6 de agosto de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Delegados da lava jato serão interrogados por divulgar grampos ilegais de Marisa Letícia

Delegados da lava jato serão interrogados por divulgar grampos ilegais de Marisa Letícia

A União pediu que delegados da lava jato sejam interrogados em ação de indenização por danos morais, movida pela família do ex-presidente Lula, pela divulgação de conversas privadas da ex-primeira-dama Marisa Letícia, morta em fevereiro de 2017. ... 

Leia mais

20 de junho de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em STF quebra monopólio da lava jato nas delações premiada

STF quebra monopólio da lava jato nas delações premiada

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) quebrou o monopólio da lava jato, nesta quarta (20), na celebração de delações premiadas. ... 

Leia mais

29 de março de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Delegados da Polícia Civil divulgam nota contra Beto Richa

Delegados da Polícia Civil divulgam nota contra Beto Richa

O Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Paraná (sindepol) e a Associação dos Delegados de Polícia (Adepol) divulgaram nota conjunta, nesta quinta (29), contra o governador Beto Richa (PSDB) pelo afastamento do delegado Wilkinson Fabiano Oliveira de Arruda da investigação que apura o atentado contra a vida do ex-presidente Lula. ... 

Leia mais

18 de fevereiro de 2016
por Esmael Morais
8 Comentários

Coluna do Reinaldo de Almeida César: Richa manda ‘beijinhos no ombro’ ao invés de cumprir palavra com policiais

Reinaldo de Almeida César*

Alertado por um bom amigo, do risco de ver o resultado de minha dedicação e esforços ser esfumaçado por uma descarada usurpação, perdi os freios inibitórios e resolvi assumir os feitos (e também os fracassos) de minha passagem pela Secretaria de Segurança Pública, entre os anos de 2011 e 2012, período em que se elaborou e se apresentou o programa “Paraná Seguro”, que depois foi reeditado e requentado, como compromisso de campanha, na eleição de 2014.

Decidido, pois, a refletir e a registrar tudo o que aconteceu, comecei a escrever e não parei mais.

Resultado, reuni pouco mais de duas centenas de páginas de memórias e documentos sobre os acontecimentos daquele período, divagando de maneira especial sobre a elaboração, o conteúdo e sobre o que já foi realizado no contexto do programa “Paraná Seguro”, tal como concebido.

Contudo, a cada vez que meus indômitos botões me perguntam se algum dia haverei de publicar estas reminiscências na íntegra, acabo me recordando da fina ironia e do humor cortante de Nelson Rodrigues, para quem “todo memorialista é um mentiroso”.

***
Assim que assumi a SESP, em janeiro de 2011, logo de imediato, não mais que de repente, um enorme problema tomou espaço em minha mesa de trabalho e em minhas preocupações.

Ocorre que, no apagar das luzes da legislatura anterior, em plena efervescência do período eleitoral de 2010, a Alep aprovou a PEC 64, ao apreciar a Emenda 29, estabelecendo um prazo fatal de 180 dias para o governo implantar o subsídio previsto constitucionalmente como forma de remuneração para policiais civis, militares e bombeiros.

Faço uma apertada síntese dos fatos para dizer que, ao final e ao cabo, depois de muita argumentação, exaustivas reuniões e de legítimas manifestações sindicais e classistas, conquistou-se para nossos dedicados policiais, em maio de 2012, a maior remuneração entre as forças de segurança do Brasil, tendo como pano de fundo a implantação do subsídio.

As tabelas de vencimentos das polícias do Paraná foram, então, ao topo da escala remuneratória nacional, servindo a partir daí de referências nas pretensões e reivindicações salariais das forças de polícia pelo Brasil afora, incluindo a Polícia Federal.

Lembro-me do telefonema que recebi do então presidente da Associação Nacional dos Delegados da PF, Marcos Leoncio, pedindo-me que lhe enviasse com urgência a nova tabela implantada, a fim de que na audiência que teria naquele dia com o Ministro da Justiça, pudesse ele mostrar a tabela do Paraná, onde delegados da Civil tinham ultrapassado o patamar de remuneração dos delegados federais.

O governador Alckmin, certa feita, disse ao governador Beto Richa que as novas tabelas das polícias do Paraná haviam lhe criado enormes dificuldades em São Paulo.

Os policiais do Paraná devem muito deste extraordinário resultado obtido na implantação do subsídio ao então secretário de Administração, Luis Eduardo Sebastiani, que soube compreender a fundamental importância de se remunerar com dignidade os trabalhadores da segurança pública.

Abro aqui um p Leia mais

29 de maio de 2014
por Esmael Morais
25 Comentários

Um terço das comarcas do Paraná não têm delegados de polícia

via Folha de Londrina

Das 161 comarcas do Paraná, 53, ou 33%, não têm delegado de polícia. Atualmente trabalham no Estado 356 delegados. Os dados são da Polícia Civil do Paraná. O governo do Estado anunciou nos últimos dias a contratação de 75 novos delegados em uma tentativa de amenizar o problema. A promessa é que todas as comarcas desfalcadas terão os cargos preenchidos.

Diante dessa realidade o que se vê são delegados acumulando a função em diversos municípios e com dificuldades para realizar o trabalho de investigação de crimes. “Toda a investigação é dirigida pelo delegado e com a ausência dele o trabalho fica prejudicado. Existem profissionais que trabalham direto, sem fim de semana para poder atender várias cidades”, apontou Roberto Nascimento, presidente da Associação dos Delegados da Polícia Civil do Paraná (Adepol).

Para Ademilson Batista, presidente do Sindicato dos Policiais Civis de Londrina e Região (Sindipol), a presença do delegado o dia todo em uma mesma delegacia é fundamental. Para ele, também faltam investigadores e escrivães nas delegacias do Estado. “Todos sabem que uma das formas de diminuir a violência é aumentar o efetivo, é ter polícia na rua. Enquanto houver sensação de impunidade, os índices não vão cair”, frisou. “Não adianta só nomear delegados, é preciso [que sejam nomeados] mais investigadores e escrivães”, cobrou Nascimento.

Além dos novos delegados, o Estado anunciou também a nomeação de 413 investigadores e 48 papiloscopistas. Os contratados estão cumprindo a fase de entrega de documentos e exames médicos. De acordo com o delegado geral da Polícia Civil do Paraná, Riad Braga Farhat, os novos delegados devem começar a trabalhar em agosto, após realizarem um curso com práticas de tiro, ações policiais, técnicas de investigação e direitos humanos. “Todas as comarcas sem delegados serão contempladas”, garantiu Farhat.

O delegado José Arnaldo Peron é titular da Delegacia de Bela Vista do Paraíso e acumula a função em Primeiro de Maio, sede de comarca, e Alvorada do Sul, todas na Região Metropolitana de Londrina. Peron não esconde a principal dificuldade para realizar o trabalho. “Você passa mais tempo se deslocando do que na própria delegacia. Pela demanda existente essas cidades necessitam de um delegado em tempo integral”, relatou.

Outra comarca pertencente a 10!ª Subdivisão Policial (SDP) sem delegado é a de Centenário do Sul. O delegado titular de Porecatu, Elizandro Correia, acumula a função no município e em outras cinco cidades da regi Leia mais