3 de abril de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Comandante assegura que Exército vai respeitar a Constituição

Comandante assegura que Exército vai respeitar a Constituição

O general Eduardo Villas Bôas, comandante-geral do Exército, afirmou nesta terça (3) que as Forças Armadas respeitarão a Constituição. A declaração do militar foi uma ducha fria nos setores da caserna que defendem um golpe e a instauração de uma ditadura no país. ... 

Leia mais

3 de abril de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em A bravata do general da reserva contra Lula na mídia golpista

A bravata do general da reserva contra Lula na mídia golpista

Soou como bravata a declaração do general da reserva Luiz Gonzaga Schroeder Lessa, segunda qual, se o STF deixar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva solto, estará agindo como “indutor” da violência entre os brasileiros, “propagando a luta fratricida, em vez de amenizá-la”. A afirmação do ministro Gilmar Mendes nesta terça (3), em Portugal, de que ‘a Suprema Corte não deve se curvar às pressões externas’ também vale para o militar.  ... 

Leia mais

20 de setembro de 2017
por Esmael Morais
92 Comentários

General que defendeu intervenção militar não será punido, diz comandante do Exército

Saiu barato para o general Antonio Hamilton Mourão, que, nesta semana, defendeu a intervenção militar para conter as crises política e institucional no país. Leia mais

2 de novembro de 2015
por Esmael Morais
17 Comentários

PT não é responsável pela crise ética, afirma general do Exército

do Brasil 247

general_villas_boasO comandante do Exército Brasileiro, general Eduardo Villas Bôas, afirma que há sim uma crise ética no país, mas que a chegada do PT ao poder não tem responsabilidade nisso. Para ele, a corrupção está instalada no Brasil, mas todas as instituições estão em pleno funcionamento, razão pela qual não há chance de intervenção dos militares.

“O Brasil é um país com instituições sólidas e amadurecidas, que estão cumprindo seus papéis. O Brasil é um país sofisticado, com sistema de pesos e contrapesos, ou seja, não há necessidade de a sociedade ser tutelada. Nosso papel é essencialmente institucional, legal e focado na manutenção da estabilidade para permitir que as instituições cumpram suas funções”, disse Villas Bôas ao Estado (aqui).

As declarações do comandante supremo do Exercito sucedem a demissão do comandante militar do Sul, general quatro estrelas Antonio Hamilton Martins Mourão, transferido para a Secretaria de Economia e Finanças em Brasília, por incitação ao golpe contra o governo \Dilma Rousseff. Para Mourão, o Brasil carecia de um “despertar de uma luta patriótica”. Disse ainda que “a vantagem da mudança (da presidente da República) seria o descarte da incompetência, má gestão e corrupção”. Leia mais