Mais uma rebelião, desta vez em Guarapuava, e cadê Beto Richa?

Detentos da Penitenciária Industrial de Guarapuava (PIG) iniciaram hoje (13) pela manhã uma rebelião tomando doze agentes penitenciários como reféns. Um agente ficou ferido está hospitalizado. Esta é a vigésima primeira rebelião no sistema penitenciário estadual somente este ano. E onde está o governador reeleito Beto Richa (PSDB)?Está em Curitiba, recebendo seu companheiro de partido, o candidato a presidente Aécio Neves.

Detentos da Penitenciária Industrial de Guarapuava (PIG) iniciaram hoje (13) pela manhã uma rebelião tomando agentes penitenciários como reféns. Um agente ficou ferido está hospitalizado. Esta é a vigésima primeira rebelião no sistema penitenciário estadual somente neste ano. E onde está o governador reeleito Beto Richa (PSDB)? Está em Curitiba, recebendo seu companheiro de partido, o candidato a presidente Aécio Neves.

Começou no final da manhã desta segunda-feira (13) mais uma rebelião no sistema penitenciário estadual. Desta vez foram os detentos da Penitenciária Industrial de Guarapuava (PIG).! Segundo o Sindicato dos Agentes Penitenciários do Paraná, doze agentes foram feitos reféns. Para o Departamento de Execução Penal do Estado do Paraná (Depen),! são! oito agentes reféns. Um agente ficou ferido e está hospitalizado.

A Polícia Militar está no local e cerca o prédio. Os funcionários foram retirados e no momento é aguardada a chegada de negociadores. Os rebelados pediram a presença do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB!“PR), Juliano Breda, além de contato com o governador do Estado.

Mas o governador ! Beto Richa (PSDB) ignora esta rebelião que põe em risco a vida dos servidores e dos detentos, pois esta tarde recebeu seu colega de partido, o candidato a presidente Aécio Neves em um evento! de campanha na Universidade Positivo, em Curitiba.

O Blog do Esmael vem noticiando há meses a crise no sistema! penitenciário estadual. Esta é a vigésima primeira rebelião somente em 2014. Os Agentes Penitenciários chegaram a marcar uma greve que iniciaria no fim de setembro, mas o Tribunal de Justiça concedeu liminar vetando a paralisação. A principal reivindicação dos agentes é mais segurança nos presídios.

Com informações do G1 e da Gazeta do Povo.

Comentários encerrados.