6 de Maio de 2015
por esmael
17 Comentários

Richa cria ‘governo de zumbis’ ao deixar secretários na marca do pênalti

zumbis_governo_richa

O governador Beto Richa (PSDB) tem mostrado bastante vacilante em relação à troca no secretariado, postura bem diferente que adotou quando autorizou o bombardeio de professores no último dia 29 de abril.

De acordo com o Palácio Iguaçu, o titubeante tucano teve “compaixão” com o secretário da Segurança, Fernando Francischini, que teria pedido uma segunda chance no cargo.

Após reunião que Francischini teve hoje com o governador no “Chapéu Pensador” — uma espécie de gabinete escondido, que pertence a Copel — Richa foi classificado por pessoas próximas ao secretário de “covarde” e acusado de “não honrar as calças que veste” e pertencer a uma “quadrilha”.

Nos bastidores do Centro Cívico, já se discute substitutos do Batman. Entre os cotados estão o ex-deputado delegado Bradock, sargento Fahur e o delegado da Polícia Federal José Iégas.

Além de Francischini, o comandante geral da Polícia Militar, coronel César Kogut, também está na marca do pênalti. Richa avisou que o demitiria, mas igualmente voltou atrás a pedido do deputado Mauro Moraes (PSDB). Aliás, o militar endereçou no início desta tarde uma “carta ácida” ao governador acusando o ainda secretário da Segurança de participar do planejamento do massacre dos professores.

25 de Fevereiro de 2014
por esmael
29 Comentários

Coluna do André Vargas: “Só falta o governador Richa nomear o homem da sogra para a Segurança”

André Vargas, em sua coluna de hoje, relata as trapalhadas de Beto Richa que teria "nomeado" o delegado da PF José Iegas sem pedir sua disposição funcional ao Ministério da Justiça; "o governador desconhecia as normas do Ministério da Justiça que não permite que um membro de sua alta cúpula assuma um cargo público em outro órgão sem antes passar por um período fora da Polícia Federal", criticou; colunista disse ainda que a tragédia na área da segurança já era anunciada; o Paraná precisa de um comando e quem deveria comandar é o próprio governador Beto Richa que, ao contrário, prefere ficar chorando nos quatro cantos do Estado, dizendo que o governo federal não o ajuda. Mentira!; ao final, o vice-presidente da Câmara sugere que Beto Richa nomeará Ezequias Moreira, o homem da sogra, como interventor na Secretaria de Segurança Pública; Pois é só o que falta!, sapeca.

André Vargas, em sua coluna de hoje, relata as trapalhadas de Beto Richa que teria “nomeado” o delegado da PF José Iegas sem pedir sua disposição funcional ao Ministério da Justiça; “o governador desconhecia as normas do Ministério da Justiça que não permite que um membro de sua alta cúpula assuma um cargo público em outro órgão sem antes passar por um período fora da Polícia Federal”, criticou; colunista disse ainda que a tragédia na área da segurança já era anunciada; o Paraná precisa de um comando e quem deveria comandar é o próprio governador Beto Richa que, ao contrário, prefere ficar chorando nos quatro cantos do Estado, dizendo que o governo federal não o ajuda. Mentira!; ao final, o vice-presidente da Câmara sugere que Beto Richa nomeará Ezequias Moreira, o homem da sogra, como interventor na Secretaria de Segurança Pública; Pois é só o que falta!, sapeca.

André Vargas*

à‰ certo que o indivíduo não só tem o direito como o dever de auxiliar o Estado na organização de ações da segurança pública. Isto o torna um cidadão consciente e o compromete com a missão e o desempenho dos programas governamentais que visem à  redução da insegurança da população. No caso do Estado do Paraná, pergunto: como participar, se o governador pouco ou nada entende do assunto, não participa das ações nem como chefe maior do poder, não dá oportunidade e, o que é ainda mais lamentável, não consegue administrar tão vital e importante setor que mexe com a vida de todos nós? Leia mais

24 de Fevereiro de 2014
por esmael
27 Comentários

Richa fica sem “Batman” e “Robin” na Segurança Pública do Paraná

Ministro José Eduardo Cardozo, nesta segunda (24), negou liberação funcional do delegado da PF José Iegas, conhecido com Robin, para assumir a Secretaria de Segurança Pública do Paraná; como era de esperar, Richa diz que culpa é de Gleisi; enquanto isso, o Paraná segue sem segurança.

Ministro José Eduardo Cardozo, nesta segunda (24), negou liberação funcional do delegado da PF José Iegas, conhecido com Robin, para assumir a Secretaria de Segurança Pública do Paraná; como era de esperar, Richa diz que culpa é de Gleisi; enquanto isso, o Paraná segue sem segurança.

O governador Beto Richa (PSDB) está sem comandante na Secretaria de Segurança Pública do Paraná. Leia mais

20 de Fevereiro de 2014
por esmael
4 Comentários

Bem-vindo, secretário: Polícia Civil suspende as atividades no Paraná

da Agência Brasil
Até a meia-noite de hoje (20), o cidadão que for a qualquer delegacia de polícia do Paraná só será atendido caso a queixa seja considerada uma urgência. Isso porque parte dos policiais civis paralisaram parcialmente suas atividades por 24 horas, a partir da zero desta quinta-feira. Eles exigem do governo estadual aumento salarial, a transferência para presídios dos detentos que cumprem pena em delegacias, progressão funcional, concessão de promoções e a imediata contratação de 500 candidatos já aprovados em concurso público.

[Em tempo: uma assembleia nesta tarde pôs fim à  paralisação devido recuo do governador Beto Richa, que se dispôs a atender as reivindicações da categoria; policias voltam se reunir no próximo dia 14 de março.]

De acordo com o presidente do Sindicato das Classes Policiais Civis do Estado do Paraná (Sinclapol), André Luiz Gutierrez, ao menos 70% da categoria aderiu à  paralisação. Em seu site, o sindicato orientou os policiais em serviço a só atenderem flagrantes delitos, casos de homicídios e a guarda de presos. Já os que estão de folga foram convocados a comparecer à s delegacias a fim de apoiar o movimento. O Sinclapol espera que agentes do interior viajem à  capital, onde, à s 14 horas, haverá uma assembleia para analisar e votar a proposta apresentada pelo governo estadual na noite ontem (19) .

Segundo Gutierrez, durante a reunião no Palácio Iguaçu, o governador Beto Richa sinalizou com o atendimento à s reivindicações da categoria. Ele esclareceu que a primeira medida será esvaziar as delegacias, transferindo os presos já condenados para cadeias públicas. A remoção deve começar por Curitiba na próxima segunda-feira (24) e, até o fim da próxima semana, o governo apresentará um cronograma de transferência dos apenados que estão detidos em delegacias do interior do estado.

Gutierrez adiantou à  Agência Brasil que, se as propostas de transferência de presos discutidas durante a reunião forem cumpridas, todos os condenados serão removidos das delegacias estaduais até o fim deste ano. Segundo o sindicalista, só em Curitiba há cerca de 500 apenados cumprindo sentença em delegacias. Quanto ao reajuste salarial, os representantes da categoria e das secretarias de Administração e de Fazenda vão se reunir a partir da semana que vem para verificar a atual

19 de Fevereiro de 2014
por esmael
16 Comentários

Batman refuga. Richa nomeia José Iégas como secretário de Segurança

Francischini recusou convite para assumir a Segurança Pública do Paraná; parlamentar do Solidariedade prefere disputar a reeleição a correr risco de permanecer apenas 9 meses no cargo; na noite desta quarta, Richa nomeou o também delegado da PF José Iégas como novo titular da pasta; Cid Vasquez se demitiu ontem à  noite depois de perder a queda de braço com o Gaeco.

Francischini recusou convite para assumir a Segurança Pública do Paraná; parlamentar do Solidariedade prefere disputar a reeleição a correr risco de permanecer apenas 9 meses no cargo; na noite desta quarta, Richa nomeou o também delegado da PF José Iégas como novo titular da pasta; Cid Vasquez se demitiu ontem à  noite depois de perder a queda de braço com o Gaeco.

O deputado federal Fernando Francischini, o Batman, refugou. Não aceitou o convite para assumir a Secretaria de Estado de Segurança Pública. Acha mais seguro concorrer à  reeleição na Câmara. Não quis correr riscos de ficar apenas 9 meses na pasta. Leia mais