19 de junho de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Lava jato não apresenta provas contra Gleisi Hoffmann

Lava jato não apresenta provas contra Gleisi Hoffmann

A defesa da senadora Gleisi Hoffmann encerrou sustentação oral e pediu sua absolvição por falta de provas. A petista está sendo julgada pela Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal. ... 

Leia mais

5 de fevereiro de 2018
por Esmael Morais
7 Comentários

Jucá estancou mais uma sangria no STF

O senador Romero Jucá (MDB-RR) é um craque do estancamento de sangrias no Supremo. Ele começou esta semana, por exemplo, se livrando de uma bronca que já durava 14 anos sobre suposta prática de desvio de recursos públicos. O crime prescreveu, por isso o ministro Marco Aurélio Mello arquivou a denúncia. ... 

Leia mais

16 de fevereiro de 2017
por Esmael Morais
10 Comentários

Tucanos desistem de 2018 para evitar a cadeia

A adesão do PSDB ao ilegítimo governo Michel Temer tem como objetivo pragmático “estancar a sangria” da Lava Jato, isto é, evitar que tucanos de alta plumagem sejam presos pela corrupção que praticaram na Petrobras. Leia mais

16 de fevereiro de 2017
por Esmael Morais
12 Comentários

PSDB emplaca novo ministro da Justiça

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) conseguiu emplacar o ex-ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Carlos Velloso para o Ministério da Justiça. Leia mais

7 de fevereiro de 2017
por Esmael Morais
8 Comentários

Janot mira a cúpula do PMDB; Moraes matará no peito?

A indicação do ministro Alexandre Moraes, da Justiça, para o lugar do falecido Teori Zavascki no STF traz à lembrança outro personagem daquela corte máxima: Luiz Fux. Leia mais

1 de junho de 2016
por Esmael Morais
36 Comentários

Temer cumpre “pacto” do golpe com STF ao aumentar salários para o judiciário

temer_lewandowski_renan

O presidente provisório Michel Temer (PMDB) cumpriu “pacto” firmado com o Supremo Tribunal Federal ao conseguir aprovar na Câmara, na noite desta quarta-feira (1º), projeto que reajusta os salários dos servidores do judiciário em uma média de 41% de forma escalonada, em oito parcelas, de 2016 a julho de 2019.

Esse aumento seria um dos motivos do acordo pela aprovação do impeachment da presidente eleita Dilma Rousseff (PT), que se recusava falar sobre esse aumento — segundo gravações feitas pelo delator Sérgio Machado (PSDB). Leia mais