31 de janeiro de 2019
por Esmael Morais
Comentários desativados em Desemprego, informalidade e desalento deixam no ‘sufoco’ mais de 20 milhões

Desemprego, informalidade e desalento deixam no ‘sufoco’ mais de 20 milhões

Os números divulgados nesta quinta-feira (31) pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD- Contínua) do IBGE apontam para a permanência do alto desemprego, da informalidade e do desalento, que atingem mais de vinte milhões de brasileiros. ... 

Leia mais

30 de novembro de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Construção civil demite mais de 150 mil trabalhadores em um ano, informa IBGE

Construção civil demite mais de 150 mil trabalhadores em um ano, informa IBGE


A indústria da construção civil cortou 152 mil postos de trabalho no período de um ano, segundo informa os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A prolongada recessão e o desmonte operado pela Lava Jato, que estrangulou a continuidade de milhares de obras no país, são alguns dos fatores relevantes que contribuíram para o aumento do desemprego no setor.

O total de ocupados na atividade encolheu 2,2% no trimestre encerrado em outubro de 2018 em comparação ao mesmo período de 2017. A construção civil foi um dos setores mais afetados após o golpe de 2016 contra a presidente Dilma Rousseff, o que contribuiu para elevação do desemprego e o desalento no país.

Segundo os sindicatos da categoria, são elevados os índices de trabalhadores desalentados e afetados por fenômenos psicológicos devido ao desemprego prolongado e massivo no setor. Leia mais

14 de novembro de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em Desemprego cresce entre nordestinos, mulheres e negros; precarização também avança, diz IBGE

Desemprego cresce entre nordestinos, mulheres e negros; precarização também avança, diz IBGE


A taxa de desemprego continua em alta no país, apesar de oscilações regionais e setoriais. A precarização cresce em diversos setores de trabalhadores. Segundo os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira (14), a taxa de desocupação no Brasil caiu para 11,9% no terceiro trimestre de 2018, mas chega a 14,4% na Região Nordeste, a 13,8% para a população parda e a 14,6% para a preta – grupos raciais definidos na pesquisa conforme a declaração dos entrevistados.

Quando analisado o gênero, as mulheres, com 13,6%, têm uma taxa de desemprego maior que a dos homens, de 10,5%. Os números são da Pesquisa Nacional Por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral (Pnad Contínua Tri).

Quatro estados do Nordeste estão entre os cinco com maior desemprego: Sergipe (17,5%), Alagoas (17,1%), Pernambuco (16,7%) e Bahia (16,2%). Apesar disso, a maior desocupação verificada no terceiro trimestre de 2018 foi no Amapá, onde o percentual chegou a 18,3%.

A Região Sul tem a menor taxa de desocupação do país, com 7,9%, e Santa Catarina é o estado com o menor percentual, de 6,2%. No trimestre anterior, a Região Sul tinha taxa de desocupação de 8,2% e o Nordeste, 14,8%.

Do contingente de 12,5 milhões de pessoas que procuraram emprego e não encontraram, 52,2% eram pardos, 34,7% eram brancos e 12% eram pretos. Tais percentuais diferem da participação de cada um desses grupos na força de trabalho total: pardos (47,9%), brancos (42,5%) e pretos (8,4%).

No terceiro trimestre deste ano, 74,1% dos empregados do setor privado tinham carteira assinada, percentual que ficou estável em relação ao trimestre anterior.

Além de ter a menor taxa de desemprego do país, de 6,2%, Santa Catarina também tem o menor percentual de desalentados, de 0,8%, e o maior percentual de trabalhadores com carteira assinada, de 88,4%.

A taxa de subutilização da força de trabalho no Brasil foi de 24,2%, o que representa 27,3 milhões. Esse número soma quem procurou emprego e não encontrou, quem não procurou, quem procurou e não estava mais disponível para trabalhar e quem trabalha menos de 40 horas por semana e que gostaria de trabalhar mais.

A população ocupada somou 92,6 milhões de pessoas. Esse total tem 67,5% de empregados, 4,8% de empregadores, 25,4% de pessoas que trabalharam por conta própria e 2,4% de trabalhadores familiares auxiliares. Leia mais

7 de novembro de 2018
por Esmael Morais
Comentários desativados em IBGE responde a Bolsonaro que chamou pesquisa de ‘farsa’

IBGE responde a Bolsonaro que chamou pesquisa de ‘farsa’

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) não cansa de falar asneiras causando atritos cada vez que abre a boca. Em entrevista à TV Bandeirantes, o coiso afirmou que s pesquisa de desemprego do IBGE é uma “farsa”.  O instituto respondeu com uma nota oficial.

LEIA TAMBÉM:

Bolsonaro de ‘boca aberta’ é perigo para emprego de milhões, diz CUT ... 

Leia mais