Caminhoneiros do Paraná aderem à  greve geral contra Beto Richa

richa_caminhoneiros.jpgAssociações e sindicatos de caminhoneiros deram início esta semana a uma série de protestos contra o aumento do IPVA, reajuste do diesel por conta do aumento do ICMS, desvalorização do frete e o abusivo preço do pedágio no Paraná. Na prática, os homens das estradas se somaram à  greve geral dos servidores públicos contra o governo Beto Richa (PSDB).

O movimento grevista dos caminhoneiros começou na região Sudoeste do Paraná, que tem 42 municípios, e se espalhou para o resto do estado.

Sob a gestão Beto Richa, o Paraná tem o pedágio mais caro do mundo. Outro item que também diz respeito ao governador do PSDB é o aumento do IPVA, pois, em dezembro passado, o tucano aprovou em sessão tratoraço da Assembleia Legislativa reajuste de 40% na alíquota do Detran.

O secretário executivo do Sindicato dos Caminhoneiros de Francisco Beltrão, Idair Parizotto, segundo o Blog do Caminhoneiro, esta semana os caminhoneiros chegaram fechar a BR-163, no município de Capitão Leônidas Marques, em apoio ao movimento dos professores e funcionários de escolas, em greve há 13 dias, que reivindica melhorias na educação paranaense.

No Paraná, o bloqueio de rodovias persistiu nesta sexta-feira nas regiões Oeste, Sudoeste e Centro Sul. A BR-277, por exemplo, foi fechada ontem na altura dos municípios de Medianeira (Oeste) e Guarapuava (Centro Sul). A BR-163 também voltou a parar em Capitão Leônidas Marques.

Para complicar ainda mais a situação política de Beto Richa, hoje o Conselho Estadual da APP-Sindicato, que representa os educadores, deverá prolongar a greve na categoria e, à s 14 horas, haverá protestos simultâneos pelo impeachment do governador em várias cidades paranaenses.

Comentários encerrados.