pesquisa_moro_2018O instituto Paraná Pesquisas, de Murilo Hidalgo, a pedido do jornal Gazeta do Povo, fulminou o sonho presidencial do juiz federal Sérgio Moro, comandante-em-chefe da operação Lava Jato.

Segundo números divulgados pelo jornalão nesta terça-feira (1º), apenas 17% dos brasileiros sabem que o juiz paranaense é quem conduz os processos da Lava Jato ante 82% que desconhecem esse fato.

Recentemente, o Blog do Esmael sondou os leitores com o nome de Moro na disputa presidencial. O juiz venceu a enquete com 33% da preferência dos 23 mil votantes únicos (clique aqui).

A pesquisa encomendada pela Gazeta do Povo afirma que a maioria das pessoas conhece e considera positivas as investigações.

A Paraná Pesquisas entrevistou 2.060 eleitores maiores de 16 anos em 154 municípios brasileiros, distribuídos em 23 estados, entre os dias 24 e 27 de agosto. A margem de erro é de 2%.

A seguir, leia a íntegra do levantamento da Paraná Pesquisas: (mais…)

Compartilhe!

    do Brasil 247

    lula_midiaNum texto postado em sua página no Facebook, o ex-presidente Lula se colocou como vítima da excessiva concentração da mídia no Brasil. “Quando você vê uma notícia em vários lugares, tem certeza de que não são todos o mesmo?”, questionou Lula, em sua página no Facebook, ao se referir ao modo como a denúncia de Época, sobre a construção do Porto de Mariel, em Cuba, foi repercutida em outros programas e veículos da Globo, como Jornal Nacional, jornal O Globo e CBN, por exemplo.

    Em paralelo, um professor da Universidade de Brasília, Venício Lima, pretende usar o ranking de bilionários da revista Forbes, para defender a democratização dos meios de comunicação.

    Leia, abaixo, nota do Instituto Lula:

    Organizações Globo inflam pretensa denúncia contra Lula (mais…)

    Compartilhe!
      Em sua coluna semanal, 0 advogado e especialista em trânsito Marcelo Araújo fala sobre a existência de "ranking" de autuações na Secretaria de Trânsito de Curitiba, o que para ele é pior que cotas ou metas, pois estimularia a competitividade ente os agentes. Isso sem falar que os agentes fazem blitzes sem material de proteção nem treinamento. Leia, ouça, comente e compartilhe.

      Em sua coluna semanal, 0 advogado e especialista em trânsito Marcelo Araújo fala sobre a existência de “ranking” de autuações na Secretaria de Trânsito de Curitiba, o que para ele é pior que cotas ou metas, pois estimularia a competitividade ente os agentes. Isso sem falar que os agentes fazem blitzes sem material de proteção nem treinamento. Leia, ouça, comente e compartilhe.

      Download

      Marcelo Araújo*

      Dia desses na Boca Maldita dois senhores travavam um acalorado debate sobre o ‘impeachment’, da presidenta, do governador e até do nosso prefeito. Mas, um deles questionou o que o prefeito havia feito. O outro respondeu: NADA! A prática delitiva comissiva se responde pelo que fez. Na omissiva pelo que não fez. Mas a comissiva por omissão é quando se responde pelo resultado (como se tivesse feito, e não pela mera omissão) por ter o dever de fazer. Pela tese do nosso prefeito, já muito falada, leva vantagem quem não se envolver em escândalos, então melhor é não fazer NADA!

      Como todos sabem, fui acusado de difamar a prefeitura pela secretária de trânsito porque teria supostamente dito que haveria cotas de autuações. Jamais falei em cotas ou metas. Aliás, quando se estabelecem cotas ou metas é estabelecido um teto, um limite a ser alcançado, e atingido esse limite não haveria mais necessidade de buscar mais resultado, salvo na teoria da nossa presidenta, que mesmo não tendo meta, quando atingida, irá dobrá-la!

      O estímulo à competitividade, sem metas nem cotas, portanto sem limites, tem melhor resultado quando é feito um ranking, uma planilha de resultados. Isso vale para competição esportiva, para emagrecimento, para estudos, etc. (mais…)

      Compartilhe!
        massacre

        Em sua coluna semanal, o deputado federal e presidente estadual do PT, Enio Verri, fala da passagem de quatro meses desde o massacre promovido pelo governo do estado contra os professores e servidores estaduais no Centro Cívico em Curitiba. A data que foi lembrada no sábado (29) em uma manifestação na Capital é um evento triste na história do Paraná e não deve ser esquecida. Leia, comente e compartilhe. 

        Enio Verri*

        O massacre do governo Beto Richa (PSDB) contra os professores completou no último sábado, 29 de agosto, quatro meses. A data foi lembrada em um ato que reuniu 2 mil trabalhadores da educação na Avenida Cândido de Abreu, em frente à Assembleia Legislativa e ao Palácio Iguaçu, palco da ação que deixou 213 trabalhadores da educação feridos.

        A violência e força desproporcional da Polícia Militar, que despejou por mais de duas horas um arsenal de balas de borracha, granadas de efeito moral, bombas de gás lacrimogêneo e sprays de pimenta contra professores que se manifestavam de forma pacífica contra a mudança na previdência do funcionalismo aconteceu sob ordens diretas da Secretaria de Segurança Pública e anuência do governador.

        As imagens da barbárie protagonizada pela dupla chocaram o Brasil e o mundo. A responsabilidade Beto Richa no massacre é cristalina e foi materializada na denúncia do Ministério Público do Paraná, que acusou formalmente o governador de improbidade administrativa por ter se omitido e não ter impedido a ação da PM. De acordo com o MP, ninguém no governo do Paraná “ousaria” realizar a ação sem respaldo político e administrativo do governador tucano.

        Da mesma forma, o MP indicou que Francischini foi o articulador político e operacional do massacre, estando à frente das principais decisões e fornecendo todo o suporte financeiro e administrativo para o massacre. (mais…)

        Compartilhe!
          Charge de Mariano para A Charge Online

          Charge de Mariano para A Charge Online

          Compartilhe!

            capaJornais do Paraná

            Gazeta do Povo: Governo usa déficit nas contas para “convencer” o Congresso

            Bem Paraná: Polícia antecipa operação que mira fogos de artifício

            Jornal Metro: A CPI do silêncio

            Jornal de Londrina: Violência no trânsito dispara e mata 48 em seis meses

            Folha de Londrina: Governo prevê orçamento com deficit de R$ 30,5 bilhões

            O Diário (Maringá): Município descarta reduzir idade de corte para o 1° ano

            Diário dos Campos: Projeto Rua da Estação pretende revitalizar centro histórico de PG

            Jornal da Manhã: Projeto transforma a Estação Saudade em Centro Cultural

            O Paraná: Municípios vão bancar o Consamu por mais 30 dias

            Gazeta do Paraná: Com mínimo de R$ 865,50, Levy pede ‘ponte para 2016’

            Jornal Hoje: Número de homicídios é o menos em seis anos

            Gazeta do Iguaçu: Vereador quer criar o orçamento impositivo

            Diário do Noroeste: Preço do gás de botijão sobe 15%

            Tribuna de Cianorte: Em um ano, Amenorte ganha mais de 10 mil habitantes, aponta IBGE

            Umuarama Ilustrado: Carreta com etanol tomba, pega fogo e assusta moradores de Umuarama

            Tribuna do Norte: Projeto de iniciativa popular com 7 mil assinaturas pede 11 vereadores

            Jornais de outros estados

            Globo: Governo eleva impostos, mas não evita rombo

            Folha: Governo prevê deficit de R$ 31 bilhões e aumento de tributos

            Estadão: Déficit faz Dilma buscar apoio para elevar impostos

            Correio Braziliense: Uma encrenca de R$ 30,5 bilhões

            Valor: Governo prevê aumento de gasto e alarma mercado

            Estado de Minas: Nem prevenção, nem punição

            Zero Hora: Campo livre para o álcool

            Compartilhe!

              whatsapp_cachacaO k-suco vai ferver esta noite no Alto da Glória, dia de “clássico” entre a bancada do WhatsApp e a bancada da cachaça.

              Um grupo é formado por vereadores que tenta aprovar na Câmara “marvada” nos estádios de futebol; outro, gosta de dar sabugadas nas redes sociais utilizando o WhatsApp.

              Os dois temas e grupos se “interlaçam” — junto e misturado — no Coritiba.

              Será que essa confusão no Conselho Deliberativo vai terminar em cachaça?

              Compartilhe!

                da Agência Senado

                salario_orcamento2016Salário mínimo de R$ 865,50, crescimento econômico perto do zero e déficit orçamentário de R$ 30 bilhões. Esses são alguns dos principais destaques do projeto do Orçamento de 2016, entregue pelos ministros do Planejamento, Nelson Barbosa, e da Fazenda, Joaquim Levy, ao presidente do Senado, Renan Calheiros, na tarde desta segunda-feira (31) — último dia do prazo para envio do Orçamento da União ao Congresso.

                O documento apresenta as expectativas de arrecadação e a fixação de quanto o governo vai gastar em cada área. Previsões sobre o produto interno bruto (PIB) e inflação também constam do texto. Na visão de Renan, o orçamento deficitário revela uma mudança de atitude do governo, que elaborou um orçamento “verdadeiro” e “realista”. Renan pediu entendimento em torno de uma agenda suprapartidária, que preserve o interesse nacional, para enfrentar a situação fiscal do país. (mais…)

                Compartilhe!

                  fruet_arns_richaO ex-vice-governador e ex-secretário da Educação, Flávio Arns, foi “lançado” pelo PSDB, oficialmente, nesta segunda-feira (31), à Prefeitura de Curitiba nas eleições de 2016.

                  “Curitiba precisa ser dinâmica, forte, justa e sem bolsões de pobreza”, disse Arns ao site do PSDB.

                  O atual secretário estadual de Assuntos Estratégicos era muito criticado na Educação pelo “ritmo Caymmi”, isto é, quase parando. O estilão do tucano é muito parecido com o do atual prefeito Gustavo Fruet (PDT), que vai à reeleição.

                  Há, porém, quem acredite que o “lançamento” de Arns é para garantir uma vice na chapa de Ratinho Júnior (PSC), de Luciano Ducci (PSB) ou do próprio Fruet, que é um ex-tucano.

                  O principal “eleitor” desse grupo político é o governador Beto Richa (PSDB).

                  Compartilhe!

                    cvale

                    O governador Beto Richa (PSDB) já demonstrou de várias maneiras, por ações ou omissões, que sua administração não está voltada a atender a maioria da população. Essa opção ficou clara mais uma vez na semana passada quando a Polícia Militar promoveu uma ação na entrada da Cooperativa Cvale, no município de Palotina.

                    Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Cooperativas Agrícolas de Palotina (Sintrascoopa), Mauri Viana, no dia 24, segunda-feira, a Polícia Militar, com grande contingente e fortemente armada, escoltou os ônibus dos trabalhadores da Cooperativa com soldados fortemente armados e apressou sua entrada na empresa, com a nítida intenção de barrar qualquer ação do Sindicato.

                    Os trabalhadores haviam decidido e comunicado que começariam uma greve naquele dia, mas depois resolveram suspender a paralisação, mesmo assim a PM manteve a operação. Ou seja, o movimento grevista virou “caso de polícia” — uma entidade pública que agiu para favorecer um negócio privado.

                    Segundo Mauri Viana, a ordem da operação partiu do secretário da Casa Civil, Eduardo Sciarra (PSD), que seria “bancado” política e financeiramente pelas cooperativas agrícolas. O dirigente sindical não economizou adjetivos para Richa, que é chamado de “moleque”, “preguiçoso”, etc.

                    Confira o vídeo com a entrevista do sindicalista Mauri Viana:

                    Mas o pior disso tudo é que não foram somente as administrações das cooperativas, ou os produtores cooperados que apoiaram a reeleição de Beto Richa. O tucano contou com o grosso dos votos dos trabalhadores, que são obviamente a maioria, para vencer a eleição ainda no primeiro turno no ano passado.

                    Em abril do ano passado, o governador participou do 15º Congresso dos Trabalhadores em Cooperativas do Paraná, onde discursou para cerca de 3 mil delegados ao evento da Federação dos Trabalhadores em Cooperativas no Estado do Paraná (Fetracoop).

                    Ele podia lembrar disso e deixar os trabalhadores e sindicatos exercerem o seu direito de greve em vez de enviar a polícia para se meter onde não deve.

                    O Sintrascoopa tem cerca de 11 mil trabalhadores na base com engloba os municípios de Palotina, Assis Chatobriand e Marechal Cândido Rondon. As principais cooperativas situadas na base do Sindicato são, além da CVale, a Cotriguacu, Frimesa e Copagril.

                    Os trabalhadores podem retomar a greve a partir do dia 08 de setembro, mas antes vão buscar garantias de que o governo do estado não exceda o seu papel agindo a favor dos patrões.

                    Com informações do Sintrascoopa.

                    Compartilhe!

                      oas_fruetO prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), poderá sofrer constrangimentos na Câmara Federal. Deputados articulam a presença do pedetista numa das CPIs instalada na Casa.

                      A empreiteira OAS, por exemplo, com R$ 500 mil, foi a maior doadora oculta na campanha de 2012 por meio do diretório estadual do PDT.

                      Além da empreiteira, que é investigada pela Lava Jato, o PT foi o principal financiador da campanha do pedetista, segundo o site do TSE, com R$ 2,6 milhões.

                      Compartilhe!

                        A Assembleia Legislativa do Paraná retoma nesta segunda-feira (31) a discussão de várias sacanagens enviadas pelo governo Beto Richa (PSDB), dentre as quais o fim da eleição para diretor nas 2,1 mil escolas da rede pública do estado (clique aqui para saber mais).

                        O Blog do Esmael, em parceria com a TV 15, vai transmitir ao vivo a sessão de hoje para o Brasil e o mundo com reportagem de César Setti.

                        Além do golpe na democracia das escolas, a ideia é repercutir a manifestação dos educadores, no sábado (29), dos quatro meses do massacre no Centro Cívico; o isolamento do governador tucano na questão da prorrogação dos contratos de pedágio; e a estratégia de defesa do lobista Luiz Abi Antoun, que arrolou deputados e secretários do governo do primo, como Ratinho Junior (PSC), na bronca da Receita Estadual (Operação Publicano). (mais…)

                        Compartilhe!

                          da Agência Brasil

                          petrobras_dirceuConvocado pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, preso na 17ª fase da Operação Lava Jato, foi o primeiro a ser ouvido hoje (31), na série de depoimentos que a comissão marcou para esta semana em Curitiba, onde se concentram as investigações.

                          Orientado por seus advogados, Dirceu não respondeu às perguntas feitas pelos membros da comissão. O ex-ministro está preso desde o último dia 3, na carceragem da Polícia Federal (PF), na capital paranaense, acusado pelo Ministério Público Federal de comandar esquema de superfaturamento de contratos da Petrobras. O representante no Brasil da empresa italiana Saipem, João Antonio Bernardi Filho, segundo a prestar depoimento, também permaneceu em silêncio. (mais…)

                          Compartilhe!

                            do Brasil 247
                            dilma_bolsa_dolarOs investidores temem piora do quadro fiscal e já trabalham com a hipótese de o Brasil vir a ser rebaixado pelas agências internacionais de risco após a desistência do governo de criar uma contribuição nos moldes da CMPF.

                            A volta da cobrança do tributo daria uma arrecadação líquida de R$ 68 bilhões ao governo. Sem o imposto, que sofreu dura resistência de vários setores, o governo decidiu enviar ao Congresso, pela primeira vez, uma proposta de Lei Orçamentária com previsão de déficit em 2016.

                            À espera do orçamento, o dólar abriu em alta nesta segunda-feira 31. Às 10h10, a moeda norte-americana era cotada a R$ 3,65. Enquanto isso, o Ibovespa abriu o pregão em forte queda: às 10h17, registrava perdas de 2,40%.

                            Compartilhe!

                              OAB-PR vai para cima de vereadores, sobretudo dos pequenos municípios, mas “afrouxa a tanga” para a magistratura que promove farra de auxílio disso e daquilo; autarquia dos advogados coloca-se ainda contra mais recursos para a saúde e controle de sonegadores por meio da recriação da CMPF, além de concordar com a eliminação da presunção da inocência de réus; ou seja, outrora progressista, a seccional paranaense flerta agora com o conservadorismo; não seria hora de mudar?

                              OAB-PR vai para cima de vereadores, sobretudo dos pequenos municípios, mas “afrouxa a tanga” para a magistratura que promove farra de auxílio disso e daquilo; autarquia dos advogados coloca-se ainda contra mais recursos para a saúde e controle de sonegadores por meio da recriação da CMPF, além de concordar com a eliminação da presunção da inocência de réus; ou seja, outrora progressista, a seccional paranaense flerta agora com o conservadorismo; não seria hora de mudar?

                              A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), seccional Paraná, curiosamente, andou para trás nos últimos no que se refere a posturas políticas. Outrora voz progressista, a entidade agora faz coro com o conservadorismo e o “senso comum” do atraso arrotado pela velha mídia.

                              No último fim de semana, em Londrina, a OAB reuniu o VI Colégio de Presidentes da gestão 2013/2015. Além de voltar-se a questões umbilicais, dentre as quais a autarquia federal aprovou em nota as seguintes posições retrógradas:

                              “8. Manifestam-se no sentido da necessidade de licenciamento do deputado Eduardo Cunha do cargo de Presidente da Câmara dos Deputados caso venha a ser recebida no STF a denúncia formulada pelo Ministério Público, pela prática de corrupção, bem como entendem necessário o licenciamento das autoridades públicas que tenham denúncias recebidas pelo Poder Judiciário, por crimes que possam afetar a livre condução de sua função.

                              9. Apoiam as manifestações da sociedade civil organizada em prol da redução do valor do subsídio dos Vereadores Municipais a níveis economicamente aceitáveis, bem como reforçam o desejo de economia financeira em todas as esferas de Poder.

                              10. Repudiam veementemente qualquer proposta legislativa tendente ao aumento das alíquotas de ITCMD pelo Governo do Estado do Paraná, bem como a recriação da CPMF pelo Governo Federal ou de qualquer outro tributo que venha a onerar o contribuinte e a classe produtiva, porquanto a sociedade brasileira não suporta mais o aumento da carga tributária e exige dos governantes propostas efetivas de redução dos gastos públicos.”

                              O diabo é que os advogados paranaenses querem o afastamento do presidente Câmara, Eduardo Cunha, antes mesmo de uma condenação “transitado em julgado”, ou seja, sem mesmo uma sentença final. A OAB joga por terra a presunção da inocência e abre precedente perigoso para que o Ministério Público inicie processo inquisitório no país.

                              O colegiado dos presidentes da OAB-PR manifesta-se ainda pela redução do salários nas câmara de vereadores, mas não teve coragem de opinar sobre os supersalários na magistratura e a farra dos auxílios-moradia da vida.

                              A OAB-PR também se colocou contra a recriação da CMPF, o único imposto que não daria para sonegar. O dinheiro (R$ 85 bilhões) seria destinado à saúde pública. A postura da seccional neste tema, curiosamente, é a mesma do PSDB. Será que a entidade tucanou de vez?

                              Em março passado, a mesma OAB-PR emitiu nota e pagou anúncio defendendo manifestação favorável ao golpe contra o mandato da presidenta Dilma Rousseff.

                              Em tempo de neofascismo, a pauta da OAB-PR é uma temeridade democrática.

                              Compartilhe!
                                gleisi_mulheres

                                A senadora Gleisi Hoffmann (PT), na sua coluna desta semana, fala da participação das mulheres no parlamento brasileiro e da proposta de emenda à Constituição (PEC) que estabelece uma reserva de cadeiras para as mulheres. Segundo Gleisi, a participação faminina na política e demais espaços de poder vem crescendo de maneira muito lenta no Brasil e apesar das mulheres serem maioria da população, ainda são muito discriminadas e tem pouco poder de decisão. Leia, ouça, comente e compartilhe. 

                                Download

                                Gleisi Hoffmann*

                                O Senado Federal vem enfrentando este debate no bojo da reforma política e nesta semana votamos, em primeiro turno, a proposta de emenda à Constituição (PEC) que reserva nas cadeiras da Câmara dos Deputados, Assembleias Legislativas, Câmara Legislativa do Distrito Federal e Câmaras Municipais, percentual mínimo de vagas para ser ocupado por representação feminina. Essa ação afirmativa será temporária, variando em 10% das cadeiras na primeira legislatura após a homologação da PEC, 12% das cadeiras na segunda legislatura e 16% na terceira.

                                O crescimento da participação das mulheres nos parlamentos brasileiros tem se dado por um processo lento e gradual, com avanços, mas com muita injustiça já que as mulheres representam 51,3% da população brasileira.

                                Somos a maioria da população, mas a nossa baixa representatividade numérica nas instâncias decisórias da política enfrenta discriminação e resistência até mesmo no inconsciente coletivo. (mais…)

                                Compartilhe!
                                  estagnada

                                  Em sua coluna semanal, o deputado estadual Luiz Cláudio Romanelli (PMDB) sustenta que nossa capital, Curitiba, está estagnada no que diz respeito ao urbanismo e à administração pública. Romanelli põe parte da responsabilidade desta estagnação no atual prefeito, Gustavo Fruet (PDT), que não estaria conseguindo se impor como administrador municipal, e compara o mandato de Gustavo com o de seu pai, Maurício Fruet, sempre tão lembrado com saudades pelos curitibanos pelo governo renovador que fez como primeiro prefeito depois da ditadura militar. Leia, ouça, comente e compartilhe. 

                                  Download

                                  Luiz Cláudio Romanelli*

                                  Apesar de ter nascido em Londrina e representar em especial a região do Norte Pioneiro na Assembleia, sempre tenho um especial carinho quando falo sobre Curitiba. Afinal, esta é a cidade que me acolheu, me deu muitas oportunidades, pessoais e profissionais, é onde vivo com meus filhos. Em Curitiba iniciei a minha vida pública, tendo sido vereador na década de 1990.

                                  Por isso, assim como muitos curitibanos, tenho acompanhado com preocupação e de certa forma até tristeza, o que a cidade tem passado nos últimos anos. Parece repetitivo o que vou falar, mas o fato é que temos visto a estagnação da cidade. Seja de novas ideias ao sufoco no atendimento dos serviços públicos. Nunca tantas pessoas moraram nas ruas da cidade. Até nas coisas simples, como a limpeza das ruas, praças e parques, que sempre foram referência, a cidade parece abandonada.

                                  Muitos podem se perguntar quem é o culpado. Eu, particularmente, acredito que o prefeito Gustavo Fruet (PDT) tem sim boa parte da responsabilidade. Já outros podem colocá-la na situação econômica e política do país. Porém, ao mesmo tempo que penso sobre isso, lembro de uma das maiores figuras públicas que conheci: o Maurício Fruet, pai de Gustavo e primeiro prefeito de Curitiba após a ditadura militar.

                                  Quem, assim como, eu conheceu o Maurício e fez parte de sua equipe, tem saudades. Uma pessoa admirável, que cativava os amigos e tratava de forma séria a coisa pública. Neste domingo, 30 de agosto, completaram-se 17 anos desde que ele nos deixou. (mais…)

                                  Compartilhe!
                                    Charge de Duke para O Tempo (MG)

                                    Charge de Duke para O Tempo (MG)

                                    Compartilhe!

                                      tn_338_600_GPL150831_C050_01C_ASN_GJornais do Paraná

                                      Gazeta do Povo: Pauta do STF inclui decisões que podem mudar o cotidiano dos brasileiros

                                      Bem Paraná: Curitiba vira o centro de uma revolução “vegetariana e vegana”

                                      Jornal Metro: Sem gols/3 x 0

                                      Jornal de Londrina: Redução de salários em câmaras abre brechas

                                      Folha de Londrina: Movimento quer garantir que ferrovia passe por Londrina

                                      Jornais de outros estados

                                      Globo: Governo pressiona Congresso com Orçamento deficitário

                                      Folha: Dilma envia Orçamento ao Congresso com déficit

                                      Estadão: Sem CPMF, governo envia orçamento com déficit

                                      Correio Braziliense: Cardozo rebate crítica de Gilmar ao governo

                                      Valor: Dólar caro, estimula onda de fechamento de capital

                                      Estado de Minas: Até pesquisa de emprego está sem emprego

                                      Zero Hora: R$ 660 na conta e greve

                                      Compartilhe!

                                        dilma_requiaoO senador paranaense Roberto Requião, em entrevista ao Blog do Esmael, neste domingo (30), afirmou que vai disputar a presidência nacional do PMDB, provavelmente em novembro, contra a “estupidez” do rompimento do partido com a presidenta Dilma Rousseff e o PT.

                                        Um dos mais ácidos críticos da política econômica do governo, Requião adiantou que colocará na mesa de discussão um projeto nacional de desenvolvimento. “Não é um projeto alternativo porque não há um projeto de nação em andamento no país”, considerou.

                                        No entanto, Requião apresentar-se-á na disputa do PMDB nacional em contraponto a enigmáticas figuras como o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (RJ), do Senado, Renan Calheiro (AL), e Geddel Vieira Lima, do diretório estadual da Bahia. Os três políticos defendem o afastamento dos peemedebistas de Dilma e do PT.

                                        “Eu não conversei ainda com Michel Temer — o vice-presidente da República — sobre essa questão, mas o rompimento político do PMDB seria uma ‘estupidez’ sem precedentes. O partido tem que apresentar uma proposta de nação”, disse o senador Requião ao Blog do Esmael.

                                        Na última sexta-feira (28), em Curitiba, Requião liderou o lançamento nacional de uma Frente Popular e Democrática que prega mudanças na política econômica. O movimento suprapartidário serve à estratégia de empurrar o governo Dilma à esquerda dos acontecimentos recentes.

                                        Compartilhe!
                                          Copyright © 2009 Esmael Morais. Todos os direitos reservados.