Especialista vê “vacilo” de Fruet em relação à  redução da tarifa de ônibus

Doutor Lafaiete Neves, da Comissão de Estudos Tarifários da URBS, à  luz da decisão do TCE que reduziu a tarifa de ônibus em 43 centavos em Curitiba, ontem, enxerga o prefeito Gustavo Fruet titubeando acerca do tema, bem como em relação ao cancelamento dos contratos com as empresas concessionárias; Até agora não entendemos essa resistência do prefeito Gustavo Fruet em tomar uma atitude jurídica para anular os contratos!, lamenta; segundo o especialista, doutor em Desenvolvimento Econômico, prefeito e seu secretariado ainda não entenderam o recado dado nas ruas durante os protestos de junho de 2013; Lafaiete prevê desgaste político do prefeito esse vacilo e acusa a tal decisão do TCE! de dar cobertura para o governador Beto Richa deixar de pagar o subsídio à  tarifa única na Rede Integrada de Transporte (RIT); leia o artigo.
Doutor Lafaiete Neves, da Comissão de Estudos Tarifários da URBS, à  luz da decisão do TCE que reduziu a tarifa de ônibus em 43 centavos em Curitiba, ontem, enxerga o prefeito Gustavo Fruet titubeando acerca do tema, bem como em relação ao cancelamento dos contratos com as empresas concessionárias; Até agora não entendemos essa resistência do prefeito Gustavo Fruet em tomar uma atitude jurídica para anular os contratos!, lamenta; segundo o especialista, doutor em Desenvolvimento Econômico, prefeito e seu secretariado ainda não entenderam o recado dado nas ruas durante os protestos de junho de 2013; Lafaiete prevê desgaste político do prefeito esse vacilo e acusa a tal decisão do TCE! de dar cobertura para o governador Beto Richa deixar de pagar o subsídio à  tarifa única na Rede Integrada de Transporte (RIT); leia o artigo.
por Lafaiete Neves*

A decisão do TCE ,em manter a liminar que determina a redução da tarifa em R$ 0,43, caiu como uma bomba no colo do prefeito Gustavo Fruet. O que o prefeito mais queria e agora teme foi essa decisão do TCE. Em julho de 2013, após quatro meses de trabalho intensivo, a Comissão nomeada pelo prefeito para analisar os parâmetros tarifários, em uma audiência na Prefeitura Municipal de Curitiba, entregou o relatório ao prefeito, onde comprovava o superfaturamento da tarifa em R$ 0,43, apresentando todos os parâmetros que deveriam ser expurgados da tarifa ou reduzidos em seu valor projetado pela URBS para o pagamento as empresas de ônibus e propondo para resolver o problema a anulação da licitação dadas as denuncias de fraude no edital de 2010. Essa licitação questionada posteriormente pelo relatório dos Sindicatos, do TCE e pela CPI do Transporte Coletivo, na mesma posição da Comissão da URBS, indicaram a anulação dos contratos gerados pela licitação que legitimou as distorções.

O prefeito não acatou as indicações dos quatro relatórios e a todos repetia a mesma coisa: Não vou pedir a anulação da licitação, vou aguardar uma decisão da Justiça!.