richa_caloteiroO Blog do Esmael identificou ao menos 13 itens requentados no “Pacote de Maldades 3” anunciado ontem (3) pelo governador Beto Richa (PSDB). Ao todo, o tucano divulgou 18 pontos para “reaquecer” a economia paranaense.

Dentre as “bondades” repetidas pelo marketing do Palácio Iguaçu estão pagamento de dívidas atrasadas, programa nota fiscal paranaense, linhas de crédito do BRDE, Fomento e SEDU.

Com mais de 80% de reprovação nas pesquisas de opinião, o governador do PSDB teve a gênese do declínio político no estelionato eleitoral — “o melhor está por vir” — cantado em verso e prosa após a reeleição de 2014.

O pacote de notícias velhas com roupagem nova tenta driblar a realidade cruel do governo tucano, que arranca o couro dos trabalhadores e do setor produtivo do estado. A estratégia de tentar enrolar os mais desavisados pode transformar-se em um tiro no bico do tucano.

No “Pacote de Maldades 1”, aprovado em dezembro, Richa aumentou ICMS (50%), IPVA (40%); nos últimos meses, a tarifa da Copel subiu 70% e da Sanepar 20%; a tarifa de ônibus na rede metropolitana desintegrou e também subiu.

Já o “Pacote de Maldades 2” consistiu no confisco à força de R$ 8 bilhões da poupança previdenciária dos servidores públicos. O custo político foi alto: 213 pessoas covardemente feridas pela ação violenta da polícia e a popularidade do governador irrecuperável.

Este “Pacote de Maldades 3” tem a alma calcada na “antecipação de recebíveis”, algo em torno de R$ 6 bilhões (mais tarde o tema será dissecado pelo Garganta Profunda de Londrina), e na farra da propaganda. Muita propaganda, diga-se de passagem.

Entretanto, chama a atenção a trapalhada na estratégia dos marqueteiros pagos a peso de ouro. A repercussão dos factoides de ontem foi ofuscada pela notícia da PM sem viaturas e hoje, conforme registro no Blog do Esmael, o corte de comida para a Polícia Civil.

A antecipação do 13º salário só será possível graças ao sangue dos professores que correu o Centro Cívico no dia 29 de abril. O dinheiro é fruto de saques na poupança previdenciária, portanto, essa “bondade” é um “peido de véia” no meio desse novo pacotaço de maldade.

Compartilhe!

    requiao_lind_levyOs senadores Lindbergh Farias (PT-RJ) e Roberto Requião (PMDB-PR) serão algumas das estrelas amanhã (5), em Belo Horizonte, durante comício nacional pelo “Fora Levy” e por mudanças na política econômica do governo Dilma. O movimento também reivindica a instalação de uma Assembleia Constituinte Exclusiva para fazer uma reforma política no país.

    O Blog do Esmael, em parceria com a TV 15 e a TVT, a partir das 15 horas, vai transmitir o evento ao vivo para o Brasil e o mundo.

    “Ilustres banqueiros estão prontos a defender Levy, cortar investimentos em saúde, educação etc., desde que se mantenham juros altos?”, tuitou Requião na manhã desta sexta-feira (4), véspera do comício, antecipando qual será o tom do encontro na capital mineira.

    Os senadores carioca e paranaense não estão sozinhos nessa jornada pela mudança na economia, que, na opinião deles, seria a única “boia” capaz de resgatar o governo desse “mar”. Retirar o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, é apenas simbólico na luta por um projeto nacional e desenvolvimentista.

    “O que está em jogo é mais do que a disputa pelo bolo, entre mercado e atividade produtiva: é a própria estabilidade econômica e política”, analisa o jornalista Luís Nassif.

    O evento de amanhã, em BH, é a continuação de um movimento nacional iniciado semana passada em Curitiba. A Frente Nacional Popular e Democrática conta com a participação de militantes de movimentos populares, sindicais, da juventude, negros e negras, mulheres, LGBT, pastorais e partidos políticos, intelectuais, religiosos e artistas.

    Na capital paranaense a palavra de ordem também foi “Fora Levy” e mudança na política econômica (clique aqui para relembrar).

    Compartilhe!

      espcMenos de 24 horas depois de o governador Beto Richa (PSDB) anunciar um “pacote anticrise” — ou de maldades, parte 3, para os mais céticos — chega a informação ao Blog do Esmael que falta comida para os policiais civis em curso na Escola Superior da Polícia Civil (ESPC).

      Conforme comunicado publicado no site da própria Secretaria de Segurança Pública, os investigadores devem arcar com os materiais para o curso, que são o uniforme composto por calça preta (tática ou sarja), camiseta branca, calçado preto, calção preto, legging preta e jaqueta ou blusa preta; além de cinto, coldre universal, porta carregador, óculos de proteção, protetor auricular e colete balístico.

      Os problemas não param por aí. As aulas teóricas que antes eram ministradas por delegados de Polícia, agora são ministradas por videoconferência nas sedes do Detran em um convênio do Estado com a Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça (Senasp/MJ).

      Já as aulas práticas, que terão início na próxima quarta-feira, dia 9 de setembro, e incluem técnicas de abordagem e tiro, entre outras, serão ministradas na Escola Superior da Polícia Civil, em Curitiba.

      As aulas serão das 8h às 17h15 e não será fornecida alimentação aos investigadores. Eles terão que levar marmita ou sanduíches para suportar o dia todo estudando e treinando. Seria isso parte do programa de combate à fome e à pobreza anunciado ontem pelo governador do PSDB?

      Ou seja, o governo aumenta impostos, corta benefícios e confisca a aposentadoria dos servidores, sonega o reajuste anual previsto em lei, deixa faltar remédios de uso contínuo, sucateia as polícias com viaturas quebradas e sem combustível, e nem a alimentação pode bancar para que seus servidores tenham o mínimo de treinamento para lidar com a criminalidade e a segurança da população.

      Como acreditar no PAC (Plano de Aumento da Crina) tucano? “O melhor está por vir”, para quem cara-pálida?

      Compartilhe!

        da Agência Brasil

        Vice Michel Temer jura que não conspira contra Dilma, mas na TV que 'PMDB não tem medo da verdade que virá'; peemedebista voltou a dizer ontem que ‘ninguém resiste 3 anos e meio com esse índice de popularidade’, ao se referir ao governo; no meio desse tiroteio, falta ações concretas da presidenta da República, dentre as quais, a demissão imediata de Joaquim Levy e um “cavalo de pau” na economia e, o que é mais importante, escolher de que lado ela quer ficar: dos trabalhadores ou do capital especulativo.

        Vice Michel Temer jura que não conspira contra Dilma, mas na TV que ‘PMDB não tem medo da verdade que virá’; peemedebista voltou a dizer ontem que ‘ninguém resiste 3 anos e meio com esse índice de popularidade’, ao se referir ao governo; no meio desse tiroteio, falta ações concretas da presidenta da República, dentre as quais, a demissão imediata de Joaquim Levy e um “cavalo de pau” na economia e, o que é mais importante, escolher de que lado ela quer ficar: dos trabalhadores ou do capital especulativo.

        Ao participar de um debate promovido pelo Movimento Política Viva, na noite dessa quinta-feira (3), em São Paulo, o vice-presidente da República, Michel Temer, disse, ao ser indagado sobre a atual baixa popularidade do governo, que ninguém resiste três anos e meio com esse índice, de acordo com áudio, de parte do debate, desponibilizado pelo Portal G1.

        “Hoje, realmente o índice é muito baixo. Ninguém vai resistir três anos e meio com esse índice baixo. Muitas vezes, se a economia começar a melhorar, se a classe política colaborar, o índice acaba voltando ao patamar razoável”, afirmou.

        Temer disse ainda que não basta torcer para o índice de popularidade melhorar, é preciso trabalhar para isso. “O que nós precisamos não é torcer, é trabalhar para que nós possamos estabilizar essas relações. Se continuar assim, eu vou dizer a você, para continuar 7%, 8% de popularidade, de fato fica difícil passar três anos e meio”.

        Compartilhe!

          richa_recebiveisRecentemente, estupefato, o site Livre.Jor anotou que o governo do Paraná criara uma nova empresa denominada Companhia Paranaense de Securitização (PRSEC). Dentre os sócios consta Mauro Ricardo Costa, secretário Estado da Fazenda, interventor nacional do PSDB nas finanças do estado, cujo currículo invejaria até Al Capone.

          Ironicamente, a lei 18.468 que criou a PRSEC foi assinada dia 29 de abril — data do fatídico massacre de professores no Centro Cívico, onde 213 pessoas ficaram feridas durante luta contra o “Pacote de Maldades 2” que confiscou de R$ 8 bilhões da ParanáPrevidência.

          Pois bem, agora o governador Beto Richa (PSDB) lança “Pacote de Maldades 3” para acelerar o crescimento para baixo, como se o estado fosse uma crina de cavalo — que também cresce para baixo.

          Tal qual o médico legista que disseca o cadáver, o Blog do Esmael também vai dissecar esse novo “Pacote de Maldades 3” que busca ‘dinheiro fácil’ para retroalimentar a farra e a falta de planejamento do governo tucano (“choque de gestão”).

          Como o PAC tucano (Programa de Aceleração da Crina) não é autossustentável, em breve será necessário o “Pacote de Maldades 4” calcado e mais tarifaços e aumento de impostos.

          Volto à criação da PRSEC. A empresa tem como objetivo a “estruturação e implementação de operações que envolvam a emissão e distribuição de valores mobiliários, ou outra forma de obtenção de recursos junto ao mercado de capitais, lastreada em direitos creditórios de titularidade do Estado”.

          Ou seja, Mauro Ricardo Costa ganhou carta branca para realizar uma maracutaia chamada “securitização de recebíveis” que pode chegar a R$ 6 bilhões, mas o governo prevê arrecadar apenas R$ 1 bilhão.

          Funciona mais ou menos assim: Richa/Mauro Ricardo contratará um banco, por meio da PRSEC, visando estruturar esses créditos do tesouro estadual e por esse serviço pagará uma “comissão” para antecipar esse dinheiro ao estado do Paraná. Ações da Copel e da Sanepar seriam dadas como garantia na negociata. Na prática essas duas empresas símbolos passariam para controle privado, conforme já havia antecipado em maio o próprio secretário da Fazenda.

          Mais tarde, didaticamente, Garganta Profunda de Londrina, o nosso Julian Assange das Araucárias, ajudará nessa tarefa de dissecar o cadáver do “Pacote de Maldades 3” e especialmente a bilionária antecipação de recebíveis.

          Para quem não se lembra, o “Pacote de Maldades 2”, em fevereiro, confiscou a poupança previdenciária; o “Pacote de Maldades 1”, impôs os tarifaços e aumentou impostos como IPVA e ICMS.

          Compartilhe!
            Charge de Paixão para a Gazeta do Povo

            Charge de Paixão para a Gazeta do Povo

            Compartilhe!

              img_edg_8638Jornais do Paraná

              Gazeta do Povo: Contas no vermelho e incertezas põem em risco nota do Brasil de bom pagador

              Bem Paraná: Sul fuma metade do narguilé do País

              Jornal Metro: Richa anuncia medidas anticrise

              Jornal de Londrina: Superconcurso da Prefeitura espera 50 mil candidatos

              Folha de Londrina: Governo do Paraná lança pacote de ações ‘anticrise’

              O Diário (Maringá): Explosões em bancos crescem 28% no Paraná

              Diário dos Campos: Governo do Paraná anuncia pacote de ações anticrise

              Jornal da Manhã: Richa anuncia pacote de 18 medidas contra crise

              O Paraná: Pacote reduz impostos e estimula investimentos

              Jornal Hoje: Cai pela metade a procura pelo cadastro biométrico

              Gazeta do Iguaçu: Contribuintes envolvidos em fraudes no ITBI serão multados

              Diário do Noroeste: Indemil anuncia investimentos de R$ 100 mi

              Tribuna de Cianorte: Richa anuncia redução de imposto e cria fundo de combate à pobreza

              Umuarama Ilustrado: Construção civil em Umuarama não se abala com crise nacional

              Tribuna do Norte: Richa anuncia novo pacote de medidas contra crise

              Jornais de outros estados

              Globo: Temer diz que Dilma não resiste sem apoio popular

              Folha: Presidente recua do recuo e volta a defender superavit

              Estadão: Temer diz ser difícil Dilma resistir 3 anos sem apoio popular

              Correio Braziliense: Levy fica. Temer acha difícil Dilma ir até o fim

              Valor: Setor privado tenta manter Levy

              Estado de Minas: Trabalho vira cinzas

              Zero Hora: Planalto tenta garantir permanência de Levy

              Compartilhe!

                medicamentosNo afã de arrecadar cada vez mais e ‘gastar’ menos, o governador Beto Richa (PSDB) demonstrou que é capaz de medidas duras, mesmo atingindo os setores mais vulneráveis da sociedade. Foi assim no confisco da aposentadoria dos servidores e na redução do valor a ser pago imediatamente nas pequenas dívidas do estado.

                Mas quando a “economia” compromete a compra e o fornecimento de medicamentos e equipamentos para tratamento de doentes crônicos, o estado ultrapassa o limite da humanidade e não há crise que justifique esse tipo de austeridade.

                Pois é o que está acontecendo desde o começo do ano na Farmácia do Paraná, que é o programa do governo que tem por objetivo promover o acesso da população aos medicamentos. Pacientes de diversas regiões do Estado reclamam da falta constante ou recorrente de uma série de medicamentos e equipamentos essenciais para o tratamento de diversas enfermidades.

                É o caso de medicamentos como a Mesalazina, usado para doenças do intestino; a Galantamina, para o mal de Alzheimer; da Fluoxetina, para depressão; das tiras para medição da glicemia, essenciais para o controle da Diabetes; isso sem falar nas bombas para insulina, entre outros medicamentos e equipamentos.

                Segundo os pacientes que usam esses e outros medicamentos, o atraso no fornecimento nas Regionais de Saúde é comum, mas há alguns meses a falta dos itens passou a ser mais longa, de meses, obrigando os pacientes a adquirirem os remédios por conta própria, o que pode ser muito caro, muitas vezes inviável.

                Agora, se o governador Beto Richa quer mesmo economizar, por que não começa cortando parte do batalhão de funcionários comissionados, pelos conselhos das empresas públicas, pelos gastos com aeronaves, entre outros luxos do aparato governamental?

                E se a arrecadação está crescendo com os aumentos de impostos e de tarifas do estado, é mesmo necessário deixar os doentes sem remédios de uso contínuo e sem os equipamentos necessário para controlar suas enfermidades?

                Compartilhe!

                  Enquanto Doático distribuía panfletos em frente à PF, o chefe dele, Richa, degustava um leitão assado ao lado de auditores fiscais na Secretaria da Fazenda; como método, tucano utiliza mão de obra de ‘cibercomissionados’ para atacar adversários políticos no Paraná.

                  Enquanto Doático distribuía panfletos em frente à PF, o chefe dele, Richa, degustava um leitão assado ao lado de auditores fiscais na Secretaria da Fazenda; como método, tucano utiliza mão de obra de ‘cibercomissionados’ para atacar adversários políticos no Paraná.

                  A liderança do governo Beto Richa (PSDB) na Assembleia Legislativa reforçou, nesta quarta-feira (2), o protesto do “Pixuleco” contra o ex-presidente Lula e a presidenta Dilma em Curitiba.

                  Durante o horário do expediente, servidores que ocupam cargo de confiança na Assembleia Legislativa, mais precisamente na liderança do governo, foram vistos na manifestação em frente à Polícia Federal.

                  A denúncia do “Pixuleco” tucano partiu do deputado Requião Filho (PMDB), que hoje (3) pela manhã usou a tribuna da Assembleia para criticar “funcionários da Casa em manifestação de ódio durante o horário de expediente”.

                  Requião Filho mostrou uma foto publicada no Facebook do deputado federal Fernando Francischini (SD). Na imagem é possível identificar um desses funcionários da Assembleia, Doático Santos, lotado na liderança do governo.

                  Agora cabe uma observação do Blog do Esmael em relação ao ativista e militante Doático Santos. Ele é trabalhador, lutador, cumpridor de ordens. Não faz sentido caçá-lo. Tem que cassar o chefe dele, o governador Beto Richa (PSDB), que, enquanto Doático protestava, degustava ao lado de auditores fiscais um apetitoso leitão (não sei se vesgo) na Secretaria da Fazenda.

                  Assista ao vídeo:

                  Também não é novidade alguma para o leitor do Blog do Esmael que essas manifestações de ódio, que utilizam a Lava Jato para tal, são promovidas no Paraná pelo DEM, PSDB e PSC. Não é à toa que, por causa disso, Curitiba transformou-se de capital das ‘Diretas Já’ para ‘Capital do Ódio’ num lapso de apenas três décadas.

                  Os mesmos fascistas que promoviam ontem “carnaval fora de época” em frente ao prédio da Justiça Federal, em Curitiba, xingaram o deputado Tadeu Veneri (PT) de ladrão, comunista, dentre outras barbaridades. O parlamentares passava casualmente pelo local, após consulta médica.

                  Compartilhe!

                    financiamento_serraO Blog do Esmael publica abaixo o relatório da votação nominal no Projeto de Lei da Câmara (PLC 75/2015), ocorrida ontem à noite, no Senado Federal, que põe fim ao financiamento de pessoa jurídica aos partidos políticos e campanhas eleitorais.

                    O senador Roberto Requião (PMDB-PR), relator do texto, afirmou que essa proibição significa um “adeus ao pixuleco” e uma espécie de cláusula de barreira na corrupção.

                    Pelo relatório de votação, fica evidente que o PSDB firmou convicção pelo financiamento privado — ou seja, queria manter tudo como está — onde as empreiteiras e bancos deitam e rolam.

                    Os senadores tucanos votaram em peso a favor do “financiamento” eleitoral por empresas, ou como é conhecida, a favor da corrupção legalizada.

                    Leia a íntegra do relatório do Senado Federal: (mais…)

                    Compartilhe!

                      pedagio_receita_mauroDurou pouco mais de 24 horas a “triste” história contada pela Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR). Diferente do que informou a entidade em carta aberta, as empresas de pedágio são obrigadas SIM a fornecer nota fiscal para os usuários de rodovias delegadas a elas.

                      De acordo com a Receita Federal, na Instrução Normativa RFB nº 1.099, de 15 de dezembro de 2010, é obrigatória a emissão do cupom fiscal no momento da passagem do veículo e do pagamento do pedágio.

                      Cupom fiscal é equivalente à nota fiscal cuja função de ambos é controlar da carga tributária que é passada ao Estado. Portanto, a NÃO emissão da nota fiscal pelas pedageiras poderá levar à desconfiança de que há sonegação grossa nesse negócio.

                      O Dr. Mauro Ricardo Costa, como funcionário da Receita Federal, cedido para exercer a função de secretário de Estado da Fazenda, pode estar “prevaricando” se continuar exigindo a nota fiscal dos pequenos comerciantes ao mesmo tempo em que “afrouxa o sutiã” para as concessionárias de pedágio.

                      A polêmica surgiu devido ao vídeo publicado nas redes sociais, repercutido aqui no Blog do Esmael, em que o usuário exige a nota fiscal na praça de pedágio.

                      Segundo o senador Roberto Requião (PMDB), o vídeo viralizado na internet foi filmado pelo líder do governo Beto Richa (PSDB) na Assembleia, Luiz Cláudio Romanelli (PMDB), o mais famoso “fura-pedágio” do Paraná.

                      O Blog do Esmael mostrou ontem (2) que a cidade do Rio de Janeiro, por lei, obriga as pedageiras de fornecer o cupom fiscal desde março deste ano.

                      Assista ao vídeo:

                      A seguir, leia a íntegra da ‘Instrução Normativa da Receita Federal do Brasil’ sobre a obrigatoriedade da emissão de nota fiscal pelas concessionárias de pedágio: (mais…)

                      Compartilhe!

                        richa_pachecaoA União Paranaense dos Estudantes (UPE) realizará solenidade de posse da sua nova diretoria para o biênio de 2015-2017 no dia 5 de setembro, sábado, às 10h, no Casarão da entidade, em Curitiba.

                        A nova diretoria tem como presidente o estudante de Jornalismo da PUC, Bruno Pacheco, eleito no 45º Congresso da UPE, que terá a tarefa política de promover a campanha “Fora Beto Richa” entre os quase 500 mil universitários e a sociedade paranaense.

                        Pachecão, como é conhecido o dirigente estudantil, já mostrou as credenciais no final de junho quando deu uma “catracada geral” nos deputados durante discurso na tribuna da Assembleia Legislativa (clique aqui para relembrar).

                        O novo presidente da UPE é filiado ao PCdoB, da linha albanesa cujo líder principal no Paraná é Ricardo Gomyde. A diretoria também comporta gentes de outras agremiações partidárias como PT, PMDB, PDT e PSOL. Mas há na cúpula da entidade estudantes que não se organizam em juventudes de partidos políticos.

                        A nova diretoria da entidade também aponta uma série de desafios para a gestão, entre elas a defesa das universidades estaduais onde a situação é caótica. Pela primeira vez na história, todas as 7 instituições de ensino superior do estado permaneceram simultaneamente em greve, fruto não só dos ataques aos direitos dos servidores e professores, mas também pelo sucateamento dessas universidades, com os corte de verbas imposto pelo governador Beto Richa (PSDB).

                        A UPE planeja durante a gestão fortalecer a implementação do Plano Nacional de Educação (PNE) com a garantia dos 10% do PIB, além dos debates acerca do Plano Estadual (PEE) e dos Planos Municipais (PMEs), assegurando que as metas dessas leis estejam alinhadas com as discussões dos movimentos educacionais.

                        Serviço: Posse da nova diretoria da União Paranaense de Estudantes
                        Data: 5 de setembro, sábado, às 10h da manhã
                        Local: Casarão da UPE, R. João Manoel, 142 – São Francisco, Curitiba

                        Compartilhe!

                          Deputado Francischini Kid e seu pai, o Batman, se aliaram ontem (2) à oposição para derrotar o governo Beto Richa na CCJ da Assembleia Legislativa; tucano queria rebaixar o papel da Agepar na fiscalização das pedageiras, não deu, terá que engolir a OAB e o CREA no órgão que continuará deliberativo ao invés de consultivo – como planejava o Palácio Iguaçu.

                          Deputado Francischini Kid e seu pai, o Batman, se aliaram ontem (2) à oposição para derrotar o governo Beto Richa na CCJ da Assembleia Legislativa; tucano queria rebaixar o papel da Agepar na fiscalização das pedageiras, não deu, terá que engolir a OAB e o CREA no órgão que continuará deliberativo ao invés de consultivo – como planejava o Palácio Iguaçu.

                          Batman, o ex-secretário da Segurança, há coisa de duas semanas, eximiu-se da responsabilidade pelo massacre de professores no Centro Cívico, e afirmou que apontará o verdadeiro mandante daquela covardia que deixou 213 feridos.

                          Pois bem, ontem (2) o filho de Batman, o deputado estadual Francischini Kid (SD), apresentou emenda na CCJ da Assembleia acolhendo propostas da oposição sobre a configuração da Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Infraestrutura (Agepar).

                          O governo Beto Richa (PSDB) pretendia transformar o órgão de deliberativo para consultivo, ou seja, formalizando-o como um braço auxiliar do Palácio Iguaçu e, consequentemente, das concessionárias, que já cobram o ‘pedágio mais caro do mundo’ nestas plagas.

                          O relatório de Francischini Kid, aprovado por 5 votos favoráveis e 4 contrários, manteve a participação de membros do CREA e OAB no conselho da Agepar.

                          Batman e Francischini Kid, ao se aliarem à oposição, impuseram uma acachapante derrota ao governador Beto Richa.

                          Como diz o colunista deste blog, Reinaldo de Almeida César, agora só falta o Batman falar quem mandou massacrar os profes no dia 29 de abril. Fala, Francischini!

                          Compartilhe!

                            Deputado Péricles Mello, na CCJ da Assembleia, propõe que voto da comunidade universitária para escolha do reitor também seja "universal" no sistema "uma cabeça, um voto"; parlamentar afirma que regras para eleição de diretor de escola na rede pública do estado afronta a democracia porque o governo pode destituir o eleito a qualquer momento sob qualquer pretexto, inclusive o político; abaixo, assista ao vídeo com a intervenção do deputado do PT.

                            Deputado Péricles Mello, na CCJ da Assembleia, propõe que voto da comunidade universitária para escolha do reitor também seja “universal” no sistema “uma cabeça, um voto”; parlamentar afirma que regras para eleição de diretor de escola na rede pública do estado afronta a democracia porque o governo pode destituir o eleito a qualquer momento sob qualquer pretexto, inclusive o político; abaixo, assista ao vídeo com a intervenção do deputado do PT.

                            O deputado estadual Péricles de Mello (PT), único integrante da oposição na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, pediu vistas no projeto do governo (PL 631/2015) que altera a as regras para a eleição e gestão dos diretores das escolas públicas do Paraná.

                            Ao contrário de alguns professores e da APP-Sindicato, Péricles é a favor ao voto universal, sistema em que o voto de cada professor, funcionário, pai ou estudante tem o mesmo peso; em substituição ao atual sistema proporcional, que, para os educadores seria mais democrático. O parlamentar chegou a afirmar que vai pedir o apoio do governo para que o voto universal seja adotado também nas universidades, para as eleições de reitores. (mais…)

                            Compartilhe!
                              impostos

                              Em sua coluna semanal, o deputado Requião FIlho (PMDB) fala sobre os impostos e a política defendida por seu partido de desonerar os bens de consumo e cobrar sobre o que não é essencial. Segundo ele, o atual governo estadual do PSDB só pensa em aumentar impostos que “tiram o couro” dos paranaenses. Ele lembra que quando o estado foi governado pelos PMDB foram reduzidas as alíquotas de impostos de mais de 90 mil itens. Leia, ouça, comente e compartilhe.

                              Download

                              Requião Filho*

                              Senhores, esta é a verdadeira política tributária do PMDB-PR!

                              Nos dias de hoje vemos no Estado do Paraná a prática completamente inversa da adotada pelo PMDB quando este foi governo. Nos tempos em que o interesse público dominava o nosso estado, o PMDB, através da Mini-Reforma Tributária (2003/2010), desonerou ou reduziu alíquotas de ICMS de mais de 90 mil itens!

                              A lógica adotada pelo PMDB é simples: diminuir a tributação de bens essenciais (bens de consumo-salário) e manter ou aumentar daquilo que não é produto de primeira necessidade.

                              A população ganha e o Estado cresce!!!

                              Seguindo esta linha, o PMDB do Paraná por meio de seu Deputado Federal João Arruda, que relatou o projeto do Super Simples na Câmara Federal, advogou a favor do interesse público. Para estimular quem está gerando emprego em plena crise, a opção foi elevar os valores da receita bruta anual para enquadramento no regime tributário: de R$ 360 mil para R$ 900 mil (para microempresas) e de R$ 3,6 milhões para R$ 14,4 milhões (para pequenas empresas). Além dos pequenos e dos microempresários, a proposta não esquece do Microempreendedor Individual (MEI), prevendo a elevação do teto que passa de R$ 60 mil para R$ 72 mil. (mais…)

                              Compartilhe!
                                nani2

                                Charge de Nani para A Charge Online

                                Compartilhe!

                                  capaJornais do Paraná

                                  Gazeta do Povo: Nova fase de delação premiada ameaça políticos e autoridades

                                  Bem Paraná: Rodoviária de Curitiba deve ter o menos fluxo dos últimos 5 anos

                                  Jornal Metro: Dilma rejeita CPMF, mas não descarta novo imposto

                                  Folha de Londrina: Cotação do dólar supera barreira dos R$ 3,70

                                  O Diário (Maringá): Explosões em bancos crescem 28% no Paraná

                                  Diário dos Campos: Fecomércio investirá R$ 8 mil em obras na Estação Saudade

                                  Jornal da Manhã: Região fica sem perícias do INSS até ano que vem

                                  Tribuna do Interior: Cadastro biométrico começa em novembro na região

                                  O Paraná: Paraná é o 2° Estado com maior oferta de empregos

                                  Gazeta do Paraná: Dilma recua e governo vai ‘reavaliar’ orçamento

                                  Jornal Hoje: Dez carros são roubados ou furtados todos os dias

                                  Diário do Noroeste: Revendedores são convidados a explicar alto preço do gás de cozinha

                                  Tribuna de Cianorte: “Produção agrícola do Noroeste precisa crescer”, diz secretário

                                  Tribuna do Norte: Arapongas já emitiu 8.8 mil multas no trânsito em 2015

                                  Jornais de outros estados

                                  Globo: Brasileiro já reduz até gastos com alimentos

                                  Folha: Sem apoio, Levy coloca a permanência em dúvida

                                  Estadão: Dilma prepara novo tributo e promete rever Orçamento

                                  Correio Braziliense: A tragédia que desafia o mundo

                                  Valor: Crise e juros altos derrubam rentabilidade das empresas

                                  Estado de Minas: Sem emprego nem esperanças, sem aula, sem vida

                                  Zero Hora: Após sete aulas seguidas, juro básico para de subir

                                  Compartilhe!

                                    roberto_requiaoO senador Roberto Requião (PMDB-PR) informou ao Blog do Esmael, no início da noite desta quarta-feira (2), que o Senado derrubou o financiamento privado em campanhas eleitorais por 36 votos favoráveis a 31 contrários.

                                    “O pixuleco foi defenestrado pelo Senado, só o apoiaram o DEM e o PSDB”, comemorou Requião, que atribuiu a vitoriosa votação à “bagunça” que os “rebeldes” fizeram no plenário.

                                    O senador paranaense vinha colocando boa parte dos escândalos investigados na Lava Jato na conta do financiamento privado das campanhas eleitorais. Ele foi o relator do texto, no Senado, que acabou com as doações de pessoas jurídicas.

                                    Na prática o Senado reformou hoje a decisão da Câmara Federal, que no fim de maio aprovou a doação de empresas privadas a partidos políticos por 330 votos a favor, 141 votos contra e uma abstenção.

                                    Compartilhe!

                                      Na capital paranaense, carnaval e debate eleitoral foram antecipados; há bonecos e “pixulecos” para todos os gostos e cores nas ruas, como os que representam o governador tucano Beto Richa e o ex-presidente petista Lula (ambos vestidos de presidiários); no meio desse tiroteio e da intolerância fascista, sobrou até para o cordato deputado Tadeu Veneri.

                                      Na capital paranaense, carnaval e debate eleitoral foram antecipados; há bonecos e “pixulecos” para todos os gostos e cores nas ruas, como os que representam o governador tucano Beto Richa e o ex-presidente petista Lula (ambos vestidos de presidiários); no meio desse tiroteio e da intolerância fascista, sobrou até para o cordato deputado Tadeu Veneri.

                                      O deputado estadual Tadeu Veneri (PT), conhecido pelo compromisso com a coisa pública e pela cordialidade, foi covardemente atacado hoje (2) pela manhã em frente ao prédio da Justiça Federal, em Curitiba, por manifestantes de extrema-direita que promoviam “carnaval fora de época”.

                                      Os militantes ligados ao PSDB, PSC e DEM carregavam um boneco inflável gigante do ex-presidente Lula vestido de presidiário. Eles hostilizaram o parlamentar petista, que casualmente passava pelo local, passaram a xingá-lo de ladrão, comunista, dentre outras barbaridades.

                                      Veneri usou a tribuna da Assembleia nesta tarde para denunciar a agressão que recebeu de “senhoras” e “rapazes” da classe média alta. O deputado observou que esses manifestantes ensandecidos precisam de tratamento psiquiátrico.

                                      “Eu estava saindo da dermatologista, quando me chamaram no carro de som. Fui lá, mas não me deixaram falar. Começaram então a gritar ‘fora’, ‘ladrão’, ‘comunista'”, protestou o deputado que só aceita ser “xingado” de comunista.

                                      Os manifestantes que estavam em frente ao prédio da Justiça Federal são da mesma cepa daquele tucano que, pelo Twitter, ameaçou matar a presidenta Dilma Rousseff.

                                      Discussão política sim, intolerância não. Portanto, a solidariedade do Blog do Esmael com o deputado Tadeu Veneri e a todas as vítimas do fascismo político.

                                      Compartilhe!

                                        Enquanto no Rio é obrigatória a emissão da nota fiscal, nas 27 praças de pedágio do Paraná as concessionárias fornecem apenas um recibo; abaixo, leia a íntegra da lei carioca que obriga as pedageiras cederem a NF aos usuários.

                                        Enquanto no Rio é obrigatória a emissão da nota fiscal, nas 27 praças de pedágio do Paraná as concessionárias fornecem apenas um recibo; abaixo, leia a íntegra da lei carioca que obriga as pedageiras cederem a NF aos usuários.

                                        Um vídeo postado esta semana nas redes sociais em que um usuário de rodovia exige nota fiscal na praça de pedágio, reproduzido aqui no Blog do Esmael, causou dor de barriga nas concessionárias.

                                        As pedageiras correram para explicar que não é preciso a nota fiscal devido ao tipo de serviço que oferecem, no entanto, a cidade do Rio de Janeiro as obriga por lei a fornecer o cupom fiscal desde março deste ano.

                                        “Ficam obrigadas as concessionárias que administram pedágios a emitirem nota fiscal em vias de tráfego municipal, como rodovias, vias expressas, avenidas entre outras”, diz o artigo 1º da Lei nº 8.845, de 30 de março de 2015 — conforme o Diário Oficial (clique aqui).

                                        No Paraná, onde se cobra o pedágio mais caro do mundo, as concessionárias fornecem apenas um recibo nas 27 praças de cobrança existentes. Aqui, o poder público “afrouxa a tanga” para as concessionárias.

                                        O Blog do Esmael consultou um advogado tributarista acerca da polêmica. Sem identificar-se, ele afirmou que a nota fiscal só faz sentido em caso de fiscalização do poder público. “Mas há outras formas de fazer esse controle”, ressalvou.

                                        Em nota, a Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR) contestou vídeos na internet que sugerem que os usuários teriam o direito de passar no pedágio sem pagar por não receberem nota fiscal.

                                        “É importante esclarecer que a nota fiscal é para venda de mercadorias em geral e serviços de comunicação, transporte intermunicipal e fornecimento de energia, atividades de pagamento do ICMS (imposto Estadual), o que não é caso do pedágio, categoria de prestação de serviço que paga ISS (imposto municipal). De acordo com legislação da Receita Federal, as concessionárias devem emitir recibos do pagamento, que servem para todos os fins necessários de comprovação de pagamento”, asseguram as empresas de pedágio.

                                        A seguir, leia a íntegra da lei carioca que obriga nota fiscal nas praças de pedágio e a nota de esclarecimento das concessionárias filiadas à ABCR: (mais…)

                                        Compartilhe!
                                          Copyright © 2009 Esmael Morais. Todos os direitos reservados.