Turquia concorda em apoiar ingresso da Finlândia e Suécia na OTAN

► Adesão da Finlândia e da Suécia à OTAN não aumentará as tensões na região nórdica, garante presidente da Finlândia

O presidente da Finlância, Sauli Niinistö, supreendeu o mundo nesta terça-feira (28/06) ao comunicar que a Turquia concordou em apoiar o ingresso da Finlândia e da Suência na OTAN. Os turcos, que têm poder de veto, resistiam à entrada dos dois países nórdicos na aliança militar ocidental.

Segundo Niinistö, o ingresso na OTAN não aumentará as tensões na região nórdica.

Um acordo de última hora foi alcançado entre Turquia, Finlândia e Suécia para permitir que os dois países nórdicos se tornem membros da OTAN na véspera da cúpula da aliança militar em Madri.

Esse entendimento “coincidiu” com a indicação de que a Ucrânia deseja celebrar o fim da guerra com a Rússia antes da chegada do inverno, em dezembro.

A OTAN disse que um acordo trilateral foi alcançado em uma reunião entre o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdoğan, o presidente Sauli Niinistö, da Finlândia, e a primeira-ministra sueca, Magdalena Andersson, na capital espanhola.

Após um período de intensas negociações, Jens Stoltenberg, secretário-geral da OTAN, disse na noite desta terça-feira: “Tenho o prazer de anunciar que agora temos um acordo que abre caminho para a Finlândia e a Suécia se juntarem à OTAN”.

– Turquia, Finlândia e Suécia assinaram um memorando que aborda as preocupações da Turquia, inclusive em torno das exportações de armas e da luta contra o terrorismo – acrescentou.

A Suécia e a Finlândia historicamente se recusaram a se tornar membros da Otan, em parte por causa da opinião pública mista e da cautela em relação à sua relação de segurança com a Rússia. Mas isso mudou drasticamente depois que a Rússia lançou um ataque não provocado à Ucrânia em fevereiro, levando os dois países a pedirem adesão.

Isso significa que os líderes suecos e finlandeses poderão participar da cúpula da OTAN na quarta e quinta-feira como convidados, o que significa que seus países estão no caminho certo para a adesão plena, sujeito apenas à ratificação pelos estados membros. Isso é considerado um passo técnico.

A Turquia havia dito que bloquearia os pedidos da Suécia e da Finlândia, a menos que recebesse garantias satisfatórias de que os países nórdicos estão dispostos a abordar o que considera apoio a grupos curdos que designa como organizações terroristas, em particular o partido dos trabalhadores do Curdistão, o PKK.

Como a OTAN opera por consenso, é possível que um país da aliança militar de 30 membros bloqueie um pedido, dando a Ancara vantagem quando os dois países tentaram se unir no início deste ano.

A Turquia “conseguiu o que queria” da Suécia e da Finlândia antes de concordar em apoiar seus esforços para se juntar à Otan, disse o escritório de Erdoğan na terça-feira. “A Turquia obteve ganhos significativos na luta contra organizações terroristas”, disse o comunicado turco, acrescentando: “A Turquia conseguiu o que queria”.

O texto do memorando assinado pelos três líderes diz que a Finlândia e a Suécia vão “estender seu total apoio” à Turquia em questões de segurança nacional.

Os países nórdicos disseram que confirmaram que o PKK era uma organização proscrita – e em uma concessão chave os dois países “não forneceriam apoio” aos grupos curdos sírios PYD/YPG que têm atuado na luta contra o Estado Islâmico na Síria. A Finlândia e a Suécia afirmaram no acordo que não havia embargos nacionais de armas relacionados às vendas para a Turquia e os três países disseram que trabalhariam juntos nos pedidos de extradição.

A Suécia abriga 100.000 refugiados curdos e a Turquia pediu a extradição de indivíduos que diz estarem ligados ao PKK ou ao YPG sírio.

Stoltenberg disse que a Finlândia e a Suécia concordaram em “alterar ainda mais sua legislação doméstica” para dar à Turquia as garantias antiterroristas que ela havia buscado, e eles estariam “reprimindo as atividades do PKK” e “entrando em um acordo com a Turquia sobre extradição”.

Joe Biden parabenizou os três países por garantirem o acordo, que ele descreveu como “um passo crucial para um convite da OTAN à Finlândia e à Suécia, que fortalecerá nossa Aliança e reforçará nossa segurança coletiva”.

O primeiro-minitro britânico Boris Johnson também cumprimentou o anúncio, twittando: “Notícias fantásticas ao iniciarmos a Cúpula da OTAN. A adesão da Suécia e da Finlândia tornará nossa brilhante aliança mais forte e segura”.

The Guardian, com acréscimos do Blog do Esmael – Notícias verdadeiras.

Veja o comunicado do presidente da Finlândia: