mac_carros.jpg

Ricardo Mac Donald*

Curitiba é apresentada como a cidade que possui o maior número de veículos por habitante no Brasil, com uma população de 1.850.000 habitantes para uma frota, de 1.340.000 veículos, registrada no Detran.

A cada ano, cerca de 40 mil veículos novos são despejados nas ruas da nossa cidade. As previsões apontam que, em 2020, seremos 1,1 habitante para cada veículo. Hoje, se enfileirássemos toda a frota, num mesmo momento, ocuparíamos todos os 4.600km de vias públicas da cidade.

Conversando sobre esses dados com o Embaixador da Suécia durante um evento da Volvo, na semana passada, ele tomou um susto, pois Curitiba é reconhecida lá fora pelo ótimo transporte público. Entende, ainda, que essa situação inviabilizará a cidade num futuro próximo. E vejam, eu não disse a ele que já somos mais de 1 milhão de motoristas habilitados.

Como esse tema vem amadurecendo na Administração desde o começo do ano, Curitiba sediará um evento denominado “Seminário Internacional sobre o Automóvel e a Cidade”, organizado pela Associação Comercial do Paraná, Universidade Positivo, Renault, RPC e Prefeitura.

Estamos convidando especialistas da França, Itália, Portugal, países da América Latina, bem como a prata da casa para debater e apresentar propostas sobre as melhores maneiras de enfrentar essa situação ameaçadora.

O Seminário será nos dias 9 e 10 de abril de 2015, no Parque Barigui, com a participação de prefeitos, comunidade acadêmica, entidades de classe, autoridades de trânsito, entre outras.

Voltaremos ao tema, e todas as sugestões serão bem vindas.

*Ricardo Mac Donald Ghisi é advogado, secretário Municipal de Governo de Curitiba. Escreve às sextas no Blog do Esmael.

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS
Charge de Aroeira para o Brasil Econômico

Charge de Aroeira para o Brasil Econômico

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

capa_20141031 (1)Jornais do Paraná

Gazeta do Povo: Polícia Federal apura suspeita de desvio de R$ 36 milhões da Repar

Bem Paraná: Outubro vermelho para as mulheres da região de Curitiba

Jornal Metro: Multas de trânsito sobem até 900%

Jornal de Londrina: Distorção de salário é maior entre mulheres qualificadas

Folha de Londrina: Aumento dos juros sinaliza mudança nos rumos da economia

O Diário (Maringá): “A gente chora o tempo todo”

Diário dos Campos: Comissionados custam mais de R$ 1,1 mi por mês à prefeitura

Jornal da Manhã: PG abre 1 mil vagas temporárias

O Paraná: Dois meses após nomeação, delegados já pedem remoção

Gazeta do Paraná: Após festa da reeleição, Dilma tem semana difícil

Jornal Hoje: Com rede elétrica ultrapassada, aparelhos ficam encaixotados

Gazeta do Iguaçu: Paraná discute em Foz ações de segurança na fronteira

Diário do Noroeste: Decreto vai determinar corte nas despesas da prefeitura de Paranavaí

Tribuna de Cianorte: Mercado de flores artificiais movimenta comercio locar

Tribuna do Norte: Amauri vai à Justiça para não assumir iluminação

Jornais de outros estados

Globo: Amauri vai à Justiça para não assumir iluminação

Folha: Claro, Vivo e Oi fecham acordo para comprar TIM

Estadão: Bolsa sobe e dólar cai após BC elevar juros

Correio Braziliense: Uma bolada á espera de advogados do GDF

Valor: Movimento de elevação de juros deve continuar

Estado de Minas: Juros encarecem natal

Zero Hora: Podia cair e caiu

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

resultado_eleicao.jpgInconformada, a direita resolveu nesta quinta-feira (30) tentar o terceiro turno na eleição presidencial questionando a legitimidade da reeleição da presidenta Dilma Rousseff (PT). O PSDB nacional se prestou ao ridículo papel de bucha de canhão de golpista ao pedir “auditoria especial” na votação de domingo (26) junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

No sistema de urnas eletrônicas, não há como realizar recontagem de votos porque inexiste o comprovante impresso. É mais fácil o Saci-Pererê cruzar as pernas do que o TSE colocar em dúvida o processo iniciado por ele em 1996. Seria jogar 18 anos de trabalho na lata de lixo.

O tucano Aécio Neves não se conforma de ter perdido para Dilma por apenas 3,28 pontos porcentuais, o equivalente a 3,4 milhões de eleitores brasileiros. A eleição foi a mais apertada de toda a história. Ela vez 51,64% (54.501.118 votos). Ele conquistou 48,36% (51.041.155 votos).

No domingo, após o resultado do TSE, Aécio realizou pronunciamento reconhecendo a derrota — o que é praxe no jogo democrático. Agora volta atrás ao chancelar o movimento golpista do PSDB.

Setores da imprensa nacional também têm dificuldades em reconhecer a vitória do PT e de Dilma. Ora destilam ódio contra os nordestinos e nortistas, ora tentam restabelecer o cotidiano ao revelar as três tentativas de armação para eleger Aécio, seu candidato (clique aqui).

O PSDB apresenta fato concreto para questionar a legitimidade da reeleição de Dilma? Não. O partido simplesmente argumenta que “ouviu falar” nas redes sociais de supostas fraudes com urnas eletrônicas. Nada mais.

O pedido de “auditoria especial” não terá efeito prático no TSE, mas servirá como cavalo de batalha para a oposição contra Dilma e o PT. É uma manobra muito perigosa para o PSDB, que pode ser rotulado como golpista. O povo brasileiro tem tradição democrática, apesar dos arroubos da pequena burguesia que às vezes flerta com o fascismo.

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

richa_colegio.jpgO governador Beto Richa (PSDB) retirou da pauta da Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP), na segunda-feira (3), a mensagem nº 101/2014, que prorroga o mandato de diretores de escola até dezembro de 2015. O tucano se assustou depois dos embates desta quarta-feira (29) que culminaram com a queda da sessão por “falta de quórum”.

O plenário havia sido transformado em Comissão Geral, mas apenas 25 deputados registraram presença no painel eletrônico. Eram precisos metade mais um para validar a sessão, ou seja, 28 (clique aqui para relembrar).

Temendo o reteste da base no legislativo, Richa recuou do projeto que prorroga, mas manteve a suspensão “temporária” da eleição em 2,1 mil escolas da rede pública do Paraná. “É o maior ataque à democracia depois do fim da ditadura militar”, compara o deputado estadual eleito Requião Filho (PMDB).

O peemedebista atribui a retirada do projeto da pauta a mais uma vitória da comunidade escolar, mas vê a conquista da eleição direta para diretor sendo ameaçada. “Pode ser que não aconteça mais, por isso é fundamental que os educadores continuem mobilizados”, recomenda.

Se Richa “afrouxou o sutiã” em relação à pauta política, no caso a eleição de diretor, o mesmo não ocorreu com os projetos governamentais ligados à arrecadação. A sanha pelo dindin do governo do PSDB continua insaciável. Ele separou alhos de bugalhos, a matéria de política das de economia, para evitar novas surpresas e derrotadas no parlamento (clique aqui).

No desespero pela engorda do caixa do governo no final do ano, para pagar a folha e o 13º salário, a base governista vai tentar votar “a avulso” — sem Comissão Geral — projetos como o que concede desconto de 10% para pagamento à vista do IPVA, que antecipa crédito de ICMS nas áreas de energia e transporte e que aperta o cerco a devedores(clique aqui).

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

aecio_midia_crimes.jpgDepois de derrotada no segundo turno presidencial com Aécio Neves (PSDB), a velha mídia busca reencontrar-se com a verdade factual. Aos poucos vai revelando o papel nefasto que teve na sórdida campanha contra a reeleição de Dilma Rohttp://www.esmaelmorais.com.br/wp-admin/post.php?post=123842&action=edit#usseff (PT). São três importantes fatos que se constituem em verdadeiros crimes de imprensa.

Nesta quinta-feira (30) foi a vez da Folha de S. Paulo revelar que o tucano usou números “enganosos”, na verdade falsos, do instituto mineiro Veritá no início do segundo turno. A pesquisa mostrava Aécio 14 pontos na frente de Dilma pelo placar 57% a 43% em Minas Gerais (clique aqui).

Em Minas, a petista venceu por 52,41% contra 47,59% de Aécio.

Ontem (29), O Globo começou a reverberar a farsa que foi montada pela Veja acerca do depoimento do doleiro Alberto Youssef. A revista antecipou a edição da semana passada, com falso depoimento, com intuito de influenciar no resultado das urnas (clique aqui).

Hoje, o jornal Valor Econômico registrou que o advogado do doleiro preso, Antônio Figueiredo Basto, contestou a reportagem de Veja utilizada como “bala de prata” da campanha de Aécio (clique aqui)

Em vídeo, Lula classificou a publicação do Grupo Abril como “talvez o melhor panfleto da campanha do Aécio” (clique aqui).

Na terça-feira (28), o Estadão também fez um reparo à acusação de que o irmão da presidenta Dilma, Igor Rousseff, seria funcionário fantasma da Prefeitura de Belo Horizonte. A acusação fora feita por Aécio durante debate na Band.

De tão simples que é, como conferiu a reportagem, o rapaz dirige um fusca no município de Passa Tempo, no interior. O ex-hippie, que morou nos Estados Unidos nos anos 70, está aposentado há dois anos (clique aqui).

As três armações descritas acima eram disseminadas como “verdades” pela velha mídia durante a campanha eleitoral.

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

via Brasil 247

Em vídeo divulgado nesta quinta-feira 30, ex-presidente Lula fez uma análise, um desabafo e uma crítica contundente à revista Veja; "Essa revista odeia o PT, odeia os governos do PT, nós temos de entender isso e não ter azia por causa disso", assinalou Lula; "Se você olha a revista Veja achando que ela é uma revista de informação, você fica nervoso pelo monte de mentiras que tem nela. Mas se você olha para ela como um panfleto da campanha do Aécio Neves, ai você entende", disse; ele próprio deu sua posição: "Faz muito tempo que eu não leio a revista Veja"; sob risco de ser condenada por crime eleitoral e ter de conceder novo direito de resposta ao PT, publicação de Gianca Civita, dirigida por Fábio Barbosa e Eurípedes Alcântara, está em apuros.

Numa contundente crítica à revista Veja, o ex-presidente Lula, em vídeo divulgado nesta quinta-feira 30, classificou a publicação do Grupo Abril como “talvez o melhor panfleto da campanha do Aécio”. Lula se referiu diretamente à edição antecipada da revista, na sexta-feira antes da eleição, com acusações diretas contra Lula e a presidente Dilma.

– A Veja jogou na perspectiva de iria dar o golpe final, que com aquela capa iria virar a eleição. Na verdade, a Veja deu instrumento para o resto da mídia ter o que falar. A Veja talvez tenha feito o melhor panfleto da campanha do Aécio.

Lula, assim, deu a entender que a capa com supostas acusações do doleiro Alberto Yousseff contra ele e a presidente Dilma Rousseff poderia, de fato, ter mudado o resultado da eleição.

– Se você olha a Veja como uma revista de informação, você fica irritado pelo monte de mentiras que tem nela. Mas se você enxerga a Veja como um panfleto da campanha do Aécio Neves, ai você entende. Ela fez um panfleto e fez a campanha, antecipou a tiragem. Eu não leio a Veja há muitos anos, porque eu não levo a revista a sério.

Para Lula, “a Veja se definiu ideologicamente há muito tempo”.

– Nós, em vez de ficarmos irritados, a gente tem de entender que a Veja é uma revista de oposição ao governo, pronto, acabou. Em lugar de a gente ficar com azia, não dormir à noite, a gente tem de sofrer menos, não vai ter azia. Se eles perceberem que a gente dormir e não perdeu o sono por causa deles, eles é que vão perder o sono, eles é que vão ter azia e ficar muito mal. É assim que eu trato eles.

Abaixo, o vídeo:

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

richa_tony_eduardo.jpgO governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciou ontem (29) que irá procurar a presidenta reeleita Dilma Rousseff (PT) com o objetivo de pedir-lhe ajuda financeira, a fundo perdido, para debelar a falta de água que tanto castiga os paulistas. Na campanha presidencial, a crise hídrica opôs ambos.

Se o tucano de São Paulo vai “pedir água” para a petista, por que raios o tucano do Paraná, Beto Richa, também não “pediria penico” para ela? E é exatamente isso que o governador das araucárias está fazendo nos bastidores.

Richa enviou o ex-deputado Tony Garcia como interlocutor junto ao líder do PMDB na Câmara, deputado Eduardo Cunha (RJ), para facilitar a abertura das portas junto a Dilma Rousseff. A ideia é pleitear financiamentos do governo federal ao Paraná. Em troca, o governador colocaria a bancada federal paranaense apoiando Cunha para presidir a Câmara. Tony é amigo do parlamentar carioca de outros carnavais.

Nas eleições, Richa não poupou Dilma. Além de sempre acusar a petista de discriminação, o que não é verdade, segundo dados do governo federal, o tucano dizia que seu principal objetivo era derrotar o governo do PT.

Para complicar mais a vida de Richa no pós-eleição, ontem (29) a Assembleia Legislativa o derrotou derrubando quórum da sessão (clique aqui). O governador do PSDB precisava desesperadamente aprovar projetos para fazer caixa neste final de ano. A luta é para garantir a inchada folha de pagamento e o 13º salário do funcionalismo público.

Além de compromissos com pessoal, o governo do Paraná tem dificuldades para fazer a máquina andar. O corte de 30% do custeio agravou a crise. Falta combustível nas viaturas da polícia; professores levaram novo calote; e a Polícia Militar Rodoviária foi despejada no município de Araucária, região metropolitana de Curitiba, por falta de pagamento do aluguel, dentre outras barbaridades administrativas que fogem aos olhos dos mortais comuns.

Em tempo: o site oficial do PSDB do Paraná, presidido pelo próprio Richa, acusa a presidenta de ter cometido “estelionato eleitoral” (clique aqui).

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

dilma_fruet_mac.jpgO secretário Municipal de Governo de Curitiba, Ricardo Mac Donald, foi sondado por Brasília para comandar área que tem a ver com a liberação de recursos para convênios firmados com estados e municípios.

Mac Donald é considerado o capitão do time do prefeito da capital paranaense, mas, nas conversas de bastidores, ele tem sido vetado pelo Palácio Iguaçu em uma eventual reaproximação política de Gustavo Fruet (PDT) com o governador Beto Richa (PSDB).

O supersecretário curitibano dá pistas que não quer ser empecilho para o reatamento do namoro entre o tucano e o pedetista. Ele prefere ficar ao lado da presidenta Dilma Rousseff (PT), com a caneta cheia, liberando obras e projetos para o país, inclusive para Richa e Fruet.

Seria a vingança do pipoqueiro?

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

pmr

Mais um capítulo na história do desmonte do Estado promovido pelo governo Beto Richa (PSDB) ocorreu na semana passada. Após dois anos sem pagar o aluguel, a Polícia Militar Rodoviária do Estado foi despejada e a sede em Araucária desativada. O aluguel era pago pela Prefeitura do Município, mas por falta de renovação de um convênio com o Estado os pagamentos deixaram de ser feitos há 24 meses, acumulando uma dívida de R$ 30 mil reais.

Casos semelhantes vem sendo noticiados pelo Blog do Esmael durante todo o governo Richa. A Polícia Civil já esteve em risco de ser despejada, assim como a Regional de Saúde de Toledo e até a Polícia Militar já esteve em situação igual. Isso sem falar na falta de combustível em viaturas da PM e dos Bombeiros, falta de merenda nas escolas, entre outros problemas causado por uma mistura de incompetência administrativa e falta de prioridade nos gastos do governo.

Sem o posto de Araucária, o policiamento da Rodovia PR-423 que liga o município a Campo Largo deverá ficar prejudicado, e as outras sedes da Polícia Militar Rodoviária devem ficar ainda mais sobrecarregas. A esse problema, soma-se o baixo efetivo policial, forçando os policiais a atenderem ocorrências sozinhos, quando o correto seria em equipe, com pelo menos dois policiais por viatura.

Agora, os policiais que trabalham na região terão dificuldades para descansar e até para utilizar os banheiros, pois circularão nas viaturas sem dispor de uma base no Município.

Com informações do Paraná Online

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

do Brasil 247
veja_crimeA situação da revista Veja e da Editora Abril, que atingiu o fundo do poço da credibilidade no último fim de semana, com a capa criminosa contra a presidente Dilma Rousseff, acusada sem provas pela publicação, pode se tornar ainda mais grave.

Reportagem do jornal Valor Econômico, publicada nesta quinta-feira, revela algo escandaloso: o “depoimento” do doleiro Alberto Youssef que ancora a chamada “Eles sabiam de tudo”, sobre Lula e Dilma, simplesmente não existiu.

Foi uma invenção de Veja, que atentou contra a democracia, tirou cerca de 3 milhões de votos da presidente Dilma Rousseff e, por pouco, não mudou o resultado da disputa presidencial, ferindo a soberania popular do eleitor brasileiro.

Quem afirma que o depoimento não existiu é ninguém menos que o advogado Antônio Figueiredo Basto, que representa o doleiro. “Nesse dia não houve depoimento no âmbito da delação. Isso é mentira. Desafio qualquer um a provar que houve oitiva da delação premiada na quarta-feira”, disse ele. (mais…)

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

richa_arns_fruet.jpgO vice-governador Flávio Arns (PSDB) não deverá ficar na chuva a partir de 1º de janeiro de 2015, quando perderá o título para a vice eleita Cida Borghetti (PROS). Segundo fontes palacianas, o ex-secretário da Educação “possivelmente” será aproveitado pelo prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), na reforma do secretariado em curso.

O pedetista iniciou a reforma com a extinção, por decreto, das secretarias de Habitação e Relações com a Comunidade. Mas as mexidas serão mais profundas porque o cenário agora, pós-eleição, é de guerra pela própria reeleição em 2016 (clique aqui).

Arns sempre teve boas relações com Fruet para quem “cedeu”, no ano passado, sua ex-superintendente na Secretaria de Educação (SEED), Meroujy Cavet, para o primeiro escalão da Prefeitura de Curitiba (clique aqui).

A política de boa vizinhança entre Palácio Iguaçu e Palácio 29 de Março tem sido uma constante. No início desde ano, por exemplo, o ex-diretor-presidente da TV Educativa, Paulo Vítola, fora enviado pelo governador Beto Richa (PSDB) para atuar como interventor na Secretaria Municipal da Comunicação de Curitiba (clique aqui).

Não estranhe o caro leitor se Fruet abrigar mais tucanos graúdos na “barrosa” municipal. Recorde-se que o cobertor ficou muito curto com a derrota de Aécio Neves e o governador Beto Richa precisa agasalhar nada mais nada menos que 17 siglas sob suas asas, isto é, se quiser pensar no Senado em 2018.

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

requiao_alep_richa.jpgRequião Filho*
TRATORAÇO é o neologismo preferido do atual governo. Tática usada para apequenar a Assembleia Legislativa do Paraná e aceita por alguns poucos que não devem ter noção do valor do seu mandato.

Basta colocar no Google a busca “tratoraço richa assembleia” para ver que é mais comum do que se imagina. Toda vez que precisa aprovar um projeto polêmico ou abstruso, o atual governo lança mão de seu tratoraço. A manobra é um subterfúgio regimental que permite a criação de uma fictícia Comissão Geral, que nada mais é do que a troca de todas as comissões temáticas por uma única votação em plenário.

Esta Comissão Geral é uma invenção paranaense e tem sido mal utilizada neste governo. Governos anteriores já usaram de forma mais comedida e nunca com tantos projetos ou tão polêmicos.

A desculpa é que para projetos mais urgentes ou temas que não gerassem discussão todo o processo legislativo seria suprimido e assim se agilizaria a votação.

Parece algo inteligente para projetos unânimes com total aprovação das bancadas, líderes e opinião pública, mas… é mais utilizado pelo governo para diminuir o debate público de assuntos polêmicos e desta maneira aprovar de forma abrupta projetos de lei que vão de encontro com interesses divergentes e que, se trazidos à baila da discussão e esmiuçados perante à mídia e à população, jamais seriam aprovados. Por exemplo:

1. Reajuste nas taxas do Departamento de Trânsito do Paraná (Detran)

2. O aumento de capital privado da SANEPAR (privatização);

3. Criação da Fundação Estatal de Saúde (Funeas);

4. Privatização do Simepar e e-Paraná via serviço social autônomo; e

5. Criação do auxílio-moradia para juízes e desembargadores.

Vejam leitores que todos esses projetos são polêmicos e se fossem debatidos gerariam desgaste ao governo.

Na quarta-feira (29) desta semana o tratoraço veio contra aos interesses dos professores do Paraná ao tentar mudar as regras do jogo para a eleição de diretores das escolas públicas e prorrogar os mandatos de diretores por mais um ano.

Ontem essa manobra foi mais uma vez utilizada para aprovação projetos de lei de autoria do Poder Executivo. O objetivo da maioria dos projetos é antecipação de receita – para poder pagar as contas do fim de ano – por meio de parcelamento ou refinanciamento de dívidas de tributos.

Por sorte a Assembleia e os deputados impuseram uma derrota ao governo e a sessão caiu por falta de quórum.

Nas palavras do Blogueiro Esmael Morais (deste blog) “Faltou gasolina para o prometido “tratoraço” do governador Beto Richa (PSDB) na Assembleia Legislativa do Paraná. Depois de aberta, a sessão da tarde desta quarta-feira (29) caiu por “falta de quórum” na hora de votação de importantes projetos. São necessárias 28 presenças dos 54 deputados. Havia apenas 25 no plenário, conforme registro no painel eletrônico.”

Será que isto é dialogo? Será que estes projetos não precisam ser discutidos e passar pelos trâmites legais da casa? Será que a próxima leva de deputados vai se permitir ser diminuída a uma Comissão Geral vassala? Aguardemos cenas dos próximos capítulos…

*Requião Filho é advogado, deputado estadual eleito pelo PMDB, especialista em políticas públicas. Escreve às quintas no Blog do Esmael.

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS
Charge de Mario para A Tribuna de Minas

Charge de Mario para A Tribuna de Minas

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

1430311Jornais do Paraná

Gazeta do Povo: Banco Central aumenta juros 3 dias após reeleição de Dilma

Bem Paraná: A cada dia, dez ônibus sofrem ataques criminosos em Curitiba

Jornal Metro: Com caixa baixo, Fruet corta gastos e fecha 2 secretarias

Jornal de Londrina: Atrasou

Folha de Londrina: Levantamento revela ‘envelhecimento’ das mães brasileiras

O Diário (Maringá): Caixa socorre mercado de veículos e reduz juros

Diário dos Campos: Câmara aprova isenção de multas e juros para IPTU

Jornal da Manhã: Lei anistia multas e juros a devedores de impostos

Tribuna do Interior: Ferida brava

O Paraná: União repassa apenas R$ 3 mil por quilometro à segurança da fronteira

Gazeta do Paraná: Beto Richa e diretores terão que “esperar”

Jornal Hoje: Adolescentes depenavam carros no depósito da polícia

Gazeta do Iguaçu: 60% dos alunos da rede municipal ainda não receberam uniformes

Diário do Noroeste: Motorista que ultrapassar em faixa contínua vai pagar caro

Tribuna do Norte: VAL quer reajuste de 14% na tarifa de Apucarana

Jornais de outros estados

Globo: Três dias após eleição, BC suspreende e sobe juros

Folha: Três dias após a reeleição, BC sobe juros para 11,25%

Estadão: BC eleva juros para 11,25% ao ano, 3 dias após eleições

Correio Braziliense: Fraude milionária com dinheiro de 22 mil PMs

Valor: CVM investiga suspeita de fraude em oferta da Oi

Estado de Minas: Medo ronda escolas

Zero Hora: Juro sobe e dá tom do segundo mandato

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

ziraldo_bonato.jpgDepois de dez anos, o Tribunal Regional Federal (TRF-4), de Porto Alegre, por unanimidade, extinguiu nesta quarta-feira (29) uma ação do Ministério Público Federal que pedia a punição do cartunista Ziraldo e do jornalista Rogério Bonato. As representações foram movidas contra o 3º Festival Internacional de Humor Gráfico das Cataratas do Iguaçu (Festhumor), realizado em Foz do Iguaçu, reconhecidamente um dos maiores eventos do setor no Planeta.

Em 2003, Bonato criou o festival com o objetivo de esvaziar acusações da mídia nacional de que a tríplice fronteira servia como abrigo de terroristas. “O Festhumor cumpriu a sua missão, livrou a cara da cidade contra as acusações de estar envolvida com o Terrorismo. Foi assim que nos agradeceram…”, lamenta o jornalista iguaçuense.

O processo por improbidade administrativa contra o jornalista levou mais de 10 anos, por isso a Justiça reconheceu a extinção da punibilidade porque prescreveu o suposto crime. Nesse tempo todo, quem perdeu foi Foz do Iguaçu.

Bonato, parceiro do Blog do Esmael em Foz, agradeceu o empenho do advogado Oswaldo Loureiro de Mello Júnior e disse que desde o início sabia que nada havia feito de errado. Ele só lamenta pela cidade e pela sacanagem que fizeram com o Ziraldo.

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

pizzolato_barbosa.jpgA recusa da Justiça italiana ao pedido brasileiro de extradição do ex-diretor de Marketing do Banco Brasil, Henrique Pizzolato, além da alegada péssima condição do sistema prisional brasileiro, tem a ver com a ausência do “duplo grau de jurisdição” ao condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Pizzolato fora condenado a 12 anos e 7 meses de prisão, mas o STF descumpriu a jurisprudência da Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) que garante novo julgamento e revisão da pena. Esse mecanismo é respeitado à risca pelos países da Comunidade Europeia e no mundo civilizado.

As condições desumanas das prisões brasileiras foram apenas mais um argumento para a defesa de Pizzolato, que foi solto pela Justiça italiana. O que prevaleceu mesmo foi o erro processual do STF à luz das leis internacionais.

No afã de condenar os réus na “Ação Penal 470″, o STF de Joaquim Barbosa — e demais juízes — não observou as leis internacionais e agora faz vergonha no exterior.

Será que os demais apenados, presos políticos, receberão um pedido público de desculpas da Suprema Corte?

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

richa_eleicao_suspensa.jpgO governador Beto Richa (PSDB) determinou nesta quarta-feira (29) suspensão, por tempo indeterminado, do processo eleitoral nas 2,1 mil escolas da rede pública do Paraná, depois de derrota que sofreu na Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP). A sessão desta tarde caiu por “falta de quórum” em plenário (clique aqui).

Pela Resolução nº 5719/2014-GS/SEED, assinada pelo secretário da Educação, Paulo Schmdit, a suspensão é “temporária” até a ALEP definir e aprovar lei com novos critérios para a escolha da comunidade escolar paranaense.

Mesmo sendo derrotado no parlamento, Richa não só suspendeu as eleições, cujo processo já está em curso, como enviou o comunicado de suspensão às escolas, porque contava como certa sua vitória na tarde de hoje. A mensagem do governador tucano prorrogaria por um ano o mandato dos atuais diretores de escola.

Portanto, a Assembleia deverá ser palco de nova batalha na semana que vem.

A seguir leia a íntegra da resolução do governo do Paraná que suspende a eleição para diretores de escola: (mais…)

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

alep_galerias.jpgFaltou gasolina para o prometido “tratoraço” do governador Beto Richa (PSDB) na Assembleia Legislativa do Paraná. Depois de aberta, a sessão da tarde desta quarta-feira (29) caiu por “falta de quórum” na hora de votação de importantes projetos. São necessárias 28 presenças dos 54 deputados. Havia apenas 25 no plenário, conforme registro no painel eletrônico.

A pauta mais polêmica desta tarde foi a prorrogação da eleição para diretores das 2,1 mil escolas do estado. No início dos trabalhos legislativos, houve muito bate-boca e vaias entre parlamentares e as galerias, que estavam lotadas de educadores.

Segundo o deputado Antônio Anibelli Neto (PMDB), o Anibelinho, a prorrogação da eleição nas escolas gerou dúvidas entre os colegas na Casa. “É uma medida polêmica, mas acho que a eleição deva acontecer este ano e vamos rediscutir as próximas”, sugeriu.

Portanto, até segunda ordem, continua valendo a resolução da Secretaria de Estado da Educação (SEED) que convocou a eleição para diretor no próximo dia 26 de novembro.

O governo Richa também não conseguiu aprovar a anistia de até 95% do valor das multas e que concede desconto de 10% no IPVA, o que possibilitaria de engordar o caixa no final do ano (clique aqui).

Como se vê, derrota no parlamento não é uma exclusividade da presidenta Dilma Rousseff (PT).

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

do Brasil 247
alckmin_dilmaTrês dias após as eleições, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciou nesta quarta-feira 29 que irá procurar a presidente Dilma Rousseff com pedidos de recursos financeiros e desoneração de impostos para que São Paulo enfrente a pior crise hídrica dos últimos 84 anos. O tom foi diferente do período das eleições, quando ele e Dilma trocaram acusações sobre o problema da água.

“A eleição já acabou. Não deve haver um terceiro turno. Isso prejudica a população. A nossa disposição é a do diálogo e da cooperação”, disse Alckmin durante visita a Santos, no litoral paulista, onde anunciou um repasse de R$ 4,4 milhões para o início das obras de duas policlínicas. A afirmação foi feita um dia depois de o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) ter dito em discurso que não aceita diálogo com o PT (leia aqui).

“O governo federal precisa tirar o imposto da água. A presidente prometeu que faria isso há quatro anos. Só a Sabesp paga R$ 680 milhões de PIS e Cofins. Vamos conversar com ela. O governo federal sempre foi nosso grande parceiro”, ressaltou. Ele também voltou a descartar o rodízio ou o racionamento de água em São Paulo. “Não há necessidade”, defendeu. (mais…)

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS
Copyright © 2009 Blog do Esmael. Todos os direitos reservados.
(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});