15 de dezembro de 2013
por Esmael Morais
28 Comentários

Gazeta do Povo abre fogo contra Richa

O tradicional jornal curitibano Gazeta do Povo, vanguarda da velha mídia e pertencente ao grupo RPC (Globo), abriu fogo neste domingo (15) contra o tucano Beto Richa; jornalão reverbera dificuldades financeiras do estado, destacando o caso da PM com telefones cortados e viaturas sem combustível, bem como a paralisação de obras importantes; em outro front, dentro da mesma publicação, o colunista Celso Nascimento dá sabugadas na questão do pedágio; Palácio Iguaçu se limitou a dizer que pancadaria tem a ver com o "editor" Paulo Bernardo, que teria assumido a direção do jornal; será verdade? Richa, por sua vez, está nem aí com essas picuinhas!, pois neste final de semana ele participou da 2!ª edição das 500 Milhas de Londrina e terminou a prova em 25!º lugar !“ quase repetindo desempenho que teve no último Ibope.

O tradicional jornal curitibano Gazeta do Povo, vanguarda da velha mídia e pertencente ao grupo RPC (Globo), abriu fogo neste domingo (15) contra o tucano Beto Richa; jornalão reverbera dificuldades financeiras do estado, destacando o caso da PM com telefones cortados e viaturas sem combustível, bem como a paralisação de obras importantes; em outro front, dentro da mesma publicação, o colunista Celso Nascimento dá sabugadas na questão do pedágio; Palácio Iguaçu se limitou a dizer que pancadaria tem a ver com o “editor” Paulo Bernardo, que teria assumido a direção do jornal; será verdade? Richa, por sua vez, está nem aí com essas picuinhas!, pois neste final de semana ele participou da 2!ª edição das 500 Milhas de Londrina e terminou a prova em 25!º lugar !“ quase repetindo desempenho que teve no último Ibope.

O tradicional jornal Gazeta do Povo, vanguarda da velha mídia paranaense, neste domingo, saiu do armário para dar sabugadas no governador Beto Richa (PSDB). O jornalão, outrora aliado do tucano, fez um “diário de um estado quebrado”, onde enumerou as dificuldades financeiras e de gestão do governo do Paraná em diversas áreas — que não são poucas (clique aqui para ler). ... 

Leia mais

15 de dezembro de 2013
por Esmael Morais
7 Comentários

Aécio defende prisão domiciliar para mensaleiros. E agora Barbosa?

do Brasil 247

"Será que vão dar prisão domiciliar para o Roberto? Espero que sim. Não torço pelo infortúnio de ninguém", disse o senador Aécio Neves (PSDB-MG); hoje, completa-se o primeiro mês de liberdade do delator do chamado "mensalão", desde que foram presos os primeiros réus; em relação a José Genoino, ex-presidente do PT, Aécio também defendeu o mesmo benefício; "política não está acima da questão humanitária", disse ele.

“Será que vão dar prisão domiciliar para o Roberto? Espero que sim. Não torço pelo infortúnio de ninguém”, disse o senador Aécio Neves (PSDB-MG); hoje, completa-se o primeiro mês de liberdade do delator do chamado “mensalão”, desde que foram presos os primeiros réus; em relação a José Genoino, ex-presidente do PT, Aécio também defendeu o mesmo benefício; “política não está acima da questão humanitária”, disse ele.

O senador Aécio Neves (PSDB-MG), provável candidato do PSDB à  sucessão presidencial, defendeu explicitamente a concessão da prisão domiciliar a Roberto Jefferson, o delator do chamado “mensalão”. ... 

Leia mais

15 de dezembro de 2013
por Esmael Morais
11 Comentários

PMDB de Minas lança Requião à  presidência da República; assista

Roberto Requião foi lançado, neste domingo, em Minas Gerais, pré-candidato à  presidência da República pelo PMDB; senador também trabalha pela candidatura própria do partido no Paraná; "Estou preparando para disputar a presidência da República, se convocado, e para ser governador do Paraná", assegurou ao blog, reconhecendo que o nome da presidenta Dilma Rousseff à  reeleição ainda é a melhor alternativa posta "até o limite"; assista ao vídeo.

Roberto Requião foi lançado, neste domingo, em Minas Gerais, pré-candidato à  presidência da República pelo PMDB; senador também trabalha pela candidatura própria do partido no Paraná; “Estou preparando para disputar a presidência da República, se convocado, e para ser governador do Paraná”, assegurou ao blog, reconhecendo que o nome da presidenta Dilma Rousseff à  reeleição ainda é a melhor alternativa posta “até o limite”; assista ao vídeo.

“Brasil pra frente, Requião pra presidente”. Este foi o grito de guerra neste domingo (15), em Belo Horizonte, Minas Gerais, durante discurso do senador Roberto Requião em encontro estadual do PMDB. ... 

Leia mais

15 de dezembro de 2013
por Esmael Morais
14 Comentários

A indireta de Gleisi para Richa: “não consigo ir à  academia”

por Klécio Santos, Brasília, para o Zero HoraEm meio a assessores estressados com a recepção do presidente da França, François Hollande, a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, transpira tranquilidade. Pontualmente à s 10h30min, abre a porta do florido gabinete no quarto andar do Palácio do Planalto, trajando vestido, casaquinho de tweed e escarpim de verniz.

Os cabelos presos destacam brincos de pérolas. Na mesa principal, uma pilha de pastas. Gleisi, 48 anos, prefere conversar na mesa de reuniões, com as fotos dos filhos, João Augusto e Gabriela Sofia. Em nada lembra a “dama de ferro” ou o “pitbull”, como a chamavam nos tempos de Senado por conta de sua defesa ao governo do PT.

Agora, à s vésperas de deixar o cargo, Gleisi deve concorrer ao governo do Paraná contra o atual governador Beto Richa, do PSDB. Ela esconde o jogo sobre o futuro político, mas tentará viabilizar a candidatura retornando ao Senado, para onde foi eleita por 3,1 milhões de paranaenses. Pretende dedicar mais tempo à  paróquia.

Desde 2011, quando recebeu o convite de Dilma Rousseff para ocupar o antigo posto da presidente, na esteira do escândalo que derrubou o então titular Antonio Palocci, a rotina de Gleisi mudou. Chega cedo e quase nunca deixa o Planalto antes das 22h. Nem levar os filhos no colégio, atividade que esperava manter, ela consegue.

!” Eles estão indo de van !” lamenta.

Casada com o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, Gleisi se destacou na equipe de transição para o governo Lula, em 2002. Foi convidada pelo então presidente para ser diretora Financeira da Itaipu Binacional.

A Zero Hora, fez um balanço dos dois anos e meio em que comandou uma das principais pastas da Esplanada, mas falou ainda sobre mensalão e vida pessoal ao longo de cerca de 40 minutos de conversa, só interrompida pelo chamado de Dilma para recepcionar Hollande.

Confira a seguir trechos da entrevista:

Zero Hora !” A senhora vai deixar a Casa Civil para concorrer ao governo do Paraná?

Gleisi Hoffmann !” Não há definição. Isso só será feito em 2014. Existe a possibilidade de eu deixar a Casa Civil no início do ano que vem para avaliar.

ZH !” Como é a experiência de ser a Dilma da Dilma?

Gleisi !” Não sou a Dilma da Dilma. A presidenta tem outra característica. Tentei suprir uma demanda que a própria presidenta passou, de ter a atenção voltada para organização interna do governo, monitorando os programas, coordenando as ações para buscar resultados à  população. Jamais pretendi substituí-la.

ZH !” O perfil da senhora é diferente dos seus antecessores, como José Dirceu, Antonio Palocci e a própria presidente. Qual a marca que a senhora deixa na Casa Civil?

Gleisi !” Não tenho preocupação de deixar marca. Aqui é a antessala do gabinete da Presidência, quem deixa marca é a presidenta. Minha atuação é de retaguarda, para fazer as coisas andarem da melhor forma possível.

ZH !” Como a senhora vê as prisões do mensalão?

Gleisi !” à‰ um caso que pertence ao Judiciário, já foi julgado. Só espero que o rigor com que esse julgamento acon Leia mais

15 de dezembro de 2013
por Esmael Morais
25 Comentários

STF frauda erário com plano de saúde a servidores fantasmas!, diz Globo

A edição deste domingo (15) do insuspeito O Globo entrega o presidente do STF, ministro Joaquim Barbosa e seu antecessor, Ayres Britto, por uma fraude que vitamina o plano de saúde daquela Corte com servidores fantasmas!. A tungada já teria custado mais de R$ 16,8 milhões aos cofres públicos, segundo a reportagem do jornalista Vinicius Sassine. à‰ quase o valor do mensalão, que levou o ex-ministro José Dirceu e o ex-deputado José Genoino para a cadeia há exato um mês. Detalhe: os dois são petistas e os ministros do STF são os mocinhos! para os mais desavisados e Maria vai com as outras!. A seguir, leia a matéria via Brasil 247:

STF inflou números para levar mais verba da União

No momento em que vende para a sociedade a imagem de espada da nação e tem um presidente frequentemente cogitado como eventual presidenciável, o Supremo Tribunal Federal deveria ficar mais atento aos seus procedimentos internos. Uma reportagem do jornalista Vinicius Sassine, publicada neste domingo no jornal O Globo, revela que a instituição inflou dados do seu plano de saúde para receber mais verbas da União.

O erro !“ ou a fraude !“ aconteceu nos últimos três anos, quando a instituição teve dois presidentes: os ministros Ayres Britto, que já se aposentou, e Joaquim Barbosa, que hoje comanda a instituição. Em vez de informar ao Ministério do Planejamento o número real de servidores atendidos pelo plano de saúde, que é de 4,2 mil usuários, o STF transmitiu dados incorretos, entre 6,1 mil e 6,7 mil beneficiários do STF-Med, um generoso plano de saúde, que custeia todas as despesas médicas dos servidores.

Essa distorção fez com que o Ministério do Planejamento repassasse, nos últimos três anos, um valor médio de R$ 15 milhões ao STF, em razão dos gastos com o plano de saúde. Sem os beneficiários-fantasma, o valor correto seria de R$ 9,4 milhões. Ou seja: há uma diferença anual de R$ 5,6 milhões, que, multiplicada por três, elevaria o valor da fraude para R$ 16,8 milhões.

Essa quantificação é importante, no momento em que parlamentares importantes estão presos ou prestes a ir para a cadeia em razão de desvios morais. O ex-presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT-SP), é acusado de ter “desviado” R$ 1 milhão da Câmara dos Deputados, num desvio inexistente, uma vez que se trata de comissões de agência, pagas por veículos como Globo, Folha e Abril, a uma agência de publicidade, por Leia mais