Ratinho Junior pode deixar o PSD em março por causa de aproximação com Lula

Deputados da base governistas afirmaram ao Blog do Esmael que o governador do Paraná, Ratinho Junior, poderá deixar o PSD no mês que vem, caso o partido realmente apoie a candidatura de Lula e do PT já no primeiro turno.

O PSD está prestes a filiar o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, mas a agremiação não entraria na federação partidária, que contará com PT, PSB, PCdoB e PV.

Ratinho Junior ingressou no PSD há exatos seis anos quando era titular da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano (SEDU), no então governo Beto Richa (PSDB). Na época, Ratinho era deputado estadual licenciado do PSC.

Os tucanos romperam este ano com o inquilino do Palácio Iguaçu e lançaram a candidatura própria do ex-deputado e ex-prefeito de Guarapuava, Cesar Silvestri Filho, que abandonou a presidência do Podemos depois de ser chifrado.

Inicialmente, o governador paranaense foi [mal] aconselhado para colocar um pé em cada canoa, isto é, formar palanques tripartites com Lula, Bolsonaro e Moro. No entanto, entrou água nessa tática eleitoral porque os três presidenciáveis rejeitaram ser o segundo na relação política.

De volta ao bolsonarismo, Ratinho Junior descumpriu acordo com o ex-juiz Sergio Moro e o senador Alvaro Dias, ambos do Podemos, e agora estuda se alistar no PL para concorrer à reeleição.

Segundo fontes do Blog do Esmael na Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP), Ratinho pularia fora do barco do PSD porque o PT e Lula já anunciaram que estarão no palanque do adversário Roberto Requião (sem partido) nas eleições de outubro.

Ratinho Junior avalia riscos políticos enormes com polarização eleitoral deste ano, pois, dizem parlamentares aliados do governador, na hora da onça beber água Lula e o vice, Geraldo Alckmin, podem trocá-lo por Requião.

Os partidos políticos poderão apoiar candidaturas majoritárias mesmo não integrando a federação partidária, de acordo com a nova legislação eleitoral.