15 de outubro de 2014
por esmael
12 Comentários

Fundador amplia racha na Rede Sustentabilidade ao declarar apoio a Dilma; assista ao vídeo

Edson Luiz Teixeira, um dos fundadores da Rede Sustentabilidade no Paraná, em vídeo, conta sua decepção com Marina Silva e declara seu voto em Dilma. Leia mais

11 de outubro de 2014
por esmael
25 Comentários

Contra a velha política!, Marina anuncia neutralidade! neste domingo

A ex-candidata Marina Silva deverá anunciar neste domingo (12) “neutralidade” no segundo turno desta eleição. Pelo menos é o indica uma “nota de orientação” encaminhada pela executiva nacional da Rede Sustentabilidade aos seus militantes em todo o país. O Blog do Esmael teve acesso ao documento interno que é reproduzido abaixo.

“Em respeito aos que votaram em Aécio acreditando na mudança, aos que não definiram sua posição e aos que não se sentem representados pela polarização que persiste há 20 anos, delegamos a cada militante avaliar em qual dessas alternativas as propostas de mudança qualificada, expressa pela candidatura Marina Silva, estará melhor representada”, diz um trecho da nota.

A Rede sustenta que o resultado do primeiro turno mostra reprovação do eleitorado ao governo de Dilma, mas, ainda segundo o documento, “revelou também que esse desejo de mudança foi tragado para dentro da velha polarização PT x PSDB”.

Leia a íntegra do documento que libera os militantes da Rede:

Rede Sustentabilidade afirma sentimento de mudança e se manterá vigilante e independente em relação ao próximo governo

O resultado do primeiro turno das eleições presidenciais comprovou a existência de um indiscutível desejo de mudança na sociedade brasileira.

Dentro desse anseio, a candidata Marina Silva, da Rede Sustentabilidade e da Coligação Unidos pelo Brasil, obteve honrosos 22% dos votos, mostrando que parcela significativa da sociedade continua apoiando uma mudança qualificada, que tem como centro o desenvolvimento sustentável e a nova política.

Também salta aos olhos a quantidade de votos nulos, brancos e abstenções, quase 30%, que demonstra também uma insatisfação crescente com o modelo político atual e acende o sinal amarelo para a urgência de mudanças estruturais de qualidade, sob pena de aumentar o descrédito nas instituições e na democracia.

O resultado do primeiro turno tornou evidente que a maioria da sociedade não aprova o atual governo e que não quer sua continuidade.Revelou também que esse desejo de mudança foi tragado para dentro da velha polarização PT x PSDB e aprisionado nos limites de uma estrutura política em crise profunda, porque nela os instrumentos de poder !“ sejam eles políticos, midiáticos ou econômicos !“ exercem forte pressão sobre a vontade popular, dificultando a escolha de uma alternativa real de mudança. Mesmo assim, o resultado geral mostra que o medo não derrotou a esperança, apenas adiou para um novo momento essa possibil

30 de junho de 2014
por esmael
18 Comentários

Em nota oficial, Rede anuncia retirada de apoio a Rosane do PV

A candidatura de Roberto Requião (PMDB) e Rosane Ferreira (PV) ao governo do Paraná, nesta segunda (30), não terá o apoio da Rede Sustentabilidade — o partido de Marina Silva. A agremiação não tem existência legal no país.

Em nota oficial assinada por Flávia Romagnoli e Eduardo Reiner, divulgada no site do diretório estadual, tem a sentença: “o apoio da #Rede Sustentabilidade à  candidatura de Rosane Ferreira (PV) será retirado caso a mesma seja confirmada candidata à  vice-governadora na chapa de Roberto Requião (PMDB)”.

A seguir, leia a íntegra da nota oficial da Rede:

NOTA DO DIRETà“RIO ESTADUAL PROVISà“RIO !“ ELEIà‡à•ES 2014

#Rede | PR
30 de junho de 2014

NOTA DO DIRETà“RIO ESTADUAL PROVISà“RIO DA #REDE SUSTENTABILIDADE DO PARANà AOS FILIADOS
Curitiba, 28/06/2014

Informamos aos filiados da #Rede Sustentabilidade no Paraná que, em conformidade à  deliberação tida em nossa Convenção Estadual e homologada pelo Congresso Nacional da #REDE Sustentabilidade, o apoio da #Rede Sustentabilidade à  candidatura de Rosane Ferreira (PV) será retirado caso a mesma seja confirmada candidata à  vice-governadora na chapa de Roberto Requião (PMDB), de Gleise Hoffman (PT) ou de qualquer outro candidato para o governo do Estado. Nosso apoio sempre esteve vinculado à  candidatura própria do Partido Verde.

Toda e qualquer deliberação de apoio a candidatos ao Governo do Estado do Paraná só se dará caso haja entendimento e referendo da Executiva Nacional da #REDE Sustentabilidade e do Diretório Provisório da #Rede Paraná.
Cordialmente,

Flávia Romagnoli e Eduardo Reiner
Diretório Estadual Provisório
#rede sustentabilidade !“ Paraná

4 de outubro de 2013
por esmael
9 Comentários

Sem Rede, Marina anuncia futuro político nesta sexta

do Brasil 247
A ex-senadora Marina Silva vai anunciar hoje (4), em entrevista coletiva à  imprensa, se vai concorrer à s eleições do ano que vem por outra legenda. Na noite desta quinta-feira, por votos a 6 votos a 1, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negou registro ao partido Rede Sustentabilidade, fundado por Marina. Os ministros entenderam que a legenda não conseguiu o mínimo de 492 mil assinaturas de apoiadores exigido pela Justiça Eleitoral.

Após o julgamento, Marina Silva disse que não está decepcionada com a decisão do TSE, porque entende que a corte reconheceu que a Rede preencheu os demais requisitos da Justiça Eleitoral. “O mais importante é que nós obtivemos nesta corte a declaração de todos os ministros de que nós temos os requisitos mais importantes para ser um partido político. Eles disseram que nós temos um programa e representação social. O registro é só uma questão de tempo!, declarou.

De acordo com a lei da Justiça Federal, Marina tem até este sábado para anunciar filiação a algum partido caso ainda queira concorrer em 2014.

O tucano Aécio Neves (PSDB) até sondou a possibilidade de ter Marina como vice em sua chapa. Mas como segunda candidata das pesquisas, ela deve usar sua força sozinha, como uma das alternativas contra Dilma no palanque. Segundo nota do Painel, da Folha, o senador mineiro vai telefonar hoje para Marina. Dirá que ela terá papel fundamental em 2014, qualquer que seja sua decisão sobre concorrer ou não.

Entre as saídas consideradas pelo grupo de Marina estão:


Originado do Partido Comunista Brasileiro (PCB), o partido estava esperando a adesão de José Serra, que ameaçava deixar o PSDB. O presidente da sigla, Roberto Freire, deixou claro ontem mesmo que a ex-senadora é bem-vinda, mas disse que cabe a Marina tomar uma decisão.! No PPS, ela não enfrentará nenhum constrangimento. Se houver divergência é de ideia, não de princípios éticos!, disse.

PEN
O Partido Ecológico Nacional (PEN) foi criado no ano passado e tem bandeiras semelhantes à s de Marina. A sigla até poderia ser rebatizada de Rede, mas a falta de estrutura partidária é um ponto negativo.

PV
Em 2010, Marina concorreu à  Presidência pela sigla, após ela deixar o PT. No entanto, saiu brigada com a cúpula.

Abandonar 2014
Sair da disputa com o sentimento de que tentou de tudo, perder a credibilidade de aderir a um partido convencional ou deixar um terço de eleitores na mão?

Leia o artigo de Marina publicado nesta sexta, na Folha:

Eu já sabia

à‰ claro que o título acima é uma brincadeira. Escrevo antes da sessão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que vai julgar o pedido de registro da Rede e não posso antecipar o resultado, embora mantenha viva e forte minha confiança na Justiça.

A Rede é uma realidade e já contribui para a ampliação e o aprofundamento da democracia no Brasil. Em primeiro lugar, porque oferece um espaço de reencantamento com a política para uma vasta parcela da população que se mantinha afastada, profundamente decepcionada com os partidos, discursos e práticas dominantes.

A Rede abre uma porta especialmente para a juventude. Oferece aos jovens uma possibilidade de expressão, ação e elaboração de novos ideais e projetos identificatórios. Isso é de uma importância incalculável, uma estreita ponte para um futuro possível.

Mesmo enfrentando a resistência de quem quer manter o “status quo” a qualquer custo, a Rede cria uma agenda estratégica para o país e inscreve o debate sobre a sustentabilidade em sua página central. Questiona os falsos consensos sobre produção e consumo, energia, infraestrutura e todos os elementos de uma ideia de progresso que herdamos do século passado e que já chegou ao seu limite.

E até nas dificuldades para se institucionalizar, a Rede denuncia os limites do sistema jurídico e político do país e abre a possibilidade de mudanças. Invertendo a prática comum dos partidos, de primeiro se registrarem para depois buscarem representatividade social, a Red