Governadores promovem a 'guerra da gasolina' contra mentiras do presidente Bolsonaro

Governadores promovem a ‘guerra da gasolina’ contra mentiras do presidente Bolsonaro

Se mentir cresce o nariz, coitado do presidente Jair Bolsonaro.

Nada mais nada menos que 20 dos vinte e sete governadores do País assinaram um documento no domingo (19/09) desmentindo Bolsonaro na questão dos preços abusivos dos combustíveis.

“Os governadores dos entes federados brasileiros signatários vêm a público esclarecer que, nos últimos 12 meses, o preço da gasolina registrou um aumento superior a 40%, embora nenhum estado tenha aumentado o ICMS incidente sobre os combustíveis ao longo desse período”, afirmam os governadores, num trecho da carta.

“Essa é a maior prova de que se trata de um problema nacional, e, não somente, de uma unidade federativa. Falar a verdade é o primeiro passo para resolver um problema”, concluíram os governadores.

O governador do Paraná, Ratinho Junior (PSD), aliado de Bolsonaro, não subscreveu do documento desmentindo o presidente da República. Também torceu o nariz para os colegas o govenador de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSC).

Já o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), surpreendeu ao assinar o documento. Pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB, o tucano baixou de 30% par 25% o ICMS no estado, mas isso foi entendido como “fraqueza” e cessão à pressão de Bolsonaro.

Os governadores Flávio Dino (PSB), do Maranhão, e João Doria (PSDB), de São Paulo, assumiram a linha de frente para desmentir Bolsonaro.

Na guerra da gasolina e do ICMS, Jair Bolsonaro sempre faz uma vítima: a verdade.

Leia também

Requião ‘desenha’ e põe fim à falsa polêmica do ICMS no preço abusivo da gasolina

Doria desmente Bolsonaro: “A culpa do aumento dos combustíveis não é do ICMS”

Flávio Dino mete fogo na gasolina cara de Bolsonaro e chama de “criminosos” apoiadores do presidente