O ex-juiz Sergio Moro só poderá ser candidato em 2024 e o general Eduardo Pazuello ficou inelegível até 2026.

Sergio Moro vem aí e Pazuello lá, autoriza o novo Código Eleitoral aprovado pela Câmara

O ex-juiz Sergio Moro e o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, receberam “autorização” da Câmara dos Deputados com o projeto de lei do novo Código Eleitoral (Projeto de Lei Complementar 112/21). O texto-base foi aprovado na sessão do Plenário na quinta-feira (09/09) por 378 votos a 80.

Dentre as medidas, caiu a proposta de impor quarentena de cinco anos de desligamento do cargo que seria exigida de juízes, membros do Ministério Público, guardas municipais, militares e policiais para poderem concorrer às eleições a partir de 2026.

Com a aprovação de destaque do PSL, foram retirados da regra os juízes e o Ministério Público. Então os partidos decidiram acompanhar outros pedidos de exclusão, abrangendo as demais categorias.

Sergio Moro foi juiz até novembro de 2018, quando assumiu o Ministério da Justiça no governo de Jair Bolsonaro enquanto Pazuello é general da ativa, que, depois de desligado por insuficiência na Saúde, assumiu um cargo na assessoria da Presidência da República.

Se fosse adiante a quarentena, Sergio Moro só poderia ser candidato a partir de 2024 porque ele pediu exoneração da magistratura em 16 de novembro de 2018.

Pazuello ficaria inelegível até 2026, se fosse adiante a quarentena para militares.

Moro está sendo estimulado a disputar o governo do Paraná em dobradinha com o senador Alvaro Dias (PODE), que vai à reeleição. Já Pazuello é lembrado para concorrer ao governo do Rio de Janeiro, com o apoio do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos), o Carluxo, e do senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ).

Se se candidatar ao governo do Paraná, como se especula, Sergio Moro irá propor uma “Lava Jato” em âmbito estadual enquanto Pazuello, no Rio, prometerá o mesmo tratamento à Saúde que deu no Ministério entre 19 de maio de 2020 e 15 de março de 2021.

Leia também

Estados Unidos lembram os 20 anos dos ataques de 11 de setembro às Torres Gêmeas no World Trade Center

Cartinha de Temer para Dilma, em 2015, motivo de chacota, foi o marco do golpe de Estado no ano seguinte

Em vídeo, General Heleno pede para bolsonaristas não desistirem do Brasil após Bolsonaro chifrar apoiadores