18 de julho de 2018
por esmael
Comentários desativados em Dispara número de mortes violentas durante intervenção federal no Rio

Dispara número de mortes violentas durante intervenção federal no Rio

A intervenção federal não foi suficiente para conter a disparada de mortes violentas no mês de junho no Rio de Janeiro. Segundo o Instituto de Segurança Pública (ISP), ocorreu aumento de 59,79% de homicídios decorrentes de intervenções policiais em comparação ao mesmo mês do ano passado. Leia mais

19 de novembro de 2013
por esmael
25 Comentários

Coluna do André Vargas: “Aumenta violência em Curitiba, mas governo Richa manipula índices na mídia”

Quem matou Tayná?!, questiona André Vargas, em sua coluna desta terça, ao afirmar que estrutura da Segurança Pública não previne e não elucida crimes; deputado acusa governador Beto Richa (PSDB) de esconder dados sobre mortes à  bala em Curitiba e região metropolitana; diz ainda que o tucano não tem um plano, pois, segundo o colunista, faltam 7 mil agentes da Polícia Civil para atender 10 milhões de paranaenses; Nem no Iraque morre tanta gente à  bala como em Curitiba

Quem matou Tayná?!, questiona André Vargas, em sua coluna desta terça, ao afirmar que estrutura da Segurança Pública não previne e não elucida crimes; deputado acusa governador Beto Richa (PSDB) de esconder dados sobre mortes à  bala em Curitiba e região metropolitana; diz ainda que o tucano não tem um plano, pois, segundo o colunista, faltam 7 mil agentes da Polícia Civil para atender 10 milhões de paranaenses; Nem no Iraque morre tanta gente à  bala como em Curitiba”, compara o vice-presidente da Câmara, que recomenda: A sociedade paranaense precisa de respostas efetivas e não apenas de discurso!; leia o texto.

por André Vargas*

Em Curitiba, conversando com um grupo de pessoas que trabalha com pesquisas na área de segurança pública, fiquei abismado com o alto índice de homicídios na capital e região metropolitana. Nas últimas três semanas foram mais de 70 homicídios (crimes à  bala), sem contar as pessoas feridas, que vão à  óbito dois, três ou mais dias, após internamento hospitalar. Leia mais