Palácio Iguaçu sugere “habeas corpus preventivo” a secretário da Fazenda

Bancada de oposição na Assembleia -- Tadeu Veneri, Péricles Mello, Professor Lemos, Requião Filho, Ademir Bier, Nereu Moura e Anibelli Neto – ingressaram ontem (16) com representação no Ministério Público contra o interventor do PSDB nacional nas finanças do Paraná, Mauro Ricardo Costa, acusado de cometer improbidade administrativa; secretário da Fazenda participará nesta quarta (17), às 13h30, de audiência pública na Assembleia Legislativa; Blog do Esmael e a TV 15 transmitirão ao vivo;  abaixo, leia o documento.

Bancada de oposição na Assembleia — Tadeu Veneri, Péricles Mello, Professor Lemos, Requião Filho, Ademir Bier, Nereu Moura e Anibelli Neto – ingressaram ontem (16) com representação no Ministério Público contra o interventor do PSDB nacional nas finanças do Paraná, Mauro Ricardo Costa, acusado de cometer improbidade administrativa; secretário da Fazenda participará nesta quarta (17), às 13h30, de audiência pública na Assembleia Legislativa; Blog do Esmael e a TV 15 transmitirão ao vivo; abaixo, leia o documento.

Sete deputados da oposição ingressaram ontem com uma representação no Ministério Público contra o secretário de Estado da Fazenda, Mauro Ricardo Costa, por improbidade administrativa. O interventor nacional do PSDB nas finanças do Paraná, importado da Bahia, é acusado de não prestar contas do primeiro quadrimestre, conforme determina a lei.

O titular da Fazenda participará hoje à tarde, às 13h30, de uma audiência pública na Assembleia Legislativa.

Costa foi orientado pelo Palácio Iguaçu a pedir um “habeas corpus preventivo” na Justiça, assim como fez o presidente do IAP (Instituto Ambiental do Paraná), Luiz Tarcísio Mossato Pinto, que continuou no cargo apesar de investigações do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado).

O Blog do Esmael, em parceria com a TV 15, vai transmitir a sessão ao vivo para o Brasil e o mundo.

Os parlamentares oposicionistas desconfiam que o secretário Mauro Ricardo esteja omitindo a situação financeira do estado justamente para dar calote na reposição salarial. O governo Beto Richa (PSDB) se nega a cumprir a lei, que o obriga 8,17% ainda este ano. O tucano propõe apenas 3,45% em outubro.

Leia a íntegra da representação contra o Secretário da Fazenda:

http://www.esmaelmorais.com.br/wp-content/uploads/2015/06/MP_Mauro_Ricardo.pdf

Comentários encerrados.