Por Esmael Morais

Coluna da Gleisi Hoffmann: “A mania de perseguição, as mentiras e agora a repressão”

Publicado em 27/04/2015

Durante essa semana, veio a público o secretário de Fazenda de Beto Richa, o responsável junto com o governador por todo pacote de maldades que está sendo votado pela Assembleia Legislativa. Disse ele que o governo federal deve R$ 439 milhões referentes à compensação da desoneração de ICMS nas exportações. Mentira! As transferências aos Estados e Municípios estão sendo repassadas regularmente de acordo com a previsão legal. Repasses como a Lei Kandir ficaram represados porque só agora o Orçamento foi aprovado e sancionado e isso vale para TODOS os Estados.

Disse também que a União deve R$ 433 milhões referentes à mudança do indexador e dos juros da dívida negociada com a União. A Lei Complementar nº 148/14 depende de regulamentação e o tema, inclusive, está em debate no Congresso Nacional, que está prevendo sua validade apenas para 2016 e, de toda sorte, o montante que vier a ser apurado para redução da dívida do Estado será abatido do seu saldo devedor. Isso vale para TODOS os Estados.

No caso da Saúde, o governo Beto Richa alega que o governo federal deve incentivos aos centros de atenção psicossocial, repasses ao SAMU e recursos para a Rede Cegonha. É mentira. Já verifiquei junto ao Ministério da Saúde e não há qualquer pendência de pagamento para esses serviços, a não ser aqueles que dependiam da aprovação do Orçamento da União, o que ocorreu agora. Isso vale para TODOS os Estados. Aliás, se o Estado fizesse sua parte e aplicasse corretamente o mínimo constitucionalmente previsto para a Saúde, ajudaria a resolver seus problemas.

Enquanto mente e se faz de vítima para tentar dissimular o fracasso da sua gestão, Beto Richa mantém a pretensão de resolver os rombos financeiros do Estado avançando nos recursos do Fundo Previdenciário dos Servidores do Estado.

Agora, além de faltar com o compromisso de dialogar com os servidores sobre as mudanças na Previdência, mandou a Polícia Militar cercar preventivamente a Assembleia Legislativa, impedindo que professores e outros trabalhadores do Estado, os maiores interessados no assunto, possam se manifestar a respeito do projeto.

O anúncio de que mais de mil PMs estão cercando o Centro Cívico e ficarão de plantão para reprimir os professores, é uma confissão de que Beto Richa não quer dialogar e traz para nosso Estado um clima de regime de exceção. Vai exigir que os deputados do camburão repitam o feito votando agora um projeto sob a imposição de armas e cassetetes. Se isso acontecer, será uma mancha que marcará para sempre a história da Assembleia e do Paraná.

*Gleisi Hoffmann é senadora da República pelo Paraná. Foi ministra-chefe da Casa Civil e diretora financeira da Itaipu Binacional. Escreve no Blog do Esmael às segundas-feiras.