29 de setembro de 2015
por Esmael Morais
27 Comentários

Por 34 votos a 16, Assembleia aprova novo ‘pacote de maldades’ de Richa

roma_tadeuO governador Beto Richa (PSDB) conseguiu aprovar nesta terça-feira (29) o ‘pacote de maldades 3’ na Assembleia Legislativa do Paraná. A sessão foi bastante confusa porque deu pane no painel eletrônico de votação.

Pelo placar de 34 votos a favor e contra 16, a “bancada do camburão” atropelou a diminuta oposição que conseguiu aprovar somente três emendas. Leia mais

23 de setembro de 2015
por admin
10 Comentários

Coluna do Reinaldo de Almeida César: Richa e seu supersecretário importado querem colocar os paranaenses no pelourinho

Download

Reinaldo de Almeida César*

Confesso que se alguém tivesse apenas me contado, não acreditaria. Se eu tivesse lido, então, esfregaria os olhos para reler e confirmar.

Nada disso. Ouvi. Foi pelas ondas da Rádio CBN que o supersecretário da Fazenda, Mauro Ricardo Costa, falando sobre o projeto de majoração do Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD), pronunciou a peitos abertos, com o indisfarçável sotaque carioca, que “aquela elite que tem alta renda não quer se sacrificar para compensar uma redução das pessoas de menor renda”.

Como assim? O projeto enviado para a Assembleia Legislativa (Alep) previa aumentar de 4 para 6% a alíquota do imposto para bens entre 300 e 700 mil e de 4 para 8% o imposto a incidir na transmissão por herança ou doação para bens acima de 700 mil. Isso é elite para o supersecretário?

Já se divulgou que o supersecretário amealha o seu salário mensal de quase 30 mil reais e ainda abocanha polpudos jetons em cinco conselhos. Em alguns meses de Paraná, portanto, o supersecretário, estaria na “elite”?

O supersecretário cometeu uma das mais nefastas impropriedades para um gestor público: estimular a divisão de classes. Deu voz a um discurso maniqueística do rico contra o pobre. E eu que achava que os discursos contra a “zelite” estivessem do outro lado da rua.

***

Em boa hora, outras vozes se levantaram, agora na Alep, entre elas, a do experiente deputado Plauto Miró (DEM).

Não demorou muito e os luas pretas que orbitam o Palácio, alguns com segundas e terceiras intenções, outros mirando o prédio vizinho recheado de contas e poder, começaram o sórdido ataque, procurando vincular, de forma covarde, Plauto Miró a interesses de abastados e oligarcas, castas que seriam contrárias ao projeto de aumento do ITCMD.

Conheço o deputado Plauto Miró há muitos anos. Embora com pequena diferença de idade, convivemos na nossa adolescência e juventude em Ponta Grossa.

Todos nós, à época, sabíamos que Plautinho era neto de senador, filho de ex-prefeito, reconhecidamente de família com posses, que se somava à tradição dos Slaviero. No entanto, Plauto e seus irmão Leia mais