Atualmente, a tarifa técnica que é paga às empresas de ônibus chega a R$ 8,11 em Curitiba

Passagem de ônibus acima de R$ 10 em Curitiba em 2022

Atualmente, a tarifa técnica que é paga às empresas de ônibus chega a R$ 8,11 em Curitiba

O economista Lafaiete Neves, professor aposentado da UFPR (Universidade Federal do Paraná), disse que a Prefeitura de Curitiba poderá elevar a tarifa técnica do transporte coletiva acima de R$ 10 a partir de março de 2022.

Atualmente, a tarifa técnica que é paga às empresas de ônibus chega a R$ 8,11 em Curitiba enquanto o usuário paga R$ 4,50. Ou seja, a Prefeitura complementa R$ 3,61 a cada tarifa. O mesmo procedimento ocorre em Araucária, região metropolitana, onde o quilômetro rodado custa em média R$ 7 enquanto o usuário paga R$ 1,70. Lá, a prefeitura entra com subsídio de R$ 4,30.

Especialista em transporte público, Lafaiete disse que pode existir uma “fraude” na forma de cálculo do custo do sistema de transporte, o IPK (Índice de passageiros por quilômetro).

Segundo Lafaiete, os empresários do transporte coletivo têm histórico de financiamento de campanhas eleitorais. Ele recordou que, em 1994, a então vereadora Rosa Chiamurela denunciou que ao menos 18 de 33 vereadores estavam no “caixinha” das concessionárias de ônibus na capital paranaense.

Especialista denuncia farra no transporte coletivo de Curitiba e Araucária

A Curitiba que você não imagina que existe; moradores pedem providências ao prefeito Rafael Greca [vídeo]

Manifestantes convocam “Fora Temer” nesta quarta-feira em Araucária (PR)

Auxílio emergencial de R$ 500 milhões só para as empresas de ônibus em Curitiba

“Não há uma auditoria. Na pandemia não há motivos que justifiquem repasses de recursos públicos para os empresários. Houve redução de passageiros nesse período e as concessionárias reduziram o número de ônibus”, no entanto, disse ele, “os repasses continuaram os mesmos”.

Segundo Lafaiete Neves, Curitiba subsidiou R$ 350 milhões do transporte público e a vizinha Araucária gastou cerca de R$ 70 milhões.

O especialista afirma que esses recursos são retirados de programas essenciais–como saúde, educação e habitação, do reajuste dos servidores– para serem drenados para o bolso dos empresários de ônibus –sem que isso represente melhora na qualidade do serviço de transporte.

Em fevereiro próximo, o Blog do Esmael vai facilitar o debate entre entidades dos movimentos populares e vereadores curitibanos sobre a tarifa e o novo modelo de transporte coletivo na capital paranaense e na região metropolitana.

Veja como foi a entrevista [vídeo]