Que feio! Richa determina na quarta repressão a professores contrários ao confisco da previdência

pm_alepO secretário da Segurança Pública, Fernando Francischini (SD), na próxima quarta-feira (29), vai comandar pessoalmente nova operação de guerra contra professores e servidores públicos do Paraná que lutam para garantir a Paranáprevidência. O objetivo dele é garantir a integridade dos deputados da “bancada do camburão” e o isolamento de manifestantes que prometem cerco ao Centro Cívico, nas imediações da Assembleia Legislativa e Palácio Iguaçu.

Nesta quinta (23), Francischini levou a tiracolo o subcomandante da PM, coronel Nerino Mariano de Brito, e o tenente-coronel Soares Júnior, para uma reunião secreta com o presidente da Assembleia, deputado Ademar Traiano (PSDB).

Também estava no encontro, sempre a paisana, o tenente-coronel Hudson Teixeira, do BOPE (Batalhão de Operações Policias Especiais) cuja função é atirar com bala de borracha e lançar bombas contra manifestantes.

O quatrilho esteve com o tucano a paisana, escondidinho, para não chamar a atenção. Mas um orelha seca do Blog do Esmael viu tudo e fez questão de contar os detalhes de mais essa sordidez.

A ideia é convocar efetivo de 4 mil policiais militares — da capital e do interior — para reprimir professoras e servidores indignados com a tungada na sua poupança previdenciária. Richa teria ficado contrariado com a “afrouxada de tanga” dos PMs, que foram às lágrimas no dia 12 de fevereiro, e se recusaram a bater nos educadores. Os policiais descumpriram ordens superiores naquela quase carnificina.

O desespero do governador Beto Richa para meter a mão em R$ 140 milhões mensais, que pertencem aos servidores, é insano. Não leva em consideração a opinião das ruas e dos melhores juristas. Se for votado em regime de urgência, como deseja o tucanato, muito provavelmente a Justiça deverá anular o confisco.

O confisco da previdência tem tudo para ser o mico do ano.

Comentários encerrados.