Blog do Esmael

A política como ela é em tempo real.

10 de agosto de 2014
por esmael
10 Comentários

Coluna do Rocha Loures: Política fiscal e crescimento econômico

à‰ preciso uma mudança radical na direção da simplificação e unificação de tributos, eliminação ou redução de impostos, para tomarmos o rumo do crescimento e do desenvolvimento econômico!, defende Rocha Loures em sua coluna deste domingo. Para o ex-presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), burocracia aliada à  excessiva carga tributária retira capital de giro, diminui a taxa de retorno e inibe investimentos das empresas. Colunista defende uma Reforma Fiscal para resolver o problema da competitividade da economia brasileira, além de cobrar retorno dos impostos em forma de serviços, principalmente em saúde e educação pública de qualidade e transporte público decente, como medida para reduzir custos das empresas. Leia o texto e compartilhe.

à‰ preciso uma mudança radical na direção da simplificação e unificação de tributos, eliminação ou redução de impostos, para tomarmos o rumo do crescimento e do desenvolvimento econômico!, defende Rocha Loures em sua coluna deste domingo. Para o ex-presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), burocracia aliada à  excessiva carga tributária retira capital de giro, diminui a taxa de retorno e inibe investimentos das empresas. Colunista defende uma Reforma Fiscal para resolver o problema da competitividade da economia brasileira, além de cobrar retorno dos impostos em forma de serviços, principalmente em saúde e educação pública de qualidade e transporte público decente, como medida para reduzir custos das empresas. Leia o texto e compartilhe.

Rodrigo da Rocha Loures*

O atual sistema tributário é o principal obstáculo à  retomada do crescimento econômico brasileiro. Está obsoleto, ultrapassado, e chegou a tal nível de complexidade que é praticamente impossível operar desse jeito no país sem riscos significativos. As regras não são claras e mudam constantemente. As empresas são obrigadas a contratar um exército de profissionais para lidar com as estruturas burocráticas e evitar notificações e multas. As pequenas empresas, mesmo as beneficiadas por regimes especiais, como o Simples, não escapam da burocracia excessiva e dos riscos das obrigações acessórias!. Leia mais