânsito, a pedido do blog, foi ao Litoral avaliar a situação do trânsito que dá acesso à s praias paranaenses; Só a ponte Matinhos-Guaratuba para resolver os problemas”, opina o colunista, que também critica falta de conversa entre os governos municipal, estadual e federal para facilitar o fluxo na região; ele recomenda, por exemplo, substituir o semáforo em Garuva por uma rotatória — solução semelhante que foi encontrada na chegada de Guaratuba com acesso para a Barra do Saí; leia o texto.

por Marcelo Araújo*

Os curitibanos de maneira especial, e de maneira geral os paranaenses, catarinenses e qualquer pessoa que pretenda chegar a Guaratuba, no litoral paranaense, utilizando a BR-101, precisam passar por Garuva, em Santa Catarina.

Para vencer esse trecho (BR-101 !“ Guaratuba), e vice-versa, precisa enfrentar pacientemente o semáforo existente no cruzamento da Av. Paraná com Av. Celso Ramos, e que na temporada e feriados prolongados significa horas de paciência e filas que superam dezenas de quilômetros.

A justificativa da Prefeitura é que se não existisse o semáforo ficaria inviável aos garuvenses atravessarem a Av. Paraná. Partindo da BR-101 em direção a Guaratuba o mencionado cruzamento está no KM 1 da Rodovia SC-412 (SC-412 x Av. Celso Ramos).

Antes de avançar a reflexão, alguns esclarecimentos devem ser feitos. A Av. Paraná que mencionamos acima é na verdade a Rodovia Estadual SC-412 que após o Rio da Praia entra no Estado do Paraná passando a ser PR-412.

Assim como diversas rodovias que cortam trechos urbanos das cidades a Av. Paraná de Garuva é uma rodovia, e por consequência de responsabilidade do órgão rodoviário de Santa Catarina (DEINFRA) e cuja fiscalização estaria a cargo da Polícia Rodoviária de Santa Catarina, portanto qualquer autuação que ocorra por desobediência ao semáforo do referido cruzamento, de fluxo proveniente da SC-412 deve ser lavrado por agente rodoviário.

A alegação que os motoristas garuvenses não conseguem transpor a rodovia SC-412 devido ao fluxo contínuo nos dias e horários de grande movimento poderia ser facilmente resolvido com a construção de uma rotatória semelhante a que foi recentemente construída na chegada de Guaratuba com acesso para a Barra do Saí.

Destaca-se ainda que quem se encontra na Av. Celso Ramos à  esquerda já possui entrada livre na SC-412 no sentido Guaratuba e não precisa aguardar a abertura do semáforo.

A situação não causa problemas apenas na SC-412, mas também para quem vai sentido Guaratuba quando o engarrafamento atinge a própria BR-101 com veículos muitas vezes tendo que se utilizar do acostamento aumentando o risco de acidentes.

Isso significa que cabe intervenção do Governo Federal (BR-101) e Governo do Paraná (PR-412) junto ao Governo de Santa Catarina para resolver o problema do semáforo.

Os paranaenses também têm sofrido muito para ir a Santa Catarina pela BR-376/BR-101 não apenas devido aos acidentes sem hora marcada que sempre estão lá, mas pelas obras que nunca acabam.

Fora da temporada, por incrível que pareça, ir de Curitiba a Joinville pela BR-277 (litoral paranaense), mesmo com ferryboat, não apenas pode ser mais rápido quanto é mais certo cumprir o compromisso.

Quando for construída a Ponte Matinhos !“ Guaratuba (ou Guaratuba!“Guaratuba, como queiram), somado à  solução do semáforo de Garuva, se tornará uma excepcional alternativa para ir a Santa Catarina desviando os problemas apontados.

De multa eu entendo!

*Marcelo Araújo é advogado, presidente da Comissão de Trânsito, Transporte e Mobilidade da OAB/PR. Escreve nas segundas-feiras para o Blog do Esmael.

dezembro 9, 2013
por esmael
1 Comentário

O que diz a velha mídia nesta segunda

correioJornais do Paraná

Gazeta do Povo: O futebol crucificado

Bem Paraná: O futebol ficou pequeno diante da barbárie

Jornal Metro: Futebol ou guerra?

Jornal de Londrina: Universidades e empresas se unem para elevar registros

Folha de Londrina: Três grandes obras aguardam autorização da Prefeitura

Jornal Hoje: Três vítimas são brutalmente assassinadas e quatro feridas

Jornais de outros estados

Globo: Vigilância !“ Clinton critica espionagem à  Petrobras

Folha: Ineficiência marca gestão do SUS, diz Banco Mundial

Estadão: à“rgão regulador quer limite a aposentadoria de executivos do BB

Correio: Dia de vergonha no país da Copa

Valor: Zogbi volta ao setor de papel e lança projeto de US$ 2,5 bi

Estado de Minas: à”nibus fora da lei

Zero Hora: Programa Mais Médicos no RS !“ Eles são poucos, mas têm apoio da população

dezembro 8, 2013
por esmael
50 Comentários

De olho no governo do Paraná e em busca de holofote, àlvaro Dias tabela com Veja contra Lula e PT

"Quero Tuma Jr. no Roda Viva e no Congresso Nacional, colocando as cartas na mesa", pede o senador do PSDB, pelo Twitter; "O passado de Lula, a fábrica de dossiês do governo, o mensalão, a morte de Celso Daniel como crime político são esqueletos ainda não retirados totalmente do armário de crimes dos últimos anos", acrescenta o tucano, sobre as revelações feitas no novo livro do ex-secretário Nacional de Justiça; líder do DEM, deputado Ronaldo Caiado (GO) disse que apresentará requerimento convidando Romeu Tuma Júnior a depor na Câmara amanhã para levar os documentos que possui; coincidência ou não com a radicalização contra o PT e Lula, na semana que passou, àlvaro Dias foi bastante lembrado para substituir Beto Richa na disputa pelo Palácio Iguaçu; o correligionário tucano se enfiou em uma crise financeira e moral sem precedentes na história do estado do Paraná.

“Quero Tuma Jr. no Roda Viva e no Congresso Nacional, colocando as cartas na mesa”, pede o senador do PSDB, pelo Twitter; “O passado de Lula, a fábrica de dossiês do governo, o mensalão, a morte de Celso Daniel como crime político são esqueletos ainda não retirados totalmente do armário de crimes dos últimos anos”, acrescenta o tucano, sobre as revelações feitas no novo livro do ex-secretário Nacional de Justiça; líder do DEM, deputado Ronaldo Caiado (GO) disse que apresentará requerimento convidando Romeu Tuma Júnior a depor na Câmara amanhã para levar os documentos que possui; coincidência ou não com a radicalização contra o PT e Lula, na semana que passou, àlvaro Dias foi bastante lembrado para substituir Beto Richa na disputa pelo Palácio Iguaçu; o correligionário tucano se enfiou em uma crise financeira e moral sem precedentes na história do estado do Paraná.

Na semana em que foi lembrado para substituir Beto Richa na disputa pelo governo do Paraná (clique aqui para relembrar), o senador àlvaro Dias radicaliza o discurso contra o PT. à‰ a busca pelo holofote e do retorno ao Palácio Iguaçu, 25 anos depois.

A seguir, leia matéria no site Brasil 247:

Parlamentares da oposição querem ouvir no Congresso o ex-secretário Nacional de Justiça Romeu Tuma Júnior depois de suas revelações à  revista Veja neste final de semana. “Quero Tuma Jr. no Roda Viva e no Congresso Nacional, colocando as cartas na mesa”, escreveu no Twitter o senador Alvaro Dias (PSDB-PR). Em entrevista sobre seu “livro bomba”, como define a revista da Editora Abril, o delegado aposentado afirma ter recebido ordens do governo para criar dossiês contra uma série de inimigos políticos do PT.

“O passado de Lula, a fábrica de dossiês do governo, o mensalão, a morte de Celso Daniel como crime político são esqueletos ainda não retirados totalmente do armário de crimes dos últimos anos”, acrescentou o parlamentar tucano, citando alguns temas que foram mencionados por Tuma. O ex-secretário de Justiça, que deixou o cargo em 2010 com o nome vinculado à  máfia de contrabandistas chineses, disse que tudo era comandado pelo então ministro da Justiça Tarso Genro, hoje governador do Rio Grande do Sul.

Outro que defende o convite a Tuma para comparecer na Câmara é o líder do DEM, Ronaldo Caiado (GO). “Romeu Tuma Jr, que esteve sob o comando de Lula, agora comprova que o PT montou um governo de aloprados”, escreveu o deputado no Twitter, neste sábado. Ele diz que apresentará um requerimento nesta segunda-feira 9. Como não possui mais cargo público, Tuma não é obrigado a comparecer. “Vou ter de contar com a boa-vontade dele”, diz Caiado, que conta ainda com a cobrança direta à s autoridades envolvidas nas denúncias.

Leia mais aqui sobre a entrevista de Tuma à  Veja.

dezembro 8, 2013
por esmael
8 Comentários

Gleisi Hoffmann: “Definição sobre eleição e conversa sobre campanha cabem a 2014”

Alvo de especulações dentro do próprio PT, Gleisi desconversa sobre candidatura ao governo do Paraná: Definição sobre eleição e conversa sobre campanha cabem a 2014, não agora!, disse ela ao G1 Brasília, neste domingo (8); Requião, que também está de olho no Palácio Iguaçu, aposta que a ministra vai "amarelar" e ele já pede que os petistas lhe indiquem um vice para sua chapa; pelo sim pelo não, o presidente estadual do PT, Enio Verri, afirmou ontem (7), durante evento de posse no partido, que a agenda de Gleisi Hoffmann será intensificada a partir de janeiro de 2014.

Alvo de especulações dentro do próprio PT, Gleisi desconversa sobre candidatura ao governo do Paraná: Definição sobre eleição e conversa sobre campanha cabem a 2014, não agora!, disse ela ao G1 Brasília, neste domingo (8); Requião, que também está de olho no Palácio Iguaçu, aposta que a ministra vai “amarelar” e ele já pede que os petistas lhe indiquem um vice para sua chapa; pelo sim pelo não, o presidente estadual do PT, Enio Verri, afirmou ontem (7), durante evento de posse no partido, que a agenda de Gleisi Hoffmann será intensificada a partir de janeiro de 2014.

A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, pré-candidata ao governo do Paraná pelo PT, em entrevista à  repórter Juliana Braga, do G1 Brasília, neste domingo (8), afirmou que a definição sobre eleição e conversa sobre campanha cabem a 2014, não agora!.

Os próprios dirigentes e militantes petistas têm especulado no Paraná a possibilidade de Gleisi “pipocar” no processo eleitoral de 2014, embora a agenda da ministra tenha sido vitaminada no estado nas duas últimas semanas.

O presidente do PT do Paraná, deputado estadual Enio Verri, reempossado ontem (7) em Curitiba, em seu informe, disse que a agenda de Gleisi será intensificada a partir de janeiro de 2014.

A falta de assertividade da ministra tem dado margem a essas especulações. O senador Roberto Requião (PMDB), por exemplo, na semana passada, avaliava que a petista poderia “amarelar”. O senador, que já governo o estado por três ocasiões, citou uma fonte ligada à  presidenta Dilma.

Nessa guerra de informação e contrainformação na trincheira de oposição ao governador Beto Richa (PSDB), o PT ofereceu a vice na chapa de Gleisi ao PMDB. Furioso, Requião deu o troco oferecendo a sua vice para o PT.

A seguir, a íntegra da reportagem sobre Gleisi no G1 Brasília: Continue lendo →

dezembro 8, 2013
por esmael
8 Comentários

Depois do PPL, Eduardo Campos agora recebe apoio do PPS

PPL de Cláudio Fajardo, ex-Movimento Revolucionário 8 de Outubro, e PPS, dos "limpinhos" Roberto Freire e Rubens Bueno, agora estão "juntos" na campanha do presidenciável Eduardo Campos; Bueno, no Paraná, vai comandar o palanque do governador pernambucano; com isso, Richa poderá dar adeus ao palanque duplo!, haja vista que o limpinho! também se diz candidato ao Palácio Iguaçu.

PPL de Cláudio Fajardo, ex-Movimento Revolucionário 8 de Outubro, e PPS, dos “limpinhos” Roberto Freire e Rubens Bueno, agora estão “juntos” na campanha do presidenciável Eduardo Campos; Bueno, no Paraná, vai comandar o palanque do governador pernambucano; com isso, Richa poderá dar adeus ao palanque duplo!, haja vista que o limpinho! também se diz candidato ao Palácio Iguaçu.

Agora vai. O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), candidato à  presidência da República, recebeu na semana passada apoio do Partido da Pátria Livre (PPL), conforme registro deste blogueiro. Ontem foi a vez do PPS, de Roberto Freire e Rubens Bueno, dar um chega pra lá no senador mineiro Aécio Neves (PSDB).

Os “limpinhos” Bueno e Freire haviam lançado a ex-vereadora paulistana Soninha Francine para a disputa presidencial, mas congresso nacional do partido, realizado neste sábado (7), defenestrou a moça por 152 a 98 votos.

No Paraná, o PPS também se assanha com a candidatura própria de Rubens Bueno ao Palácio Iguaçu. Caso se mantenha na corrida, o homem do voto limpo! poderá controlar a campanha de Campos no estado e desidratar a tese do “palanque duplo” para o governador Beto Richa (PSDB).

dezembro 8, 2013
por esmael
Comente agora

O que diz a velha mídia neste domingo

tn_gleisiJornais do Paraná

Gazeta do Povo: O lado obscuro da web

Jornal de Londrina: Debandada ameaça pesquisa do Iapar

Folha de Londrina: Paraná tem apenas 4,69% de rodovias duplicadas

O Diário (Maringá): Conceitos das faculdades particulares crescem mais

Diário dos Campos: PG concentra 6,5 mil famílias que vivem em áreas de risco

Jornal da Manhã: Operação da Denarc resulta em 22 prisões por tráfico em Ponta Grossa

Tribuna do Interior: Rapaz é esfaqueado e morre em formatura

Diário do Noroeste: Mais segurança nas ruas e passeios é o objetivo do Observatório do Trânsito

Tribuna de Cianorte: Uma empresa é aberta no Parana a cada cinco minutos

Umuarama Ilustrado: Aeroporto de Umuarama terá investimentos de R$ 30 milhões

Tribuna do Norte: Gleisi anuncia 2,2 mil novas moradias em Apucarana

Jornais de outros estados

Globo: UPPs têm a menor taxa de homicídios do Brasil

Folha: Brasil se divide sobre impostos e papel do governo

Estadão: Acordo inédito na OMC tenta frear iniciativas regionais

Correio: O lucrativo negócio da prostituição VIP

Estado de Minas: Por que nossos filhos estão obesos

Zero Hora: A cada oito dias, RS tem um ataque a banco com reféns

dezembro 7, 2013
por esmael
8 Comentários

Beto diz que “agora é a vez de Gleisi”

Beto Preto, prefeito de Apucarana, no Vale do Ivaí, afirmou neste sábado que agora é a vez de Gleisi! governar o Paraná; declaração do petista ocorreu logo após evento de entrega de moradias populares na cidade; neste sábado, Requião ofereceu a vice ao PT, pois, segundo seus correligionários, a ministra não disputará o Palácio Iguaçu em 2014.

Beto Preto, prefeito de Apucarana, no Vale do Ivaí, afirmou neste sábado que agora é a vez de Gleisi! governar o Paraná; declaração do petista ocorreu logo após evento de entrega de moradias populares na cidade; neste sábado, Requião ofereceu a vice ao PT, pois, segundo seus correligionários, a ministra não disputará o Palácio Iguaçu em 2014.

O prefeito de Apucarana, Beto Preto (PT), após evento de entrega de moradias, neste sábado (7), disse que “agora é a vez de Gleisi” comandar o governo do Paraná.

A ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e o vice-presidente da Câmara, deputado André Vargas, estiveram esta manhã no município do Norte do Paraná.

Petistas intensificam agenda pré-eleitoral de Gleisi, bem como lançam ofensiva em cima do PMDB. Ontem (6), por exemplo, Vargas ofereceu a vice na chapa da ministra para o deputado Caíto Quintana (clique aqui).

Na contraofensiva, o senador Roberto Requião, que sonha com o quarto mandato de governador, devolveu a provocação sugerindo os deputados à‚ngelo Vanhoni e Elton Welter como vices de Caíto !“ se ele não sair candidato (clique aqui).

Em Foz do Iguaçu, na manhã de hoje, onde Requião realizou encontro do PMDB, a conversa foi que Gleisi não sairá candidata ao Palácio Iguaçu.