Primeira-dama do estado, Fernanda Richa, usa helicóptero para distribuir cobertores em ritmo acelerado; agenda da esposa do governador Beto Richa, candidato à reeleição, nesta quinta (31), por exemplo, incluiu visitas aos municípios de Roncador, Nova Cantu, Campina da Lagoa e Altamira do Paraná; segundo contas do site "SOS Roncador", a viagem com o “avião de rosca” custou mais caro que o total de cobertores entregues no município; na eleição de 2010, a primeira-dama foi condenada a multa pelo Tribunal Regional Eleitoral por fazer campanha para o marido, em Curitiba, durante distribuição de cobertores em evento da Fundação de Ação Social (FAS).

Primeira-dama do estado, Fernanda Richa, usa helicóptero para distribuir cobertores em ritmo acelerado; agenda da esposa do governador Beto Richa, candidato à reeleição, nesta quinta (31), por exemplo, incluiu visitas aos municípios de Roncador, Nova Cantu, Campina da Lagoa e Altamira do Paraná; segundo contas do site “SOS Roncador”, a viagem com o “avião de rosca” custou mais caro que o total de cobertores entregues no município; na eleição de 2010, a primeira-dama foi condenada a multa pelo Tribunal Regional Eleitoral por fazer campanha para o marido, em Curitiba, durante distribuição de cobertores em evento da Fundação de Ação Social (FAS).

O site de notícias “SOS Roncador” registrou nesta quinta-feira (31) que a chegada da primeira-dama do Paraná, Fernanda Richa, em um helicóptero, no município de Roncador, foi um evento à parte que chamou a atenção dos moradores locais.

A esposa do governador Beto Richa (PSDB), candidato à reeleição, foi à cidade distribuir cobertores pela campanha “Espalhe Calor”. Hoje ela também visitou os municípios de Nova Cantu, Campina da Lagoa e Altamira do Paraná, conforme o site do Provopar — o Programa de Voluntariado do Paraná.

O atento “SOS Roncador” fez as contas e concluiu que o molho custou mais caro que o peixe, ou seja, a viagem de helicóptero custou mais caro que o total de cobertores entregues no município.

Na eleição de 2010, a primeira-dama foi condenada a multa pelo Tribunal Regional Eleitoral por fazer campanha para o marido durante distribuição de cobertores em evento da Fundação de Ação Social (FAS) de Curitiba.

Roncador fica na região Centro do estado a 435 km de Curitiba. Marília Perotta Bento Gonçalves (PDT) é a prefeita da cidade de 12 mil habitantes.

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

do Brasil 247

Em pesquisas regionais que apuraram também o momento da eleição presidencial, instituto Ibope dá  vantagem de 30% a 25% de intenções de voto, em São Paulo, para petista Dilma Rousseff sobre tucano Aécio Neves; no Rio, presidente tem vantagem de 35% contra 15% para o senador; mas Aécio aparece na frente em Minas Gerais, com 41% contra 31%; no Distrito Federal, instituto apura situação de empate técnico, com 26% para candidato do PSDB e 25% para a postulante do PT; números foram divulgados por colunista Cristiana Lôbo, da Rede Globo; pergunta que fica no ar é: por que a própria Globo, que contratou o levantamento, não divulgou seus resultados integrais?

Em pesquisas regionais que apuraram também o momento da eleição presidencial, instituto Ibope dá vantagem de 30% a 25% de intenções de voto, em São Paulo, para petista Dilma Rousseff sobre tucano Aécio Neves; no Rio, presidente tem vantagem de 35% contra 15% para o senador; mas Aécio aparece na frente em Minas Gerais, com 41% contra 31%; no Distrito Federal, instituto apura situação de empate técnico, com 26% para candidato do PSDB e 25% para a postulante do PT; números foram divulgados por colunista Cristiana Lôbo, da Rede Globo; pergunta que fica no ar é: por que a própria Globo, que contratou o levantamento, não divulgou seus resultados integrais?

Após uma rodada de pesquisas estaduais IBOPE/Globo, com resultados divulgados ontem, vazaram números sobre a disputa presidencial nos três maiores colégios eleitorais e no Distrito Federal. Eles foram divulgados pela colunista Cristiana Lôbo, da Globo News, ainda na noite da quarta-feira 30, na conta dela no twitter. Pelo resultado desta fotografia, a presidente Dilma Rousseff, do PT, continua em vantagem sobre o senador Aécio Neves, do PSDB. Não se entendeu, porém, porque a Globo, dona do levantamento, não divulgou os resultados integrais da pesquisa.

Pelos números obtidos pela colunista, que não foram desmentidos pelo Ibope, o quadro é o seguinte: (mais…)

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

Partido dos Trabalhadores lançou uma ofensiva nesta quinta (31), batizada como "Operação Mimosa", contra o candidato Ogier Buchi; representante do PRP na corrida pelo governo do estado pediu impugnação da senadora Gleisi Hoffmann, que foi rejeitada pela Justiça; Ministério Público abriu processo criminal contra Buchi e petistas divulgaram em seu site decretos com nomeação de dois filhos de Ogier no governo de Beto Richa; para o PT, Ogier Buchi pode até não ser "laranja", como repetiu reiteradas vezes esta semana na entrevista da Rádio Banda B, mas tem de explicar essas duas nomeações pelo tucano.

Partido dos Trabalhadores lançou uma ofensiva nesta quinta (31), batizada como “Operação Mimosa”, contra o candidato Ogier Buchi; representante do PRP na corrida pelo governo do estado pediu impugnação da senadora Gleisi Hoffmann, que foi rejeitada pela Justiça; Ministério Público abriu processo criminal contra Buchi e petistas divulgaram em seu site decretos com nomeação de dois filhos de Ogier no governo de Beto Richa; para o PT, Ogier Buchi pode até não ser “laranja”, como repetiu reiteradas vezes esta semana na entrevista da Rádio Banda B, mas tem de explicar essas duas nomeações pelo tucano.

O site oficial do PT do Paraná divulgou nesta quinta-feira (31) o fac-símile da nomeação de dois filhos do candidato ao Palácio Iguaçu pelo PRP, Ogier Buchi, pelo governador Beto Richa (PSDB). A ofensiva dos petistas foi batizada internamente de “Operação Mimosa”.

Segundo o PT, Arthur Felipe de Leão Buchi, o filho, presta serviço na Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano que, até abril deste ano, era comandada por Ratinho Júnior, presidente estadual do PSC e um dos principais apoiadores da candidatura de Beto Richa.

A filha de Buchi, Maria Eduarda de Leão Buchi Giglio, por sua vez, é comissionada da Secretaria de Estado da Comunicação Social. Ela foi nomeada na Casa Civil com um cargo 2C e realocada para a Comunicação Social.

Para o PT, Ogier Buchi pode até não ser “laranja”, como repetiu reiteradas vezes esta semana na entrevista da Rádio Banda B, mas tem de explicar esses dois filhos nomeados pelo tucano Beto Richa.

Hoje, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) rejeitou pedido de impugnação da candidatura da senadora Gleisi Hoffmann (PT) formulado por Buchi. Além disso, o Ministério Público Eleitoral abriu processo criminal contra o candidato do PRP por “má fé” (clique aqui).

“Respeito a decisão da Justiça e vou proceder o recurso cabível porque continuo acreditando nos motivos que me levaram a distribuir a ação de impugnação da candidatura petista ao governo do Paraná pelo PT”, declarou Ogier Buchi.

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

A equipe jurídica coordenada pelo advogado Luiz Fernando Pereira assegurou a candidatura de Gleisi Hoffmann ao governo do Paraná; nesta quinta (31), o TRE rejeitou, por unanimidade, pedido de impugnação formulado pelo candidato Ogier Buchi; Ministério Público Eleitoral (MPE) abriu processo criminal contra o candidato do PRP por "má fé"; “(...) chama a atenção o eminente cunho político que a presente impugnação aparenta ter, seja pela grande repercussão da impugnação na imprensa, seja pelos fraquíssimos argumentos para seu ajuizamento”, espinafrou o parecer do MPE; será que o feitiço virou contra o feiticeiro?

A equipe jurídica coordenada pelo advogado Luiz Fernando Pereira assegurou a candidatura de Gleisi Hoffmann ao governo do Paraná; nesta quinta (31), o TRE rejeitou, por unanimidade, pedido de impugnação formulado pelo candidato Ogier Buchi; Ministério Público Eleitoral (MPE) abriu processo criminal contra o candidato do PRP por “má fé”; “(…) chama a atenção o eminente cunho político que a presente impugnação aparenta ter, seja pela grande repercussão da impugnação na imprensa, seja pelos fraquíssimos argumentos para seu ajuizamento”, espinafrou o parecer do MPE; será que o feitiço virou contra o feiticeiro?

A Corte do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) rejeitou, por unanimidade, na tarde desta quinta-feira (31), o pedido de impugnação da candidatura de Gleisi Hoffmann (PT) ao governo do Paraná.

Gleisi Hoffmann é a primeira candidata ao governo do Paraná a ter aprovado o registro de candidatura.

O pedido de impugnação foi feito pelo candidato Ogier Buchi (PRP), que alegava que a indicação do vice de Gleisi, Haroldo Ferreira (PDT), ocorreu fora do prazo estabelecido pela legislação eleitoral.

Além de rejeitar o pedido de impugnação, o Ministério Público Eleitoral (MPE) determinou ainda a abertura de processo criminal contra Ogier Buchi por má fé. (mais…)

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

Ex-prefeitos Gabriel "Gabão" Samaha (Piraquara), Moacyr Fadel (Castro) e Joarez Henrichs (Barracão), ambos os três ex-presidentes da Associação dos Municípios do Paraná (AMP), coordenam o esforço para o senador Roberto Requião voltar ao Palácio Iguaçu em 2014 e, concomitantemente, trabalham pelo retorno de centenas de ex-colegas às prefeituras em 2016; na eleição de 2010, o trio trabalhou pela eleição do atual governador Beto Richa (PSDB); eles dizem que agora estão com o peemedebista porque o tucano "quebrou o Paraná" em pouco mais de três anos de gestão.

Ex-prefeitos Gabriel “Gabão” Samaha (Piraquara), Moacyr Fadel (Castro) e Joarez Henrichs (Barracão), ambos os três ex-presidentes da Associação dos Municípios do Paraná (AMP), coordenam o esforço para o senador Roberto Requião voltar ao Palácio Iguaçu em 2014 e, concomitantemente, trabalham pelo retorno de centenas de ex-colegas às prefeituras em 2016; na eleição de 2010, o trio trabalhou pela eleição do atual governador Beto Richa (PSDB); eles dizem que agora estão com o peemedebista porque o tucano “quebrou o Paraná” em pouco mais de três anos de gestão.

O senador Roberto Requião (PMDB), candidato ao tetra mandato de governador do Paraná, nesta campanha, conta com a ajuda de três ex-presidentes da Associação dos Municípios do Paraná (AMP).

Os ex-prefeitos Gabriel “Gabão” Samaha (Piraquara), Moacyr Fadel (Castro) e Joarez Henrichs (Barracão) coordenam o esforço para o peemedebista voltar ao Palácio Iguaçu em 2014 e, concomitantemente, trabalham pelo retorno de centenas de ex-colegas às prefeituras em 2016.

Na eleição de 2010, o trio de ex-presidentes da AMP trabalhou pela eleição do atual governador Beto Richa (PSDB). Eles dizem que agora estão com Requião porque o tucano “quebrou o Paraná” em pouco mais de três anos de gestão.

A AMP representa os 399 municípios paranaenses, mas Fadel, Henrichs e Gabão representam ao menos três “levas” de ex-prefeitos que também estão sedentos para voltar ao poder em seus respectivos municípios.

O atual presidente da AMP, Luiz Sorvos (PDT), jura que está com a senadora Gleisi Hoffmann (PT) na corrida pelo Palácio Iguaçu.

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

Esquema consiste no registro de sondagens em todos os estados no Sistema de Registro de Pesquisas Eleitorais, mas não há certeza de que o instituto realizará as entrevistas prometidas na internet; site do TSE serve como chamariz de clientes interessados em comprar pesquisas. O público-alvo, nesses casos, são coligações, candidatos, partidos políticos, entidades de classe e empresas de comunicação; não há obrigatoriedade de o que está anotado na página do TSE seja cumprido à risca; disputas pelo governo e Senado no Paraná, por exemplo, continuam no escuro; não há pesquisa divulgada desde a oficialização das candidaturas pelas convenções partidárias; entretanto, houve dois registros de levantamentos pelo desconhecido Instituto Veritá, de Uberlândia (MG).

Esquema consiste no registro de sondagens em todos os estados no Sistema de Registro de Pesquisas Eleitorais, mas não há certeza de que o instituto realizará as entrevistas prometidas na internet; site do TSE serve como chamariz de clientes interessados em comprar pesquisas. O público-alvo, nesses casos, são coligações, candidatos, partidos políticos, entidades de classe e empresas de comunicação; não há obrigatoriedade de o que está anotado na página do TSE seja cumprido à risca; disputas pelo governo e Senado no Paraná, por exemplo, continuam no escuro; não há pesquisa divulgada desde a oficialização das candidaturas pelas convenções partidárias; entretanto, houve dois registros de levantamentos pelo desconhecido Instituto Veritá, de Uberlândia (MG).

O site oficial do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) se transformou em local de “pescaria” para institutos de pesquisas desconhecidos em várias praças. Empresas utilizam a página do órgão para jogar a “tarrafa” e pescar clientes país afora. A estratégia às vezes rende bons negócios, às vezes bate na trave, mas o resultado vem das sucessivas tentativas.

O esquema consiste no registro de sondagens em todos os estados no Sistema de Registro de Pesquisas Eleitorais, mas não há certeza de que o instituto realizará as entrevistas prometidas na internet. O site do TSE serve como chamariz de clientes interessados em comprar pesquisas. O público-alvo, nesses casos, são coligações, candidatos, partidos políticos, entidades de classe e empresas de comunicação. Não há obrigatoriedade de o que está anotado na página do TSE seja cumprido à risca.

No Paraná, as disputas pelo governo do estado e Senado, por exemplo, continuam no escuro. Não há pesquisa divulgada desde a oficialização das candidaturas pelas convenções partidárias. Entretanto, houve dois registros de levantamentos pelo desconhecido Instituto Veritá, de Uberlândia (MG). O primeiro não saiu e uma nova atualização prometendo os números para este sábado (2) fora feita no site do TSE.

“Tivemos que redirecionar o pessoal para outros estados, [mas] amanhã vamos planejar a próxima semana e se der tudo certo faremos e divulgaremos [a pesquisa] na sequência”, disse ao Blog do Esmael Adriano Silvoni, diretor do instituto Veritá, ao justificar o novo adiamento da sondagem no Paraná.

Sobre a ausência de pesquisas sobre a corrida eleitoral no estado, o diretor-presidente da Paraná Pesquisas, Murilo Hidalgo, sustenta que os veículos de comunicação vivem crise financeira ímpar em sua história. Segundo ele, somente os institutos nacionais bem capitalizados conseguem fazer por conta própria as sondagens. Além disso, diz o especialista, tem a questão da judicialização das eleições que inibe o registro de pesquisas.

Quem está na frente, quem está no meio, quem está atrás? Ninguém sabe, mas sobram especulações nos bastidores da política paranaense. Haja mente fértil em todas as torcidas…

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS
Uma verdadeira goleada é o que está sofrendo a assessoria jurídica do governador-candidato. Desta vez é o Governo que tem 24 horas para retirar todas as placas de obras espalhadas pelo Estado, que integram a propaganda institucional do governo do Paraná.  Nos últimos 15 dias, Beto Richa foi enquadrado outras cinco vezes por uso da máquina pública em benefício pessoal.

Uma verdadeira goleada é o que está sofrendo a assessoria jurídica do governador-candidato. Desta vez é o Governo que tem 24 horas para retirar todas as placas de obras espalhadas pelo Estado, que integram a propaganda institucional do governo do Paraná. Nos últimos 15 dias, Beto Richa (PSDB) foi enquadrado outras cinco vezes por uso da máquina pública em benefício pessoal.

A Justiça Eleitoral determinou a retirada, no prazo máximo de 24 horas, de todas as placas de obras espalhadas pelo estado, que integram a propaganda institucional do governo do Paraná. O Juiz Auxiliar Leonardo Castanho Mendes fixou multa de R$ 10 mil por placa em caso de desrespeito.

Na decisão, o magistrado chama a atenção para o fato de a propaganda “não expressar conteúdo informativo ou educativo”, que “não apresenta nenhuma relevância à população” e que “evidentemente, referida propaganda irregular afeta a igualdade de oportunidades entre candidatos no pleito eleitoral”. A decisão da Justiça responde à ação impetrada pela coligação “Paraná Olhando Pra Frente” (PT-PDT-PCdoB-PRB-PTN), que tem Gleisi Hoffmann como candidata ao governo do estado.

“Este é mais um episódio do uso da máquina pública em favor da campanha à reeleição de Beto Richa”, destaca o coordenador jurídico da coligação Paraná Olhando Pra Frente, Luiz Fernando Pereira. (mais…)

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

Jornal curitibano Gazeta do Povo, assim como seus semelhantes nacionais Veja, Folha, Estadão, etc., se organiza no Instituto Millenium; trata-se do oráculo neoliberal dos barões da velha mídia, saudosistas da ditadura militar, que não suportam um projeto de afirmação nacional porque agem como capachos dos Estados Unidos; caso Santander, infelizmente, é apenas mais um capítulo que a decadente imprensa brasileira escreve sobre seu comportamento vira-latas, em relação ao estrangeiro, da conspiração contra o próprio país, em nome do ódio de classe e da retomada do poder para as elites que governaram esta nação por mais de 500 anos.

Jornal curitibano Gazeta do Povo, assim como seus semelhantes nacionais Veja, Folha, Estadão, etc., se organiza no Instituto Millenium; trata-se do oráculo neoliberal dos barões da velha mídia, saudosistas da ditadura militar, que não suportam um projeto de afirmação nacional porque agem como capachos dos Estados Unidos; caso Santander, infelizmente, é apenas mais um capítulo que a decadente imprensa brasileira escreve sobre seu comportamento vira-latas, em relação ao estrangeiro, da conspiração contra o próprio país, em nome do ódio de classe e da retomada do poder para as elites que governaram esta nação por mais de 500 anos.

O tradicional jornal curitibano Gazeta do Povo, em editorial desta quinta-feira (31), literalmente “trocou os sinais” ao acusar o governo da presidenta Dilma Rousseff (PT) de reagir de forma “autoritária” — na verdade quis dizer “bolivariana”, sinônimo chique que a velha mídia usa para medidas nacionalistas — no caso do banco espanhol Santander, que em comunicado a clientes de alta renda, na semana passada, associou possível piora nas condições da economia ao crescimento da candidata do PT nas pesquisas de opinião.

Na última segunda (28), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse na abertura da 14ª Plenária Estatutária da Central Única dos Trabalhadores (CUT), em Guarulhos, na Grande São Paulo, que “não tem lugar no mundo onde o Santander esteja ganhando mais dinheiro que no Brasil”. “Aqui no Brasil o Santander ganha mais que em Nova York, Londres, Pequim, Paris, Madri e Barcelona”.

Dilma classificou a tentativa de interferência do Santander no processo eleitoral brasileiro como “inadmissível, lamentável”.

A recomendação do Santander desencadeou onda de protestos de bancários em todo o país. “Não permitiremos que atos terroristas de bancos, como o Santander, coloquem em risco a democracia no Brasil, que foi duramente conquistada após muita luta e sangue nos últimos 50 anos”, condenou Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional dos Bancários.

A Gazeta do Povo, assim como seus semelhantes nacionais Veja, Folha, Estadão, etc., se organiza no Instituto Millenium. Trata-se do oráculo neoliberal dos barões da velha mídia, saudosistas da ditadura militar, que não suportam um projeto de afirmação nacional porque agem como capachos dos Estados Unidos. Portanto, o caso Santander, infelizmente, é apenas mais um capítulo que a decadente imprensa brasileira escreve sobre seu comportamento vira-latas, em relação ao estrangeiro, da conspiração contra o próprio país, em nome do ódio de classe e da retomada do poder para as elites que governaram esta nação por mais de 500 anos.

A seguir, leia a íntegra do editorial pró-Santander na Gazeta do Povo: (mais…)

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

via Folha de Londrina

São tantas as multas contra o candidato-governador Beto Richa (PSDB) que está difícil de acompanhar sem se confundir. Só nesse caso propaganda institucional nos sites das empresas públicas já é a segunda; fora os outros casos (Twitter, Facebook, etc.). A campanha ainda nem esquentou e o uso indevido da máquina pública já é uma das marcas da campanha pela reeleição de Richa.

São tantas as multas contra o candidato-governador Beto Richa (PSDB) que está difícil de acompanhar sem se confundir. Só nesse caso propaganda institucional nos sites das empresas públicas já é a segunda; fora os outros casos (Twitter, Facebook, etc.). A campanha ainda nem esquentou e o uso da máquina já é uma das marcas da candidatura pela reeleição de Richa.

A Justiça Eleitoral do Paraná multou duas vezes o candidato à reeleição ao governo do Estado, Beto Richa (PSDB), por manter propaganda institucional nos sites das empresas públicas Companhia Paranaense de Energia Elétrica (Copel) e Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), num total de R$ 10,6 mil. As duas decisões provisórias foram proferidas pelo juiz auxiliar Leonardo Castanho Mendes anteontem e ontem e ainda cabem recursos.

As ações foram propostas pela coligação “Paraná Olhando para Frente”, encabeçada pela petista Gleisi Hoffmann. Além dele, também foram multados a candidata a vice, Cida Borghetti (Pros), em R$ 10,6 mil, e os presidentes das companhias Lindolfo Zimmer (Copel) e Fernando Ghignone (Sanepar) em R$ 5,3 mil cada um. (mais…)

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

do Opera Mundi

Ministro da Economia, Axel Kicillof, anunciou ontem que os "fundos abutre" rejeitaram proposta da Argentina para pagamento de dívida com 300% de lucro; com final do prazo à meia-noite desta quinta-feira (31), país sul-americano deve entrar em calote técnico aos olhos dos Estados Unidos; governo de Cristina Kirchner vê intransigência de especuladores como um atentado contra a soberania do país.

Ministro da Economia, Axel Kicillof, anunciou ontem que os “fundos abutre” rejeitaram proposta da Argentina para pagamento de dívida com 300% de lucro; com final do prazo à meia-noite desta quinta-feira (31), país sul-americano deve entrar em calote técnico aos olhos dos Estados Unidos; governo de Cristina Kirchner vê intransigência de especuladores como um atentado contra a soberania do país.

No prazo final para evitar um calote técnico, a Argentina não entrou em acordo nesta quarta-feira (30/07) com os denominados “fundos abutre”, detentores de bônus da dívida do país sul-americano que rejeitaram as reestruturações de 2005 e 2010.

O anúncio foi feito em coletiva de imprensa no consulado argentino de Nova York pelo ministro de Economia, Axel Kicillof. Segundo ele, foram oferecidas condições similares às definidas com os fundos que entraram nas últimas reestruturações. “Oferecemos 300% de lucro. Não aceitaram.”

“A Argentina é um país soberano. O que os fundos abutres pedem é impossível. Queremos um diálogo que não viole nossas próprias leis e contratos”, disse o ministro. Kicillof também afirmou que a obrigação dos funcionários é defender o direito dos argentinos, por isso “não podem assinar qualquer coisa” que possa gerar um incremento extraordinário da dívida argentina. (mais…)

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

do Brasil 247

Agora é oficial: a aposentadoria de Joaquim Barbosa do Supremo Tribunal Federal está publicada no Diário Oficial da União, no decreto assinado pela presidente Dilma Rousseff e pelo ministro José Eduardo Cardozo; sua gestão foi marcada por abusos, agressões a colegas, jornalistas, advogados, entidades da magistratura e, sobretudo, a direitos de defesa assegurados pela Constituição Federal; depois de cumprir um papel lamentável à frente da suprema corte, ele poderá desfrutar a aposentadoria em Miami, num imóvel registrado em nome de uma offshore; nesta sexta-feira, Ricardo Lewandowski será eleito presidente do STF, que poderá, enfim, restaurar a sua dignidade.

Agora é oficial: a aposentadoria de Joaquim Barbosa do Supremo Tribunal Federal está publicada no Diário Oficial da União, no decreto assinado pela presidente Dilma Rousseff e pelo ministro José Eduardo Cardozo; sua gestão foi marcada por abusos, agressões a colegas, jornalistas, advogados, entidades da magistratura e, sobretudo, a direitos de defesa assegurados pela Constituição Federal; depois de cumprir um papel lamentável à frente da suprema corte, ele poderá desfrutar a aposentadoria em Miami, num imóvel registrado em nome de uma offshore; nesta sexta-feira, Ricardo Lewandowski será eleito presidente do STF, que poderá, enfim, restaurar a sua dignidade.

Acabou. Joaquim Barbosa não é mais presidente do Supremo Tribunal Federal. Sua aposentadoria precoce foi publicada nesta quinta-feira, 31 de julho de 2014, no Diário Oficial da União.

É uma data histórica porque chega ao fim dos períodos mais vergonhosos da história do Poder Judiciário no Brasil. À frente do STF, Barbosa agrediu colegas, jornalistas, entidades de magistrados, expulsou um advogado do plenário com a ajuda de seguranças e violentou, sobretudo, direitos e garantias individuais assegurados pela Constituição Federal.

Como relator da Ação Penal 470, transformou-se em figura midiática, “o menino pobre que mudou o Brasil” (em Veja), ou o “brasileiro que faz diferença” (no Globo), para cumprir o papel que a ele foi designado, alinhado com a agenda política dos meios de comunicação que garantiram seu breve estrelato. (mais…)

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

"Se o Professor está desmotivado por conta de não receber o devido reconhecimento, infelizmente repassa suas frustrações adiante, ou seja, para o aluno", filosofa Requião Filho, em sua coluna desta quinta-feira; ele critica a ausência de debates sobre a realidade do Paraná e do Brasil durante os jogos do mundial; "Enquanto a Copa do Mundo era realidade, talvez fosse impossível encontrar um cidadão que lembrasse que viaturas policiais foram flagradas sendo empurradas por seus ocupantes, ou seja, pelos próprios policiais militares que a conduziam"; "E agora, José?", pergunta o colunista, citando o clássico poema de Carlos Drummond de Andrade; leia o texto e compartilhe.

“Se o Professor está desmotivado por conta de não receber o devido reconhecimento, infelizmente repassa suas frustrações adiante, ou seja, para o aluno”, filosofa Requião Filho, em sua coluna desta quinta-feira; ele critica a ausência de debates sobre a realidade do Paraná e do Brasil durante os jogos do mundial; “Enquanto a Copa do Mundo era realidade, talvez fosse impossível encontrar um cidadão que lembrasse que viaturas policiais foram flagradas sendo empurradas por seus ocupantes, ou seja, pelos próprios policiais militares que a conduziam”; “E agora, José?”, pergunta o colunista, citando o clássico poema de Carlos Drummond de Andrade; leia o texto e compartilhe.

Requião Filho*

“E agora, José? A festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou, e agora, José? e agora, você? você que é sem nome, que zomba dos outros, você que faz versos, que ama protesta, e agora, José? (…)”

Mesmo sendo um dos maiores expoentes da literatura tupiniquim, talvez poucas vezes Carlos Drummond de Andrade foi tão atual quanto ao assunto “realidade brasileira”. Na verdade, seus poemas imortalizaram-se ao expor o momento em que o país vivia, e dessa forma, não seria imprudente chegar a conclusão de que o Brasil resume sua história a um círculo vicioso, alternando seus ciclos entre alegria circense de seu povo e a realidade do pós-espetáculo.

A Copa do Mundo acabou, os meios de comunicação foram obrigados a retornar com suas programações normais, os jornais e os canais de televisão voltam a mostrar a realidade que ocorre nas periferias. Em Curitiba e Região Metropolitana, por exemplo, não são raros os finais de semana nos quais mais de 20 pessoas sucumbem vítimas de crimes violentos, e tudo isso sem que as autoridades competentes, muitas vezes, sequer contabilizem tais atrocidades sociais.

O campeonato mundial de futebol, por aproximadamente 30 dias, retirou o foco dos problemas existentes no Brasil e no Estado do Paraná. Mesmo sem notar, boa parcela da população continuou sem educação, sem transporte ou hospitais capazes de fornecer o mínimo exigido pelo contribuinte, mas tudo restou em segundo plano para o Brasileiro afinal, o hexa campeonato foi por mais de um mês o objetivo principal de muitos “Josés” e “Marias”.

Mesmo sem saneamento básico, todos tinham um “circo” dentro de casa. A tenda do espetáculo resumiu-se a um cilindro inventado na década de 20, com o poder de transmitir em tempo real imagem e som para a frente do sofá do telespectador. Assim como o avião, criado para salvar vidas, mas empenhado na guerra para desgosto de seu inventor, a televisão é aliada na alienação da população e cúmplice por trazer o mencionado “show circense” para os lares brasileiros.

Enquanto a Copa do Mundo era realidade, talvez fosse impossível encontrar um cidadão que lembrasse que viaturas policiais foram flagradas sendo empurradas por seus ocupantes, ou seja, pelos próprios policiais militares que a conduziam. Citado esquecimento coletivo, ou lapso de memória durante o mundial, felizmente tinha hora, dia, mês e local para acabar, ou seja, 13 de julho de 2014.

Com o fim do espetáculo futebolístico, o povo voltou a sua realidade, mesmo que ela seja péssima, assolada, por exemplo, com a droga na porta de casa tentando corromper jovens inexperientes e sedentos pelo consumismo que suas famílias não lhes podem fornecer.

Se nada mudar, por mais 4 anos os “Josés” e “Marias” terão que conviver com a dura realidade de um País e de um Estado onde professores não recebem salários dignos, mesmo tendo escutado promessas de que isto iria mudar, e por conseqüência, seus filhos serão tratados, nos ambientes escolares, na exata medida em que o Docente foi tratado pelo Governador ou Presidente, isto é, com pouco entusiasmo já que no Brasil, como já mencionado no início do texto, tudo é um círculo vicioso.

Se o Professor está desmotivado por conta de não receber o devido reconhecimento, infelizmente repassa suas frustrações adiante, ou seja, para o aluno.

Desta forma, vale repetir e enaltecer a capacidade que Carlos Drummond de Andrade teve ao retratar, em 1942, a realidade em que vivia o Brasil, e que por uma triste coincidência é a atual situação do país e do Paraná no estágio pós-Copa, o que confirma que o circo acabou e a realidade voltou a bater à porta.

*Requião Filho é advogado, especialista em políticas públicas, escreve às quintas no Blog do Esmael.

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS
Charge de Tiago Recchia - Gazeta do Povo

Charge de Tiago Recchia – Gazeta do Povo

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

1421224Jornais do Paraná

- Gazeta do Povo: China já responde por 28% das exportações do Paraná

- Bem Paraná: Esquema de Jogo do Bicho fatura R$ 400 mil por dia em Curitiba

- Jornal Metro: Análise nas regionais reduz prazo para liberar alvarás

- Jornal de Londrina: Meta do ensino integral terá que ser revista

- Folha de Londrina: Presidenciáveis prometem a empresários priorizar a reforma tributária

- O Diário (Maringá): Estado avalia três alternativas para cadeia da 9ª SDP

- Diário dos Campos: PG começa construção de nova cadeia pública

- Jornal da Manhã: PG encerra semestre com superávit de R$ 37 milhões

- Tribuna do Interior: Exportações em alta

- O Paraná: Ação criminosa ameaça mata atlântica no Paraná

- Gazeta do Paraná: Defesa vai pedir exame de sanidade mental

- Jornal Hoje: Tragédia no zoológico

- Gazeta do Iguaçu: Fozhabita quer acabar com venda clandestina de casas

- Tribuna de Cianorte: Leilão com data marcada

- Umuarama Ilustrado: Umuarama está perto de ter a coleta do leite materno para doação

Jornais de outros estados

- Globo: Sem acordo com fundos, Argentina entre em calote

- Folha: Argentina não fecha acordo e entre em calote da dívida

- Estadão: Argentina não fecha acordo; negociador fala em calote

- Correio Braziliense: Preço 135% maior obriga ministério a suspender licitação

- Valor: Estados fazem proposta para acabar com guerra fiscal

- Estado de Minas: O passado ressurge

- Zero Hora: Um novo calote para a Argentina

 

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS
A Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar – Pró-Saúde, entidade ligada a Igreja Católica que presta serviços na área da saúde por todo o Brasil, vem apresentando uma série de problemas por onde passa. Após o rompimento do contrato da Prefeitura de Araucária com a Pró-Saúde, começaram a surgir notícias de irregularidades praticadas por ela Brasil afora.

A Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar – Pró-Saúde, entidade ligada a Igreja Católica que presta serviços na área da saúde por todo o Brasil, vem apresentando uma série de problemas por onde passa. Após o rompimento do contrato da Prefeitura de Araucária com a Pró-Saúde, começaram a surgir notícias de irregularidades praticadas por ela Brasil afora. O pior é que casos assim não são raros e acontecem quando os gestores públicos escolhem terceirizar a prestação de serviços de saúde pública.

Após a Prefeitura de Araucária romper o contrato com a Pró-Saúde, que administrava o Hospital Municipal da cidade desde 2008, veio à tona um histórico de denúncias envolvendo a Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar. A Pró-Saúde é acusada de irregularidades em pelo menos SEIS estados onde administra hospitais públicos: Paraná, São Paulo, Tocantins, Pará, Goiás e Espírito Santo.

A Associação é investigada pelo Ministério Público por má-gestão, falta de prestação de contas do que arrecada e investe, sumiço de medicamentos, superfaturamento de serviços e por descumprir contratos de gestão firmados com governos estaduais e municipais.

A Pró-Saúde responde a 2 mil protestos que somam cerca de R$ 20 milhões em dívidas. A lista de ações judiciais inclui reclamações trabalhistas por contratações irregulares, atraso nos salários e falta de pagamento de horas extras dos médicos e servidores da saúde. Em cada um dos estados onde atua, a Pró-Saúde foi ou está sendo investigada por diferentes tipos de denúncias. (mais…)

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

Depois da derrota na convenção do PMDB para Requião, que enterrou o sonho da coligação com o PSDB e da vice, Serraglio saiu da prestigiada lista dos "Cabeças" do Congresso Nacional elaborada pelo Diap; este ano o seleto grupo é composto pelos senadores Álvaro Dias, Requião e Gleisi Hoffmann; pelos deputados federais Dr. Rosinha, Eduardo Sciarra, Luiz Carlos Hauly e Rubens Bueno.

Depois da derrota na convenção do PMDB para Requião, que enterrou o sonho da coligação com o PSDB e da vice, Serraglio saiu da prestigiada lista dos “Cabeças” do Congresso Nacional elaborada pelo Diap; este ano o seleto grupo é composto pelos senadores Álvaro Dias, Requião e Gleisi Hoffmann; pelos deputados federais Dr. Rosinha, Eduardo Sciarra, Luiz Carlos Hauly e Rubens Bueno.

O deputado federal Osmar Serraglio, presidente estadual do PMDB, ficou de fora do ranking dos parlamentares mais influentes do Paraná, segundo levantamento do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap). A queda evidencia a perda de popularidade e musculatura de Serraglio.

De 2006 para 2010 o deputado perdeu cerca de 30 mil votos nas eleições e, como presidente do PMDB, mostrou fragilidade na disputa com o senador Roberto Requião, que ganhou na convenção e candidatou-se ao governo do Paraná, acabando com o sonho da aposentadoria de Serraglio como vice-governador de Beto Richa (PSDB).

Segundo o levantamento, agora o Paraná tem sete dos 100 parlamentares mais influentes do país. O estado é o quarto da federação com o maior número de parlamentares que comandam o processo decisório, atrás apenas de Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Este ano a lista é composta pelos senadores Álvaro Dias (PSDB), Requião e Gleisi Hoffmann (PT); pelos deputados federais Dr. Rosinha (PT), Eduardo Sciarra (PSD), Luiz Carlos Hauly (PSDB) e Rubens Bueno (PPS).

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

por Luiz Henrique de Oliveira, via Banda B

Candidato do PRP, Ogier Buchi, em entrevista na Rádio Banda B, nesta quarta (30), se irritou com rótulo de “laranja” e disse que os outros candidatos mentem demais; por várias vezes, garantiu que não é “laranja”; “Laranja é quem mente, não eu. Um programa de TV custa dinheiro, não é barato. Os principais candidatos vão gastar mais de R$ 30 milhões e eu R$ 2,5 milhões. Sou eu o laranja, ou eles?”, questionou o pretendente ao cargo de governador do Paraná; abaixo, ouça a entrevista.

Candidato do PRP, Ogier Buchi, em entrevista na Rádio Banda B, nesta quarta (30), se irritou com rótulo de “laranja” e disse que os outros candidatos mentem demais; por várias vezes, garantiu que não é “laranja”; “Laranja é quem mente, não eu. Um programa de TV custa dinheiro, não é barato. Os principais candidatos vão gastar mais de R$ 30 milhões e eu R$ 2,5 milhões. Sou eu o laranja, ou eles?”, questionou o pretendente ao cargo de governador do Paraná; abaixo, ouça a entrevista.

De todas as cores secundárias, o candidato Ogier Buchi, do PRP, só não quer saber da laranja durante sua campanha para o Governo do Paraná. Ele refuta a afirmação de que entrou na disputa para atacar candidatos favoritos, a mando de outros.

“É muito fácil chamar de laranja quem participa de um pleito em um partido pequeno. Querem desqualificar quem vai inovar”, disse o jornalista e advogado, que ainda alfinetou os candidatos Beto Richa (PSDB), Roberto Requião (PMDB) e Gleisi Hoffmann (PT). (mais…)

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

O senador Roberto Requião (PMDB), candidato ao governo do Paraná, nesta quarta-feira (30), em Cascavel, região Oeste, abandonou uma entrevista ao vivo na Rádio CBN ao ser questionado sobre a duplicação da BR-277 pelo radialista Valdomiro Cantini.

Pelo Twitter, Requião disse que deu “sapecada” em provável “pau mandado” do governador Beto Richa (PSDB):

vídeo extraído do canal Notícias Paraná, no YouTube.

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

Beto Richa inaugurou nesta quarta-feira (30) uma "Tenda Digital" (comitê eleitoral) para a sua campanha nas redes sociais; de agora em diante, os cibertucanos terão abrigo próprio no Paraná; em novembro de 2013, reportagem da Folha de S. Paulo denunciou existência de bunker digital dentro do Palácio Iguaçu para atacar adversários políticos do PSDB; novo comitê digital coincide com multas contra governador por propaganda irregular no Facebook e na página da Copel.

Beto Richa inaugurou nesta quarta-feira (30) uma “Tenda Digital” (comitê eleitoral) para a sua campanha nas redes sociais; de agora em diante, os cibertucanos terão abrigo próprio no Paraná; em novembro de 2013, reportagem da Folha de S. Paulo denunciou existência de bunker digital dentro do Palácio Iguaçu para atacar adversários políticos do PSDB; novo comitê digital coincide com multas contra governador por propaganda irregular no Facebook e na página da Copel.

O governador Beto Richa (PSDB), candidato à reeleição, inaugurou nesta quarta-feira (30) uma “Tenda Digital” (comitê eleitoral) para a sua campanha nas redes sociais.

O comitê digital abrigará os cibertucanos que terão a tarefa de distribuir “propostas” de Richa na rede mundial de computadores (internet).

A “Tenda Digital” é coordenada pelo filho do governador, Marcello Richa, que é presidente da Juventude do PSDB no Paraná.

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) multou ontem (29) o governador e a vice, Cida Borghetti (PROS), pelo uso do perfil no Facebook para fazer promoção pessoal. Semana passada, o tucano já havia sido penalizado pela utilização da página da Copel para propaganda ilegal.

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

Militantes do PT, PDT e PCdoB, da coligação da senadora Gleisi Hoffmann, candidata ao Palácio Iguaçu, neste sábado (2), às 10h, estudam fazer a "brincadeira do aviãozinho" no calçadão da Rua VX de Novembro, que liga a Santos Andrade à Boca Maldita, durante a visita do presidenciável Aécio Mineiro em Curitiba; tucano é acusado de ter construído um aeroporto com dinheiro público em uma fazenda do tio, no município de Cláudio, durante seu mandato de governador de Minas Gerais.

Militantes do PT, PDT e PCdoB, da coligação da senadora Gleisi Hoffmann, candidata ao Palácio Iguaçu, neste sábado (2), às 10h, estudam fazer a “brincadeira do aviãozinho” no calçadão da Rua VX de Novembro, que liga a Santos Andrade à Boca Maldita, durante a visita do presidenciável Aécio Mineiro em Curitiba; tucano é acusado de ter construído um aeroporto com dinheiro público em uma fazenda do tio, no município de Cláudio, durante seu mandato de governador de Minas Gerais.

O atento Blog do Johnny, do Caderno Ponta Grossa, anota que o senador mineiro Aécio Neves (PSDB), candidato a presidente da República, confirmou para este sábado (2) a primeira visita de campanha ao Paraná.

Ao lado do governador Beto Richa (PSDB), candidato à reeleição, às 9h30, o presidenciável caminhará da Praça Santos Andrade (UFPR) até a tradicional Boca Maldita.

O diabo é que militantes do PT, PDT e PCdoB, da coligação da senadora Gleisi Hoffmann, também candidata ao Palácio Iguaçu, estudam fazer a “brincadeira do aviãozinho” no calçadão da Rua VX de Novembro, que liga a Santos Andrade à Boca Maldita.

Aécio é acusado de ter construído um aeroporto com dinheiro público em uma fazenda do tio, no município de Cláudio, durante seu mandato de governador de Minas Gerais. O tucano usava a pista de pouso para fins particulares.

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS
Copyright © 2009 Blog do Esmael. Todos os direitos reservados.