Auxílio Brasil: Protestos contra Bolsonaro em filas do cadastro único em todo o País

► Crise econômica – agravada pelo desemprego e vulnerabilidade alimentar – levou milhares às filas em busca do Auxílio do Brasil

► Governo adia até 31 de julho o prazo para cadastro único

Deu ruim para o presidente cessante Jair Bolsonaro (PL).

Famílias inscritas no Cadastro Único, obrigadas a atualizar os dados, protestam contra o mandatário em todo o País.

Pessoas enfrentam horas de filas, chuvas, fome, sono, dentre outras privações, para fazerem as atualizações cadastrais exigidas pelo governo federal.

A crise econômica – agravada pelo desemprego e vulnerabilidade alimentar – levou milhares às filas em busca do Auxílio do Brasil.

A questão econômica – a fome e a carestia – é o “Calcanhar de Aquiles” de Bolsonaro, que está em segundo lugar nas pesquisas de intenção de votos.

Segundo vários institutos de pesquisas, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pode vencer as eleições já no primeiro turno.

Em sua luta para ‘correr atrás do prejuízo’, como se diz no futebol, o inquilino do Palácio do Planalto fez aprovar a PEC do Desespero.

A Câmara aprovou ontem (13/07) o benefício de R$ 600 por seis meses, qual seja, até o fim do ano – após as eleições.

O primeiro pagamento do Auxílio Brasil começará em agosto, por isso a formação de filas quilométricas para inscrição e atualização do Cadastro Único.

A  CNM (Confederação Nacional dos Municípios) estima que 3 milhões de pessoas estão em filas em todo o Brasil.

Para receber o Auxílio Brasil, o cidadão precisa estar inscrito no CadÚnico e atender a critério de pobreza (renda entre R$ 105,01 e R$ 210 por pessoa da família) ou extrema pobreza (renda de até R$ 105 por pessoa da família).

A inscrição é feita por aplicativo ou site, mas o cadastro precisa ser validado em até 120 dias (quatro meses). Nesta fase, muitos não conseguem agendar atendimento e seguem sem assistência.

Blog do Esmael, notícias verdadeiras.