12 de fevereiro de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em Venezuela denuncia golpismo dos EUA e a farsa da ‘ajuda humanitária’

Venezuela denuncia golpismo dos EUA e a farsa da ‘ajuda humanitária’

Manifestações de apoio ao presidente Maduro ocorreram nesta terça em todo país

O chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, denunciou nesta terça-feira (12) na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), nos Estados Unidos (EUA), a tentativa de golpe contra a Venezuela e a farsa em curso da chamada “ajuda humanitária”. ... 

Leia mais

24 de janeiro de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em OEA lamenta saída de Jean Wyllys do Brasil

OEA lamenta saída de Jean Wyllys do Brasil

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), da Organização dos Estados Americanos (OEA), lamentou nesta quinta-feira (24), por meio do Twitter, a saída do deputado federal Jean Wyllys (PSOL) do Brasil. ... 

Leia mais

23 de janeiro de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em Oposição pró-EUA tenta golpe com ‘banho de sangue’ na Venezuela

Oposição pró-EUA tenta golpe com ‘banho de sangue’ na Venezuela

A oposição de direita na Venezuela segue intensificando sua agenda golpista para derrubar por todos os meios o governo constitucional de Nicolás Maduro. Nesta quarta-feira (23), os oposicionistas convocaram atos violentos em todo país para criar um ambiente de desestabilização interna. ... 

Leia mais

22 de janeiro de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em Assembleia Nacional tenta golpe contra Maduro ‘nomeando’ embaixador para OEA

Assembleia Nacional tenta golpe contra Maduro ‘nomeando’ embaixador para OEA

A Assembleia Nacional da Venezuela, de maioria antigovernista, “nomeou”, nesta terça-feira (22), Gustavo Tarre Briceño como “embaixador especial” do país na Organização dos Estados Americanos (OEA). Uma atribuição e competência legal somente do Poder Executivo, segundo a constituição vigente no país. ... 

Leia mais

13 de novembro de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Relatório da OEA aponta retrocesso nos direitos humanos no Brasil

Relatório da OEA aponta retrocesso nos direitos humanos no Brasil


O Brasil vive um retrocesso nos direitos humanos, essa foi a principal conclusão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da OEA – Organização dos Estados Americanos – após uma semana de visitas a diversos estados do país. A comissão apresentou na segunda-feira(12) no Rio de Janeiro um relatório preliminar com recomendações às autoridades do país.

O documento destacou violações a indígenas, quilombolas, moradores de rua, trabalhadores rurais, presos e moradores de favelas e periferias, além de imigrantes, transexuais, defensores dos direitos humanos e à imprensa.

A CIDH passou a última semana, a convite do governo brasileiro, se reunindo com a União, diversos órgãos públicos, representantes da sociedade civil, defensores dos direitos humanos, comunidades e vítimas de violência. Foram visitados estados como Brasília, Minas Gerais, Pará, São Paulo, Maranhão, Roraima, Bahia, Mato Grosso do Sul e Rio de Janeiro. É a segunda vez que a comissão vem ao Brasil, apesar de fazer um monitoramento constante à distância —a primeira foi em 1995.

No relatório, foram abordados as violações das terras indígenas, os conflito agrários no norte e centro-oeste do país, a escalada da homofobia, o crescimento da violência policial depois da intervenção no Rio, as chacinas nas periferias das grandes cidades e a falta da conclusão do assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista.

Nós próximos meses a OEA vai preparar e publicar um relatório final sobre a situação do país.

*Com informações da Folha São Paulo Leia mais

26 de outubro de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Prevendo a derrota, partido de Bolsonaro questiona até a OEA

Prevendo a derrota, partido de Bolsonaro questiona até a OEA

O presidente do PSL, Gustavo Bebianno, afirmou nesta sexta (26) que a Organização dos Estados Americanos (OEA) tem viés esquerdista e “finge estar tudo bem”. Para ele, o sistema eleitoral não garante transparência e credibilidade.

LEIA TAMBÉM: 

Campanha de Bolsonaro virou caso de polícia, segundo a Folha ... 

Leia mais

25 de outubro de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em “O uso do WhatsApp para criar notícias falsas é um fenômeno sem precedentes”, diz chefa da missão da OEA

“O uso do WhatsApp para criar notícias falsas é um fenômeno sem precedentes”, diz chefa da missão da OEA


“O fenômeno que estamos vendo no Brasil não tem precedentes”, afirmou Laura Chinchilla, chefa da missão da Organização dos Estados Americanos (OEA) para acompanhar as eleições no Brasil, à imprensa nesta quinta-feira (25) em São Paulo. “É a primeira vez em uma democracia que estamos observando o uso de WhatsApp para difundir continuamente notícias falsas”, disse.

A afirmação da chefe da missão da OEA foi dada após reunião realizada nesta quinta-feira em um hotel na zona sul da capital paulista entre representantes da missão da OEA e o candidato do PT a presidente, Fernando Haddad, sua vice, Manuela D’Ávila (PCdoB), a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, e o ex-ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim.

Na segunda-feira (22), representantes do PT haviam entregado à missão da OEA denúncias relativas à violência e às notícias falsas que têm marcado as eleições de 2018 no Brasil.

Na coletiva de hoje, Laura afirmou à imprensa a necessidade de se adotar um tom construtivo no debate: “Esse processo eleitoral foi impactado por alguns fenômenos ligados ao clima político, entre eles um discurso que tende a incentivar, digamos, a violência política”.

A chefe da missão da OEA, que pretende se encontrar também com autoridades brasileiras e com integrantes da campanha de Jair Bolsonaro, afirmou que a organização irá “sublinhar a importância de que o voto no segundo turno seja racional, informado e não um voto movido por muitos dos sentimentos das notícias falsas”.

*Com informações de Agências
*Foto reprodução UOL Leia mais

9 de maio de 2018
por editor
Comentários desativados em Brasil foi questionado na OEA sobre intervenção no Rio e assassinato de Marielle Franco

Brasil foi questionado na OEA sobre intervenção no Rio e assassinato de Marielle Franco

O Brasil foi questionado na Organização dos Estados Americanos (OEA) sobre violações dos direitos humanos no âmbito da intervenção militar federal no Rio de Janeiro e pelo assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e seu motorista Anderson Gomes. A sessão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da OEA foi realizada ontem (8), em Santo Domingo na República Dominicana.

Os questionamento foram encaminhados por representantes da sociedade civil brasileira e reiterados pela CIDH. Sobre a intervenção militar no Rio de Janeiro, o Brasil foi questionado pela natureza da operação, que seria vedada pela Constituição Federal. A falta de transparência e as violações aos direitos humanos na operação também foram questionadas.

No caso do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes, o Brasil foi questionado pela demora nas investigações. Ocorrido há mais de 50 dias, o duplo assassinato ainda não foi esclarecido. A audiência deste caso teve a participação da viúva de Marielle, Mônica Benício.

“Viemos aqui para reafirmar que a execução de Marielle não será instrumentalizada para o recrudescimento das bárbaras políticas que a executaram. Não toleraremos nem mais um dia da falsa narrativa à guerra às drogas, do confronto armado que esconde o profundo comprometimento dos agentes dos estados, perpetuando arranjos lucrativos do tráfico de drogas e de armas. A farsa não se sustentará em nome de Marielle”, afirmou Mônica.

Pela sociedade civil, participaram as entidades Justiça Global, Conectas, Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos (ABGLT), Terra de Direitos, Redes da Maré e a Defensoria Pública do Rio de Janeiro.

O Estado Brasileiro  enviou representantes do Ministério de Relações Exteriores, Ministério de Direitos Humanos, Advocacia Geral da União, Secretaria Nacional de Juventude e do Ministério Público Federal do Rio de Janeiro.

Com informações do

Brasil de Fato ... 

Leia mais