6 de novembro de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Bolsonaro manda a comunicação para o espaço

Bolsonaro manda a comunicação para o espaço

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), afirmou nesta segunda-feira (5) que o Ministério das Comunicações deverá ficar junto com a pasta da Ciência e Tecnologia do ex-astronauta Marcos Pontes. Ou seja, a Comunicação “subiu no telhado” e foi pro espaço. ... 

Leia mais

20 de fevereiro de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em ONU: já há “ciberguerra entre países”

ONU: já há “ciberguerra entre países”

O português António Guterres, secretário-geral da ONU, António Guterres, defendeu a criação de regras globais para minimizar o impacto da ciberguerra sobre os civis. Segundo jornal espanhol El País, o português disse que a próxima guerra começará com um ciberataque maciço para destruir a capacidade militar, sobretudo do comando, do controle e da comunicação, com a finalidade de paralisar as tropas e a infraestrutura básica, como as redes elétricas. ... 

Leia mais

26 de outubro de 2016
por Esmael Morais
10 Comentários

Alvaro Dias quer mais recursos para pesquisa e inovação tecnológica na agricultura

alvaro_agriculturaO senador Alvaro Dias (PV-PR) relata em sua coluna, desta quarta (26), que apresentou projeto no Senado visando aumentar em pelo menos R$ 500 milhões o orçamento da pesquisa e inovação tecnológica aplicadas à agricultura. Abaixo, leia, ouça, comente e compartilhe o texto: Leia mais

23 de dezembro de 2014
por Esmael Morais
2 Comentários

PMDB amplia ministérios; Aldo Rebelo troca Esporte pela Tecnologia

do Brasil 247
OLY2016-BRAZIL-APO-REBELOPresidente Dilma Rousseff acertou com a cúpula do PMDB a nomeação de cinco ministros do partido. O anúncio oficial deve ser feito ainda terça-feira, 23, pelo Palácio do Planalto. O líder do governo no Senado, Eduardo Braga (PMDB-AM) será o substituto de Edison Lobão (PMDB-MA) no Ministério das Minas e Energia. ... 

Leia mais

7 de dezembro de 2014
por Esmael Morais
9 Comentários

Vem aí a internet 5G; veja como a conexão ultraveloz impactará sua vida

via BBC Brasil
Quando começarmos a usar roupas que se conectam à  internet, comprarmos carros sem motorista que se comunicam com outros carros para evitar acidentes e usarmos latas de lixo que nos avisem quando estão cheias, vamos precisar de uma conexão de internet muito mais rápida.

Por isso começou a corrida mundial para desenvolver a internet 5G, a quinta geração de conexão móvel. Os cientistas envolvidos nesta corrida estão muito entusiasmados pois, desta vez, vão fazer tudo diferente.

A conexão 5G permitirá a existência de um mundo de cidades inteligentes e interconectadas, cirurgias realizadas à  distância, com o uso de robôs e a imersão na internet das coisas (IoT, na sigla em inglês), ou seja, a interconexão digital de todos os nossos objetos cotidianos.

Este cenário será comum em apenas seis anos: cientistas, governos e empresas de comunicações investigam e fazem planos para começar a usar o 5G a partir de 2020.
Os especialistas acreditam que, até lá, o número de conexões que temos hoje em dia poderá se multiplicar por dez.

“Antes se falava que em 2020 haveria 50 bilhões de dispositivos conectados à  internet, agora se acredita que esta cifra é cautelosa”, disse à  BBC Sara Mazur, diretora de investigação da Ericsson, uma das companhias de comunicações que está liderando o desenvolvimento do 5G.

Segundo Mazur, a conexão 4G não aguenta esta demanda de conectividade, pois não foi criada para isto.

Rapidez e capacidade

Quando a Samsung anunciou em 2013 que estava experimentando a conexão 5G a 1 gigabite por segundo (Gbps), a mídia informou que os usuários poderiam baixar um filme em HD em apenas um segundo com esta conexão.

Agora, o professor Rahim Tafazolli, que lidera do Centro de Inovação de 5G da Universidade de Surrey, na Inglaterra, acredita que, no futuro, será possível ter uma conexão de dados sem fio a 800 gigas por segundo, o que significa uma conexão cem vezes mais rápida que as conexões 5G que estão sendo testadas atualmente.

Uma velocidade de 800 Gbpse equiv Leia mais

19 de agosto de 2014
por Esmael Morais
24 Comentários

Coluna do Enio Verri: Prêmio Nobel de Matemática graças a investimentos dos governos Lula e Dilma

Enio Verri*

A última semana marcada pela tragédia que vitimou sete pessoas, entre elas, o presidenciável Eduardo Campos também foi de ótimas notícias para o Brasil. Pesquisadores brasileiros financiados pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) foram premiados em grandes eventos nacionais.

O matemático Artur àvila Cordeiro de Melo, bolsista de produtividade em pesquisa nível 1A do CNPq, recebeu a Medalha Fields, conhecida como o prêmio Nobel da Matemática. Este é reconhecimento mais importante do brasileiro, constantemente premiado nos últimos dez anos.

A medalha, concedida pela União Internacional de Matemáticos (IMU), foi entregue no Congresso Internacional de Matemáticos e refere-se à  contribuição à  teoria dos sistemas dinâmicos unidimensionais. à‰ o primeiro pesquisador brasileiro e da América Latina a conquistar o prêmio Nobel da Matemática.

Na mesma semana, outro ótimo resultado para o País. Os brasileiros que disputaram a 8!ª Olimpíada Internacional de Astronomia e Astrofísica voltaram para casa com uma medalha de prata, duas de bronze e três menções honrosas.

Em Suceava, na Romênia, os pesquisadores da Universidade Federal de São Carlos e Eugênio Reis, do Museu de Astronomia e Ciências Afins (Mast/MCTI) conquistaram a inédita medalha de prata na prova de equipe. A competição reuniu 183 estudantes de 42 países.

Os resultados exuberantes não são obras do acaso ou de pura sorte. à‰ fruto de uma política de desenvolvimento do ensino superior e de pesquisa científica implantada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e aprofundada pela presidente Dilma Rousseff.

O tripé do desenvolvimento da tecnologia e inovação na área de pesquisa brasileira é fundado em uma política que envolve recursos financeiros massivos, expansão das universidades públicas e acesso ao ensino superior e o intercâmbio de conhecimento.

O pontapé inicial passa por investimentos no setor. O Plano de Ação de Ciência, Tecnologia e Inovação, lançado pelo presidente Lula, tratou de resolver o primeiro aspecto e investiu aproximadamente R$ 40 bilhões em pesquisa e inovação.

Atrelado aos investimentos massivos em pesquisa, Lula e Dilma ainda ampliaram o número de vagas no ensino superior e de instituições federais pelo interior do País. Ao todo, foram criadas mais de 15 universidades públicas, cerca de 150 campi de instituição federais e mais de 200 escolas técnicas.

A ampliação de instituições de ensino superior esteve atrelada a democratização do acesso à  universidade. Com o Programa Universidade para Todos (Prouni) e o Programa de Financiamento Estudantil (FIES), brasileiros que em outras épocas não poderiam ter uma graduação, passaram a ter a oportunidade de cursar uma faculdade.

A presidente Dilma ainda criou o Ciência Sem Fronteiras (CSF), que concede bolsa de estudos no exterior com o objetivo de intercâmbio de conhecimento e impulso da competitividade brasileira.

Os bons resultados pelo Brasil afora é fruto de um governo que planeja o desenvolvimento tecnológico, da inovação e da competitividade sob um olhar a longo prazo e sustentado por uma política séria e compromissada com o futuro do nosso País.

Leia mais

27 de julho de 2014
por Esmael Morais
9 Comentários

Coluna do Rocha Loures: Os 4 pilares do desenvolvimento das cidades

Rocha Loures, em sua coluna deste domingo, recapitula a criação do Colégio SESI e a Universidade da Indústria, durante sua gestão na Fiep, como um dos quatro pilares necessários para valorização das pessoas e o desenvolvimento das cidades:  Sustentabilidade, Educação, Tecnologia, e Cidadania Plena.  à‰ hora de dar substância aos debates eleitorais e promover o voto consciente nessa direção!, recomenda o líder empresarial; leia o texto e compartilhe.

Rocha Loures, em sua coluna deste domingo, recapitula a criação do Colégio SESI e a Universidade da Indústria, durante sua gestão na Fiep, como um dos quatro pilares necessários para valorização das pessoas e o desenvolvimento das cidades: Sustentabilidade, Educação, Tecnologia, e Cidadania Plena. à‰ hora de dar substância aos debates eleitorais e promover o voto consciente nessa direção!, recomenda o líder empresarial; leia o texto e compartilhe.

Rodrigo da Rocha Loures* ... 

Leia mais