Se a cada nova fake news postada aumentasse a pena, Roberto Jefferson jamais sairia da prisão

Se a cada nova fake news postada aumentasse a pena, Roberto Jefferson jamais sairia da prisão

Se a cada nova fake news publicada a seu pedido aumentasse a pena, Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB, jamais sairia da prisão. Ele está encarcerado desde 13 de agosto por determinação do ministro Alexandre de Moraes, do STF, no âmbito do inquérito das milícias digitais.

Primeiramente, um esclarecimento do Blog do Esmael: acreditamos que a prisão preventiva de Jefferson é descabida, além de não existir pena alguma porque não houve julgamento.

A filha de Jefferson, a ex-deputada Cristiane Brasil, atua como “alter ego” de seu pai nas redes sociais. Ela é advogada e tem contato diário com Jefferson, que lhe passa as instruções.

Em vídeo fake, Cristine afirma que se trata de uma convocação da “esquerda” para as manifestações contra Jair Bolsonaro no próximo dia 12 de setembro.

“Convocação da esquerda para a manifestação contra o governo do PR @jairbolsonaro! É de cair o * da b*nda!!! Só dá capeta!!!”, escreveu a filha de Roberto Jefferson, estimulando a baixaria.

Na peça falsamente atribuída à convocação, diz que o movimento “Fora Bozo” “exige abortar, usar drogas, não ter gênero, uso neutro, vacina, Educação LGTBQIA+”.

Só faltou a “mamadeira de piroca”, vedete bolsonarista na campanha de 2018, para completar a compulsividade pela mentira dos apoiadores de Bolsonaro.

Quanto à manifestação no dia 12, ela foi genuinamente convocada pelo direitistas MBL (Movimento Brasil Livre) e Vem Pra Rua. Ambas organizações têm o viés lavajatistas, portanto.

PSOL, PT, CUT, dentre outras agremiações de esquerda, rechaçaram participar da manifestação chamada e dirigida pela extrema direita.

Aliás, em tempo: Bolsonaro já foi visitar Roberto Jefferson? Por que não?

Leia também

É falso que Sergio Reis morreu após suposto acordo de Bolsonaro com o ministro Alexandre de Moraes

Sergio Moro vem aí e Pazuello lá, autoriza o novo Código Eleitoral aprovado pela Câmara

Estados Unidos lembram os 20 anos dos ataques de 11 de setembro às Torres Gêmeas no World Trade Center

Cartinha de Temer para Dilma, em 2015, motivo de chacota, foi o marco do golpe de Estado no ano seguinte