Governo Ratinho pede doação de cobertores enquanto gasta R$ 107 milhões em propaganda

Governo Ratinho pede doação de cobertores enquanto gasta R$ 107 milhões em propaganda

Na internet é possível comprar avulso um cobertor de casal por R$ 39,90. Com o dinheiro gasto pelo governo do Paraná em propaganda no ano passado, R$ 107,5 milhões, seria possível adquirir [sem desconto] ao menos 2,7 milhões de cobertores para atender pessoas em situação de rua neste frio extremo, de temperaturas negativas, no estado do Paraná. Evidentemente, com desconto, devido à quantidade, daria para comprar muito mais cobertores com esse dinheiro da publicidade.

No entanto, a realidade é outra. O governo do Paraná lançou na quarta-feira (28/7) a campanha “Doe cobertor e aqueça com amor”. A proposta é para que individualmente os paranaenses abram seu armário para doar a manta para quem precisa se proteger do frio.

Note o leitor: em 2020, a farra da publicidade custou R$ 107,5 milhões ao erário –valor 43% superior ao de 2019, segundo o repórter José Lázaro Junior, do site Livre.Jor.

Leia também

A doação de cobertores é até importante para exercitar o lado cristão dos paranaenses, porém ela floresce [também] a falta de políticas públicas e ausência de Estado na proteção das pessoas mais vulneráveis. O Orçamento Público deveria ter outro destino, como comprar cobertores, por exemplo, ao invés de patrocinar a farra na propaganda –cuja maioria das peças publicitárias é enganosa.

No começo de junho deste ano, o deputado Arilson Chiorato (PT), denunciou a propaganda do governador Ratinho Junior (PSD) sobre a renovação dos contratos de pedágio no Paraná. Ele é coordenador da Frente Parlamentar sobre o Pedágio na Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP). Isso denota o tipo de propaganda enganosa promovida enquanto os cidadão congelam, passam frio, fome, e toda sorte de privações.

Se mantiver o nível de gasto, em 2021 o governo Paraná terminará o ano torrando R$ 154 milhões na farra publicitária. Enquanto isso, nas ruas, os vulneráveis passam frio à espera de uma alma caridosa e de campanhas –que podem ser exitosas ou não.

Mas, enquanto o governo mantém a propaganda como prioridade, recomenda-se fortemente que a sociedade o substitua doando cobertores para quem precisa de calor nesse momento de extremo frio.