Por Esmael Morais

Coluna do Enio Verri: Paraná revive desastres do governo Lerner

Publicado em 29/09/2015

Quando o governo anunciou a criação do programa eu era líder da oposição na Assembleia Legislativa. Entre considerações elogiosas pela iniciativa de fomentar o desenvolvimento econômico do Estado, fui também o autor de incontáveis críticas ao Paraná Competitivo, pois entendia que o programa não previa incentivos diferenciados para indústrias se instalarem nas localidades mais pobres, justamente aquelas que mais necessitam da interferência governamental para alavancar o progresso. “Que empresa vai escolher a região central ou pelo Vale do Ribeira se os incentivos fiscais oferecidos pelo governo são os mesmos para os Campos Gerais e Região Metropolitana de Curitiba?”, repetia.

A previsão da oposição, de que o Paraná Competitivo potencializaria a atividade industrial e a concentração de riqueza nas regiões mais desenvolvidas, se confirmou. Assim como Lerner fez, Richa aumenta o abismo econômico entre as regiões do Estado, ignorando que municípios localizados em regiões mais pobres precisam de incentivos diferenciados para crescer.

Tal como Lerner, Richa também mantém com as concessionárias de pedágio uma relação de cumplicidade e leniência. Em vez de defender os interesses da população e da capacidade produtiva do Estado, o tucano frequentemente se posiciona como um aliado das empresas na tarefa de prorrogar os contratos abusivos que vencem em 2022.

Com Beto Richa, o Paraná está revivendo desastres políticos do governo Jaime Lerner que deixarão consequências históricas e insuperáveis.

*Enio Verri é deputado federal, presidente do PT do Paraná e professor licenciado do departamento de Economia da Universidade Estadual do Paraná. Escreve nas terças sobre poder e socialismo.