Oposição ‘federaliza’ investigação de propina na reeleição de Richa

oposicao_richaA bancada de oposição na Assembleia Legislativa do Paraná, formada sete deputados, ‘federalizou’ nesta segunda-feira (18) a investigação de crimes eleitorais cometidos pelo governador Beto Richa (PSDB). Segundo denúncia do auditor Luiz Antônio de Souza, o tucano recebeu R$ 2 milhões oriundos do esquema de corrupção na Receita Estadual de Londrina.

Os parlamentares oposicionistas protocolaram hoje representação no Ministério Público Federal pedindo a instauração de inquérito pela Polícia Federal.

“Além dos R$ 2 milhões sem a devida contabilização e declaração à Justiça Eleitoral, havendo indícios de caixa dois, o auditor contou também que as divisórias do comitê de Beto Richa em Londrina foram pagas pelo próprio Luiz Antônio de Souza – com nota fiscal emitida em seu nome”, diz o documento.

Vice-líder da oposição, Requião Filho (PMDB) disse que se ficar comprovado que a campanha do tucano utilizou recursos não contabilizados, o governador irá responder por denúncia de crime eleitoral no Superior Tribunal de Justiça, “longe das pressões do Paraná.”

“Precisamos lembrar que o governador Beto Richa será investigado pela segunda vez por uso de caixa dois. Iremos à Justiça para corrigir esta mancha na história do Paraná.”

O deputado Tadeu Veneri (PT), líder da bancada, defendeu apuração rigorosa do esquema revelado pelo auditor. “A cada dia surgem notícias novas e muito ruins no Paraná. A Polícia Federal deve investigar e se ficar constatado que houve crime eleitoral, o governador tem que responder na Justiça.”

Assinaram a representação os deputados Ademir Bier (PMDB), Anibelli Neto (PMDB), Nereu Moura (PMDB), Péricles de Mello (PT), Professor Lemos (PT), Requião Filho (PMDB) e Tadeu Veneri (PT).

Comentários encerrados.